Renato Lage

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Renato Lage
Nome completo Renato Rui de Souza Lage
Nascimento 21 de maio de 1949 (65 anos)
Rio de Janeiro
 Rio de Janeiro
Residência Barra da Tijuca, Rio de Janeiro
Nacionalidade  brasileiro
Cônjuge Lílian Rabello (1978-2001)
Márcia Lage (2002-)
Ocupação Carnavalesco, cenógrafo
Influências
Principais trabalhos Mocidade
Salgueiro

Renato Rui de Souza Lage, mais conhecido como Renato Lage (Rio de Janeiro, 21 de maio de 1949) é um importante cenógrafo e carnavalesco brasileiro. que fez o estilo Hitech trabalhando com Lilian Rabello, no carnaval desde 1979. Atualmente, é carnavalesco do Salgueiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Renato Lage começou a fazer carnaval em 78 como auxiliar de barracão e chefe de alegorias no Salgueiro, do então carnavalesco Fernando Pamplona. A partir de 1979, iniciou trajetória solo na Unidos da Tijuca, conquistando o título no mesmo ano no grupo 1-B (hoje grupo de acesso A), com o enredo sobre Delmiro Gouveia, em homenagem ao visionário industrial nordestino. Renato conheceu Lilian Rabello saindo da Escola de Artes do Parque Lage e a chamou para trabalhar com ele e permaneceram na Tijuca até 1982. Em 1983, Renato foi com Lilian Rabello para o Império Serrano, tradicional escola carioca do bairro de Madureira.

Em seu primeiro ano como carnavalesco do Império Serrano, desenvolveu figurinos e alegorias para o enredo de Fernando Pamplona "Mãe,Baiana Mãe", desenvolvido e pesquisado por Lilian, sobre os hábitos das tradicionais baianas. Já naquele ano chamou a atenção da mídia e do público em geral pelo extremo bom gosto com que o cotidiano das senhoras do samba fora retratado. A partir de 1985, começou a desenvolver os enredos criados e desenvolvidos por Lilian Rabello que fazia dupla de criação com Renato Lage, tendo permanecido na escola até 1986. Em 1987, retornou ao Salgueiro, escola onde desenvolveu o desfile do enredo "E por quê não?" de autoria de Lilian Rabello, sendo precursores do estilo estético arrojado que os consagrariam anos depois na Mocidade Independente de Padre Miguel. No ano seguinte, Renato&Lilian tranferiram-se para a Caprichosos fazendo mais dois enredos de autoria de Lilian.

Em 1990, o banqueiro Castor de Andrade volta à Mocidade depois de 2 anos afastado e dá início a um plano de reformulação da escola de Padre Miguel, que amargara resultados ruins durante sua ausência, além de ter perdido em um acidente automobilístico um dos seus maiores nomes, o carnavalesco Fernando Pinto. Castor convidou o casal Renato Lage e Lilían Rabelo, além do cenógrafo e diretor televisivo Maurício Sherman para desenvolver um enredo sobre a virada da década. O desenrolar dos acontecimentos, além do forte expectativa com que a escola lidava devido a volta de Castor de Andrade, fez com que o enredo sobre a virada da década se tornasse o enredo sobre a virada da própria Mocidade, que pretendia entrar nos anos 90 renovada. Por fim, Sherman foi dispensado e Renato e Lílian deram início a concepção do vitorioso "Vira-Virou, a Mocidade Chegou" O enredo era uma profunda viagem ao passado da escola, resgatando momentos desde a sua fundação por membros de um clube de futebol, o Independente Futebol Clube, a conquista do primeiro título, a sua lendária bateria, desfiles memoráveis e grandes nomes, como os carnavalescos Arlindo Rodrigues e Fernando Pinto, além do inesquecível Mestre André. Destaque também para os carnavais na verde e branco de 1991, 1992, 1996, 1997, 1999 e 2002.

Um 2003 Renato Lage retorna ao Acadêmicos do Salgueiro, na comemoração dos 50 anos da escola. Em 2007, o carnavalesco trabalhou paralelamente em duas escolas de samba, no Salgueiro e na comissão de carnaval da Império de Casa Verde, em São Paulo, junto com sua esposa Márcia Lage e outros membros.[1]

Em 2008 repetiu a dose, mas desta vez trabalhando no Império Serrano, atingindo o campeonato do Grupo de acesso A, além do vice-campeonato no Grupo Especial com o Salgueiro. Em 2009 consagrou-se campeão no Salgueiro com o enredo "Tambor" que arrebatou a Sapucaí e a escola foi sucesso de crítica e público numa vitória incontestável. no ano de 2011, com um desfile digno de título, fez um enredo sobre o cinema na cidade do Rio de Janeiro, tendo feito alegorias gigantes, como a do King Kong na Central.[2] o que dificultou o trabalho da harmonia e atrasando o desfile da escola.[3] Em 2012 teve outra atuação dupla pois além do Salgueiro (onde sagrou-se vice-campeão), Renato foi também carnavalesco da Império da Zona Norte conquistando o 3º lugar para a escola de Porto Alegre. Em 2013 fez para o Salgueiro o enredo "Fama", Obtendo a quinta colocação e para 2014 consegue o vice-campeonato, em parceria com a esposa Márcia Lage, com o enredo "Gaia, a vida em nossas mãos".

