Hassanal Bolkiah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hassanal Bolkiah
Yang Di-Pertuan Negara
Hassanal Bolkiah.jpg
Muda Hassanal Bolkiah
Sultão do Brunei
Reinado 5 de outubro de 1967 (55 anos e 121 dias)
a atualidade
Consorte Anak Saleha
Coroação 1 de agosto de 1968 (54 anos e 186 dias)
Antecessor(a) Omar III
1.º Primeiro-ministro do Brunei
Mandato 1º de janeiro de 1984
a atualidade
Ministro da Defesa e Comandante-em-chefe das Forças Armadas Reais de Brunei
Mandato 7 de setembro de 1986
a atualidade
Predecessor Omar Ali Saifuddien III
Ministro das Finanças
Mandatos 23 de fevereiro de 1997
a atualidade
Predecessor Jefri Bolkiah
Reinado 1 de janeiro de 1984
a 20 de outubro de 1986
Predecessor Cargo criado
Sucessor Jefri Bolkiah
 
Nascimento 15 de julho de 1946 (76 anos)
  Bandar Seri Begawan, Brunei
Nome completo  
Hassanal Bolkiah Mu'izzaddin Waddaulah
Herdeiro Al-Muhtadee Billah
Pai Omar Ali Saifuddien III
Mãe Anak Damit
Hino Real Allah Peliharakan Sultan
Título(s) SM o Sultão de Brunei
Filho(s) Al-Muhtadee Billah
Azim do Brunei
Abdul Mateen
Abdul Malik
Abdul Wakeel
Rashidah
Muta-akkilah
Majeedah
Hafizah
'Azemah
Fadzilah
Ameerah

Hassanal Bolkiah ibni Omar Ali Saifuddien III (Bandar Seri Begawan, 15 de julho de 1946) é o atual sultão e Yang-di Pertuan desde 1967 e primeiro ministro de Brunei desde 1984, sendo o monarca absoluto de Brunei.

E filho e sucessor do sultão Omar III, após sua abdicação em 5 de outubro de 1967.

O sultão foi classificado entre os indivíduos mais ricos do mundo. Em 2008, a Forbes estimou o patrimônio líquido total do sultão em US$ 20 bilhões. Após a morte da Rainha Isabel II do Reino Unido, em 8 de Setembro de 2022, tornou-se o monarca que há mais tempo ocupa um trono (55 anos e 121 dias), desde 5 de outubro de 1967[1]. Em 5 de outubro de 2017, o sultão celebrou seu Jubileu de Ouro para marcar o 50º ano de seu reinado no trono.

O sultão nasceu em 15 de julho de 1946, em Istana Darussalam, cidade de Brunei (agora chamada de Bandar Seri Begawan) como Pengiran Muda (Príncipe) Hassanal Bolkiah. O sultão recebeu o ensino médio na Victoria Institution em Kuala Lumpur, após o qual frequentou a Royal Military Academy Sandhurst no Reino Unido, graduando-se em 1967.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Bolkiah se casou três vezes, a primeira delas quando tinha apenas 19 anos de idade. Ele tem 5 filhos (um falecido) e 7 filhas.[2]

Saleha, a Rainha Consorte do Brunei
Esposa Data do casamento Descendentes
Saleha, a rainha consorte de Brunei 1965-presente Princesa Rashidah (n. 1969)
Princesa Muta-Wakkilah (n. 1971)
Príncipe Al-Muhtadee Billah (n. 1974)[3]
Princesa Majeedah (n. 1976)
Princesa Hafizah (n. 1980)
Príncipe Abdul Malik (n. 1983)
Mariam Abdul Aziz (1982 - 2003) Príncipe Haji Abdul Azim (1982-2020)[4]
Princesa Azemah Ni'matul Bolkiah (n. 1984)
Princesa Fadzillah Lubabul Bolkiah (n. 1985)
Príncipe Abdul Mateen (n. 1991)
Azrinaz Mazhar Hakim (2005 - 2010) Príncipe Abdul Wakeel (n. 2006)
Princesa Ameerah Wardatul Bolkiah (n. 2008)

Reinado[editar | editar código-fonte]

Ele se tornou o sultão de Brunei Darussalam em 5 de outubro de 1967, depois que seu pai abdicou. Sua coroação foi realizada em 1º de agosto de 1968 e o tornou Yang di-Pertuan (Chefe de Estado) de Brunei. Como seu pai, ele foi nomeado cavaleiro pela rainha Elizabeth II do Reino Unido, da qual Brunei foi protetorado até 1984.

