Banco Pan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco Pan
Banco PanAmericano S/A
Slogan Melhorar a vida das pessoas através do crédito
Tipo Banco
Cotação BPAN4 (BOV) - R$ 3,46 (Em 08/08/2014)
Indústria Setor bancário.
Gênero Instituição financeira de Capital aberto.
Fundação 1990 (Banco multiplo)
Fundador(es) Silvio Santos
Sede São Paulo,SP
Áreas servidas Brasil
Proprietário(s) Silvio Santos (1969-2011)
Caixa Econômica Federal (desde 2010)
BTG Pactual (2011-)
Presidente José Luiz Acar
Pessoas-chave André Esteves (CEO do BTG Pactual)
Produtos Crédito direto ao consumidor

Financiamento à empresas Seguros

Parentesco BTG Pactual
Subsidiárias Baú da Felicidade
Acionistas BTG Pactual (51%)

CEF - Caixa Econômica Federal (49%)

Valor
de mercado
R$ 1,8 bi
Lucro - 70,4 mi (2T 2014)

- 182,9 mi (2013)

Antecessora(s) Real Sul S/A
Baú Financeira
Banco PanAmericano
Página oficial www.bancopan.com.br

O Banco Pan (até 15 de maio de 2013 era chamado de Banco PanAmericano[1] ) é um banco brasileiro, com sede em São Paulo, fundado por Senor Abravanel, mais conhecido como Silvio Santos, controlado de 1990 até 2011 pelo Grupo Silvio Santos[2] . Seu foco é o financiamento ao varejo, financiamento de veículos, cartões de crédito, empréstimo pessoal e consignado, muito embora haja uma nova campanha de expansão de produtos que fortalecerá a atuação do banco no setor imobiliário e de adquirência por meio de aquisições de empresas com a Brazilian Mortgages e Brazilian Securities (Que irão compor à nova marca Pan na sua casa). Presente em todas as capitais e principais cidades brasileiras e em seus mais de 28 mil parceiros comerciais, tem como essência "Melhorar a vida das pessoas através do crédito".

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Grupo Silvio Santos assumiu o controle acionário da Real Sul S/A, em 21 de fevereiro de 1969, uma empresa que atuava no mercado desde 1963 em São Caetano do Sul, e transformou-se na Baú Financeira S/A.

Em 1990, autorizado para atuar como banco múltiplo passou a ser denominado Banco PanAmericano S/A.

Em dezembro de 2009 a Caixa Econômica Federal (CEF) pagou R$ 739,2 milhões para adquirir parte do banco PanAmericano. O banco estatal, por meio da Caixa Participações S.A. (Caixapar), adquiriu pouco mais de um terço do capital total da instituição financeira. A Caixa comprou 49% das ações preferenciais mais 20,69% das ações preferenciais do PanAmericano. Considerando os dois tipos de ações, a Caixapar passou a deter 35,54% do capital total do banco.[3]

Roubo de 2010[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de novembro de 2010, Silvio Santos. Proprietário do Grupo Silvio Santos, anuncia empréstimo de 2,5 bilhões de reais para cobrir uma fraude contábil nos caixas do banco PanAmericano. O empréstimo, por Fundo Garantidor de Crédito e garantido por bens do patrimônio empresarial do Grupo Silvio Santos, foi necessário para restabelecer o pleno equilíbrio patrimonial porque o banco continuou contabilizando carteiras de crédito que já foram vendidas para outras instituições financeiras, falsificando assim o patrimônio.[4] [5]

Venda para o grupo BTG Pactual[editar | editar código-fonte]

Em 29 de janeiro de 2011, o jornal Folha de São Paulo anunciou que o rombo que o banco tinha era de 4,1 bilhões de reais (1,6 bilhões de reais a mais do que anunciado anteriormente). Em tal situação, Sílvio Santos vendeu o Banco PanAmericano S/A para o grupo BTG Pactual. O empresário não receberia nenhum valor em troca, já que o grupo BTG Pactual assumiu toda a dívida acumulada. Sílvio Santos disse ainda que as demais empresas do Grupo Silvio Santos não estão mais à venda[6] . Contrariando essa afirmação, em 31 de julho de 2011, a Magazine Luiza adquire o Baú da Felicidade.

