Poder Paralelo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Poder Paralelo
Another Power (Título Internacional)[1]
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 1 hora aprox.
Criador(es) Lauro César Muniz
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Ignácio Coqueiro[2]
Elenco Gabriel Braga Nunes
Miriam Freeland
Tuca Andrada
Marcelo Serrado
ver mais.
Tema de abertura "Bellissimo Così" (Laura Pausini)
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Record
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 14 de abril de 2009[3] - 2 de março de 2010
N.º de episódios 239
Cronologia
Último
Último
Chamas da Vida
Ribeirão do Tempo
Próximo
Próximo

Poder Paralelo é uma telenovela brasileira produzida e exibida no Brasil pela Rede Record, estreando a 14 de abril de 2009[3] e em Portugal exibida pela RTP1 e SIC. Escrita por Lauro César Muniz e dirigida por Ignácio Coqueiro[2] , a telenovela passou, durante a sua exibição, por várias mudanças de horário, até seu fim, em 2 de março de 2010. O folhetim estreou às 22h 0, mas em conta da estreia de A Fazenda, mudou para às 21h30. Pouco tempo depois, mudou para às 22h 20. Depois o folhetim se encaixou o horário das 23h00, ficando neste horário - hoje ocupado por reality shows - até o fim da telenovela. A telenovela é baseada no livro Honra ou Vendeta.

Contou com Gabriel Braga Nunes, Miriam Freeland, Paloma Duarte, Petrônio Gontijo, Adriana Garambone, Patrícia França, Guilherme Boury, Tuca Andrada, Nicola Siri, Maria Carolina Ribeiro, Karen Junqueira e Marcelo Serrado interpretam os papéis principais.

Produção[editar | editar código-fonte]

A pedido do ministro do STF Gilmar Mendes, um personagem egresso do sistema penitenciário foi incluído[4] .

Cenas de sexo teriam sido cortadas.[2]

A atriz Paloma Duarte teria cogitado sair da produção após se desentender com o ator Marcelo Serrado, mas a Direção de Teledramaturgia da Rede Record teria declarado que a atriz nunca havia sequer cogitado deixar a produção[5] .

Enredo[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg A história começa em Palermo. Um atentado é preparado e um homem será assassinado. A ordem parte do Brasil, mas a vítima está na Itália. É Tony Castellamare (Gabriel Braga Nunes), um brasileiro de origem italiana que é suspeito de ligações com a máfia. Mas o crime é interceptado por Téo (Tuca Andrada), delegado da Polícia Federal Brasileira e chefe da operação que investiga uma poderosa conexão do narcotráfico. Numa ação rápida, o delegado impede que Tony morra com a explosão de uma bomba em seu carro, mas não consegue evitar a pior tragédia. A Condessa Marina di Salaparuta (Daniela Galli), a mulher de Tony, e suas filhas gêmeas morrem numa terrível explosão criminosa. Tony não consegue chegar a tempo de impedir que a mulher entre no carro e vê a família morrer.
Atingido pela tristeza, Tony descobre que a ordem para matá-lo partiu do Brasil e decide se vingar.
Cquote2.svg
Trecho da sinopse oficial.[6]
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Tony, acompanhado do filho Eduardo, se muda para o Brasil, se hospedando na casa de seus pais, os italianos "Don Caló" e "Mamma Freda". A falta de definição quanto ao envolvimento de Tony com a máfia intriga Téo, delegado que investiga uma suposta rede de narcotráfico que ligaria criminosos no Brasil e na Itália e seria liderada por um misterioso comandante conhecido apenas como "Capo".[6]

No final da trama Bruno morre numa explosão de carro armada por Don Caló e Tucci, Don Caló morre também na explosão. Maura e Rafael terminam juntos e Nina é condenada a pena de serviços comunitários vivendo assim ao lado de Pedro. Nasce o filho de Tony com Fernanda Lira. Tony e Lígia terminam juntos. E Fernanda vai viver na Espanha com seu filho.

