Suicídio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Suicida)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Suicídio
O Suicida de Édouard Manet 1877–1881
Especialidade Psiquiatria
Início habitual >70 e 15–30 anos de idade[1]
Causas enforcamento, envenenamento com pesticidas, armas de fogo[2][3]
Fatores de risco Depressão, perturbação bipolar, esquizofrenia, perturbações de personalidade, alcoolismo, abuso de substâncias[2][4]
Prevenção Restringir o acesso a métodos de suicídio, tratamento de perturbações mentais e do abuso de substâncias, melhoria das condições económicas, tratamento adequado do tema nos meios de comunicação social[2]
Mortes 828 000 / 1,5% (2015)[5]
Classificação e recursos externos
CID-10 X60X84
CID-9 E950
DiseasesDB 12641
MedlinePlus 001554
eMedicine article/288598
MeSH D013405
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Suicídio é o ato intencional de matar a si mesmo.[6][7] Os factores de risco incluem perturbações mentais e/ou psicológicas como depressão, perturbação bipolar, esquizofrenia ou abuso de drogas, incluindo alcoolismo e abuso de benzodiazepinas.[2][4][8] Outros suicídios resultam de actos impulsivos devido ao stress e/ou dificuldades económicas, problemas de relacionamento ou bullying.[2][9] As pessoas com antecedentes de tentativas de suicídio estão em maior risco de vir a realizar novas tentativas.[2] As medidas de prevenção do suicídio passam pela restrição do acesso a métodos de suicídio, como armas de fogo, armas brancas, drogas ou venenos, pelo tratamento de perturbações mentais e da toxicodependência, por noticiar de forma correta os casos de suicídio na imprensa e pela melhoria das condições económicas da população.[2] Embora seja comum a existência de linhas telefónicas de prevenção do suicídio, não existem dados suficientes que comprovem a sua eficácia.[10]

Os métodos de suicídio mais comuns diferem de país para país e estão em parte relacionados com a disponibilidade de meios.[11] Os métodos mais utilizados incluem enforcamento, envenenamento por pesticidas e recurso a armas de fogo.[2][3] Em 2015, suicidaram-se em todo o mundo 828 000 pessoas, um ligeiro aumento face aos 712 000 suicídios em 1990.[5][12] Em 2015, o suicídio foi a décima principal causa de morte em todo o mundo.[4][13]

A cada ano morrem por suicídio 0,5% a 1,4% das pessoas, ou 12 em cada 100 000 pessoas.[13][14] Três quartos dos suicídios ocorrem nos países em desenvolvimento.[2] As taxas de suicídios consumados são geralmente mais elevadas nos homens do que nas mulheres. Em países em desenvolvimento suicidam-se 1,5 vezes mais homens do que mulheres e em países desenvolvidos suicidam-se 3,5 vezes mais homens do que mulheres.[1] Na generalidade dos países, o suicídio é mais comum entre os maiores de 70 anos. No entanto, em alguns países o grupo etário de maior risco é aquele com idades compreendidas entre os 15 e 30 anos.[1] Estima-se que em todo o mundo haja anualmente entre 10 a 20 milhões de tentativas de suicídio não fatais.[15] As tentativas de suicídio – gestos auto-destrutivos não fatais – podem provocar lesões e incapacidade a longo prazo. No mundo ocidental, as tentativas são mais comuns nos jovens e pessoas do sexo feminino.[14]

Os pontos de vista sobre o suicídio têm sido influenciados por temas existenciais como religião, filosofia, psicologia, honra e o sentido da vida.[16][17] As religiões abraâmicas, por exemplo, consideram o suicídio uma ofensa contra Deus devido à crença religiosa na santidade da vida.[18] Durante a era samurai no Japão, existia uma forma de suicídio conhecido como seppuku (harakiri) que era respeitada como uma forma de expiação do fracasso ou como uma forma de protesto ou pena de morte frente à desonra por um crime, delito ou por outro motivo que os envergonhasse.[19] O sati é uma antiga prática proibida pelo Raj Britânico, no qual a viúva se autoimola na pira funerária do seu marido, seja voluntariamente ou por pressão da família e/ou das leis do país.[20] O suicídio e o suicídio tentado, apesar de anteriormente ter sido considerado ilegal, hoje já não o é na maioria dos países ocidentais,[21] embora nalgumas jurisdições ainda possa ser considerado crime.[22] Nos séculos XX e XXI, o suicídio foi usado em raras ocasiões como forma de protesto, ou na forma de kamikaze e de atentados suicidas como uma táctica militar ou terrorista.[23] O termo tem origem no latim, suicidium[24]

Definições[editar | editar código-fonte]

A palavra "suicídio", provém do latim suicidium,(sui, de si próprio; caedere, matar[25]) "o ato de tirar a própria vida".[26]

Assassinato-suicídio
Ver artigo principal: Assassinato-suicídio

Assassinato-suicídio refere-se a uma situação em que o autor de um homicídio se suicida após a morte da(s) vítima(s).[27] O que parece ser um pacto geralmente é na realidade um assassinato, os pactos são frequentemente feitos por mulheres ou casais idosos.[28] Um caso especial disso é o suicídio prolongado, em que o assassinato é motivado ao ver as pessoas assassinadas como uma extensão de si.[29]

Ataque suicida

Um ataque suicida é quando um atacante comete um ato de violência contra outros (geralmente um grande número de pessoas), normalmente para atingir um objetivo militar ou político, que resulta em sua própria morte. Os atentados suicidas são muitas vezes consideradas como um ato de terrorismo, os exemplos históricos incluem o assassinato do Czar Alexandre II, o Bombardeamento do Hotel Shamo, o Atentado suicida do Dizengoff Center, os ataques kamikazes por pilotos aéreos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial e os Ataques de 11 de setembro de 2001. Entre 2000 e 2007 ocorreram 140 ataques suicidas em Israel que mataram 542 pessoas e feriram milhares.[30]

Autoagressão
Ver artigo principal: Autoagressão

O dano intencional direto de tecido do corpo, realizado sem a intenção de cometer suicídio é chamado de autoagressão[31][32][33] Outros termos como "auto-mutilação" ou "autolesão" são usados para qualquer comportamento auto-prejudicial, independentemente da intenção suicida.[32][34][35][36]

Indução de suicídio

Induzir, estimular, dar dicas ou apoiar de qualquer outra forma o suicídio de outra pessoa é um crime em vários países ocidentais, considerado como uma forma de homicídio doloso (intenção de matar). Essa punição leva em conta inclusive quando o estímulo é feito na internet.[37][38][39] No Brasil o artigo 122 do Código Penal prevê reclusão de dois a seis anos para quem induz, instiga ou ajuda alguém a cometer suicídio, ou reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, se da tentativa de suicídio resulta lesão corporal de natureza grave.[40]

Eutanásia
Ver artigo principal: Eutanásia

A eutanásia é quanto uma pessoa assume um papel ativo na morte de uma pessoa.[41]

Suicídio assistido
Ver artigo principal: Suicídio assistido

Suicídio assistido é quando um indivíduo ajuda o outro a causar sua própria morte indiretamente, providenciando conselhos ou os meios para o fim.[41]

Ortotanásia
Ver artigo principal: Ortotanásia

o termo "ortotanásia" literalmente significa "morte correta" e se refere ao tratamento dado ao fim da vida de um paciente, aliviar seu sofrimento, sem acelerar ou retardar sua morte.[42] No Brasil essa prática está sendo discutida no Congresso Nacional. Em 2010, o PLS 116/2000 foi aprovado pelo Senado e em seguida remetido à Câmara dos Deputados, onde aguarda votação.[43]

Suicídio coletivo e pacto suicida
Ver artigo principal: Suicídio coletivo

Certos suicídios são realizados sob pressão social ou de um grupo. Os suicídios coletivos ou em massa, podem ocorrer apenas entre duas pessoas, como um "pacto suicida", ou com um número muito maior. Um exemplo é o suicídio em massa que ocorreu por membros do Peoples Temple, uma seita estadunidense liderada por Jim Jones em 1978 na Guiana que levou a morte de 918 pessoas incluindo 270 menores de idade.[44]

Outro exemplo ocorreu em janeiro de 2012, na China.[45][46] Trezentos funcionários da Foxconn, fabricante do Xbox 360, ameaçaram um suicídio coletivo se as reivindicações do grupo não forem atendidas.[47] O protesto terminou com um acordo entre a empresa e os funcionários.[48]

Suicídio metafórico

É o sentido metafórico de "destruição intencional de um autointeresse",[49] como o suicídio político.

