Três Figueiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Três Figueiras
  Bairro do Brasil  
A Avenida Luiz Manoel Gonzaga.
A Avenida Luiz Manoel Gonzaga.
Três Figueiras dentro de Porto Alegre.
Três Figueiras dentro de Porto Alegre.
Município Porto Alegre
Área
 - Total 106 hectares
População
 - Total 3,657 hab (2 000)
1,731 homens
1,926 mulheres
    • Densidade 34 hab/ha hab./km²
Taxa de crescimento (-) 1,0% (de 1991 a 2000)
Domicílios 1.095
Rendimento médio mensal 37,00 salários mínimos
Fonte: Não disponível

Três Figueiras é um bairro nobre da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela Lei 2022 de 7 de dezembro de 1959, hoje considerado um dos bairros mais seguros da cidade de Porto Alegre.

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome do bairro deriva de três figueiras nativas da espécie Ficus organensis, localizadas nas dependências do Colégio Farroupilha, cujo terreno era conhecido como "Chácara das Três Figueiras". As três árvores foram tombadas pelo município de Porto Alegre.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A região do bairro foi inicialmente ocupada por chácaras pertencentes a negros alforriados, onde os mesmos praticavam cultos às religiões africanas[2].

Com o crescimento populacional e o desenvolvimento de áreas próximas ao Centro Histórico de Porto Alegre, o Três Figueiras se transformou, ao longo dos anos, em um bairro nobre, predominantemente residencial, de classe média alta à alta alta. Possui atualmente a maior renda per capita da cidade, sendo considerado um dos vinte bairros mais ricos do Brasil, segundo dados da revista Exame. Segundo essa mesma publicação, é também o bairro de maior renda per capita da Região Sul.

O crescimento trouxe também ao bairro dois colégios tradicionais de Porto Alegre, o Colégio Farroupilha (fundado em 1886)[3] e o Colégio Anchieta (fundado em 1890)[4], antes localizados no Centro Histórico. Ambos são instituições particulares. Enquanto o primeiro é de formação ecumênica, o segundo é de preceitos jesuítas.

Quilombo Silva[editar | editar código-fonte]

O bairro Três Figueiras virou assunto na mídia quando foram feitas reportagens a respeito de um dos últimos quilombos da cidade, a Associação Quilombo da Família Silva[5]. Estando situado no bairro há décadas, recebe apoio da Fundação Cultural Palmares, a qual reconhece sua identidade afro-brasileira e direito a território[6]. O Quilombo da Família Silva se tornou o primeiro "quilombo urbano" titulado do Brasil. Ainda assim, grandes construtoras já ocuparam dois terços de sua área, demarcada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de modo que surgiram disputas judiciais.[7]

Marcos[editar | editar código-fonte]

Áreas verdes
  • Praça Emílio Schenck
  • Praça Desembargador La Hire Guerra
  • Praça Arquiteta Berenice Baptista (também chamada Praça Paris)
Educação
Outros

Galeria[editar | editar código-fonte]

Limites atuais[editar | editar código-fonte]

Avenida Carlos Gomes, da esquina da Avenida Nilo Peçanha até a Avenida Protásio Alves; desta, até a Rua João Paetzel; e, por esta, até encontrar a Rua Jorge Fayet; por esta, até encontrar a Rua Gustavo Schmidt; e, por esta, numa linha seca e reta, até a Avenida Nilo Peçanha; e, desta, até a Avenida Carlos Gomes.

Moradores ilustres[editar | editar código-fonte]

Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS, Irene (org.). Negro em preto e branco: história fotográfica da população negra de Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. Prefeitura de Porto Alegre/Funproarte, 2005. p. 36-41.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Três Figueiras