Henrique, Grão-Duque de Luxemburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Henrique
Grão-Duque de Luxemburgo
Reinado 7 de outubro de 2004 – presente
Predecessor João
Herdeiro Guilherme
 
Esposa Maria Teresa Mestre y Batista
Descendência Guilherme, Grão-Duque Herdeiro de Luxemburgo
Félix de Luxemburgo
Luís de Luxemburgo
Sebastião de Luxemburgo
Alexandra de Luxemburgo
Casa Nassau-Weilburg (oficial)
Bourbon-Parma (agnática)
Nome completo
Henrique Alberto Gabriel Félix Maria Guilherme
Nascimento 16 de abril de 1955 (64 anos)
  Castelo de Betzdorf, Luxemburgo
Pai João, Grão-Duque de Luxemburgo
Mãe Josefina Carlota da Bélgica
Religião Catolicismo

Henrique, Grão-Duque de Luxemburgo (nascido Henrique Alberto Gabriel Félix Maria Guilherme; em francês: Henri Albert Gabriel Félix Marie Guillaume) GColSEGColIHGColL (Betzdorf, 16 de abril de 1955) é o chefe de Estado de Luxemburgo e único grão-duque existente atualmente.[1]

Filho mais velho de João, Grão-Duque de Luxemburgo e de sua esposa, a princesa Josefina Carlota da Bélgica, ele é neto do rei Leopoldo III da Bélgica, e da esposa deste, a princesa Astrid da Suécia, Rainha da Bélgica.

Guarda parentesco distante com as antigas famílias reais brasileira e portuguesa: sua trisavó Maria José de Bragança (pelo lado materno) e suas bisavós Maria Antônia de Bragança e Maria Ana de Bragança (pelo lado paterno) eram filhas do rei Dom Miguel I de Portugal (irmão do imperador Dom Pedro I do Brasil) e primas diretas da rainha Dona Maria II de Portugal e do imperador Dom Pedro II do Brasil. Isso o torna descendente direto do rei Dom João VI de Portugal e da infanta Dona Carlota Joaquina da Espanha.

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Tem quatro irmãos: Maria Astrid, Arquiduquesa da Áustria (1954), João de Luxemburgo (1957), Margarida, Princesa de Liechtenstein (1957), e Guilherme de Luxemburgo (1963).

Ele foi educado em Luxemburgo e na França, onde obteve seu Baccalauréat (qualificação acadêmica francesa) em 1974. Ele então estudou ciência política na Universidade de Genebra, Suíça, graduando-se em 1980. Entre 1978 e 1980, fez vários cursos educacionais nos Estados Unidos. Também teve treinamento militar na Real Academia Militar de Sandhurst, Inglaterra. Fala fluentemente francês, inglês e alemão, bem como luxemburguês.

Casamento e família[editar | editar código-fonte]

Enquanto estudava em Genebra, conheceu a plebéia Maria Teresa Mestre y Batista, que também era uma estudante de Ciências Políticas. Apesar da alegada desaprovação da mãe de Henrique, eles se casaram em Luxemburgo no dia 14 de fevereiro de 1981. O casal teve cinco filhos:

Henrique e Maria Teresa têm três netos:

  • Gabriel de Nassau e Noé, filhos do príncipe Luís, nascidos em 2006 e 2007, respectivamente.
  • No dia 14 de janeiro de 2014, o site oficial do grão-ducado anunciou que o príncipe Félix e sua esposa Claire esperavam o primeiro filho. No dia 15 de junho de 2014, nasceu na Maternidade Grã-Duquesa Charlotte a filha do casal recebeu o nome de Amália Gabriela Maria Teresa. A bebê será conhecida como princesa Amália de Luxemburgo.

35 anos de matrimônio[editar | editar código-fonte]

Em 14 de fevereiro de 2016, via Facebook oficial, a corte divulgou uma foto do casal em comemoração a seus 35 anos de casamento, com o texto: "Suas Altezas Reais o grão-duque e grã-duquesa estão comemorando seu aniversário de casamento neste domingo, 14 de fevereiro de 2016. Trinta e cinco anos de casamento celebrado no Dia de São Valentim." [2]

Não houve outros festejos oficiais.

Posição constitucional[editar | editar código-fonte]

Tornou-se herdeiro aparente ao trono luxemburguês quando sua avó paterna, a grã-duquesa Carlota de Luxemburgo, abdicou em favor de seu filho, a 12 de novembro de 1964.

Em 4 de março de 1998, foi apontado como tenente-representativo por seu pai, assumindo assim a maioria dos poderes constitucionais do grão-duque João. Em 7 de outubro de 2004, a imediatamente depois da abdicação do grão-duque João, Henrique ascendeu como Grão-Duque de Luxemburgo e fez o juramento constitucional ante a Câmara dos Deputados, mais tarde naquele dia.

O título completo de Henrique é: Sua Alteza Real Henrique, pela Graça de Deus, Grão-duque do Luxemburgo, Duque de Nassau, Príncipe de Bourbon-Parma, Conde palatino do Reno, Conde de Sayn, de Königstein, de Katzenelnbogen e de Dietz, Burgrave de Hammerstein, Senhor de Mahlberg, Wiesbaden, Idstein, Merenberg, Limburg e Eppstein.

Entretanto, ao ascender ao trono, o grão-duque Henrique renunciou ao estilo "Pela Graça de Deus", e desde então, em documentos oficiais, seu título é oficialmente: "Henrique, Grão-duque de Luxemburgo, Duque de Nassau".

Papel e interesses[editar | editar código-fonte]

Como chefe da monarquia constitucional, os deveres do grão-duque Henrique são primariamente representativos. Contudo, detém o poder constitucional de apontar um primeiro-ministro e um governo, de dissolver a Câmara dos Deputados e de promulgar leis, bem como conferir poderes a embaixadores.

É comandante-em-chefe da exército luxemburguês, na qual detém o cargo de general. É também um major honorário no regimento britânico de paraquedistas.

Uma das principais funções do grão-duque Henrique é representar seu país no campo de relações exteriores. Em maio de 2005, ele e a grã-duquesa Maria Teresa fizeram a primeira visita de Estado exterior à Espanha, sendo convidados pelo rei João Carlos da Espanha e pela rainha Sofia.

É membro do Comité Olímpico Internacional, da The Mentor Foundation (estabelecida pela Organização Mundial da Saúde) e diretor da Fundação Charles Darwin pelas ilhas Galápagos.

Vive com sua família no Castelo de Berg e possui uma casa de verão em Cabasson, no sul da França.

Foi agraciado com os seguintes graus de ordens honoríficas portuguesas: Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique (6 de maio de 2005), Grande-Colar da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (7 de setembro de 2010) e Grande-Colar da Ordem da Liberdade (23 de maio de 2017).[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. David Charter (4 de dezembro de 2008). «Grand Duke Henri of Luxembourg opposes euthanasia and loses power» (em inglês). The Times. Consultado em 10 de julho de 2010 
  2. «Fotos da Linha do Tempo - Cour Grand-Ducale | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  3. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Grão-Duque Henri". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 17 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Henrique, Grão-Duque de Luxemburgo
Henrique de Luxemburgo
Casa de Nassau-Weilburg
Ramo Walramiano da Casa de Nassau
16 de abril de 1955
Precedido por
João

Grão-Duque de Luxemburgo
7 de outubro de 2004 – presente
Herdeiro aparente
Guilherme