Religião nos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A religião nos Estados Unidos é caracterizada por uma grande diversidade de crenças e práticas. Vários credos religiosos tem florescido, assim como perecido, nos Estados Unidos. As religiões que abrangem a herança multicultural dos imigrantes no país, bem como as fundadas no interior do país, levou os Estados Unidos a se tornar um dos países com maior diversidade religiosa do mundo.[1] A maioria dos americanos relatam que a religião desempenha um papel "muito importante" em suas vidas, uma proporção única entre as nações desenvolvidas.[2]

A maioria dos americanos (73 a 80%) se identificam como cristãos e cerca de 15 a 20% não têm nenhuma afiliação religiosa.[3] [4] De acordo com a Pesquisa Americana de Identificação Religiosa (PAIR) (2008), 76% da população adulta se identificou como cristã, com 25% definindo-se católicos e 51% se identificando como cristãos abrangendo cerca de 30 grupos religiosos diferentes.[3] [5] A mesma pesquisa afirma que outras religiões (incluindo, por exemplo, o judaísmo, o budismo, o islamismo e o hinduísmo) compõem cerca de 4% da população adulta, outros 15% da população adulta afirmaram não ter filiação religiosa, e 5,2% disseram não saber, ou se recusaram a responder.[3] De acordo com uma pesquisa de 2012 do fórum Pew, 36% dos Americanos alegam frequentar os cultos quase todas as semanas ou mais.[6]

Apesar de um alto nível de adesão religiosa, em 2008 somente 9% dos americanos disseram em uma pesquisa que a religião era a coisa mais importante de suas vidas, em comparação com os 45% que disseram que a família foi fundamental em sua vida e 17% que disseram que dinheiro e carreira foi fundamental.[7]




Circle frame.svg

Religião dos Estados Unidos

  Cristianismo (76%)
  Outras religiões (4%)
  Sem religião (15%)
  Não sabe (5%)

As maiores preferências religiosas dos americanos [8][editar | editar código-fonte]

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

A maior religião dos EUA é o cristianismo, cerca de 78,4% da população é cristã. Tradicionalmente a maioria dos americanos eram majoritariamente protestantes, mas pela primeira vez em 2011 o grupo atingiu porcetagem menor que metade da população. Ainda assim os americanos continuam sendo de maiora protestante somando 48% ou ainda ma maioria crentes 51% somando afiliações mórmons. O cristianismo foi introduzidos durante o período da colonização européia. O cristianismo é uma das religiões que mais cresce nos EUA. Isto se deve, entre outros fatores, pelo elevado número de imigrantes latino-americanos e filipinos que o país recebe a cada ano. A região com a maior concentração de católicos é o Nordeste, que apesar de ter sido colonizada por puritanos, recebeu grande número de imigrantes católicos europeus (principalmente alemães, irlandeses e italianos) a partir da segunda metade do século XIX. O Norte, área de forte influência da Igreja Batista, por outro lado, é a região com a menor porcentagem de católicos.

Os Ingleses, Alemães, Escoceses, Holandeses, Noruegueses entre outros do norte europeu introduziram o Protestantismo, enquanto os franceses, espanhóis e irlandeses trouxeram o Catolicismo . Entre protestantes, os aderentes do Anglicanismo (fora da Inglaterra, a igreja anglicana é chamada de Igreja Episcopal), Batistas, Calvinismo, Puritanismo, Presbiterianismo, Luteranismo, Quakerismo, Amish e a Igreja de Moravian eram os primeiros a estabelecer-se nos EUA que espalham sua fé no novo país.

Desde então, os cristãos americanos tomaram seu próprio trajeto. Durante o evangelismo dos grandes despertadores, Pentecostalismo e Fundamentalismo cristão emergiram, junto com denominações protestantes novas como o Adventismo, e filiais novas do Restauracionismo, particulamente de Testemunhas de Jeová e de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecida como Mormonismo. Hoje, com 16.6 milhões de aderentes (5.3% da população total), os batistas do sul são a maior denominação protestante. A força de várias seitas varia extremamente em regiões diferentes do país, em minoria devido a grande presença cristã evangélica dessa nação, também nas partes rurais do sul (exceto Louisiana e a comunidade latino-americana. Os Mórmons são predominantes em Utah, em Idaho, e em estados vizinhos, como Arizona, Colorado e Washington.