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Os fatores que afetam o risco de suicídio incluem transtornos mentais, uso indevido de drogas, estados psicológicos, situações culturais, familiares e sociais, genética e experiências de trauma ou perda.[50][51][52] Transtornos mentais e uso indevido de substâncias frequentemente coexistem.[53] Outros fatores de risco incluem ter tentado suicídio anteriormente,[14] a pronta disponibilidade de um meio de tirar a própria vida, um histórico familiar de suicídio ou a presença de lesão cerebral traumática.[54] Por exemplo, verificou-se que as taxas de suicídio são maiores em famílias com armas de fogo do que naquelas sem.[55]

Problemas socioeconômicos como desemprego, pobreza, falta de moradia e discriminação podem desencadear pensamentos suicidas.[56][57] O suicídio pode ser mais raro em sociedades com alta coesão social e objeções morais contra o suicídio.[58] Cerca de 15 a 40% das pessoas deixam uma nota de suicídio.[59] Veteranos de guerra têm um risco maior de suicídio devido, em parte, a taxas mais altas de doenças mentais, como distúrbios do estresse pós-traumático e problemas de saúde física relacionados à guerra.[60] Genetics appears to account for between 38% and 55% of suicidal behaviors.[61] Suicídios também podem ocorrer como um cluster local de casos.[62]

Tentativas anteriores e autoagressão[editar | editar código-fonte]

Uma história anterior de tentativas de suicídio é o preditor mais preciso do suicídio completo.[14] Aproximadamente 20% dos suicídios tiveram uma tentativa anterior e, dos que tentaram suicídio, 1% completam o suicídio dentro de um ano[14] e mais de 5% morrem por suicídio em 10 anos.[74] Atos de autoagressão geralmente não são tentativas de suicídio e a maioria dessas pessoas não corre alto risco de suicídio.[79] Alguns que se autoagridem, no entanto, podem terminar sua vida com suicídio pois o risco de autoagressão e suicídio podem se sobrepor.[79]

Abuso de substâncias[editar | editar código-fonte]

O abuso de álcool é um dos principais indicadores de ideação suicida
Veja também: Drogadição, Cocaína, Droga psicoativa, Alcoolismo

O abuso de substâncias é a segunda causa mais comum de suicídio depois dos transtornos de humor.[80] Tanto o abuso crônico de substâncias, bem como o abuso de substâncias aguda está associada a um risco aumentado de suicídio. Isso é atribuído aos efeitos intoxicantes e desinibidor de muitas substâncias psicoativas, quando combinado com o sofrimento pessoal, como o luto o risco de suicídio é muito maior.[81] Mais de 50% dos suicídios estão relacionados ao álcool ou drogas. Até 25% dos toxicodependentes e alcoólicos cometem suicídio. Em adolescentes, o número é maior com álcool ou abuso de drogas, que desempenha um papel em até 70% dos suicídios. Foi recomendado que todos os toxicodependentes ou alcoólicos são investigadas por pensamentos suicidas, devido ao elevado risco de suicídio.[82]

Biológico[editar | editar código-fonte]

Para boa parte dos especialistas, a genética tem um efeito sobre o risco de suicídio[83] responsável por 30-50% de variância..[84] Grande parte deste relacionamento atua através da hereditariedade da doença mental.[84] Porém, a questão da hereditariedade é polêmica, alguns autores alegam que é apenas consequência de viver com pais com transtornos mentais (e esses sim seriam hereditários).[85]

Social[editar | editar código-fonte]

Problemas familiares, amorosos e financeiros

Um estudo encontrou maior frequência de suicídio entre pessoas com famílias desestruturadas e após rompimentos de relacionamentos amorosos entre jovens. Entre adultos separações e problemas financeiros são fatores de risco.[86] Apesar de problemas financeiros sérios serem um fator de risco e religião ser um fator de proteção, Durkheim percebeu uma prevalência de suicídio entre pessoas de classe sócio-econômica mais elevada.[87] Outros autores também encontraram maior prevalência entre classes socioeconômicas mais altas num estudo feito em São Paulo.[88]

Como forma de rebeldia ou protesto

Muitas vezes a greve de fome pode encaminhar no suicídio de mais de uma pessoa, como ocorreu na Irlanda em 1981 durante o Conflito na Irlanda do Norte liderado por Bobby Sands e que resultou em 10 mortes.[89]

Suicídio judicial

Muitas vezes uma pessoa que tenha cometido um crime pode cometer suicídio para evitar ser processado, como foi o caso de Budd Dwyer e Hermann Göring.[90]

Suicídio militar
Ataque Kamikaze sobre o porta-aviões de escolta USS White Plains (CVE-66), 25 de outubro de 1944.

Nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial, alguns pilotos japoneses kamikazes voluntariaram para missões em uma tentativa de evitar a derrota para o Império. Perto do fim da guerra, os japoneses desenvolveram um pequeno avião (Ohka), cujo único propósito era missões kamikazes. Da mesma forma, as unidades da Luftwaffe faziam Selbstopfereinsatz (missões de autossacrifício) contra pontes Soviética. Na Alemanha nazista, muitos soldados e oficiais do governo (incluindo Adolf Hitler) mataram-se, em vez de se render aos Aliados da Segunda Guerra Mundial. O japonês também construiu um "homem-torpedo humano submarinos" suicídio chamado Kaitens.[91] Depois do 11 de setembro, morrem-se mais soldados norte-americanos por suicídio em guerras no Iraque a Afeganistão do que os civis mortos nas mesmas.[92]

Ideação suicida[editar | editar código-fonte]

Carta de suicídio do poeta alemão Heinrich von Kleist (1777-1811) endereçada à sua meia-irmã Ulrike. Muitos suicidas, em particular personalidades públicas, escrevem notas de suicídio justificando o ato.

Segundo a psicologia, existem vários comportamentos que indicam a possibilidade de ideação suicida. Dentre eles o relato de querer desaparecer, dormir para sempre, ir embora e nunca mais voltar ou mesmo objetivamente o relato do desejo de morrer, mesmo quando falado num tom de brincadeira, devem ser considerados indícios significativos e levados a sério.

Um importante indicativo é o uso abusivo de álcool, especialmente quando o início for precoce, existir um histórico familiar de alcoolismo e houver eventos disruptivos recentes ou perda de uma relação interpessoal importante.[78] Outro importante indicativo é o uso drogas ilegais. Enquanto pessoas com histórico de abuso de drogas tem mais de 50 vezes mais probabilidade de tentar suicídio do que os que nunca usaram. Mais de 40% dos suicidas tem histórico de abuso de álcool ou outra substância.[93]

Quanto mais comportamentos indicativos mais provável a ideação e necessidade de intervenção. Outros comportamentos associados com tentativas de suicídio e que devem ser tratados como alerta são:

O Inventário de Depressão de Beck (BDI) e a Escala de Ideação Suicida de Beck (BSI) pode ser usada para medir a gravidade dessa ideação.[99]

Fatores de risco[editar | editar código-fonte]

Retrato de uma família russa pintado por Wilhelm Amadeus Beer. Pais negligentes, libertários e/ou autoritários são um fator de risco para suicídio, enquanto pais atenciosos e responsáveis são um fator de proteção.[85]

Outros fatores importantes que deveriam ser considerados, pois seriam mais comuns entre aqueles que tentam suicídios[100][85][98]:

  • Planejar o suicídio;
  • Acesso ao método de suicídio;
  • Tentativas anteriores (as duas semanas após a tentativa é que tem mais risco);
  • Eventos estressores recentes (como perda do emprego, morte de ente querido, desastres naturais, guerras, diagnóstico de doença e divórcio);
  • Idade entre 13 e 19 anos (35% dos adolescentes brasileiros entre 13 e 19 anos tem ideação suicida)[101] ou depois dos 65;
  • Rede de apoio social restrita (poucos amigos e cuidadores).
  • Nível sócio-econômico e nível educacional baixos;
  • Traumas, tais como abuso físico e sexual;
  • Baixa auto-estima e desesperança;
  • Questões de orientação sexual (tais como homossexualidade e transexuais);
  • Pouco discernimento, falta de controle da impulsividade, e comportamentos auto-destrutivos;
  • Poucos recursos (cognitivos, materiais, funcionais e sociais) para enfrentar problemas;
  • Doença física (como HIV) e dor crônica;
  • Exposição ao suicídio de outras pessoas.

