Humaitá (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Humaitá
  Bairro do Brasil  
Humaitá Porto Alegre.JPG
Município Porto Alegre
Área
 - Total 417 hectares
População
 - Total 10,470 hab (2 000)
4,951 homens
5,519 mulheres
    • Densidade 25 hab/ha hab./km²
Taxa de crescimento (-) 0,3% (de 1991 a 2000)
Domicílios 3.426
Rendimento médio mensal 3,9 salários mínimos
Fonte: Não disponível

O Humaitá é um bairro da zona norte da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela lei 6218, de 17 de novembro de 1988. Limita-se ao sul com o bairro Navegantes e, ao norte, com o município de Canoas.

O Humaitá é o local da nova sede do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, a Arena do Grêmio, substituindo a partir de 2013 a antiga sede, o Estádio Olímpico Monumental.

Histórico[1][editar | editar código-fonte]

O Humaitá caracteriza-se por ser uma região essencialmente residencial, dispondo de pequeno comércio que atende aos moradores locais. A partir da década de 1960, com os problemas da cidade se ampliando devido ao constante crescimento populacional, trazendo problemas de habitação, transportes e infraestrutura, a expansão para a zona norte/nordeste da capital tornou-se mais efetiva, uma vez que os custos de moradia eram mais acessíveis em função da distância do centro. O bairro Humaitá foi, então, um dos setores residenciais projetados pela iniciativa privada nos anos 70, com o objetivo de responder aos problemas de habitação da cidade.

A ocupação da área aconteceu ao longo dos anos 80, bem como a ampliação dos edifícios residenciais. Os primeiros prédios construídos no bairro eram de quatro andares, sem elevador, e apresentavam em seus projetos equipamentos recreativos na forma de parque urbano. Posteriormente, os prédios construídos ficaram maiores, com dez andares e elevadores.

Características atuais[editar | editar código-fonte]

O bairro Humaitá tornou-se atraente ao ramo imobiliário no final dos anos 90 e início da década de 2000, quando empresas da construção civil viram o potencial residencial que o bairro apresentava, sobretudo para a classe média. Novos condomínios começaram, então, a ser construídos na região, aumentando significativamente o número de moradores do bairro.

O bairro dispõe do Parque Mascarenhas de Moraes,[2] inaugurado em 2 de julho de 1982, com 18,2 hectares. Com uma área de lazer e recreação, e outra considerada de preservação permanente, é um parque de uso misto. O local, bastante frequentado pelos moradores do bairro, dispõe de estádio de futebol, cancha de bocha, pista de patinação sobre rodas, quadra de futebol sete, quadras de vôlei e equipamentos esportivos, além de churrasqueiras e quiosques cobertos.

Limites atuais[editar | editar código-fonte]

Ponto inicial e final: encontro do Rio Gravataí com a Avenida Zaida Jarros; desse ponto segue pela Avenida Zaida Jarros até a Avenida Farrapos, por essa até a Avenida A. J. Renner, por essa até a Rua Lauro Muller, por essa até a Rua Simão Kappel, por essa até a Travessa Venezuela, por essa até a Avenida A. J. Renner, por essa até o entroncamento entre a Avenida Padre Leopoldo Brentano e a Avenida Dois Mil Cento e Vinte e Dois (2122), por essa até o seu final, ponto de coordenadas E: 281.736; N: 1.683.075; desse ponto segue por uma linha reta e imaginária até orla do Rio Gravataí, ponto de coordenadas E: 281.723; N: 1.683.333, seguindo por essa orla até a Avenida Zaida Jarros, na ponte sobre o Rio Gravataí, ponto inicial. Lei 12.112/16.

Lei dos limites de bairros- proposta 2015-2016[editar | editar código-fonte]

No fim do ano de 2015, as propostas com as emendas foram aprovadas pela câmara de vereadores de Porto Alegre. Quanto aos limites do bairro Humaitá, as mudanças mais notáveis foram a mudança da Arena do Grêmio e do Residencial Liberdade para o bairro Farrapos. [3] [4]


Referências

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • PANIZZI, Wrana M.; ROVATTI, João F. (orgs). Estudos Urbanos: Porto Alegre e seu planejamento. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1993. p. 73-87
  • SOUZA, Celia Ferraz; MULLER, Doris Maria. Porto Alegre e sua evolução urbana. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1997.
  • Dados do censo/IBGE 2000

Ligações externas[editar | editar código-fonte]