Em 2001, menos de 8% da população dos estados de Nova Iorque, Nova Jérsei e Vermont se declarava católica. Hoje este número se encontra acima dos 14%. Na Geórgia, a porcentagem passou de 8% para 9%. No Novo México, entretanto, caiu de 41% para 17%. Apesar de ser majoritário apenas em Rhode Island, o catolicismo é a maior denominação religiosa de 35 dos 50 estados do país. Atualmente, nenhum estado tem menos de 9% de católicos. Em 2001, havia dois: Virgínia Ocidental e Mississippi. Em média, a cada ano, a Igreja Católica diminue 3% nos Estados Unidos.

Apesar de seu status de religião mais difundida e mais influente nos EUA, o Cristianismo está num declínio relativo contínuo. Quando o número absoluto de cristãos foi levantado de 1990 a 2001, a porcentagem cristã da população caiu de 88.3% para 79.6%.

Indiferentismo religioso[editar | editar código-fonte]

A informação recente do censo indicou que "nenhuma identificação religiosa" teve o maior aumento na população em termos de porcentagem. As figuras são acima de 14.3% milhões em 1990 a 29.4% milhões em 2001. Os EUA é o único país desenvolvido que tem uma porcentagem relativamente baixa de pessoas que declaram não ter nenhuma opção religiosa, mas a fluidez da religião no país é elevada, como um estudo feito pelo fórum da Pew Global que mostra que metade da população tinha abandonado a fé na sua infância. Os resultados negativos de religiões organizadas tendo como resultado os ataques terroristas de 11 de setembro e a emergência de grupos cristãos fundamentalistas que fazem campanhas contra a evolução e o aborto foram as razões para o crescimento do número de correntes de questionamento da religião e o abandono completo da mesma. Ateus equivalem a 1,6% conforme dados de 2007 [6].

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

Após o Cristianismo e Sem-Religião, o Judaísmo é a quarta maior preferência religiosa nos EUA. Os judeus atuais estam presentes nos EUA desde o século XVII, embora a imigração em grande escala não tenha ocorrido até o século XIX, em maior parte por causa das perseguições na Europa Oriental. O CIA Fact Book estima que 1% dos americanos pertencem a esse grupo. Aproximadamente 25% dessa população vive em Nova York.

Um significativo número de pessoas identificam-se como judeus americanos em terras étnicas e culturais, melhor que outros religiosos. O estudo 2001 ARIS demonstrou que há aproximadamente 5.3 milhões de adultos na população judaica americana: 2.83 milhões de adultos (1.4% da população adulta dos EUA) são estimados como aderentes do Judaísmo; 1.08 milhões são estimados como aderentes a nenhuma religião; e 1.36 milhões são estimados como aderentes de uma religião diferente do Judaísmo.

De acordo com o National Jewish Population Survay de 2001, 4.3 milhões de americanos judeus tem uma grande conexão com a comunidade Judaica, do que outras religiões ou culturas. Judeus são geralmente considerados mais como um grupo étnico do que uma religião. Cerca de 4.3 milhões de americanos judeus consideram-se "fortemente conectados" ao Judaísmo, cerca de 80% tem alguma sorte no compromisso com o Judaísmo, variando do comparecimento em serviços diários ao Sêder de Pessach ou iluminando velas de Hanukkak. Destes 4.3 milhões de judeus fortemente conectados, 46% pertencem a uma sinagoga. Entre aqueles que pertemcem a uma sinagoga, 38% são membros de sinagogas de reforma, 33% conservadoras, 22% ortodoxas, 2% Judaísmo Reconstrucionista e 5% de outros tipos. O exame descobriu também que os judeus do Nordeste e do Centro-Oeste são geralmente mais praticantes do que judeus do Sul ou ocidentais. Refletindo também uma tendência observada também entre outros grupos religiosos, os judeus do Noroeste dos Estados Unidos são tipicamente os menos praticantes.

Em anos recentes, houve uma tendência visível de judeus americanos seculares chamada Baalei Teshuva na qual se faz o retorno às práticas religiosas, na maioria dos casos seguindo a corrente Ortodoxa.