Factores sócio-económicos como o desemprego, a pobreza, falta de moradia, e discriminação podem provocar pensamentos suicidas.[102] A pobreza pode não ser uma causa direta, mas pode aumentar o risco de suicídio, pois é um grupo de risco para depressão.[103]

Mitos do suicídio[editar | editar código-fonte]

Erros e preconceitos são historicamente repetidos contribuindo para formação de estigmas em torno da doença mental e do comportamento suicida, o estigma resulta de um processo em que pessoas são levadas a se sentirem envergonhadas, excluídas e discriminadas.[104] São mitos do suicídio as seguinte afirmações:[105][106]

  • Mito 1: “Uma vez suicida, a pessoa sempre é suicida"[105]
Embora pensamentos suicidas possam retornar, não são permanentes e um indivíduo que teve pensamentos e tentativas suicidas podem continuar a viver normalmente.
  • Mito 2: “Falar sobre suicídio é uma má ideia e pode ser interpretado como incentivo”[105]
Dado o estigma generalizado em torno do suicídio, a maioria das pessoas que está pensando em suicídio não sabe com quem falar. Em vez de incentivar o comportamento suicida, falar abertamente pode dar ao indivíduo outras opções ou tempo para repensar sua decisão, impedindo o suicídio.
  • Mito 3: “Somente pessoas com transtornos mentais são suicidas”[105]
Os comportamentos suicidas têm sido associados à depressão, abuso de substâncias, esquizofrenia e outras perturbações mentais, além de aos comportamentos destrutivos e agressivos. No entanto, esta associação não deve ser sobrestimada. A proporção relativa destas perturbações varia de lugar para lugar e há casos em que nenhuma perturbação mental foi detectada.
  • Mito 4: “A maioria dos suicídios acontece de repente, sem aviso prévio”[105]
A maioria dos suicídios foi precedida por sinais de alerta, verbais ou comportamentais. É claro que existem alguns suicídios que ocorrem sem aviso prévio, mas é importante entender quais são os sinais de alerta e ter cuidados
  • Mito 5: “O suicida está determinado a morrer”[105]
Pelo contrário, as pessoas suicidas costumam ser ambivalentes quanto a viver ou morrer. a pessoa pode agir impulsivamente e morrer alguns dias depois, mesmo que gostassem de viver. O acesso ao apoio emocional na hora certa pode impedir o suicídio.
  • Mito 6: “Pessoas que falam de suicídio não pretendem fazer"[105]
As pessoas que falam sobre suicídio podem estar buscando ajuda ou apoio. Um número significativo de pessoas que pensam em suicídio está experimentando ansiedade, depressão e desesperança e pode sentir que não há outra opção.
  • Mito 7: “Quando um indivíduo mostra sinais de melhoria ou sobrevive a uma tentativa de suicídio, está fora de perigo”[106]
Na verdade, um dos períodos mais perigosos é imediatamente depois da crise, ou quando a pessoa está se recuperando, na sequência de uma tentativa. A semana seguinte é um período durante o qual a pessoa está fragilizada.
  • Mito 8: “O suicídio é sempre hereditário”[106]
Nem todos os suicídios podem ser associados à hereditariedade e estudos conclusivos são limitados. Uma história familiar de suicídio, no entanto, é um factor de risco importante para o comportamento suicida, particularmente em famílias onde a depressão é comum.
  • Mito 9: “O suicídio só acontece “àqueles outros tipos de pessoas” não a nós”[106]
O suicídio acontece a todos os tipos de pessoas e encontra-se em todos os tipos de sistemas sociais e de famílias.
  • Mito 10: “Após uma pessoa tentar cometer suicídio uma vez, nunca voltará a tentar novamente”[106]
Na verdade, as tentativas de suicídio são um preditor crucial do suicídio.
  • Mito 11: “Crianças não cometem suicídio dado que não entendem que a morte é final e são cognitivamente incapazes de se empenhar num acto suicida”[106]
Embora raro, as crianças cometem suicídio e, qualquer gesto, em qualquer idade, deve ser levado muito seriamente.
  • Mito 12: “É proibido que a mídia aborde o tema suicídio.”[104]
A mídia tem obrigação social de tratar desse assunto de saúde pública e abordar esse tema de forma adequada. Isto não aumenta o risco de uma pessoa se matar; ao contrário, é fundamental dar informações à população sobre o problema, onde buscar ajuda etc.

Métodos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Métodos de suicídio

O principal método de suicídio varia dramaticamente entre os países. Os métodos de liderança em diferentes regiões incluem enforcamento, envenenamento por pesticidas e armas de fogo.[107] Em todo o mundo 30% dos suicídios são de pesticidas. A utilização deste método, contudo, varia consideravelmente de 4% na Europa a mais de 50% na região do Pacífico.[108] Nos Estados Unidos, 52% dos suicídios envolvem o uso de armas de fogo.[109] Asfixia e envenenamento também são bastante comuns neste país. Juntos, eles compreenderam aproximadamente 40% dos suicídios nos Estados Unidos. Outros métodos de suicídio incluem trauma contundente (saltando de um prédio ou uma ponte, jogando-se na frente de um trem, ou provocando um acidente de carro, por exemplo). Há ainda causas menos comuns, como afogamento intencional, choque elétrico, ou fome intencional.

Informações sobre suicídio[editar | editar código-fonte]

A associação americana de suicidologia o centro de controle e prevenção de doenças americano (CDC) defendem que aprender sobre o suicídios, sinais de alerta sobre ideação, fatores de risco e proteção e como intervir em crises são importantes medidas de prevenção.[110]

Porém, definir se a exposição ou não a um suicídio é um fator de risco para novos suicídios ainda é uma questão controversa.[111] Um estudo de 1996 foi incapaz de encontrar uma relação de suicídios entre amigos.[112] No entanto, um outro estudo de 1986 encontrou maiores taxas de suicídio após um noticiário televisivo em relação ao suicídio,[113] tal fenômeno é conhecido como Efeito Werther.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Expectativa de vida ajustado por auto infligimento por 100.000 habitantes em 2004.[114]
  sem dados
  menos que 80
  80-160
  160-240
  240-320
  320-400
  400-480
  480-560
  560-640
  640-720
  720-800
  800-850
  mais que 850
Taxa de suicídio por cada 100.000 homens (dados de 1978-2008)
  sem dados
  < 1
  1–5
  5–5.8
  5.8–8.5
  8.5–12
  12–19
  19–22.5
  22.5–26
  26–29.5
  29.5–33
  33–36.5
  >36.5
Taxa de suicídio por 100.000 mulheres (dados de 1978-2008)
  sem dados
  < 1
  1–5
  5–5.8
  5.8–8.5
  8.5–12
  12–19
  19–22.5
  22.5–26
  26–29.5
  29.5–33
  33–36.5
  >36.5

O suicídio é a décima causa de morte no mundo,[115] com cerca de um milhão de pessoas mortas por suicídio anualmente.[116] Em todo o mundo as taxas de suicídio aumentaram 60% nos últimos 50 anos, principalmente nos países em desenvolvimento. A maioria dos suicídios do mundo ocorrem na Ásia, que é estimada em até 60% de todos os suicídios do planeta. Segundo a Organização Mundial da Saúde, China, Índia e Japão podem ser responsáveis por 40% de todos os suicídios no mundo.[117] O aumento da taxa de suicídio global entre 1999 e 2005 foi devido principalmente a um aumento dos suicídios entre as mulheres brancas adultas.[118]

Gênero[editar | editar código-fonte]

No mundo ocidental, os homens morrem de três a quatro vezes mais frequentemente por suicídio do que as mulheres, embora as mulheres tentem suicídio com três a quatro vezes mais. Os homens morrem mais porque usam meios mais violentos e eficazes como armas de fogo, enforcamento e salto de grandes alturas, enquanto as mulheres usam métodos mais lentos e menos letais, como consumo excessivo de medicamentos ou de veneno. Além disso homens possuem mais fatores de risco como abuso de álcool ou outras drogas, isolamento e armas de fogo em casa.[119]

Alcoolismo e uso de drogas[editar | editar código-fonte]

Estudos norte-americanos mostraram que 33% a 69% dos suicidas apresentavam alcoolemia positiva.[120] De fato, nos Estados Unidos, 16,5% dos suicídios estão relacionados ao álcool.[121] No Reino Unido, um estudo de suicídios ocorridos entre 1988 e 1995 determinou que 45% das vítimas apresentavam alcoolemia positiva, com maiores porcentagens na faixa etária de 35 a 44 anos Alcoólatras são de 5 a 20 vezes mais propensos a se matar, enquanto o mal uso de outras drogas aumenta o risco de 10 a 20 vezes.[122] No Brasil, em estudo realizado com 290 vítimas de suicídios na cidade de São Paulo, 36,2% apresentavam alcoolemia positiva.[123] Cerca de 15% dos alcoólicos cometem suicídio, e cerca de 33% dos suicídios em menos de 35 anos têm um diagnóstico primário de álcool ou abuso de outras substâncias, mais de 50% dos suicídios estão relacionados à dependência de álcool ou drogas. Sabe-se que o consumo de álcool aumenta a agressividade e essa afirmação é também válida para violência dirigida a si mesmo.[124] Em adolescentes o álcool ou uso indevido de drogas desempenha um papel em até 70% dos suicídios.[82][125]

Etnia[editar | editar código-fonte]

Taxas de suicídio nacionais diferem significativamente entre países e entre grupos étnicos no interior dos países.[126] Por exemplo, no EUA, não-hispânicos caucasianos são quase 2,5 vezes mais propensos a se matar do que afro-americanos ou hispânicos.[127] No Reino Unido as taxas de suicídio variam significativamente entre as diferentes partes do país. Na Escócia, por exemplo, a taxa de suicídio é aproximadamente o dobro do que na Inglaterra.[128]

Por país[editar | editar código-fonte]

Taxas de suicídio por 100 000 habitantes

No mundo, 815 000 pessoas cometeram suicídio no ano 2000, o que perfaz 14,5 mortes por 100 000 habitantes (uma morte a cada 40 segundos)[129] Países do Leste Europeu são os recordistas em média de suicídio por 100.000 habitantes. A Lituânia (41,9), Estônia (40,1), Rússia (37,6), Letônia (33,9) e Hungria (32,9). Guatemala, Filipinas e Albânia estão no lado oposto, com a menor taxa, variando entre 0,5 e 2. Os demais estão na faixa de 10 a 16. Em números absolutos, porém, a República Popular da China lidera as estatísticas. Foram 195 mil suicídios no ano de 2000, seguido pela Índia com 87 mil, a Rússia com 52,5 mil, os Estados Unidos com 31 mil, o Japão com vinte mil e a Alemanha com 12,5 mil.