Surge a marca Banco Pan[editar | editar código-fonte]

Em 15 de maio de 2013, o nome do banco muda para Banco Pan[7] , que segundo a diretoria, foi uma mudança estratégica a fim de agilizar os processos e aumentar a eficiência do banco, a divulgação da marca ocorre na final do Campeonato Paulista de futebol em uma decisão entre Corinthians e Santos quando o novo logo aparece estampado nas camisetas do alvinegro paulista, que foi campeão naquele dia.[8]

Prejuízos de 2013 e uma nova esperança para 2014[editar | editar código-fonte]

No quarto trimestre de 2013 o prejuízo liquido do banco aumentou para R$182,9 milhões, número maior que os 38,4 milhões das perdas no mesmo período de 2012. Esse resultado foi impactado principalmente pela adesão ao Refis, programa de negociação de débitos fiscais. [9]

Já em março de 2014 foi noticiado que os acionistas do banco (BTG Pactual e Caixa Econômica Federal) irão realizar juntos uma injeção de capital da ordem de R$ 1,5 bi, para fortalecer a estrutura patrimonial do banco e ficar em condições de utilizar os mais de 2 bilhões de reais em isenções fiscais que o banco possui em seu patrimônio, com essa injeção o índice de basileia do banco irá se elevar permitindo o aumento da carteira de crédito. Sobre este ponto, o banco possui acordos operacionais de cessão de crédito sem coobrigação, o que o permite operar com níveis baixos deste indicador.[10]

No primeiro trimestre de 2014 o resultado do banco foi negativo em 78,6 milhões de reais em função da decisão estratégica de ceder um menor volume de cessão de crédito sem coobrigação.[11] O aporte a ser realizado pelos acionistas do banco foi aprovado pelo conselho em uma operação que injetará aproximadamente 3 bilhões de reais somados os valores de BTG e Caixapar, além da emissão de mais papéis do banco para a bolsa de valores.[12] O banco fez também a mudança de seu ticker de negociação na Bovespa, tendo suas ações preferenciais BPNM4 alteradas para BPAN4 como parte a operação de reestruturação da marca.[13] Essas mudanças fizeram com que a agencia classificadora de risco Standard & Poor's retirasse a observação negativa do banco, mantendo a sua classificação global como BB/B com perspectiva estável.[14] Apesar dessas mudanças o banco apresentou resultado consolidado negativo em 70,4 milhões.[15] [16]

Referências

  1. http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/05/15/banco-panamericano-passa-a-se-chamar-banco-pan-e-muda-logotipo.htm
  2. http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/01/31/com-rombo-de-r-4-bi-silvio-santos-vende-banco-panamericano-ao-btg-pactual.jhtm
  3. Agencia Brasil: Caixa Econômica compra 35,5% do Banco PanAmericano por cerca de R$ 740 milhões agenciabrasil.ebc.com.br.. Página visitada em 20 de novembro de 2010.
  4. Folha.com - Mercado - Caixa promete ajuda na recuperação do PanAmericano - 19/11/2010 www1.folha.uol.com.br.. Página visitada em 20 de novembro de 2010.
  5. Agência Brasil: Banco PanAmericano recebe aporte de R$ 2,5 bilhões do Fundo Garantidor de Crédito agenciabrasil.ebc.com.br.. Página visitada em 20 de novembro de 2010.
  6. Folha de São Paulo (29/1/2011). Silvio Santos aceita vender o PanAmericano. Página visitada em 29/1/2011.
  7. Panamericano muda identidade visual e vira Banco Pan, G1. Acesso em 22/05/2013.
  8. http://www.corinthians.com.br/site/noticias/2013/05/17/19h23-id19088-com-banco-pan-corinthians-fecha-patrocinio-pontual-para-a-final-do-paulista.shtml
  9. http://economia.ig.com.br/mercados/2014-02-18/banco-pan-antigo-panamericano-tem-prejuizo-de-r-1829-milhoes-no-4-trimestre.html
  10. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/banco-pan-vai-receber-1-5-bilhao-dos-socios-de-btg-e-caixa
  11. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/banco-pan-registra-prejuizo-de-r-78-6-mi-no-1o-trimestre-2
  12. [1].
  13. [2].
  14. [3].
  15. [4].
  16. [5].

Ligaçôes externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.