Romances[editar | editar código-fonte]

Tony conhece, pouco antes do atentado contra sua família, a jornalista brasileira Lígia, encarregada de investigar sua vida e obter uma matéria para a revista em que trabalha. Ela se sensibiliza com o sofrimento de Tony ao perder a esposa e as filhas e, com o desenvolver da trama, se vê envolvida com ele.[6]

O personagem Bruno Villar, inicialmente visto como um personagem ambíguo tal qual Tony[7] , é um empresário casado com Maura e é pai de Luísa, Pedro e Junior. Bruno tem na atriz Fernanda Lira, uma amante. Mas a presença de Tony atrapalha esse relacionamento. Pedro, filho de Bruno, se recusa a seguir os passos do pai assumindo as empresas da família e apaixona-se por Nina, funcionária da empresa e muito mais velha que ele. A irmã de Pedro, Luísa, se vê como parte de um triângulo amoroso entre seu noivo, André, e o fotógrafo "Dog".[6]

Assassinatos[editar | editar código-fonte]

A partir do capítulo exibido a 3 de novembro de 2009, alguns personagens da novela foram misteriosamente assassinados, sempre mantendo um clima de suspense com o anonimato do responsável, de forma que as suspeitas recaiam sempre sobre Bruno Vilar ou Tony Castellamare. Há dois detalhes comuns a todos os crimes: o primeiro é que as vítimas foram todas mortas com um único tiro na cabeça de uma pistola com silenciador, de modo a não atrair atenções de terceiros; o outro é o fato de sempre aparecer uma fotografia do criminoso mirim conhecido por "Guri" afixada aos cadáveres como assinatura das mortes. Todas as mortes foram provocadas por Paulo Garzia (Nicola Siri) com a ajuda de Neide. Paulo arquitetou tudo, a começar pelas mortes da esposa e filhas gêmeas de Tony em Palermo, na intenção de colocar os Castellamare e os Vilar em guerra entre si, a fim de destruir os dois lados e então tomar para si mesmo os postos de líder das máfias sem jamais levantar suspeitas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O protagonista, Tony Castellamare, é interpretado pelo ator Gabriel Braga Nunes, que em 2006 havia protagonizado Cidadão Brasileiro, também escrita por Muniz. Tony é, na visão do autor, um personagem ambíguo, podendo ser "tanto um chefe mafioso quanto um policial infiltrado no crime organizado"[8] .

Miriam Freeland interpreta Lígia Brandão, uma jornalista que se envolve com Tony após começar a investigá-lo para uma reportagem, logo no início da trama.[6] [8] Gracindo Júnior interpreta o pai de Tony, Don Caló, um italiano que veio morar em São Paulo ainda jovem, fugindo de um conflito entre famílias mafiosas. Sua esposa, "Mamma Freda", é interpretada por Lu Grimaldi. Petrônio Gontijo interpreta Rodolfo "Rudy" Castellamare e Karen Junqueira, a caçula da família, Regina "Gigi" Castellamare. Paloma Duarte interpreta Fernanda Lira, uma renomada atriz brasileira.

Tuca Andrada e Maria Ribeiro protagonizam o núcleo de membros da Polícia Federal Brasileira. Ele interpreta Telônio "Téo" Meira, delegado responsável pela investigação do caso de Tony ela, Marília de Castro, uma investigadora perita em computadores[9] [10] . O ator Bruno Padilha interpreta Renato, membro da equipe[6] .

Marcelo Serrado interpreta Bruno Villar[7] [9] e Nicola Siri, Paulo Garzia.

Audiência[editar | editar código-fonte]

A novela estreou marcando 15 pontos de média, 17 pontos de pico e 22% de share no Ibope medido na Grande São Paulo registrando, assim, o segundo lugar isolado.[11] Já no Ibope medido no Rio de Janeiro, a novela obteve 19 pontos de média, 23 pontos de pico e 30% de share, números que lhe garantiram o segundo lugar isolado, com 6 minutos na liderança.[12]

A menor audiência registrada foi de 8 pontos de média e ocorreu em 15 de junho de 2009. Neste dia, uma segunda-feira, a novela concorreu com a exibição do último capítulo de Revelação, novela exibida pela concorrente SBT, que também obteve 8 pontos de média.[13]

Exibição Internacional[editar | editar código-fonte]

Exibição pelo mundo
País Canal Título local
Brasil Rede Record Poder Paralelo
 Portugal RTP
SIC
 Moçambique TV Miramar
Cabo Verde Cabo Verde Record Cabo Verde
 Japão Record Japão
União Europeia Record Europa
República Dominicana Telemicro