Desfiles assinados por Renato Lage[editar | editar código-fonte]

Ano Escola Colocação Grupo Enredo
1980 Unidos da Tijuca Campeão 1-B Delmiro Gouveia
1981 Unidos da Tijuca 8ºlugar 1-A O que dá para rir dá para chorar - A peleja do caboclo Mitavaí contra o monstro Macobeba
1982 Unidos da Tijuca 9ºlugar 1-A Lima Barreto - Mulato pobre, mas livre
1983 Império Serrano 3ºlugar 1-A Mãe, baiana mãe[4]
1984 Império Serrano Vice-Campeão 1-A Foi Malandro é[4]
1985 Império Serrano 7ºlugar 1-A Samba, Suor e Cerveja, o combustível da ilusão[5]
1986 Império Serrano 3ºlugar 1-A Eu Quero[5]
1987 Salgueiro 5º lugar 1-A E por que não?[5]
1988 Caprichosos 8º lugar 1-A Luz, Câmera e Ação[6]
1989 Caprichosos 12ºlugar 1-A O que é bom todo mundo gosta[6]
1990 Mocidade Campeão Especial Vira virou, a Mocidade chegou[6]
1991 Mocidade Campeão Especial Chuê, Chuá, as águas vão rolar[6]
1992 Mocidade Vice-Campeão Especial Sonhar não custa nada ou quase nada[6]
1993 Mocidade 4º lugar Especial Marraio, feridô sou rei
1994 Mocidade 8ºlugar Especial Avenida Brasil, tudo passa, quem não viu?
1995 Mocidade 4º lugar Especial Padre Miguel: olhai por nós!
1996 Mocidade Campeão Especial Criador e Criatura
1997 Mocidade Vice-Campeão Especial De Corpo e Alma na avenida
1998 Mocidade 6º lugar Especial Brilha no céu a estrela que me faz sonhar
1999 Mocidade 4º lugar Especial Villa-Lobos e a apoteose brasileira
2000 Mocidade 4ºlugar Especial Verde, Amarelo, Azul-Anil colorem o Brasil no ano 2000
2001 Mocidade 7ºlugar Especial Paz e Harmonia, Mocidade é alegria
2002 Mocidade 4ºlugar Especial O Grande Circo Místico[7]
2003 Salgueiro 7ºlugar Especial Salgueiro, minha paixão, minha raiz - 50 anos de glórias[7]
2004 Salgueiro 6º lugar Especial A cana que aqui se planta, tudo dá, até energia… Álcool, o combustível do futuro[7]
2005 Salgueiro 5º lugar Especial Do fogo que ilumina a vida, Salgueiro é chama que não se apaga[7]
2006 Salgueiro 11º lugar Especial Microcosmos: o que os olhos não veem, o coração sente[7]
2007 Salgueiro 7º lugar Especial Candaces[7]
Império de Casa Verde 5ºlugar Especial Glórias e Conquistas - A Força do Império está no salto do Tigre
2008 Salgueiro Vice-Campeão Especial O Rio de Janeiro continua sendo…[7]
Império Serrano Campeão A Taí, eu fiz tudo para você gostar de mim[7]
2009 Salgueiro Campeão Especial Tambor!
2010 Salgueiro 5°lugar Especial Histórias sem fim
2011 Salgueiro 5ºlugar Especial Salgueiro Apresenta: o Rio no Cinema[7]
2012 Salgueiro Vice-Campeão Especial Cordel Branco e Encanardo[7]
Império da Zona Norte 3°lugar Especial-POA O Império contra-ataca
2013 Salgueiro 5º lugar Especial Fama
2014 Salgueiro Vice-Campeão Especial Gaia - A vida em nossas mãos
2015 Salgueiro Especial Do Fundo do Quintal, Saberes e Sabores na Sapucaí

Referências

  1. UOL Carnaval 2007. Império de Casa Verde. Visitado em 27.01.2012.
  2. Isaac Ismar, para o SRZD-Carnaval (09/03/2011). Salgueiro: Renato Lage lamenta pelo desastre 4:31. Visitado em 27/01/2012.
  3. G1 (08/03/2011). Salgueiro exalta o Rio no cinema e termina desfile com atraso e correria. Visitado em 27/01/2012.
  4. a b Enredo de Fernando Pamplona
  5. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Lilian_Rabello
  6. a b c d e Com Lílian Rabello
  7. a b c d e f g h i j Com Márcia Lage