Filippo Inzaghi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Filippo Inzaghi
Filippo Inzaghi
Inzaghi em 2011
Informações pessoais
Nome completo Filippo Inzaghi
Data de nasc. 9 de agosto de 1973 (49 anos)
Local de nasc. Placência, Emília-Romanha, Itália
Altura 1,81 m
destro
Apelido Pippo
Superpippo
Alta Tensione
Informações profissionais
Clube atual Reggina
Posição ex-centroavante
Função treinador
Clubes de juventude
1982–1985
1985–1991
San Nicolò
Piacenza
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1991–1995
1992–1993
1993–1994
1995–1996
1996–1997
1997–2001
2001–2012
Piacenza
AlbinoLeffe (emp.)
Hellas Verona (emp.)
Parma
Atalanta
Juventus
Milan
00044 000(17)
00021 000(13)
00037 000(14)
00022 0000(4)
00034 000(25)
00171 000(97)
00305 00(130)
Seleção nacional
1993–1996
1997–2007
Itália Sub-21
Itália
00014 0000(3)
00057 000(25)
Times/clubes que treinou
2012–2013
2013–2014
2014–2015
2016–2018
2018–2019
2019–2021
2021–2022
2022–
Milan Sub-17
Milan Sub-20
Milan
Venezia
Bologna
Benevento
Brescia
Reggina
Última atualização: 16 de julho de 2022

Filippo Inzaghi (Placência, 9 de agosto de 1973) é um treinador e ex-futebolista italiano que atuava como centroavante. Atualmente comanda a Reggina.

Atuou em vários clubes italianos e viveu sua melhor fase na Juventus e no Milan, conquistando dois títulos da Liga dos Campeões da UEFA e três títulos da Serie A. Atualmente é o sexto maior artilheiro em competições da UEFA, com 70 gols, atrás de Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Robert Lewandowski, Raúl e Karim Benzema. Também é o maior artilheiro do Milan em competições europeias, com 43 gols. Além disso, detém o recorde de mais hat-tricks (10) na história da Serie A.

É irmão mais velho do também treinador e ex-atacante Simone Inzaghi.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Em 1991, aos 18 anos, começou a jogar pelo time de sua cidade, o Piacenza, mas fez apenas dois jogos na Serie A e foi emprestado para o AlbinoLeffe, modesta equipe da terceira divisão.

No Leffe ele teve um bom desempenho, marcando 13 gols em 21 jogos. Assim, foi emprestado novamente, dessa vez pro Hellas Verona em 1993. No Verona marcou 13 gols em 36 pela Serie B.

Voltou para o Piacenza, marcou 15 gols em 37 jogos pela Serie B e ajudou o time a conquistar a competição.

Em 1995 foi contratado pelo Parma, mas fez apenas dois gols em 15 jogos na Serie A daquela temporada. Na temporada seguinte transferiu-se para a Atalanta e fez uma temporada excepcional, terminando como artilheiro da Serie A, com 24 gols.

Juventus[editar | editar código-fonte]

Contratado pela Juventus em 1997, atuou na Velha Senhora por quatro temporadas e conquistou um Scudetto na temporada 1997–98. No entanto, nessa temporada a equipe perdeu a final da Liga dos Campeões para o Real Madrid.[1]

Milan[editar | editar código-fonte]

Foi contratado pelo Milan em 2001, onde passou onze anos vitoriosos e conquistou dois Campeonatos Italianos (2003–04 e 2010–11) e duas Liga dos Campeões da UEFA (2002–03 e 2006–07). Na de 2006–07, marcou dois gols na final contra o Liverpool.[2]

Em maio de 2012, aos 38 anos, anunciou sua saída do clube juntamente com os companheiros Alessandro Nesta e Gennaro Gattuso, todos com mais de 10 anos na equipe.[3] Fez sua despedida e completou 300 jogos com a camisa do Milan no dia 13 de maio, no estádio San Siro. Atuou cerca de 30 minutos e marcou o segundo gol que garantiu a vitória por 2 a 1 contra o Novara.[4]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Representou a Itália Sub-21 na Eurocopa de 1994. Três anos depois, em 1997, recebeu sua primeira convocação para a Seleção Italiana principal. Além da Euro 2000, disputou as Copa do Mundo FIFA de 1998, 2002 e 2006, sagrando-se campeão da última.[5]

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Milan[editar | editar código-fonte]

Após se aposentar, tornou-se treinador das categorias de base do Milan e assinou até 2014 com a equipe.[6]

Em 9 de junho de 2014, após dois anos treinando as categorias de base, foi designado treinador do time principal do Milan por dois anos, substituindo o ex-companheiro e também ídolo Clarence Seedorf.[7] Foi demitido no dia 4 de junho de 2015, por maus resultados e também por motivos de revolução que passava a gestão do clube rossonero.

Venezia[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de junho de 2016, Inzaghi acertou com o Venezia.[8]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 27 de janeiro de 2019

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Milan 40 14 13 13 35%
Venezia 95 48 30 17 50,53%
Bologna 24 4 8 12 16,67%

Títulos como jogador[editar | editar código-fonte]

Piacenza
Juventus
Milan
Seleção Italiana

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Títulos como treinador[editar | editar código-fonte]

Venezia
Benevento

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

  • Panchina d'Oro: 2020

Referências

  1. «Há 19 anos, o renascimento do Real e a maldição da Juventus». VEJA. 31 de maio de 2017. Consultado em 25 de outubro de 2021 
  2. «Aniversariante do dia, relembre os 5 gols mais importantes de Inzaghi pelo Milan». Torcedores.com. 9 de agosto de 2017. Consultado em 20 de maio de 2021 
  3. «Renovação no Milan: depois de Nesta, Gattuso e Inzaghi também saem». GloboEsporte.com. 11 de maio de 2012. Consultado em 25 de outubro de 2021 
  4. «Inzaghi se despede do Milan com gol em vitória de virada; Juventus iguala feito histórico». UOL. 13 de maio de 2012. Consultado em 20 de maio de 2021 
  5. Thiago Barros Ribeiro (9 de julho de 2006). «Itália supera tabu, vence França nos pênaltis e é tetracampeã do mundo». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de outubro de 2021 
  6. «Inzaghi encerra carreira e vira técnico na base do Milan». Estadão. 24 de julho de 2012. Consultado em 20 de maio de 2021 
  7. «Milan confirma demissão de Seedorf e Filippo Inzaghi como novo técnico». GloboEsporte.com. 9 de junho de 2014. Consultado em 25 de outubro de 2021 
  8. «Ex-Milan, Filippo Inzaghi é anunciado como novo treinador do Venezia». VAVEL Brasil. 7 de junho de 2016. Consultado em 20 de maio de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Clarence Seedorf
Treinador do Milan
2014–2015
Sucedido por
Siniša Mihajlović