Seneferu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Seneferu, Museu Egípcio

Seneferu ou Snefru foi o primeiro faraó da IV Dinastia do Antigo Egipto (ou foi um faraó da III Dinastia[1] ). Reinou entre 2630 a.C. e 2609 a.C. ou 2613 e 2589 , conforme a cronologia estabelecida pelos diversos investigadores.

Seneferu era filho do rei Huni e de Meresankh I, uma concubina ou esposa secundária que não seria de sangue real. Casou com Hetepherés I, provavelmente a sua meia-irmã, que seria filha de Huni com a sua esposa principal; desta forma o casamento com a meia-irmã teria como objectivo legitimá-lo como rei.

Um dos filhos de Seneferu e Hetepherés I foi Quéops, mais conhecido em português como Quéops, seu sucessor e monarca associado à grande pirâmide de Guiza (Gizé). Com outras esposas teve outros filhos e filhas, como Nefermaet e Kanefer, dois filhos que se seriam tjatis.

Durante seu reinado, hordas asiáticas invadiram o Delta, que ele defendeu construindo vários fortes na fronteira; estas construções foram lembradas e associadas ao seu nome por dez séculos.[1] Ele também teve problemas com as minas de cobre do Sinai, e, ao retomar seu controle, fez com que seu espírito fosse adorado pelas gerações seguintes como o deus protetor das minas.[1]

Seneferu ordenou uma campanha militar na Núbia, a respeito das quais as inscrições egípcias falam de milhares de prisioneiros.[1] Há razões para duvidar da historicidade destes relatos; estas intervenções teriam tido como objectivo essencial manter a ordem e impedir ataques ao Egipto por partes daqueles povos.

Em contrapartida, as expedições comerciais foram inúmeras. O rei ordenou expedições para explorar as minas de turquesa de Uadi Maghara no Sinai. Ele construiu uma frota de navios, e comerciou com Creta e a costa da Síria, trazendo do Líbano o seu famoso cedro.[1]

O rei notabilizou-se pela sua grande actividade arquitectónica. Durante o seu reinado surgiu pela primeira vez a pirâmide lisa no Egipto. A Seneferu estão associadas duas pirâmides, a maior das quais em Meidum.[1]

A pirâmide de Meidum foi provavelmente começada no reinado do seu antecessor. Quando a corte se mudou para Dahchur no ano 15 do reinado de Seneferu, o monarca ordenou a construção de uma pirâmide, conhecida hoje em dia como "romboidal", com arestas arqueadas que mudam de ângulo a meio da estrutura. Não se sabe se a arquitectura da pirâmide seria propositada ou um erro de construção.

A outra pirâmides em Dahchur é conhecida como a Pirâmide Vermelha. É considerada como a primeira verdadeira pirâmide construída no Egipto. Também está associada a este rei uma pequena pirâmide em degraus em Seila.

Foi durante o seu reinado que a arte egípcia adquiriu os padrões que a caracterizariam. O túmulo da sua esposa Hetep-Heres é revelador do requinte das artes neste período. Situado perto da grande pirâmide de Guiza (Gizé), encontrou-se nele um quarto de dormir com uma cama com pés em forma de patas de leão e uma grande cadeira com decoração com motivos vegetais.

Durante seu reinado, o faraó deixou de se preocupar com todos os detalhes do governo, havia um "grão-vizir", controlando os departamentos de Estado, e vários outros oficiais, além dos governadores das cidades.[1]

Ele foi sucedido por Quéops, mas a relação entre Seneferu e Quéops tida por alguns como desconhecida, Seneferu não teria deixado descendentes e Quéops já era uma figura importante na corte, mas em mackenzie Quéops é chamado de filho de Sneferu.[1]

O Papiro de Westcar também relata Seneferu como pai de Quéops: Então Baufre levantou-se e disse: Ouça, Vossa Majestade, uma maravilha que aconteceu no tempo de seu pai, o faraó Seneferu, justificado, realizada pelo chefe dos sacerdotes-leitores e escriba dos livros Djadjaemankh. . De acordo com o referido papiro, a frase foi dirigida por Baufre ao Faraó Quéops, o que corrobora a ligação de Quéops (Queops) como realmente filho de Seneferu e não meramente seu sucessor no trono.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h Donald Alexander Mackenzie, Egyptian Myth and Legend (1907), Capítulo X, The Great Pyramid Kings [em linha]
Precedido por
Huni
Faraó
V dinastia egípcia
Sucedido por
Quéops
Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.