Cleópatra III

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cleópatra III
Rainha do Egito
Governo
Consorte Ptolemeu VIII Evérgeta II
Dinastia Dinastia ptolemaica
Vida
Nascimento ca. 165 a.C.
Morte 101 a.C. (64 anos)
Filhos Ptolemeu IX Sóter II, Ptolemeu X Alexandre I, Cleópatra IV, Cleópatra Selene I, possivelmente Trifena
Pai Ptolemeu VI Filometor
Mãe Cleópatra II

Cleópatra Evérgeta (ca. 165/160 a.C. - 101 a.C.) foi uma rainha do Egipto ptolemaico.

Vários historiadores, textos e sites modernos a chamam de Cleópatra III, por exemplo, E. R. Bevan, The House of Ptolemy, Andrew Smith, site Attalus, Chris Bennett, site Ptolemaic Dinasty e Jona Lendering, site Livius, porém outros historiadores a chamam de Cleópatra Cocce (ou Kokke), com base em uma passagem de Estrabão, por exemplo, Samuel Sharpe, The history of Egypt under the Ptolemies (1838), John Gardner Wilkinson, Topography of Thebes, and general view of Egypt: being a short account of the principal objects worthy of notice in the valley of the Nile... ; with remarks on the manners and customs of the ancient Egyptians and the productions of the country (1835) e Thomas Young, An account of some recent discoveries in hieroglyphical literature, and Egyptian antiquities: Including the author's original alphabet, as extended by Mr. Champollion, with a translation of five unpublished Greek and Egyptian manuscripts (1823). William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, a chama de Cleópatra VI.[1]

Era filha da rainha Cleópatra II,[2] e seu pai possivelmente era Ptolemeu VI Filometor, irmão de Cleópatra II e Ptolemeu VIII Evérgeta II. Ptolemeu VI Filometor, Cleópatra II e Ptolemeu VIII Evérgeta II eram filhos de Ptolemeu V Epifânio e da rainha Cleópatra I.[3]

Em 142 a.C. [carece de fontes?] casou com o seu tio, Ptolemeu VIII Evérgeta II, que ao mesmo tempo era casado com a sua mãe.[2] Com Ptolemeu VIII Cleópatra teria dois filhos e duas filhas.[4] [Nota 1] Seus filhos com Ptolemeu VIII Evérgeta II foram Ptolemeu IX Sóter II e Ptolemeu X Alexandre I,[5] e sua filhas Cleópatra IV,[4] e Cleópatra Selene I;[4] Trifena, outra filha de Ptolemeu VIII,[6] poderia ser filha de Cleópatra III.[7]

Cleópatra odiava seu filho mais velho Ptolemeu IX Sóter II (que, segundo Pausânias, era chamado de Filometor, aquele que é amado pela mãe, por gozação), preferindo o filho Ptolemeu X Alexandre I, que seria mais subserviente.[8]

Em 132 a.C. Cleópatra II, sentindo-se relegada para segundo plano pela filha, liderou uma revolta contra Ptolemeu VIII que obrigou o rei e Cleópatra III a abandonar o Egipto, para se refugiarem em Chipre. Em 129 a.C. Ptolemeu VIII conseguiu reconquistar o Egipto e mãe e filha acabaram por se reconciliar, governando as duas rainhas em conjunto com Ptolemeu VIII nos próximos treze anos.

Ptolemeu VIII faleceu em 116 a.C.. O rei tinha designado Cleópatra III como herdeira, concedendo-lhe a possibilidade de nomear um dos seus filhos como co-regente. Entretanto, a mãe de Cleópatra morreria pouco depois de Ptolemeu.