Rússia

Todos os anos 60 mil pessoas põem um fim às suas vidas na Rússia, onde a taxa de suicídio é a segunda no mundo—são 34,9 por 100 mil habitantes, abaixo somente da Lituânia e leste europeu anunciou a diretora do Centro Serbski de Psiquiatria Social e Judiciária da Rússia, Tatiana Dmitrieva, em entrevista coletiva organizada por ocasião do Dia Internacional da Saúde Mental. Em 2008, foram registados 29 suicídios por 100 mil habitantes, índice muito superior à média mundial de 14 por 100 mil.[130] As altas taxas provavelmente estão associadas com a grande frequência de alcoolismo, crises sócio-econômica e fatores culturais.

Japão
Ver artigo principal: Suicídio no Japão

O Japão tem a mais alta taxa de suicídio do mundo desenvolvido (24,1 por 100.000 habitantes). Os suicídios atingiram o número recorde de 34.427 em 2003 (+ 7,1% com relação a 2002) Geralmente empresários e funcionários, comentem suicídios motivados por escândalos de corrupção ou perda de dignidade na sociedade.[131]

No ano de 2008 o suicídio entre jovens bateu novo recorde no Japão, tendo alcançado 4.850 mortes , 1,7% a mais que no ano anterior, informou a polícia japonesa. Mesmo com este aumento, em 2008, 32 249 pessoas se mataram no Japão, uma baixa de 2,6% em com relação aos números de 2007.

A taxa de suicídios foi, no ano de 2008, de 25,3 para cada 100 mil habitantes, o que coloca o Japão entre os dez países do mundo com mais casos. O suicídio é a sexta maior causa de morte no Japão, onde não está associado a um tabu social.[132]

França

Em 1996, a França teve 12 000 suicídios por 160 000 tentativas; com 62 milhões de habitantes, esses números representam aproximadamente 19,6 suicídios por 100 000 habitantes, ou seja, um suicídio por 5 000 pessoas, e uma tentativa por 400 pessoas. A França ocupa o quarto lugar entre os países desenvolvidos. Esses números são mais ou menos estáveis desde 1980. Assim como em outros países da Europa o suicídio já se tornou uma causa mortis mais frequente que os acidentes de trânsito. Fatores culturais e crises sócio-econômicas agravaram a situação em 2008-2009.[133]

Brasil
Ver artigo principal: Suicídio no Brasil

No Brasil, 4,9 pessoas a cada 100 mil morrem por suicídio por ano, uma das menores médias do mundo. E ao contrário do resto do mundo onde é mais comum entre adultos, no Brasil há uma prevalência entre os jovens entre 15 e 24 anos.[134] Entre os estados, o Rio Grande do Sul é o que tem a maior taxa, 9,88 para 100 mil. Entre as cidades, o município com o maior índice é o de Amambai (MS), com mais de 49,3 casos a cada 100 mil habitantes, uma das cidades com maior índice de suicídio do mundo. (Mapa do suicídio estadual: [15]). Um dos métodos mais comuns no país são venenos como o agrotóxico Tamaron. Foram registradas 7.987 mortes por suicídio no País.[135] Entre os índios, o índice de suicídio foi de 98 por 100 mil, um índice alarmante que já responde por 81% dos suicídios em Mato Grosso do Sul e no Amazonas.[134]

No Rio Grande do Sul, em 2004, foi identificada a maior mortalidade masculina por suicídio do país com 16,6 mortes a cada 100 mil homens, enquanto Maranhão ficou em último lugar com 2,3 mortes a cada 100 mil homens. Em relação às mulheres, Mato Grosso do Sul ocupou o primeiro lugar com 4,2 mortes a cada 100 mil mulheres, e Rio Grande do Norte o último com mortalidade de 0,6 a cada 100 mil mulheres.[136]

Em 2005, seguindo as recomendações da OMS para combater o aumento no número de casos, foram elaborado de políticas nacionais de prevenção ao suicídio, atuando em esfera nacional, estadual e municipal.(Mais informações: [16]).[137]

No Brasil o número de suicídios aumentou quase 30% entre 1980 e 2006 com uma tendência crescente. Como muitos casos de suicídio são ocultos pela família ou não reportados pelos médicos, portanto os números reais podem ser muito maiores.[119]

Portugal

Em Portugal em 2003 11,1 pessoas por cada 100 mil morreram por suicídio sendo que a distribuição por género é de 17,1 por 100 mil para os homens e 5 por 100 mil para as mulheres.[138][139] A taxa de suicídio em Portugal dobrou na última década, de cerca de 600 para mais de 1.200 casos por ano.[140]

O enforcamento é o método de suicídio mais utilizado em 16 países europeus, incluindo Portugal, representando quase metade do total de casos. O segundo mais usado depende do gênero, sendo armas de fogo para homens e afogamento pelas mulheres sendo o oposto (arma de fogo por mulheres e afogamento por homens) muito raro.

Entre os jovens masculinos dos 15 aos 24, Portugal é o país que apresenta a taxa mais baixa da Europa. Além disso, é um dos países com menos suicídios entre mulheres.[138] O número de suicídios aumenta com a faixa etária, sendo mais frequente em homens acima dos 50 anos, esta peculiaridade pode ser reflexo de fatores históricos e culturais. Entre 1902 e 1939 o número de suicídios registrados aumentou de 236 para 969 casos e seguiu estável entre 750 e 1000 até 1975. E desde essa época que o número de suicídios entre homens já era entre duas e quatro vezes mais comuns do que mulheres e predominava entre os mais velhos.[141] Houve um grande decréscimo a partir da década de 70, chegando a 516 casos em 2000, menos número em 40 anos. Porém, em 2002 e 2003, esse número dobrou ultrapassando os mil casos e seguiu aumentando até 2010, tornando-se a causa de morte não-natural mais comum do país, superando o número por acidentes viários.[138][142]

Segundo a Sociedade Portuguesa de Suicidologia, entre 1998 a 2008, a média anual de suicídios no Baixo Alentejo foi de 53 casos, enquanto no concelho de Odemira, em 2007, foram registrados 61 mortes a cada 100 mil habitantes, com um grande número de casos na freguesia de Saboia, levando a região a um dos maiores índices de suicídio em todo o mundo. Um dos prováveis motivos pode ser o aumento no índice de desemprego e depressão maior.[138]

No sexo feminino, a menor taxa registou-se na região autónoma da Madeira, onde não houve casos registrados. Salienta-se que nas regiões Norte e Açores ocorreu menos de um suicídio por 100.000 habitantes. No sexo masculino, a região com menor taxa foi a do Norte. De um modo geral, em Portugal registaram-se mais suicídios nos meses de Junho, Julho e Setembro. Janeiro e Fevereiro foram os meses com menor número de registos. Fazendo uma análise por sexos, não se verificam grandes diferenças de perfis, registando-se um maior número de suicídios no sexo masculino nos meses de Junho e Setembro e no sexo feminino em Junho e Julho.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Prevenção do suicídio
Policial de Dallas tenta convencer uma mulher a não se jogar do edifício. Grande parte dos policiais das grandes cidades recebem treinamento para esses tipos de situações.

Segundo diversos especialistas a prevenção suicídio não deve ser apenas uma preocupação exclusiva de médicos, e sim de todos os profissionais de saúde, de segurança e da comunidade humana em sua totalidade.[143][144][145]

Abordagem psicológica[editar | editar código-fonte]

A abordagem psicológica quanto ao suicídio foca-se na prevenção e na intervenção em crise. A visão predominante da psicologia moderna é de que o suicídio é um problema de saúde mental, associada a fatores psicológicos como a dificuldade ou a impotência em lidar com eventos altamente estressantes, impacto de transtornos mentais. Ao invés de uma verdadeira intenção de morrer, a tentativa de suicídio por vezes é interpretada como um "grito de socorro" para chamar a atenção ao seu desespero e seu desejo de fuga.[146] A maioria das pessoas que tentam suicidar-se não obtém sucesso em sua primeira tentativa e frequentemente tentam novamente em outro momento. Pessoas com tentativas anteriores têm mais probabilidade de realizarem o ato com sucesso, por isso, é importante que a família e amigos se mantenham alerta e tomem medidas de prevenção contra novas tentativas.[147]

Intervenção em crise[editar | editar código-fonte]

Segundo a psicologia e a psiquiatria, caso seja identificado ideação suicida em alguém algumas das medidas que podem ser tomadas para evitar a conclusão do ato é[98][148][149][150]:

  • Colocar a pessoa em acompanhamento psicológico e psiquiátrico;
  • Mobilizar a rede social de apoio (família, parceiro(a), amigos...);
  • Em casos graves, internação em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS);
  • Fazer um contrato de vida, onde a pessoa se compromete a ligar para pessoas de sua confiança antes de cometer o suicídio;
  • Monitoramento regular;
  • Restringir acesso a álcool e drogas;
  • Retirar acesso aos métodos (como arma de fogo e venenos para animais) do ambiente;
  • Conversar sobre alternativas para solução dos problemas atuais e de como encará-los de uma forma mais saudável.

