Luís de Freitas Branco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís de Freitas Branco
Informação geral
Nome completo Luís Maria da Costa de Freitas Branco
Nascimento 12 de outubro de 1890
Local de nascimento Lisboa
Reino de Portugal Portugal
Data de morte 27 de novembro de 1955 (65 anos)
Local de morte Lisboa,  Portugal
Ocupação(ões) Compositor, instrumentista
Instrumento(s) Piano, órgão, violino

Luís Maria da Costa de Freitas Branco (Lisboa, 12 de Outubro de 1890Lisboa, 27 de Novembro de 1955) foi um compositor português e uma das mais importantes figuras da cultura portuguesa do século XX.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Educado no meio familiar, cedo tomou contato com a música, aprendendo violino e piano. Aos 14 anos compõs canções que atingiram grande popularidade. Aos 17 iniciou a crítica musical no "Diário Ilustrado". Estudou também órgão.

Em 1910 viajou até Berlim para estudar composição, música antiga e metodologia da história da música. Em Maio de 1911 foi para Paris, onde conheceu Claude Debussy e a estética do Impressionismo. Em 1915 participou nas Conferências da Liga Naval sobre a "Questão Ibérica", promovidas pelo Integralismo Lusitano. Em 1916, foi nomeado professor no Conservatório de Lisboa, de que foi subdirector entre 1919 e 1924; foi professor de, entre outros, Joly Braga Santos e Maria Campina.

Desenvolveu actividade em diversos domínios da vida cultural.

Manteve estreitas relações com diversas figuras, como Alberto Monsaraz, António Sardinha, Hipólito Raposo, Bento de Jesus Caraça e António Sérgio.

A partir de 1940 foi acusado de "irreverente" por se comportar de maneira "imprópria" nas aulas e por fatos da vida familiar, sendo constituído arguido num processo do qual resultaria a sua suspensão como docente no Conservatório. Realizou então palestras na Emissora Nacional e manteve tertúlias com um grupo de discípulos.

Está sepultado no cemitério dos Prazeres em Lisboa.

Era irmão do maestro português Pedro de Freitas Branco.

Desposou Estela Diniz de Ávila e Sousa, não tendo havido descendentes.

Teve um filho de Maria Clara Dambert Filgueiras, de ascendência belga: João de Freitas Branco.

Obras[editar | editar código-fonte]

Orquestra Sinfónica[editar | editar código-fonte]

  • Scherzo fantastique (1907)
  • Antero de Quental, poema sinfónico (1907)
  • Depois de uma leitura de Júlio Diniz, poema sinfónico (1908) [não localizado]
  • Depois de uma leitura de Guerra Junqueiro [Fantasia], poema sinfónico (1909)
  • Paraísos Artificiais, poema sinfónico (1910)
  • Três Fragmentos sinfónicos das «Tentações de São Frei Gil» (1911-12)
  • Vathek, poema sinfónico (1913-14)
  • Viriato, poema sinfónico (1916)
  • 1.ª Suite Alentejana (1919)
  • 1.ª Sinfonia em fá maior (1924)
  • 2.ª Sinfonia em si bemol menor (1926-27)
  • 2.ª Suite Alentejana (1927)
  • Abertura Solene «1640» (1939)
  • 3.ª Sinfonia em mi menor (1930-44)
  • Homenagem a Chopin (Peça em Forma de Polaca) (1949) [não localizada]
  • Solemnia Verba, poema sinfónico (1950-51)
  • 4.ª Sinfonia em ré maior (1944-52)

Instrumento Solista e Orquestra[editar | editar código-fonte]

  • Cena Lírica para violoncelo e orquestra (1916)
  • Concerto para Violino e Orquestra (1916)
  • Balada para piano e orquestra (1917)
  • Variações e Fuga Tríplice Sobre um Tema Original para orquestra de cordas e órgão (1946-47)

Voz Solista e Orquestra[editar | editar código-fonte]

  • Aquela Moça para soprano ou tenor e orquestra (1904 – data da orq.?)
  • Soneto de Camões / A Formosura desta Fresca Serra para soprano e orquestra (1907 – orq. 1935)
  • Canção Portuguesa / Canção do Ribatejo para soprano ou tenor e orquestra (1907 – orq. 1929)
  • Canto do Mar para soprano ou tenor e orquestra (1918)
  • Commiato / Despedida, cena dramática para barítono (ou baixo) e orquestra (1920 – orq. 1949)
  • Oito Canções Populares Portuguesas para soprano e orquestra (1943 – orq. 1951)