Budismo[editar | editar código-fonte]

O Budismo entrou nos EUA durante o século XIX com a chegada dos primeiros imigrantes da Ásia Oriental. O primeiro templo budista foi estabelecido em San Francisco em 1853 pelos chineses-americanos.

Ao longo do século XIX, missionários budistas do Japão vieram aos EUA. Simultaneamente a estes processos, certos intelectuais dos EUA ficaram interessados pelo budismo.

O primeiro cidadão proeminente dos EUA a se converter ao budismo foi Henry Steel Olcott. Um evento que contribuiu para o crescimento do budismo nos EUA era o Parlamento das religiões do mundo em 1893, que foi atendido por muitos delegados budistas vindos da China, Japão, Tailândia e Sri Lanka.

O século XX foi caracterizado por uma continuação das tendências do século XIX. A segunda metade, pelo contraste, viu uma emergência de correntes principais do movimento budista que tornou-se uma massa e um fenômeno religioso social.

Muitas associações e professores estrangeiros - tais como Soka Gakkai e Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama (do budismo tibetano) - começaram a organizar atividades missionárias, quando os convertidos dos EUA estabeleceram as primeiras instituições ocidentais, os templos e os grupos budistas de adoração.

Estimativas do número de budistas nos Estados Unidos variam de 0.5% a 0.9%. [10] [11] [12]

Islamismo[editar | editar código-fonte]

Escola islâmica em Seattle.

A história do Islã nos EUA começa no século XIX com a chegada confirmada do explorador muçulmano e marinheiro Estevanico de Azamor e vários visitantes muçulmanos. Ainda que muito pequena, a população muçulmana aumentou extremamente nos últimos cem anos. São muitas controversas as estimativas recentes da população muçulmana nos EUA. Boa parte do crescimento foi por causa da imigração e pela conversão.

Até um terço dos muçulmanos americanos são africanos que se converteram ao Islã durante os últimos setenta anos, a maioria quem juntou primeiramente a Nação do Islã, embora muito mais tarde se iniciasse uma corrente sunita.

A pesquisa indica que os muçulmanos nos EUA são geralmente assimilados e prósperos do que os muçulmanos da Europa. Sugerem também, entretanto que são menos assimilados do que outras comunidades. Existem muitas organizações islâmicas de apoio política a essa comunidade. em 2003, o escritor Stephen Schwartz acusou a Associação de alunos muçulmanos dos EUA e do Canadá de prosseguir uma agenda islâmica.

A imigração muçulmana aumentou em 2005, assim como mais pessoas de países islâmicos se tornaram residentes legais permanentes nos EUA do que qualquer ano, nas duas décadas anteriores. O número de muçulmanos nos EUA é controversa. As estimativas mais aceitas de muçulmanos nos EUA é de 2,35 milhões (0,8% do total da população). Por algum tempo, meios de comunicação aceitam estimativas de 6 milhões para 10 milhões de muçulmanos, mas essas previsões não tem qualquer base empírica.

Hinduísmo[editar | editar código-fonte]

A primeira vez que o Hinduísmo entrou nos Estados Unidos não está claramente identificado. No entanto, grandes grupos de hindus emigraram da Índia e de outros países asiáticos desde o Ato pela Imigração e Nacionalidade de 1965. Durante as décadas de 1960 e 1970, o fascínio pelo Hinduísmo contribuiu para o pensamento New Age. Durante as mesmas décadas, a Sociedade Internacional para a Consciência Krishna (uma organização hindu Vaishnava reformista) foi fundada nos EUA.

Atualmente, as estimativas de hindus nos Estados Unidos sugerem um número de quase 800.000 pessoas, ou cerca de 0.4% do total da população.

A religião hindu está em crescimento nos Estados Unidos, não só graças a imigração, mas também devido a conversão de muitos ocidentais. O hinduísmo está aumentando em popularidade e influência sobre a vida pública. Em 2004, a Hindu American Fundation - uma instituição nacional de divulgação da religião e proteger os direitos da comunidade hindu americana - foi fundada.

Templos hindus prosperaram nos Estados Unidos e recentemente, em julho de 2007, um serviço hindu realizou a abertura de uma sessão no senado. O evento foi criticado e atingido por muitos evangélicos e fundamentalistas cristãos.

