Pedra Redonda (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pedra Redonda
  Bairro do Brasil  
Pedra redonda porto alegre.JPG
Município Porto Alegre
Área
 - Total 47 hectares
População
 - Total 316 hab (2 000)
160 homens
156 mulheres
    • Densidade 47 hab/ha hab./km²
Taxa de crescimento (+) 0,2% (de 1991 a 2000)
Domicílios 85
Rendimento médio mensal 21,23 salários mínimos
Fonte: Não disponível

Pedra Redonda é um bairro nobre da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela Lei 202 de 7 de dezembro de 1959.

História[editar | editar código-fonte]

Por conta de sua praia, a Pedra Redonda ganhou notoriedade no início do século XX como um dos lugares de lazer e de veraneio dos porto-alegrenses. Nessa época se estabeleceram as primeiras ligações do Centro Histórico da capital com a Zona Sul, então pouco habitada.

A construção de uma extinta estrada de ferro, chamada de Estrada do Riacho, ocorreu em 1912. O único vestígio dessa linha férrea é um pequeno fosso que fora escavado na Vila Conceição, ao lado do Morro do Sétimo Céu. Hoje, este pedaço se encontra escondido pela mata e pela ponte que liga a Rua Picasso com a Avenida Wenceslau Escobar, que se torna Avenida Coronel Marcos. Também se implantou um trapiche conectando a antiga estação Ildefonso Pinto, junto ao Mercado Público, com a Pedra Redonda na década de 1920. Os barcos a vapor que faziam o trajeto fluvial se chamavam Bubi e Guaporé, e o trapiche se localizava em frente ao antigo “Hotel Cassino da Pedra Redonda”, atualmente sede campestre da Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul.[1]

O bairro recebeu esse nome em função do formato das rochas encontradas na orla. De fato, algumas dessas pedras foram extraídas para a construção do Cais Mauá. As pessoas costumavam aproveitar a praia em famílias inteiras, fazendo piqueniques e banhando-se em um Guaíba de águas limpas. Em vez de vestiários, havia barraquinhas amarradas em galhos de árvores, que lembravam cones, onde eles colocavam seus trajes de banho.

Data desta época ainda a chácara “Vila Clotilde”, cujo casarão se tornou conhecido como um dos cenários da primeira novela gravada no estado do Rio Grande do Sul: Pedra Redonda, 39. Filmada em 1965, a novela estrelou Tarcísio Meira e Glória Menezes, e seu título faz referência ao antigo endereço da mansão – a Estrada da Pedra Redonda corresponde à atual Avenida Coronel Marcos. Outro episódio envolvendo a mansão foi a visita para um chá, em 1931, da então primeira-dama brasileira, Darcy Vargas. A Vila Clotilde pertenceu ao rico comerciante Oscar Bastian e à sua esposa, Clotilde. A única filha deles, Lya Bastian Meyer, introduziu o balé no estado, tendo sido a primeira diretora de dança do Theatro São Pedro. Antes de ser parcialmente vendido, o terreno da chácara abrangia todo o Morro do Sabiá (de 41 metros de altura), a principal atração natural do bairro depois da própria orla. Hoje, o topo do Morro pertence ao Colégio Anchieta

Características atuais[editar | editar código-fonte]

Nos dias atuais, a Pedra Redonda é um bairro predominantemente residencial, um dos mais valorizados da cidade, que conta a presença de várias sedes campestres de associações e sociedades privadas e públicas. Progressivamente, muitos dos antigos chalés de madeira que existiram no início de sua história deram lugar a casas e a condomínios horizontais de alto padrão, situados em ruas bem arborizadas. O único senão do bairro talvez seja o espaço insuficiente para comércio, obrigando seus moradores a procurar por serviços em outros bairros, como Ipanema.

Diferentemente de seu passado, a praia da Pedra Redonda não é mais balneável, tampouco acessível ou segura. Fatores que contribuíram para isso foram a especulação imobiliária, a poluição e o longo descaso do Poder Público. Há placas instaladas pela prefeitura municipal alertando para o “perigo” das águas poluídas e advertindo que se trata de um “local impróprio para banho”. Na praia vê-se lixo acumulado. Além disso, os muros erguidos em propriedades em frente à orla do Guaíba fizeram-na ficar muito estreita e, em alguns pontos e durante certas épocas do ano, descontínua. Por causa disso, a conhecida Ponta dos Cachimbo, na Vila Conceição, não está mais conectada com o restante da praia da Pedra Redonda.

Pontos de referência[editar | editar código-fonte]

Sedes campestres
Educação
  • Colégio Marista Ipanema

Limites atuais[editar | editar código-fonte]

Margem do rio Guaíba, da embocadura da Rua Professor Emílio Meier, até encontrar a Avenida Coronel Marcos, desta até a Rua Evaristo do Amaral, desta até encontrar o limite do Parque Natural do Morro do Osso, deste limite até encontrar a Rua David Francisco Maurício, desta até a Travessa Pedra Redonda, desta até a Avenida Coronel Marcos, por esta até encontrar a Rua Manoel Leão; desta até a margem do Guaíba e por esta até a embocadura da Rua Professor Emílio Meier. .

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]