Cleópatra preferia o seu filho mais novo como co-regente, mas a população de Alexandria obrigou Cleópatra a nomear o seu filho mais velho, Ptolemeu IX Soter II, como co-regente.[8] Ptolemeu X Alexandre I seria enviado para Chipre.[8]

Ptolemeu IX casou com a sua irmã, Cleópatra IV, mas Cleópatra III não concordou com o casamento, pois sabia que a sua filha tinha um personalidade independente, e forçou o divórcio dos filhos, obrigando Ptolemeu IX a casar com outra irmã, Cleópatra Selene I.[4]

Em 110 a.C. [carece de fontes?] Cleópatra III consegue que o povo se revolte contra Ptolemeu IX Sóter, mas, antes de ser morto, ele consegue fugir para Chipre,[9] e manda chamar o seu filho preferido de Chipre, que se torna o novo monarca.[9] No entanto, a co-regência durou pouco tempo e Ptolomeu Alexandre regressou a Chipre.

Em 108 a.C. conseguiu depor o seu filho sob acusão de tentativa de envenenamento contra a sua pessoa, incitando uma revolta que obrigou Ptolemeu IX a se exilar. Ao mesmo tempo ordenou o regresso do seu outro filho de Chipre (Ptolemeu X Alexandre I) declarando-o co-regente.

Em 102 a.C.,[10] Cleópatra se aliou a Alexandre Janeu; ela havia capturado Ptolemaida, e Alexandre Janeu, após ter sofrido com os Ptolemeus, buscou refúgio com a rainha.[11] Alguns de seus amigos a aconselharam a prender Alexandre e tomar suas posses, mas Ananias sugeriu que ela teria a inimizade dos judeus se o fizesse, e a rainha celebrou a aliança com Alexandre em Schythopolis, uma cidade da Celessíria.[11]

Cleópatra III faleceu em 101 a.C.,[carece de fontes?] assassinada por seu filho Ptolemeu X. [12] Ptolemeu X teve que fugir do Egipto, e Ptolemeu IX voltou a reinar.[12]

Notas e referências

Notas

  1. Mas o próprio Justino menciona três possíveis filhas: (1) Trifena, casada com Antíoco VIII Gripo, (2) Cleópatra IV, primeira esposa de Ptolemeu IX Sóter e casada, depois, com Antíoco IX de Cízico e (3) Cleópatra Selene I.

Referências

  1. William Smith, A Dictionary of Greek and Roman biography and mythology Cleopatra 6. [em linha]
  2. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 38.8 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  3. Os pais de Ptolemeu VI Filometor se baseia em Políbio, Histórias, Livro XXVIII, 20.9; o fato dos três serem irmãos se baseia em Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 38.8
  4. a b c d Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 39.3 [em linha]
  5. Eusébio de Cesareia, Crônica, 59, Sobre os que governaram o Egito e a cidade de Alexandria após Alexandre da Macedônia. Dos escritos de Porfírio
  6. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 39.2 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  7. Chris Bennett, Tryphaena [em linha]
  8. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.9.1
  9. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.9.2
  10. Andrew Smith, site www.attalus.org, 102 B.C. Olympiad 169.3 [em linha]
  11. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, 13 [em linha]
  12. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.9.3

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LIGHTMAN, Marjorie; LIGHTMAN, Benjamin - Biographical Dictionary of Greek and Roman Women. Checkmark Books, 2000. ISBN 0-8160-4436-8


Árvore genealógica baseada no texto, com algumas extrapolações (em pontilhado). Os netos de Cleopatra III são possivelmente filhos também de suas filhas:

 
 
 
 
 
Ptolemeu V Epifânio
 
 
 
 
 
 
 
 
Cleópatra I
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ptolemeu VIII Evérgeta II
 
 
 
 
Cleópatra II
 
 
 
 
Ptolemeu VI Filometor
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ptolemeu "Menfita" Neos Filopator
 
 
Cleópatra III
 
 
 
Ptolemeu VII Neos Filopator
 
Cleópatra Téia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ptolemeu IX Sóter II
 
 
 
 
Ptolemeu X Alexandre I
 
Cleópatra IV
 
Cleópatra Selene I
 
Trifena
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ptolemeu XII Neos Dionisos
 
 
 
Cleópatra
 
Ptolemeu XI Alexandre II