Seleção São-Marinhense de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
San Marino
San Marino
Alcunhas?  La Serenissima
Associação Federazione Sammarinese Giuoco Calcio
Confederação UEFA (Europa)
Material desportivo?  Alemanha Adidas
Treinador Itália Pierangelo Manzaroli[1]
Capitão Andy Selva
Mais participações Damiano Vannucci (68)
Melhor artilheiro Andy Selva (8)
Kit left arm esl10a.png Kit body esl10a.png Kit right arm esl10a.png
Kit shorts esl10a.png
Kit socks color 3 stripes white.png
Uniforme
titular
Kit left arm esl10h.png Kit body esl10h.png Kit right arm esl10h.png
Kit shorts Palmeiras 0910third.png
Kit socks color 3 stripes blue.png
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção São-Marinhense de Futebol representa San Marino nas competições de futebol da FIFA.

História[editar | editar código-fonte]

O começo[editar | editar código-fonte]

A Federação de Futebol de San Marino é uma das federações de futebol mais antigas da Europa, tendo sido fundada em 1931. Mas, salvo algumas edições esporádicas da Copa Titano, a federação existiu no papel até 1988, quando se filiou à FIFA e à UEFA, após dois anos como integrante provisório dos dois órgãos.

A estreia em Eliminatórias[editar | editar código-fonte]

O debut da Sereníssima foi em 1990, contra a Suíça, pelas eliminatórias para a Eurocopa de 1992. Os helvéticos venceram facilmente por 4 a 0.

1994: susto na Turquia e recorde[editar | editar código-fonte]

Em um grupo que continha Inglaterra, Holanda, Noruega Polônia e Turquia, válido pelas Eliminatórias para a Copa de 1994, as expectativas em torno da campanha samarinesa (que contavam com o ex-jogador da Juventus, Massimo Bonini, já aposentado) eram as piores. Mas os azuis surpreenderam, levando em conta as suas limitações. Após derrotas para ingleses, turcos e noruegueses (todas por goleada), a surpresa maior estava por vir: no Estádio Renato Dall'Ara, em Bolonha (o Estádio Olímpico de Serravalle não tinha condições de jogo), samarineses e turcos entraram em campo com o intuito de alcançar três pontos. Para os vermelhos, a missão era fácil, só que San Marino não daria chance ao azar, e om uma bela atuação do goleiro reserva Stefano Muccioli (que entrou no lugar de Pierluigi Benedettini), os turcos saíram de Bolonha abalados, e os azuis comemoraram seu primeiro ponto em competições oficiais. Após outras derrotas (para a Polônia, por apenas 1 a 0, depois 3 a 0 em Bolonha e 7 a 0 em favor da Holanda), o recorde: o desconhecido Davide Gualtieri marcou um gol com apenas oito segundos de jogo, sendo este o gol mais rápido em uma Eliminatória de Copa. Mas não foi suficiente, já que a Inglaterra marcou sete gols em sequência - também insuficientes para classificar o English Team ao Mundial dos EUA. Pelo ponto conquistado contra a Turquia, a Sereníssima chegou a estar na 118a. posição do Ranking Mundial da FIFA.

A afirmação de "eterno perdedor" entre as Seleções da Europa[editar | editar código-fonte]

Nas Eliminatórias da Copa de 2002, levou uma goleada de 10 a 0 da Bélgica. Mas, na mesma competição, conseguiu um heroico empate em 1 a 1 contra a Letônia, fora de casa. Esse resultado causou alegria entre os jogadores de San Marino, e acabou sobrando para o técnico da Letônia, o inglês Gary Johnson, que acabou sendo demitido pela Federação Letã de Futebol.

A primeira vitória[editar | editar código-fonte]

O dia 31 de julho de 2004 entrou para a história do futebol samarinês, pois a Seleção conquistou a sua primeira vitória na história. O triunfo foi em um amistoso contra a também fraca Seleção do Liechtenstein por 1 a 0. O gol foi marcado por Andy Selva, rapidamente alçado ao posto de herói nacional.

