Maria Isabel de Bragança, Rainha de Espanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Isabel
Infanta de Portugal
Retrato por Vicente López Portaña, 1826.
Rainha Consorte da Espanha
Reinado 29 de setembro de 1816
a 26 de dezembro de 1818
Predecessora Júlia Clary
Sucessora Maria Josefa da Saxônia
 
Marido Fernando VII da Espanha
Casa Bragança (por nascimento)
Bourbon (por casamento)
Nome completo
Maria Isabel Francisca de Assis Antónia Carlota Joana Josefa Xavier de Paula Micaela Rafaela Isabel Gonzaga
Nascimento 19 de maio de 1797
  Palácio Real de Queluz, Queluz, Portugal
Morte 26 de dezembro de 1818 (21 anos)
  Palácio Real de Madrid, Madrid, Espanha
Enterro Mosteiro e Sítio do Escorial, San Lorenzo de El Escorial, Espanha
Pai João VI de Portugal
Mãe Carlota Joaquina da Espanha

Maria Isabel (Queluz, 19 de maio de 1797Madrid, 26 de dezembro de 1818) foi a segunda esposa do rei Fernando VII e Rainha Consorte da Espanha de 1816 até sua morte. Era filha do rei João VI de Portugal e sua esposa a infanta Carlota Joaquina da Espanha., na ânsia de salvarem o bebé, lhe retalharam o ventre numa cesariana desastroso

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria Francisca de Assis de Bragança, irmã de D. Maria Isabel Francisca de Assis de Bragança por Nicolas-Antoine Taunay

Nascida no Palácio de Queluz, a infanta Maria Isabel Francisca de Assis Antónia Carlota Joana Josefa Xavier de Paula Micaela Rafaela Isabel Gonzaga era a segunda filha do rei João VI de Portugal e de Carlota Joaquina de Bourbon.

Seu casamento com Fernando VII, celebrado no dia 29 de Setembro de 1816, em Madrid, tinha como objetivo reforçar as relações entre Espanha e Portugal. Por este mesmo motivo, também ocorreu o matrimónio entre o infante Carlos de Bourbon, irmão de Fernando, com a infanta Maria Francisca de Assis de Bragança, irmã menor de Maria Isabel.

Maria Isabel destacou-se por sua cultura e afeição pela arte. Foi dela que partiu a iniciativa de reunir obras de arte dos monarcas espanhóis para criar um museu real, o futuro Museu do Prado, inaugurado em 19 de Novembro de 1819, um ano após sua morte[1].

D. Maria Isabel de Bragança e seu tio Fernando VII tiveram duas filhas, Maria Luísa Isabel (1817-1818), e uma filha natimorta. Como a história deve ser recordada com pormenores, porque se não as pessoas do passado não seriam devidamente humanizadas, dever-se-á recordar que a sua morte foi considerada uma desgraça para sua família. D. Maria Isabel em dezembro de 1818, durante um parto difícil e prolongado, e já bastante debilitada pelo grande esforço, teve um ataque de epilepsia (doença de que sofriam também muitos de seus irmãos) entrando em coma. Este facto não foi percebido pelos médicos da corte, que, na ânsia de salvarem o bebé, lhe retalharam o ventre numa cesariana desastrosa. A rainha voltou à lucidez berrando de dores, e tanto D. Maria Isabel como a criança morreram em poucas horas. Ainda hoje esta rainha dos espanhóis é recordada como "a rainha que morreu duas vezes" (Rezzutti, 2016). Seu corpo está sepultado no mosteiro do Escorial, nos arredores da capital espanhola.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

2. Rezzutti, Paulo: "D. Pedro IV - A história não contada: O homem revelado por cartas e documentos inéditos", Casa das Letras, 1ª edição, junho de 2016

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Isabel de Bragança, Rainha de Espanha


Maria Isabel de Portugal
Casa de Bragança
Ramo da Casa de Avis
19 de maio de 1797 – 26 de dezembro de 1818
Precedida por
Júlia Clary
Coat of Arms of Maria Isabel of Portugal, Queen Consort of Spain.svg
Rainha Consorte da Espanha
29 de setembro de 1816 – 26 de dezembro de 1818
Sucedida por
Maria Josefa da Saxônia