Sob a constituição de Brunei de 1959, o sultão é o chefe de estado com plena autoridade executiva, incluindo poderes de emergência desde 1962. Em 9 de março de 2006, o sultão teria alterado a constituição de Brunei para se tornar infalível sob a lei de Brunei. Bolkiah, como primeiro-ministro, também é o chefe de governo. Além disso, atualmente ocupa as pastas de Ministro da Defesa, Ministro das Relações Exteriores e Ministro da Fazenda. Como Ministro da Defesa, ele é, portanto, o Comandante Supremo das Forças Armadas Reais de Brunei, bem como General Honorário das forças armadas britânicas e indonésias e Almirante Honorário da Marinha Real. Ele nomeou a si mesmo como Inspetor Geral da Polícia (IGP) da Força Policial Real de Brunei.

Bolkiah dirigiu-se à Assembleia Geral das Nações Unidas sobre a admissão de Brunei Darussalam nas Nações Unidas em setembro de 1984. Em 1991, ele introduziu uma ideologia conservadora em Brunei chamada Melayu Islam Beraja (Monarquia Islâmica Malaia, MIB), que apresenta a monarquia como defensora da fé. Recentemente, ele favoreceu a democratização do governo de Brunei e declarou-se primeiro-ministro e presidente. Em 2004, o Conselho Legislativo, dissolvido desde 1962, foi reaberto.

Hassanal Bolkiah estabeleceu a Fundação Sultan Haji Hassanal Bolkiah (YSHHB). Hassanal Bolkiah foi presidente da Summit APEC Leaders em 2000, quando Brunei Darussalam sediou a cúpula. Hassanal Bolkiah também foi o presidente da Cúpula da ASEAN em 2013, quando Brunei Darussalam sediou a cúpula.

Hassanal Bolkiah é o Chefe da Religião, e o Islã é a religião oficial do país. Mesquitas, salas de oração e estações foram construídas em todo o país. O sultão decretou que as celebrações islâmicas, como o aniversário do Profeta da Comemoração dos Primeiros Anos, Isra e Miraj e Nuzul Al Quran, sejam celebradas em grande escala. Freqüentemente, ele frequenta mesquitas e surau em todo o país para as orações obrigatórias de sexta-feira. Em 2014, Hassanal Bolkiah também defendeu a adoção das penalidades da sharia islâmica, incluindo que o adultério deve ser punido com a morte por apedrejamento.

Hassanal Bolkiah também proibiu as celebrações públicas do Natal em 2015, incluindo o uso de chapéus ou roupas que lembram o Papai Noel. A proibição afeta apenas os muçulmanos locais. Os cristãos ainda podem celebrar o Natal. De acordo com o bispo de Brune e o cardeal Cornelius Sim, em 25 de dezembro de 2015, havia cerca de 4.000 dos 18.000 católicos em Brunei, principalmente chineses e expatriados que vivem no país, participando da missa na véspera e no dia de Natal. Embora não houvesse proibição absoluta de comemorações, havia proibição de afetar as decorações de Natal em locais públicos, especialmente shopping centers; a proibição não afetou pequenas lojas ou residências particulares, incluindo igrejas.

Fortuna[editar | editar código-fonte]

O sultão chegou a ser considerado um dos homens mais ricos do mundo, porém sua fortuna caiu drasticamente de 40 bilhões para 20 bilhões de dólares por causa da má administração de seu irmão, o príncipe Jefri Bolkiah, na Brunei Investiment Agency (BIA). [5] [6]

Coleção de carros[editar | editar código-fonte]

O Sultão é famoso por sua vasta coleção de automóveis. Segundo a imprensa, ele tem cerca de 3 000 a 6 000 carros que custaram mais de 4 bilhões de dólares. O número de carros adquiridos devido a interesses comerciais, bem como o número de carros a serem efetivamente utilizados por ele e sua família diferem grandemente. Segundo o Guinness World Records, a coleção pessoal do Sultão inclui 500 Rolls-Royces - a maior coleção desta marca no mundo.[7]