Música Coral-Sinfónica[editar | editar código-fonte]

  • Manfred, Sinfonia Dramática para Solos, coro e Orquestra (1905-6)
  • [Oratória «Tentações de São Frei Gil» para solistas, coro e orquestra (1911/12) - destruída]
  • Canto do Natal (canção ribatejana para coro e orquestra (s/d)
  • Noemi, cantata bíblica para solo, coro, orquestra e órgão (1937-39)

Orquestra de Cordas[editar | editar código-fonte]

  • A Morte de Manfred para instrumentos de cordas (1906)
  • Duas melodias para orquestra de cordas (1909)
  • Lento [do Quarteto de Cordas de 1911, versão para orquestra de cordas]
  • Tentação da Morte das «Tentações de São Frei Gil» (1911-12) [ver Três Fragmentos sinfónicos das «Tentações de São Frei Gil»]
  • Variações e Fuga Tríplice Sobre um Tema Original para orquestra de cordas (1946-47) [versão sem órgão]

Música de Câmara[editar | editar código-fonte]

  • A Morte de Manfred para instrumentos de cordas (sexteto de 2 violinos, violeta, 2 violoncelos e contrabaixo) (1906)
  • Marcha Comemorativa para violino, violoncelo e piano (1908)
  • Trio para violino, violoncelo e piano (1908)
  • 1.ª Sonata para Violino e Piano (1908)
  • Prelúdio e Fuga para violino solo (1910) [não localizado]
  • Prélude para violino e piano (1910)
  • Quarteto de Cordas (1911)
  • Sonata para Violoncelo e Piano (1913)
  • Tema e Variações para três harpas e quarteto de cordas (s/d – 1920/21?)
  • 2.ª Sonata para Violino e Piano (1928)

Voz e Piano[editar | editar código-fonte]

  • Aquela Moça (poema de Augusto de Lima) (1904)
  • Contrastes (poema de João de Vasconcelos e Sá) (1904)
  • A Formosura desta Fresca Serra para voz e piano (soneto de Camões) (1907)
  • Canção Portuguesa / Canção do Ribatejo (versos populares) (1907)
  • Nachtschwalbe (poema de Hermann Hango) (1908)
  • Liebestraum (poema de E. Krohn) (1908)
  • Calme-toi (poema do compositor) (1909)
  • Dernier voeu (versos de Théophile Gautier) (1909)
  • Trilogia «La mort» (poemas de Charles Baudelaire) (1909)
  • Recueillement / Recolhimento (poema de Charles Baudelaire) (1909)
  • Élévation / Elevação (poema de Charles Baudelaire) (1909)
  • O Suspiro (letra de Píndaro Diniz) (1909)
  • La glèbe s’amollit (poema de Jean Moréas) (1911)
  • A Elegia das Grades (versos de Mário Beirão) (1911) [in Quatro Melodias]
  • Ciclo Maeterlinckiano (poemas de Maurice Maeterlinck) (1913)
  • Dois Poemas de Mallarmé (1913)
  • O Motivo da Planície (versos de António Sardinha) (1915) [in Quatro Melodias]
  • Minuete (versos de António Sardinha) (1915) [in Quatro Melodias]
  • Soneto dos Repuxos (versos de António Sardinha) (1915)
  • O Culto Divinal Se Celebrava / Soneto (soneto de Camões) (1916) [in Quatro Melodias]
  • Exercício de Solfejo para voz e piano (1919)
  • Frivolidade (Um simples lenço de seda) (versos de Silva Teles) (1920)
  • Duas Poesias de Lorenzo Stecchetti (1920)
  • A Lágrima (versos de Augusto Gil) (1922)
  • Hino à Razão (soneto de Antero de Quental) (1932)
  • Melodia / A Lilial Virgem Maria (poema de Eugénio de Castro) (1938)
  • Três Sonetos de Antero (A Sulamita, 1934
  • Idílio; 1937;
  • Sonho Oriental, 1941)
  • A Ideia. Ciclo Anteriano (1937-1943)
  • 27 Harmonizações de Canções Populares Portuguesas (1943)
  • Cá nesta Babilónia (soneto de Camões) (1951)

Piano[editar | editar código-fonte]