Família e amigos devem ficar alerta para pessoas com ideação suicida que começaram a usar antidepressivos. Medicação antidepressiva apesar de diminuir a ideação a longo prazo, nos primeiros meses aumenta bastante os riscos, ao melhorar a capacidade do indivíduo de tomar decisões e tomar atitudes, e por isso precisa de acompanhamento constante.[151]

Contenção física pode ser necessária durante uma tentativa. Conseguir conter o momento de crise e o impulso de se matar frequentemente é eficaz para prevenir o suicídio temporariamente. A intervenção em crise geralmente é pontual durando de duas a seis sessões. Intervenções preventivas feitas em comunidades teve bom resultados como forma de preparar as pessoas a lidar com crises e fazer um acolhimento mais adequado.[152]

Conseguir conter o momento de crise e o impulso de se matar frequentemente é eficaz para prevenir o suicídio temporariamente. A intervenção em crise geralmente é pontual durando de duas a seis sessões. Estudos apontam que algumas intervenções preventivas feitas em comunidades obtiveram bons resultados como forma de preparar as pessoas a lidar com crises e fazer um acolhimento mais adequado.[153]

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (International Association for Suicide Prevention - IASP) estabeleceram o dia 10 de setembro como o Dia Mundial para Prevenção do Suicídio.[154] O intuito é o de disseminar informação adequada e chamar mais atenção para o que já é considerado um problema de saúde pública.

Legislação[editar | editar código-fonte]

Uma faca tantō preparada para o seppuku.
Países aonde a eutanásia é legalizada (em verde escuro), e países aonde a legalização está sendo discutida (em verde claro e em laranja). No Território do Norte, na Austrália, a eutanásia chegou a ser legalizada, mas depois a prática foi novamente considerada criminosa.

Antigamente, em Atenas, uma pessoa que havia cometido suicídio (sem a aprovação do Estado) era negada às honras de um funeral normal; a pessoa era enterrada sozinha, na periferia da cidade, sem lápide ou inscrição.[155] Um decreto-lei criminal emitido por Luís XIV de França em 1670 era muito mais grave em sua punição: o corpo do morto era atirado pelas ruas, virado para baixo, depois pendurado ou jogado em uma pilha de lixo, enquanto que todos os seus bens eram confiscados.[156] Em contrapartida, os soldados da Roma antiga e do Japão Feudal que haviam sido derrotados nas guerras eram obrigados a cometerem suicídio.

Modernamente, em algumas jurisdições, um ato incompleto ou ato de suicídio é considerada um crime. Mais comumente, um membro do grupo sobrevivente que ajudou na tentativa de suicídio enfrentará acusações criminais. No Brasil, se a ajuda for direcionada para um menor de idade, a pena é aplicada em seu duplo e não considerada como homicídio. Na Itália e no Canadá, a instigação ao suicídio a outrem também é uma ofensa criminal. Em Singapura, que presta assistência no suicídio de uma pessoa com deficiência mental, esta é uma ofensa capital. Na Índia, o suicídio, a cumplicidade de um menor ou uma pessoa com problemas mentais podem resultar em um prazo máximo de prisão de 1 ano com uma possível multa.[157]

Na Alemanha, as seguintes leis se aplicam no caso do suicídio:[158]

  • a eutanásia ativa (morte a pedido do próprio paciente) é proibida pelo artigo 216 do Código Penal (Strafgesetzbuch, Código Penal alemão), punível com pena de seis meses a cinco anos de prisão;
  • a lei alemã interpreta o suicídio como um acidente e todas as pessoas presentes durante o ato podem ser processadas por não prestar auxílio e caso de emergência. Um suicídio torna-se legalmente emergencial quando uma pessoa perde a consciência suicida. A falta de prestação de auxílio é punível nos termos do artigo 323C do Código Penal Suíço, com uma pena de prisão máxima de um ano.

Interpretações religiosas[editar | editar código-fonte]

Émile Durkheim, em sua teoria sobre o suicídio, acredita que a religião promove valores compartilhados, interação e limites sociais fortes que evitam que o indivíduo se sinta isolado e, ao mesmo tempo, estabelecem um conjunto de ideais pelos quais viver, constituindo-se em um fator protetor contra o suicídio.[159] Alguns estudos internacionais mostraram que realmente ter uma religião diminui o número de tentativas de suicídio e aumentam a aversão a esse ato.[160]

Porém mesmo com o cristianismo condenando o suicídio em um estudo brasileiro a frequência de ideação suicida significativa foi encontrada em 26,4% dos católicos, 24% dos evangélicos, 13,3% dos espíritas/outros e apenas 10% de pessoas que se definiam sem religião. Analisando do ponto de vista da intensidade da religião em sua vida 24% dos muito religiosos tinham ideação suicida, 21% dos moderadamente religiosos e 32,1% dos pouco religiosos. Um aumento maior da depressão também foi encontrado entre religiosos (30%) em comparação a pessoas sem religião (20%).[161] Outro estudo brasileiro mostrou que religião, nível de ortodoxia e nem mesmo o medo da morte servem como predição da aceitação do suicídio.[162]

Judaico-cristã[editar | editar código-fonte]

Judas enforcado cercado por demônios. Afresco em Mălâncrav

Na maioria das escolas do cristianismo, o suicídio é considerado um pecado, baseado principalmente em escritos de influentes pensadores da Idade Média como Santo Agostinho e São Tomás de Aquino; o suicídio não era considerado um pecado sob o código de Justianiano do Império Bizantino, no entanto.[163][164] Na doutrina católica, o argumento é baseado no mandamento "Não matarás" (aplicado no âmbito do Novo Testamento por Jesus em Mateus 19:18), bem como a ideia de que a vida é um dom dado por Deus que não deve ser desprezada, e que o suicídio é contra a ordem "natural" e, portanto, interfere com a vontade de Deus.[165][166]

Na Idade Média, a Igreja Católica Romana condenava o suicídio, e para desestimular o ato aqueles que morriam dessa forma não eram enterrados, os corpos ficavam ao ar livre para serem devorados pelas "feras" e aves de rapina.[167]

A Bíblia, embora nunca use a palavra suicídio, conta sobre algumas pessoas que o desejaram (inclusive , Moisés e Elias) e sobre várias que cometeram atos suicidas (como Sansão, Saul e Judas Iscariotes). Pela bíblia não se pode garantir que todos suicidas vão para o inferno,[168] pois ao mesmo tempo que o suicídio é visto como um pecado gravíssimo (por ir contra o "Não matarás") que deve ser evitado por todos aqueles que tem fé em Deus, aqueles que perderam algum ente querido nessas condições podem encontrar consolo nas passagens "os cristãos podem saber que possuem a vida eterna sem qualquer dúvida" (1 João 5:13), "Nada pode separar um cristão do amor de Deus" (Romanos 8:38-39) e na passagem que diz que Jesus perdoou todos os pecados com seu sacríficio.[169]

O judaísmo enfoca a importância da valorização da vida, e como tal, o suicídio é o mesmo que negar a bondade de Deus no mundo. Apesar disso, existem relatos de judeus que se suicidaram em circunstâncias extremas, quando estavam correndo de serem escravizados, humilhados ou mortos (ver Massada e Saul (rei) por exemplo).[170] Para honrar suas memórias há mesmo uma oração na liturgia judaica "para aqueles que estão morrendo, com a faca na garganta, para santificar o nome de Deus" (Ver: martírio). Estes atos são considerados polêmicos entre autoridades judaicas, sendo considerados por alguns como exemplos de martírio heróico, enquanto outros afirmam que foi errado eles tomarem suas próprias vidas.[170]

No Talmud existe uma história aplicável à questão da eutanásia. O grande sábio Rabi Chanina estava sendo queimado vivo pelos romanos. Seus alunos pediram-lhe para acabar com seu sofrimento rapidamente, abrindo sua boca e respirando a fumaça e chamas. Mas ele respondeu: "É melhor que Ele, que deu me a minha alma, leve-a, em vez de eu causar danos a mim mesmo."[170]

Islamismo[editar | editar código-fonte]

O suicídio não é permitido na religião do islã;[171] contudo, martirizando-se para Deus (durante o combate) não é o mesmo de completar o suicídio. Suicídio no Islã é visto como um sinal de descrença em Deus.[172] Entretanto, as operações de martírio ('amaliyah istishâdiyah) por detonação de explosivos comumente praticadas por grupos de resistência religiosa e nacionalista como o Hamas, o Hizbollah, a Jihad Islâmica[desambiguação necessária] e a Al-Qaeda, são consideradas suicidas.

Hinduísmo[editar | editar código-fonte]

No hinduísmo, o suicídio é desaprovado e é considerado tanto pecaminoso como matar outra pessoa. Os textos hindus dizem que quem comete suicídio passará a fazer parte do espírito do mundo, vagando pela Terra até o dia em que deveria ter falecido, caso não houvesse cometido suicídio.[173]

Budismo[editar | editar código-fonte]

Para o budismo, já que o primeiro preceito é que não se destrua nenhuma forma de vida, incluindo a sua própria, o suicídio é visto como uma ação negativa.