Durante a década de 1990, sua família foi responsável pela compra da metade da produção da Rolls-Royce. Ele também possui o última Rolls-Royce Phantom VI de 1992. Além dos Rolls-Royces, a sua coleção inclui: Porsche Carrera GT, Lamborghini Diablo , Porsche 959, Bugatti EB110, Lamborghini Murciélago, Maybach 62, Jaguar XJR-15 e seis Dauers 962. Ele também é o dono de seis modelos da Ferrari FX, o original do modelo vermelho Bentley Continental R, duas versões totalmente operacionais da Ferrari Mythos, dois sedans Ferrari 456, a única mão direita da Mercedes no mundo - Benz CLK-GTR, um Bens Classe a 160 incluindo cinco modelos McLaren F1. Ele também possui um carro de Fórmula 1 Campeão Mundial de Fórmula 1 na temporada de 1980. [8]

O sultão já foi dono de uma das maiores coleções particulares de carros do mundo, com cerca de 2.500 carros que seu irmão Jefri Bolkiah comprou para si mesmo, o sultão e outros membros da família real para entreter sua paixão por carros. A coleção de carros e outras indulgências do príncipe Jefri custaram bilhões de dólares americanos e, por fim, colocaram-no em apuros e em uma crise financeira para a família real. A coleção de carros ficou abandonada; a maioria dos carros fora da garagem estava além da economia, o restante foi leiloado.

Outros bens[editar | editar código-fonte]

Para uso pessoal, o sultão possui um Boeing 747-400 com mobiliário dourado estimado em 233 milhões de dólares,[9] seis pequenos aviões e dois helicópteros.[10] Ele é habilitado para pilotar as aeronaves.[11]

Ele também é o proprietário de um Parque de diversão chamado Jerudong Park, que no passado era utilizado de forma gratuita e já recebeu show de Michael Jackson.[12] Foi reaberto em 2014, após um período fechado para reparos e mudanças estruturais, mas, atualmente, por conta da pandemia de covid-19 está fechado.[13][14][15]

Sua residência oficial é o Istana Nurul Iman, com 1 788 quartos, 257 banheiros, e uma área útil de 200 000 metros quadrados,[16] atualmente é maior palácio residencial do mundo.[17]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Legislação anti-LGBT e morte por apedrejamento[editar | editar código-fonte]

Como primeiro-ministro, Bolkiah liderou uma legislação que introduziria a pena de morte por homossexualidade e adultério, por apedrejamento, a partir de 3 de abril de 2019. Isso gerou protestos internacionais.[18] A política resultou em pedidos de boicote de várias empresas pertencentes à família real de Brunei, notadamente a Dorchester Collection, um grupo de hotéis conhecidos de propriedade do sultão nos Estados Unidos e na Europa.[19]

O sultão, por meio de sua Brunei Investment Agency (BIA), proprietária dos hotéis Dorchester Collection, levantou preocupação no exterior em abril de 2014 ao implementar o código penal da lei Sharia, que inclui morte por apedrejamento, amputação de membros e açoitamento por crimes em Brunei, como abortos, adultério e atos sexuais entre pessoas do mesmo sexo. Nenhum está isento da lei Sharia, independentemente das classes em que estão e as leis só se aplicam dentro da fronteira de Brunei. Quando o sultão fez esse anúncio, George Clooney, Elton John e Ellen DeGeneres pediram novamente um boicote a todos os hotéis associados a ele.[20][21][22]

Em protesto, uma organização nacional de defesa LGBT dos Estados Unidos, o Gill Action Fund, cancelou sua reserva para realizar uma conferência de grandes doadores no Beverly Hills Hotel e exigiu o reembolso de seu depósito. A administração do hotel respondeu emitindo uma declaração afirmando que não discrimina com base na orientação sexual. Os estilistas Brian Atwood e Peter Som subseqüentemente convocaram protestos mais amplos, instando a indústria da moda a boicotar todos os hotéis pertencentes à Dorchester Collection.[23]

Em janeiro de 2013, o Royal College of General Practitioners designou o sultão como o primeiro companheiro do colégio para serviços de saúde em Brunei e no exterior.[24] Em abril de 2019, o RCGP retirou esta honra à luz das novas leis LGBT apoiadas pelo sultão que não estão de acordo com os valores da organização.[25]

Devido à condenação internacional da legislação, Bolkiah anunciou que iria estender uma moratória sobre a pena de morte para a homossexualidade e ratificar a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura.[26][27][28]