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Capa: Logotipo da novela

  1. "Bellissimo Cosí" - Laura Pausini
  2. "L'Amore Che Viene" - Andrea Sisti e Paula Morelenbaum
  3. "Falando Sério" - Maurício Manieri
  4. "Luiza" - Gabriel Guerra
  5. "I Migliori Anni Della Nostra Vita" - Jim Porto e Coral das Princesas de Petrópolis
  6. "Estou Morrendo Aos Poucos" - KLB
  7. "Firmamento (Wrong Girl To Play With)" - Opinião Pública" - part. especial Tony Garrido
  8. "Ronda" - Mariana Belém
  9. "Lucevan Le Stelle" - Carlos Slivskin
  10. "Insensatez" - Fernanda Takai
  11. "Os Cegos Do Castelo" - Milena Monteiro
  12. "Chuva De Verão" - Mariana Bravo
  13. "Saindo De Mim" - Aline Muniz
  14. "Fim De Tarde (Perdi Você)" - Soraia Bauer
  15. "Amar Assim" - Mauricio Gasperini
  16. "Vou Ganhar Você" - Franco Levine

Outras informações[editar | editar código-fonte]

  • Poder Paralelo foi uma novela extremamente Policial, com tramas ágeis e cenas empolgantes, que agradaram em cheio a crítica, que a considera a melhor novela já produzida pela Record
  • Lauro César Muniz inspirou-se no Livro "Honra Ou Vendeta" do jornalista Silvio Lancelotti como sinopse original da trama principal da novela, porém Lauro criou mais personagens por achar que só os personagens do livro não seriam suficientes para uma Novela
  • Poder Paralelo é mais uma das novelas da Record com Forte tramas policiais juntando-se a Chamas da Vida, Vidas Opostas e Prova de Amor.
  • Nos Momentos finais da novela Lauro César introduziu um mistério na Novela "Quem é o Gury", um seria killer que assassinara vários personagens da trama, misteriosamente, o mistério chamou grande atenção da mídia e do público, e se tornou um dos maiores mistérios da Tv Brasileira, como o "Quem Matou Odete Roitmann?" em Vale Tudo, "Quem é o Assassino Do Horóscopo Chinês?" em A Próxima Vítima, "Quem Matou Salomão Hayala"? em O Astro ,"Quem Explodiu o Shopping em Torre de Babel?", "Quem Matou Miguel Fragonard?" em Água Viva, "Quem Matou o Barão De Sobral?" em Força de um Desejo ,"Quem Matou Lineu Vasconcellos?" em Celebridade, "Quem Matou Taís Grimaldi?" em Paraíso Tropical, "Quem Matou Estevão?" em Cobras e Lagartos, "Quem é o Incendiário?" em Chamas da Vida, "Quem Matou Lopo Jr.?" em Prova de Amor e "Quem Matou Saulo Gouvea em Passione ?", "Quem é o assassino do bolão?" em Vidas em Jogo, "Quem Matou Max Oliveira em Avenida Brasil?". No último capítulo descobriu-se que o assassino era Paolo Garzia, o conselheiro e amigo de Tony.

Referências

  1. Another Power Record TV Network. Visitado em 6 de julho de 2014.
  2. a b c [1] Folha.com.
  3. a b Exclusivo: Poder Paralelo estreia com audiência abaixo de Chamas da Vida NaTelinha. Visitado em 25 de junho de 2011.
  4. [2] Folha.com.
  5. [3] Folha.com.
  6. a b c d e f [4] R7.com Rederecord.r7.com.
  7. a b [5] Folha.com.
  8. a b [6] Folha.com.
  9. a b [7] Folha.com.
  10. [8] Folha.com.
  11. Na Telinha - Exclusivo: Poder Paralelo estreia com audiência abaixo de Chamas da Vida Universo Online Natelinha.uol.com.br. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  12. AdNews - "Poder Paralelo" estreia com boa audiência no Rio Adnews.com.br. Visitado em 4 de agosto de 2009.
  13. O Fuxico - Audiência Terra Networks OFuxico.terra.com.br (15 de junho de 2009). Visitado em 4 de agosto de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]