Nos ensinamentos budistas, o passado dos indivíduos atua fortemente na influência que experimentam no presente; atos presentes, por sua vez, tornam-se a influência de fundo para experiências futuras (carma). As ações produzidas pela mente, pelo corpo e pela reação, ou repercussão, por sua vez, são a causa das condições (boas e más) de que nos deparamos no mundo de hoje.

No entanto, alguns suttas mostram que a questão não é tão simples:

No Samyutta Nikaya IV.23, o Buda fala sobre o suicídio do venerável Godhika:

"Assim de fato é como os determinados agem:
eles não têm apego à vida.
Extirpando o desejo pela raiz,
Godhika realizou o paranibbana."

No Majjhima Nikaya 144, o Buda fala sobre o suicídio do bhikkhu Channa:

"Sariputta, quando alguém deita este corpo e se apega a um novo corpo, então eu digo que esse alguém é censurável. Não houve nada disso no bhikkhu Channa; o bhikkhu Channa usou a faca de modo puro."

Isso não significa que o Buda aprovasse o suicídio; o que estes dois suttas mostram é que existem circunstâncias em que o suicídio pode ser aceitável, por exemplo quando ele conduz ao paranibbana.

Seitas pró-suicídio[editar | editar código-fonte]

Os cátaros na Idade Média praticavam e legitimavam o suicídio, que segundo eles era uma forma de libertação do espírito (criado pelo Deus do bem) que se encontra sob o jugo da matéria (criada pelo Deus do mal). Para as seitas gnósticas da Antiguidade e da Idade Média, todas as formas de vida (bios) eram consideradas como cárcere do espírito divino e como tal, deveriam ser destruídas.

Algumas seitas religiosas modernas fazem cultos ao suicídio, como a Ordem do Templo Solar, a Heaven's Gate, a Peoples Temple e outras.[174]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

A Saída, ou Idealização suicida: George Grie, 2007.

O suicídio e seu contexto existencialista é um amplo tema para a filosofia. Pensando nisso, Albert Camus escreveu certa vez: "O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia."[175] Vilém Flusser, estudioso tcheco naturalizado brasileiro, escrevia, num artigo que estuda Camus: "O suicídio é, portanto, uma espécie de metafísica, uma espécie de truque teológico, em resumo: uma tentativa desonesta de escapar ao absurdo. Consequentemente, o suicídio deve ser repelido, como qualquer outra espécie de metafísica. É preciso continuar vivendo com o nojo, dia após dia, momento após momento, para viver o mais possível, já que não se pode viver o melhor possível. Somente assim, devorando quantidade em vez de qualidade, somente como Don Juan, ator ou conquistador, é o homem honesto."[176]

Um exemplo antigo e notável da filosofia do suicídio nos vem de Platão, que argumentava que o suicídio não é errado quando o indivíduo está condenado à morte pelo Estado (no caso, ele citava Sócrates), compelido por infortúnio, ou quando sofre uma desgraça irreversível; no entanto, Platão acredita que o suicídio deve ser punido quando origina-se de uma "covardia viril e preguiçosa".[177] Alguns filósofos mais contemporâneos vêem o suicídio como um assunto legítimo de escolha pessoal e um direito humano (coloquialmente conhecido como o "direito de morrer"), e alegam que ninguém deveria ser obrigado a sofrer contra a sua vontade, sobretudo de condições como doenças incuráveis, doenças mentais, e idade avançada que não têm nenhuma possibilidade de melhoria.

Os defensores deste ponto de vista rejeitam a crença de que o suicídio é sempre irracional, argumentando às vezes que ele pode ser um último recurso válido para dores maiores e para certos traumas persistentes. Essa perspectiva é mais popular na Europa continental, onde a eutanásia e outros temas, como são comumente discutidas no parlamento, tem uma boa dose de apoio.[178] Um segmento mais estreito desse grupo considera o suicídio como uma escolha grave mas condenável em algumas circunstâncias e um direito sagrado que todos tem (mesmo as pessoas jovens e saudáveis), que acredita que eles têm plena consciência racional para decidirem sobre suas próprias vidas. Podemos citar alguns adeptos notáveis dessa escola de pensamento, como Arthur Schopenhauer, filósofo pessimista,[179] Friedrich Nietzsche, e o empirista escocês David Hume.[180] Os adeptos desta visão muitas vezes defendem a revogação das leis que restringem as liberdades dos povos conhecidos por serem suicidas, bem como as leis que permitem o seu compromisso involuntário em hospitais mentais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Suicídio
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Suicídio
Livros