Referências

  1. «Morte da Rainha Isabel II: Sultão do Brunei torna-se o monarca há mais tempo no trono» 
  2. «Una de las siete hijas del millonario sultán de Brunéi causa sensación en Sotogrande». www.vanitatis.elconfidencial.com (em inglês). 4 de setembro de 2019. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  3. Landler, Mark (27 de agosto de 1998). «The Royal Treatment; Ruling Family Feuds as Oil Income Drops in Brunei». The New York Times. Consultado em 22 de outubro de 2010 
  4. «Muere con 38 años el hijo del polémico y multimillonario sultán de Brunéi». www.vanitatis.elconfidencial.com (em inglês). 24 de outubro de 2020. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  5. Bostock, Bill. «500 Rolls-Royces, $20,000 haircuts, and a 1,788-room palace: Everything we know about the lavish life of the Sultan of Brunei, who sparked outrage after introducing a law punishing homosexuality with death». Insider. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  6. Taraborrelli, J. Randy (2005). Michael Jackson. a magia e a loucura. São Paulo: Globo. 670 páginas. ISBN 85-250-4041-X 
  7. Oliveira, Ricardo de (30 de julho de 2010). «Sultão de Brunei: tem uma frota de carros de luxo (7.000 deles)». Notícias Automotivas. Consultado em 9 de junho de 2020 
  8. «A história e os carros exclusivíssimos da coleção do Sultão do Brunei | FlatOut!». 4 de janeiro de 2017. Consultado em 9 de junho de 2020 
  9. «Os cinco jatos executivos mais caros da história - e seus donos bilionários». GQ. Consultado em 9 de junho de 2020 
  10. «Sultão do Brunei celebra 50 anos no trono com banho de multidão - DN». www.dn.pt. Consultado em 9 de junho de 2020 
  11. «Sultão do Brunei pilota o seu próprio Boeing para encontro com Obama (vídeos)». TSF Rádio Notícias. 12 de março de 2013. Consultado em 9 de junho de 2020 
  12. «Folha de S.Paulo - Jackson toca em festa para sultão de Brunei - 17/7/1996». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de junho de 2020 
  13. «HRH Prince 'Abdul Wakeel reopened Jerudong Park Playground | The BT Archive». btarchive.org. Consultado em 9 de junho de 2020 
  14. «AROUND BRUNEI: Jerudong Park Re-opened». AROUND BRUNEI. 18 de maio de 2014. Consultado em 9 de junho de 2020 
  15. «COVID-19 live updates: March archive - Page 3 of 3». The Scoop (em inglês). 13 de março de 2020. Consultado em 9 de junho de 2020 
  16. «Maior residência oficial do mundo é no Brunei - DN». www.dn.pt. Consultado em 9 de junho de 2020 
  17. Pr, Jair; i. «O maior palácio residencial do mundo». Gigantes do Mundo. Consultado em 9 de junho de 2020 
  18. Stapleton, AnneClaire (30 de março de 2019). «Brunei's new anti-gay law goes into effect this week. Here's how the world is reacting». CNN. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  19. Tan, Yvette (3 de abril de 2019). «Brunei implements stoning to death under new anti-LGBT laws». BBC News. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  20. Clooney, George (28 de março de 2019). «George Clooney: Boycott Sultan Of Brunei's Hotels Over Cruel Anti-Gay Laws». Deadline (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2019 
  21. «Elton John joins call for boycott of Brunei-owned hotels». The Guardian. Agence France-Presse. 31 de março de 2019. ISSN 0261-3077. Consultado em 2 de julho de 2019 
  22. «Brunei anti-gay laws: Ellen posts desperate plea on Facebook». www.news.com.au. 2 de abril de 2019. Consultado em 3 de abril de 2019 
  23. «How A Stay At This Iconic Los Angeles Hotel Supports The Stoning To Death Of Gays In Brunei». Queerty. 22 de abril de 2014. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  24. «RCGP inaugurates Companion of the College Award». 18 de janeiro de 2013. Consultado em 27 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2013 
  25. «RCGP update on Sultan of Brunei and 'Companion of the College' honour». www.rcgp.org.uk 
  26. Westcott, Ben; Wright, Rebecca (6 de maio de 2019). «Brunei backs down on gay sex death penalty after international backlash». CNN. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  27. «Brunei says it won't enforce death penalty for gay sex». BBC. 6 de maio de 2019. Consultado em 27 de novembro de 2022 
  28. Chappell, Bill (6 de maio de 2019). «Brunei Won't Enforce Death-By-Stoning Law For Gay Sex, Sultan Says». NPR. Consultado em 27 de novembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.