Unitário-Universalismo[editar | editar código-fonte]

O Unitário-Universalismo (UUismo) entrou em sua existência como uma única religião quando a Associação Unitária-Universalista foi fundada em 1961 como uma consolidação da Associação Americana e da Igreja Universalista da América. Unitário-Universalismo é um movimento religioso teológico liberal caracterizado pelo seu apoio a uma "livre e responsável busca da verdade e do significado". Unitário-Universalismo é uma religião convencional. Os membros não partilham um credo, mas eles são partilhados pela sua pesquisa unificada para o crescimento espiritual. Os unitários-universalistas tem muitas fontes diferentes e têm uma grande variadade de crenças e práticas.

Sendo historicamente derivados do Unitarismo e Universalismo, o Unitário-Universalismo têm traços de raízes cristãs protestantes, no entanto, o significado teológico de ambos tenha sido significativamente ampliada para além do tradicional entendimento prévio à sua decisão de combinar os seus esforços ao nível continental como Unitário-Universalistas. Muitos UUs apreciam aspectos da espiritualidade islâmica, cristã e judaica, mas a medida em que os elementos de uma determinada fé e tradição são incorporadas em uma pessoa de práticas espirituais, é uma questão de escolha pessoal em consonância com o credo Unitário-Universalista, abordagem não-dogmática da espiritualidade e desenvolvimento da fé.

Como resultado dessas raízes históricas, congregações unitária-universalistas tendem a reter algumas tradições cristãs, como o culto aos Domingos que inclui um sermão e de cantar hinos, apesar do fato de que eles não necessariamente identificam-se como cristãos.

De acordo com a pesquisa de 2007 publicado pela Pew Forum on Religion & Public Life. 3% dos adultos americanos ou aproximadamente 340.000 indivíduos identificados como eles próprios como Unitário-Universalistas.

Outras[editar | editar código-fonte]

Várias outras religiões são representadas nos EUA, incluídos os tradicionais americanos nativos, New Age, Sikhismo, Jainismo, Xintoísmo, Taoísmo, Caodaísmo, a Fé Bahá'í, Asatrú, Neopaganismo.

Religião dos americanos nativos[editar | editar código-fonte]

Nenhuma religião particular ou tradição religiosa é hegemônica entre nativos americanos nos EUA. A maioria dos identificados e federalmente reconhecidos como nativos americanos reivindicam a aderência a algum formulário da cristandade, alguns destes que são sínteses culturais e religiosas originais ao tribo particular. Os ritos espirituais e as cerimônias dos nativos americanos são mantidos por muitos americanos de identidade nativa e não-nativa.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Eck, Diana. A New Religious America : the World's Most Religiously Diverse Nation. [S.l.]: HarperOne, 2002. p. 432. ISBN 978-0-06-062159-9
  2. U.S. Stands Alone in its Embrace of Religion. Pew Global Attitudes Project. Página visitada em 2007-01-01.
  3. a b c d Barry A. Kosmin and Ariela Keysar (2009). American Religious Identification Survey (ARIS) 2008 (PDF). Trinity College. Página visitada em 2009-04-01.
  4. "Nones" on the Rise. The Pew Forum (2012-10-09). Página visitada em 2012-12-29.
  5. US Census Bureau (Internet Release Date: 09/30/2011). Table 75. Self-Described Religious Identification of Adult Population: 1990, 2001 and 2008, The methodology of the American Religious Identification Survey (ARIS). US Census Bureau 2012 Statistical Abstract. Página visitada em Feb. 11, 2012.
  6. The Pew Forum on Religion & Public Life – Asian Americans: A Mosaic of Faiths. Pewforum.org (2012-07-19). Página visitada em 2012-12-29.
  7. Poll Shows that Only a Few Americans Consider Religious Faith an Important Part of Life « Voices from Russia. 02varvara.wordpress.com (2010-07-27). Página visitada em 2012-03-17.
  8. US Religious Landscape Survey. Página visitada em 2011-11-04.
  9. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas ARDA2000
  10. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas ARISKEY
  11. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/us.html
  12. http://religiousfreedom.lib.virginia.edu/nationprofiles/United_States/rbodies.html
Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço relacionado ao Projeto América do Norte. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.