Referências

  1. a b c Preventing suicide: a global imperative. [S.l.]: WHO. 2014. pp. 7, 20, 40. ISBN 9789241564779 
  2. a b c d e f g h i «Suicide Fact sheet N°398». WHO. Abril de 2016. Consultado em 3 de março de 2016 
  3. a b Ajdacic-Gross V, Weiss MG, Ring M, et al. (setembro de 2008). «Methods of suicide: international suicide patterns derived from the WHO mortality database». Bull. World Health Organ. 86 (9): 726–32. PMC 2649482Acessível livremente. PMID 18797649. doi:10.2471/BLT.07.043489 
  4. a b c Hawton K, van Heeringen K (abril de 2009). «Suicide». Lancet. 373 (9672): 1372–81. PMID 19376453. doi:10.1016/S0140-6736(09)60372-X 
  5. a b GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMC 5388903Acessível livremente. PMID 27733281. doi:10.1016/S0140-6736(16)31012-1 
  6. Durkheim, 1982
  7. Stedman's Medical Dictionary 28ª ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins. 2006. ISBN 978-0-7817-3390-8 
  8. Dodds TJ (2017). «Prescribed Benzodiazepines and Suicide Risk: A Review of the Literature». Prim Care Companion CNS Disord. 19 (2). PMID 28257172. doi:10.4088/PCC.16r02037 
  9. Bottino, SM; Bottino, CM; Regina, CG; Correia, AV; Ribeiro, WS (março de 2015). «Cyberbullying and adolescent mental health: systematic review.». Cadernos de Saúde Pública. 31 (3): 463–75. PMID 25859714. doi:10.1590/0102-311x00036114 
  10. Sakinofsky, I (junho de 2007). «The current evidence base for the clinical care of suicidal patients: strengths and weaknesses». Canadian Journal of Psychiatry. 52 (6 Suppl 1): 7S–20S. PMID 17824349 
  11. Yip, PS; Caine, E; Yousuf, S; Chang, SS; Wu, KC; Chen, YY (23 de junho de 2012). «Means restriction for suicide prevention». Lancet. 379 (9834): 2393–9. PMID 22726520. doi:10.1016/S0140-6736(12)60521-2 
  12. GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 de decembro 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385: 117–71. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. a b Värnik, P (março de 2012). «Suicide in the world». International Journal of Environmental Research and Public Health. 9 (3): 760–71. PMC 3367275Acessível livremente. PMID 22690161. doi:10.3390/ijerph9030760 
  14. a b c d e f g h Chang, B; Gitlin, D; Patel, R (setembro de 2011). «The depressed patient and suicidal patient in the emergency department: evidence-based management and treatment strategies». Emergency medicine practice. 13 (9): 1–23; quiz 23–4. PMID 22164363 
  15. Bertolote JM, Fleischmann A (outubro de 2002). «Suicide and psychiatric diagnosis: a worldwide perspective». World Psychiatry. 1 (3): 181–5. PMC 1489848Acessível livremente. PMID 16946849 
  16. Tomer, Adrian (2013). Existential and Spiritual Issues in Death Attitudes. [S.l.]: Psychology Press. p. 282. ISBN 9781136676901 
  17. Ritzer, edited by George; Stepnisky, Jeffrey (2011). The Wiley-Blackwell companion to major social theorists. Malden, MA: Wiley-Blackwell. p. 65. ISBN 9781444396607 
  18. God, Religion, Science, Nature, Culture, and Morality. [S.l.]: Archway Publishing. 2014. p. 254. ISBN 9781480811249 
  19. Colt, George Howe (1992). The enigma of suicide 1st Touchstone ed. New York: Simon & Schuster. p. 139. ISBN 9780671760717 
  20. «Indian woman commits sati suicide». Bbc.co.uk. 7 de agosto de 2002. Consultado em 26 de agosto de 2010 
  21. White, Tony (2010). Working with suicidal individuals : a guide to providing understanding, assessment and support. Londres: Jessica Kingsley Publishers. p. 12. ISBN 978-1-84905-115-6 
  22. Lester, D (2006). «Suicide and Islam». Archives of Suicide Research. 10 (1): 77–97. PMID 16287698. doi:10.1080/13811110500318489 
  23. Aggarwal, N (2009). «Rethinking suicide bombing». Crisis. 30 (2): 94–7. PMID 19525169. doi:10.1027/0227-5910.30.2.94 
  24. Issues in Law & Medicine, Volume 3. [S.l.]: National Legal Center for the Medically Dependent & Disabled, Incorporated, and the Horatio R. Storer Foundation, Incorporated. 1987. p. 39 
  25. Neury José Botega (1 de setembro de 2015). Crise Suicida. [S.l.]: Artmed Editora. p. 19. ISBN 978-85-8271-238-2 
  26. Issues in Law & Medicine, Volume 3. [S.l.]: National Legal Center for the Medically Dependent & Disabled, Incorporated, and the Horatio R. Storer Foundation, Incorporated. 1987. p. 39 
  27. Great Britain: Law Commission (4 de abril de 2006). A New Homicide Act for England and Wales?: A Consultation Paper. [S.l.]: The Stationery Office. p. 188. ISBN 978-0-11-730264-8 
  28. Benjamin J. Sadock; Virginia A. Sadock; Pedro Ruiz (1 de novembro de 2016). Compêndio de Psiquiatria - 11ed: Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. [S.l.]: Artmed Editora. p. 773. ISBN 978-85-8271-379-2 
  29. Lester, David (2009). «Extended suicide». In: Wasserman, Danuta; Wasserman, Camilla. Oxford textbook of suicidology. Oxford: Oxford University Press. pp. 134–36. ISBN 978-0-19-857005-9. doi:10.1093/med/9780198570059.003.0022 
  30. [1]
  31. Laye-Gindhu, A.; Schonert-Reichl, Kimberly A. (2005), «Nonsuicidal Self-Harm Among Community Adolescents: Understanding the "Whats" and "Whys" of Self-Harm», Journal of Youth and Adolescence, 34 (5): 447–457, doi:10.1007/s10964-005-7262-z 
  32. a b Klonsky, D. (2007), «The functions of deliberate self-injury: A review of the evidence», Clinical Psychological Review, 27 (2): 226–239, PMID 17014942, doi:10.1016/j.cpr.2006.08.002 
  33. Muehlenkamp, J. J. (2005), «Self-Injurious Behavior as a Separate Clinical Syndrome», American Journal of Orthopsychiatry, 75 (2): 324–333, PMID 15839768, doi:10.1037/0002-9432.75.2.324 
  34. Groschwitz, Rebecca C.; Plener, Paul L. «The Neurobiology of Non-suicidal Self-injury (NSSI) : A review» (PDF). Suicidology Online. 3: 24–32. Consultado em 7 de março de 2018 
  35. Davis, Jeanie Lerche. «Cutting and Self-Harm: Warning Signs and Treatment». WebMD. Consultado em 14 de abril de 2018 
  36. Mayo Clinic Staff. «Self-injury/cutting». Mayo Clinic. Mayo Foundation for Medical Education and Research (MFMER). Consultado em 14 de abril de 2018 
  37. «Polícia japonesa prende dono de site suicida por assassinato - 11/10/2007 - Reuters - Tecnologia». tecnologia.uol.com.br 
  38. «SaferNet». safernet.org.br 
  39. [2]
  40. «O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL». www.eumed.net 
  41. a b Gullota TP, Bloom, Martin (2002). Encyclopedia of Primary Prevention and Health Promotion. New York: Kluwer Academic/Plenum. p. 1112. ISBN 978-0-306-47296-1 
  42. Michael J. Cholbi (26 de janeiro de 2017). Euthanasia and Assisted Suicide: Global Views on Choosing to End Life. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 50. ISBN 978-1-4408-3680-0 
  43. «PL 6715/2009 - Projetos de Lei e Outras Proposições - Câmara dos Deputados». www.camara.gov.br. Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  44. Hall, John R. (1987). Gone from the Promised Land: Jonestown in American Cultural History. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers. p. 282. ISBN 978-0-88738-124-9.
  45. «China: funcionários da Foxconn ameaçam suicídio em massa». globo.com. 11 de janeiro de 2012 
  46. «Trabalhadores ameaçam suicídio coletivo em fábrica de X360 na China». uol.com.br 
  47. «300 operários da Foxconn ameaçam se suicidar caso não recebam aumento de salário». yahoo.com 
  48. AE (12 de janeiro de 2012). «Foxconn faz acordo com funcionários após ameaça de suicídio coletivo - Indústria - iG». ig.com.br 
  49. «Merriam-Webster OnLine». Consultado em 21 de julho de 2007 
  50. Hawton K, Saunders KE, O'Connor RC (junho de 2012). «Self-harm and suicide in adolescents». Lancet. 379 (9834): 2373–82. PMID 22726518. doi:10.1016/S0140-6736(12)60322-5 
  51. «Suicide Risk and Protective Factors|Suicide|Violence Prevention|Injury Center|CDC». www.cdc.gov (em inglês). 25 de abril de 2019. Consultado em 29 de julho de 2019 
  52. Zalsman G, Hawton K, Wasserman D, van Heeringen K, Arensman E, Sarchiapone M, et al. (Julho de 2016). «Suicide prevention strategies revisited: 10-year systematic review». The Lancet. Psychiatry. 3 (7): 646–59. PMID 27289303. doi:10.1016/S2215-0366(16)30030-X. Other approaches that need further investigation include gatekeeper training, education of physicians, and internet and helpline support. 
  53. Vijayakumar L, Kumar MS, Vijayakumar V (Maio de 2011). «Substance use and suicide». Current Opinion in Psychiatry. 24 (3): 197–202. PMID 21430536. doi:10.1097/YCO.0b013e3283459242 
  54. Simpson G, Tate R (dezembro de 2007). «Suicidality in people surviving a traumatic brain injury: prevalence, risk factors and implications for clinical management». Brain Injury. 21 (13–14): 1335–51. PMID 18066936. doi:10.1080/02699050701785542 
  55. Miller M, Azrael D, Barber C (abril de 2012). «Suicide mortality in the United States: the importance of attending to method in understanding population-level disparities in the burden of suicide». Annual Review of Public Health. 33: 393–408. PMID 22224886. doi:10.1146/annurev-publhealth-031811-124636 
  56. Qin P, Agerbo E, Mortensen PB (abril de 2003). «Suicide risk in relation to socioeconomic, demographic, psychiatric, and familial factors: a national register-based study of all suicides in Denmark, 1981-1997». The American Journal of Psychiatry. 160 (4): 765–72. PMID 12668367. doi:10.1176/appi.ajp.160.4.765 
  57. Centers for Disease Control Prevention (CDC) (Maio de 2013). «Suicide among adults aged 35-64 years--United States, 1999-2010». MMWR. Morbidity and Mortality Weekly Report. 62 (17): 321–5. PMC 4604925Acessível livremente. PMID 23636024 
  58. Turecki G, Brent DA (março de 2016). «Suicide and suicidal behaviour». Lancet. 387 (10024): 1227–39. PMC 5319859Acessível livremente. PMID 26385066. doi:10.1016/S0140-6736(15)00234-2 