Era Giampaolo Mazza[editar | editar código-fonte]

O italiano Giampaolo Mazza disputou oito competições oficiais comandando a Seleção de San Marino. Em todas, o time terminou na última colocação. Ao todo, foram 76 jogos oficiais, com 75 derrotas e um empate - um 1 a 1 diante da Letônia, fora de casa, pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002.

Cquote1.svg "Foi um empate épico, mas ilusório. Ainda era o começo para mim, e aquele ponto me fez pensar que tudo seria mais fácil, mas não foi bem assim. Lamento não termos vencido um jogo oficial, mas sinto orgulho por nunca termos usado um jogador naturalizado."[3] Cquote2.svg
Giampaolo Mazza, em 2013, ao se despedir do comando da seleção.

Vexames entre 2006 e 2009[editar | editar código-fonte]

Após essa pequena evolução, San Marino voltou a sofrer com as limitações de seus jogadores. A diferença entre a Sereníssima e as demais seleções da Europa tornou-se clara no dia 6 de setembro de 2006, pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2008, a equipe sofreu a sua maior derrota: 13 a 0 a favor da Alemanha. Esta é a maior goleada na história das Eliminatórias para a Eurocopa.

Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

Como San Marino é uma nação praticamente sem tradição no futebol, pouquíssimos jogadores alcançam relativo sucesso em âmbito mundial,e a grande maioria dos atletas são semi-profissionais.

As exceções são Massimo Bonini, ex-jogador da Juventus nos anos 80, Andy Selva, maior artilheiro da equipe, com oito gols, o goleiro Aldo Simoncini (ambos os únicos futebolistas profissionais do país) e o meio-campista Damiano Vannucci, atual capitão da Seleção. Mirco Gennari, que fez sua carreira toda em clubes de San Marino, é outro jogador conhecido da equipe, tendo feito 48 jogos entre 1992 e 2003.

Davide Gualtieri, famoso por marcar o gol mais rápido de uma Eliminatória de Copa do Mundo, em 1993 (contra a Inglaterra, também o único de sua carreira internacional), foi outro que defendeu o selecionado: foram nove jogos entre 1993 e 1999.

Técnicos[editar | editar código-fonte]

Em toda sua história, San Marino teve apenas quatro técnicos: Giulio Cesare Casali comandou a Serenissima na fase amadora (1986-1990). Giorgio Leoni treinou entre 1990-96, e foi sob seu comando que San Marino fez sua estreia em Eliminatórias.

Massimo Bonini, que defenderia o time mesmo após sua aposentadoria em 1993 (jogaria até 1995 pela seleção), exerceu a função de técnico por dois anos. Giampaolo Mazza, que chegou a jogar na fase amadora do time entre 1984 e 1987 (cinco jogos), durou quinze anos na função, decidindo entregar o cargo após as Eliminatórias europeias para a Copa de 2014.[4]

Jogos em que a seleção não perdeu[editar | editar código-fonte]

Em toda a história, a seleção conhece apenas uma vitória, obtida em 31 de julho de 2004. Na ocasião, em um amistoso contra Liechtenstein, Andy Selva, maior artilheiro da história da equipe, com oito gols, anotou o tento histórico que garantiu o 1 a 0.[5]

Abaixo segue um quadro com a lista completa dos jogos que San Marino não perdeu em sua história:[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Il nuovo CT della Nazionale Maggiore
  2. a b c FIFA.com (abril de 2011). Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola (em português). Visitado em 6 de maio de 2011.
  3. espn.com.br/ Italiano deixa o comando da pior seleção do mundo após 15 anos e 82 derrotas
  4. O fim de uma era: San Marino troca de técnico após 15 anos - Trivela (em português)
  5. a b espn.com.br/ 53 derrotas seguidas e contando: conheça a pior seleção do mundo nos últimos cinco anos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]