  • Albumblätter (1907)
  • Minuetto all’antica (1907)
  • Arabesques (1908)
  • Valsa (1908)
  • Prelúdio e Fuga para piano ou órgão (1908)
  • Romança sem Palavras (1908)
  • Nocturne (s/d – 1908?)
  • Impromptu (s/d, 1908?)
  • Prélude (1909)
  • Poésie de Charles Baudelaire (1909) [versão para piano solo da melodia La mort des amants]
  • Mirages (1910-11)
  • Luar (1916)
  • Três Peças para Piano: Capricietto, Prelúdio e Rêverie (1916)
  • Dez Prelúdios (dedicados a Viana da Mota) (1914-18)
  • Duas Danças (1917)
  • Sonatina [Peça para Crianças] (1922-23)
  • Quatro Prelúdios (dedicados a Isabel Manso) (1940)

Órgão, Harmónio[editar | editar código-fonte]

  • Suite ancienne para órgão (1908)
  • Prelúdio e Fuga para piano ou órgão (1908)
  • Chant religieux portugais para harmónio [ou órgão] (1913)
  • Ária para harmónio [ou órgão] (1913)
  • Coral para órgão (1913)
  • Música de cena para a peça Octávio de Vitoriano Braga para órgão ou harmónio (1916)
  • Rapsódia Portuguesa para órgão (1938)

Música Sacra para Vozes e Órgão[editar | editar código-fonte]

  • Sub tuum presidium a duas vozes a cappella (1912)
  • Tota pulchra es a uma voz e órgão (1912)
  • Veni Sancte a uma voz e órgão (1912)
  • O Salutaris a uma voz e órgão / para quatro vozes mistas a cappella (1912)
  • Tantum ergo a três vozes (com órgão ad libitum) (1912)
  • Responsórios do Espírito Santo a três vozes e órgão (1914)
  • Bendito a uma voz e órgão (s/d)
  • Te Deum para vozes e órgão (1915) [não localizado]
  • Veni Sancte a duas vozes e órgão (1915)
  • O Gloriosa a uma voz e órgão (1916)
  • Hino a Santa Teresinha para coro a uma voz e órgão (1925)

Coro Misto a cappella[editar | editar código-fonte]

  • Modinha (versos de João de Deus) (1937)
  • Dez Madrigais Camonianos (1930-1935-1943)
  • 6 Harmonizações de Canções Populares Portuguesas (1943)
  • Canção da Pedra [Pedra Informe] (1950)

Coro Feminino a cappella/com piano[editar | editar código-fonte]

  • Canção das Maçadeiras, harmonização de canção popular para solo vocal, coro feminino e piano (1943)
  • Nossa Senhora, harmonização de canção popular para solo vocal, coro feminino e piano (1943)
  • Dança Pastoril para coro feminino a cappella (1948)
  • Dez Madrigais Camonianos [Redondilhas] para coro feminino a cappella (1943/49)

Coro Masculino a cappella/com piano[editar | editar código-fonte]

  • Lembras-me para coro masculino a cappella (versos de João de Deus) (1931)
  • Marcha Militar para coro masculino a cappella (poesia de Carlos Queirós) (1935)
  • Eu hei-de ir, harmonização de canção popular para tenor solo, coro masculino e piano (1943)
  • Canção do Pastor para tenor solo e coro masculino (versos do compositor) (1948)
  • Dez Madrigais Camonianos para coro masculino a cappella (1943/49)
  • Duas Canções ao Gosto Popular [Duas Danções Revolucionárias] para solo vocal, coro masculino e piano (1950)

Música para Cinema[editar | editar código-fonte]

  • Gado Bravo de António Lopes Ribeiro (1934)
  • Douro, Faina Fluvial de Manuel de Oliveira (1934)
  • Vendaval Maravilhoso de Leitão de Barros (1949)
  • Frei Luís de Sousa de António Lopes Ribeiro (1950)
  • Algarve d’Além-Mar de António Lopes Ribeiro (1952)

Música de Cena[editar | editar código-fonte]

  • Música de cena para a peça Octávio de Vitoriano Braga, para órgão ou harmónio (1916)
  • Música de Cena para o Auto da Primavera de Alfredo de Freitas Branco, para vozes e piano ou órgão (s/d – publ. 1919)
  • Canção para o Auto da Índia de Gil Vicente, para voz feminina (1938)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]