Merenré I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Caixa em marfim com o nome de Merenré I. Museu do Louvre

Merenré I (português europeu) ou Merenrê I (português brasileiro) foi o quarto faraó da VI dinastia egípcia.[1]

Sua pirâmide, em Saḳḳâreh, na necrópolis de Mênfis, continha, na câmara do sarcófago, partes dos textos das pirâmides, que foram encontrados por Maspero em 1880, trabalhando sob a direção de Auguste Mariette.[1]

Merenrê ("Amado de "), é o prenome (ou nome de coroação) deste rei; o seu nome de nascimento era Antiemsaf, "Anti é a sua protecção".

Era filho de Pepi I e da rainha Ankhesenmeriré I, com a qual Pepi casou na parte final da sua vida.

Conforme os egiptólogos, reinou cinco ou oito anos.

Foi possivelmente associado pelo pai ao trono nos últimos anos de vida deste. Julga-se ser Merenré o rapazinho representado numa estátua de cobre de Pepi I encontrada em Hieracômpolis.

Durante o seu reinado regista-se um interesse pela Núbia, para onde se enviam expedições e de onde chegam produtos exóticos. O pagamento de tributos por parte de chefes núbios na zona da Primeira Catarata do Nilo encontra-se documentada.

Merenré continua a exploração das minas do Sinai, bem como as pedreiras de Hatnub e de Assuão.

Nomeou como vizir e responsável pelo sul do Egipto Uni, general de origens humildes que já tinha exercido funções no tempo do seu pai.

Este rei está atestado em fontes contemporâneas numa caixa de marfim que se encontra hoje no Museu do Louvre e em várias biografias de funcionários. O Museu Nacional da Escócia possui uma pequena esfinge do rei.

Foi sepultado numa pirâmide em Sakara sul, próxima à pirâmide do seu pai. Esta pirâmide encontra-se inacabada, o que pode sugerir uma morte prematura do rei. Na câmara funerária foi encontrado o corpo de um jovem do sexo masculino, mas acredita-se que não corresponde ao rei, sendo resultado de uma reutilização posterior do túmulo.

Foi sucedido pelo seu meio-irmão, Pepi II, que teria cerca de seis anos e cujo reinado foi um dos mais longos da história faraónica.

Referências

  1. a b Samuel A. B. Mercer, tradutor de The Pyramid Texts (1952, copyright não renovado), Introduction [em linha]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PARCERISA, Josep Padró - História del Egipto faraónico. Madrid: Alianza Editorial, 1999. ISBN 84-206-8190-3
  • RICE, Michael - Who´s Who in Ancient Egypt. Routledge, 1999. ISBN 0-415-15448-0.


Precedido por
Pepi I
Faraó
VI dinastia egípcia
Sucedido por
Pepi II


Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.