  59. Gilliland B, James R (5 de agosto de 2012). Crisis intervention strategies 7th ed. Belmont, CA: Brooks/Cole. p. 215. ISBN 978-1-111-18677-7. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2015 
  60. Rozanov V, Carli V (Julho de 2012). «Suicide among war veterans». International Journal of Environmental Research and Public Health. 9 (7): 2504–19. PMC 3407917Acessível livremente. PMID 22851956. doi:10.3390/ijerph9072504 
  61. Brent DA, Melhem N (Junho de 2008). «Familial transmission of suicidal behavior». The Psychiatric Clinics of North America. 31 (2): 157–77. PMC 2440417Acessível livremente. PMID 18439442. doi:10.1016/j.psc.2008.02.001 
  62. a b «Suicide Risk and Protective Factors|Suicide|Violence Prevention|Injury Center|CDC». www.cdc.gov. 25 de abril de 2019. Consultado em 17 de junho de 2019 
  63. a b University of Manchester Centre for Mental Health and Risk. «The National Confidential Inquiry into Suicide and Homicide by People with Mental Illness» (PDF). Consultado em 25 de julho de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 14 de julho de 2012 
  64. Stone DM, Simon TR, Fowler KA, Kegler SR, Yuan K, Holland KM, et al. (junho de 2018). «Vital Signs: Trends in State Suicide Rates - United States, 1999-2016 and Circumstances Contributing to Suicide - 27 States, 2015». MMWR. Morbidity and Mortality Weekly Report. 67 (22): 617–624. PMC 5991813Acessível livremente. PMID 29879094. doi:10.15585/mmwr.mm6722a1 
  65. Arsenault-Lapierre G, Kim C, Turecki G (novembro de 2004). «Psychiatric diagnoses in 3275 suicides: a meta-analysis». BMC Psychiatry. 4 (1). 37 páginas. PMC 534107Acessível livremente. PMID 15527502. doi:10.1186/1471-244X-4-37 
  66. a b Bostwick JM, Pankratz VS (dezembro de 2000). «Affective disorders and suicide risk: a reexamination». The American Journal of Psychiatry. 157 (12): 1925–32. PMID 11097952. doi:10.1176/appi.ajp.157.12.1925 
  67. Kutcher S, Chehil S (2012). Suicide Risk Management A Manual for Health Professionals. 2nd ed. Chicester: John Wiley & Sons. pp. 30–33. ISBN 978-1-119-95311-1 
  68. Pompili M, Girardi P, Ruberto A, Tatarelli R (2005). «Suicide in borderline personality disorder: a meta-analysis». Nordic Journal of Psychiatry. 59 (5): 319–24. PMID 16757458. doi:10.1080/08039480500320025 
  69. Bertolote JM, Fleischmann A, De Leo D, Wasserman D (2004). «Psychiatric diagnoses and suicide: revisiting the evidence». Crisis. 25 (4): 147–55. PMID 15580849. doi:10.1027/0227-5910.25.4.147 
  70. Angelakis I, Gooding P, Tarrier N, Panagioti M (julho de 2015). «Suicidality in obsessive compulsive disorder (OCD): a systematic review and meta-analysis». Clinical Psychology Review. 39: 1–15. PMID 25875222. doi:10.1016/j.cpr.2015.03.002 
  71. Zahid, S; Upthegrove, R (Julho de 2017). «Suicidality in Autistic Spectrum Disorders.». Crisis. 38 (4): 237–246. PMID 28468556. doi:10.1027/0227-5910/a000458 
  72. Lieb K, Zanarini MC, Schmahl C, Linehan MM, Bohus M (2004). «Borderline personality disorder». Lancet. 364 (9432): 453–61. PMID 15288745. doi:10.1016/S0140-6736(04)16770-6. Entre 40% e 65% dos indivíduos que cometem suicídio atendem aos critérios para um transtorno de personalidade, sendo o transtorno de personalidade borderline o mais comumente associado. 
  73. van Os J, Kapur S (agosto de 2009). «Schizophrenia» (PDF). Lancet. 374 (9690): 635–45. PMID 19700006. doi:10.1016/S0140-6736(09)60995-8 
  74. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Tint2010
  75. a b Pirkis J, Burgess P (dezembro de 1998). «Suicide and recency of health care contacts. A systematic review». The British Journal of Psychiatry. 173 (6): 462–74. PMID 9926074. doi:10.1192/bjp.173.6.462 
  76. Luoma JB, Martin CE, Pearson JL (junho de 2002). «Contact with mental health and primary care providers before suicide: a review of the evidence». The American Journal of Psychiatry. 159 (6): 909–16. PMC 5072576Acessível livremente. PMID 12042175. doi:10.1176/appi.ajp.159.6.909 
  77. Sharma T, Guski LS, Freund N, Gøtzsche PC (janeiro de 2016). «Suicidality and aggression during antidepressant treatment: systematic review and meta-analyses based on clinical study reports». BMJ. 352: i65. PMC 4729837Acessível livremente. PMID 26819231. doi:10.1136/bmj.i65 
  78. a b c d e f g h «Prevenção do suicídio: um manual para médicos clínicos gerais. Organização Mundial da Saúde. Departamento de Saúde Mental Transtornos Mentais r Comportamentais. Genebra, 2000» (PDF). who.int 
  79. a b Greydanus DE, Shek D (setembro de 2009). «Deliberate self-harm and suicide in adolescents». The Keio Journal of Medicine. 58 (3): 144–51. PMID 19826208. doi:10.2302/kjm.58.144 
  80. D., PhD. Frank, Jerome; Levin, Jerome D.; S., PhD. Piccirilli, Richard; Perrotto, Richard S; Culkin, Joseph (28 de setembro de 2001). Introduction to chemical dependency counseling. Northvale, N.J.: Jason Aronson. pp. 150–152. ISBN 978-0-7657-0289-0 
  81. Fadem, Barbara (1 de dezembro de 2003). Behavioral science in medicine. Philadelphia: Lippincott Williams Wilkins. p. 217. ISBN 978-0-7817-3669-5 
  82. a b Miller, NS; Mahler, JC; Gold, MS (1991). «Suicide risk associated with drug and alcohol dependence.». Journal of addictive diseases. 10 (3): 49–61. ISSN 1055-0887. PMID 1932152. doi:10.1300/J069v10n03_06 
  83. Brezo J, Klempan T, Turecki G (junho de 2008). «The genetics of suicide: a critical review of molecular studies». Psychiatr. Clin. North Am. 31 (2): 179–203. PMID 18439443. doi:10.1016/j.psc.2008.01.008 
  84. a b Goldsmith, Sara K. (2002). Reducing suicide: a national imperative. Washington, D.C: National Academies Press. 141 páginas. ISBN 0-309-08321-4 
  85. a b c «Prevenção de suicídio» (PDF). who.int 
  86. Deslandes SF. O atendimento às vítimas de violência na emergência: "prevenção numa hora dessas?" Cienc Saúde Coletiva 1999;4:81-94.
  87. Durkheim E. O suicídio: um estudo sociológico. Rio de Janeiro: Zahar Editores; 1982.
  88. Drumond M, Barros MBA. Desigualdades sócio-espaciais na mortalidade do adulto no município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol 1999(1/2):34-49.
  89. Suicide and Self-Starvation, Terence M. O'Keeffe, Philosophy, Vol. 59, No. 229 (Jul., 1984), pp. 349-363
  90. «OFFICIAL CALLS IN PRESS AND KILLS HIMSELF». The New York Times. 23 de janeiro de 1987 
  91. M.Okumiya/Cadin, Martin - ZERO Asas Japonesas na Guerra (1941-1945)- Editora Flamboyant,sem data
  92. «Veterans Day: Suicide has caused more American casualties than wars in Iraq and Afghanistan». mercurynews.com. 10 de novembro de 2015 
  93. D., PhD Frank, Jerome; Levin, Jerome D; S., PhD Piccirilli, Richard; Perrotto, Richard S; Culkin, Joseph (28 Sep 2001). Introduction to chemical dependency counseling. Northvale, NJ: Jason Aronson. pp. 150–152. ISBN 978-0-7657-0289-0.
  94. Miller M, Hemenway D, Rimm E (May 2000). "Cigarettes and suicide: a prospective study of 50,000 men.". American journal of public health 90 (5): 768–73. PMC 1446219.
  95. Iwasaki M, Akechi T, Uchitomi Y, Tsugane S (April 2005). "Cigarette Smoking and Completed Suicide among Middle-aged Men: A Population-based Cohort Study in Japan". Annals of Epidemiology 15 (4): 286–92. [3]
  96. [4]
  97. Brooks-Gunn, J., & Petersen, A. (1991). Studying the emergence of depression and depressive symptoms during adolescence. Journal of Youth And Adolescence, 2(20), 115-119.
  98. a b c Júlia Camarotti Rodrigues, Marcelo Tavares. (2009) A entrevista clínica no contexto do risco de suicídio.
  99. Cunha, J. A. (2001). Manual da Versão em Português das Escalas Beck. São Paulo, Brasil: Casa do Psicólogo.
  100. http://boasaude.uol.com.br/realce/emailorprint.cfm?id=16364&type=lib#fatoresderisco
  101. Vivian Roxo Borges & Blanca Susana Guevara Werlang (2006) ESTUDO DE IDEAÇÃO SUICIDA EM ADOLESCENTES DE 13 E 19 ANOS. PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS, 2006, 7 (2), 195-209
  102. Qin P, Agerbo E, Mortensen PB (abril de 2003). «Suicide risk in relation to socioeconomic, demographic, psychiatric, and familial factors: a national register-based study of all suicides in Denmark, 1981-1997». Am J Psychiatry. 160 (4): 765–72. PMID 12668367 
  103. Birtchnell J, Masters N (setembro de 1989). «Poverty and depression». Practitioner. 233 (1474): 1141–6. PMID 2616460 
  104. a b Suicídio:informando para prevenir, Conselho Federal de Medicina (CFM), Brasília, 2014
  105. a b c d e f g Preventing suicide - A global imperative - Myths, World Health Organization (em inglês)
  106. a b c d e f Prevenção do suicídio, um recurso para conselheiros, Organização Mundial De Saúde, Genebra 2006 (em português)
  107. Ajdacic-Gross V, Weiss MG, Ring M, '; et al. (setembro de 2008). «Methods of suicide: international suicide patterns derived from the WHO mortality database». Bull. World Health Organ. 86 (9): 726–32. PMC 2649482Acessível livremente. PMID 18797649 
  108. Gunnell D, Eddleston M, Phillips MR, Konradsen F (2007). «The global distribution of fatal pesticide self-poisoning: systematic review». BMC Public Health. 7. 357 páginas. PMC 2262093Acessível livremente. PMID 18154668. doi:10.1186/1471-2458-7-357 
  109. «U.S. Suicide Statistics (2005)». Consultado em 24 de março de 2008 
  110. [5]
  111. «UpToDate Inc.» 
  112. Brent DA, Moritz G, Bridge J, Perper J, Canobbio R (maio de 1996). «Long-term impact of exposure to suicide: a three-year controlled follow-up». J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 35 (5): 646–53. PMID 8935212 
  113. Phillips DP, Carstensen LL (setembro de 1986). «Clustering of teenage suicides after television news stories about suicide». N. Engl. J. Med. 315 (11): 685–9. PMID 3748072 
  114. Mortality and Burden of Disease Estimates for WHO Member States in 2002 (xls). [S.l.]: World Health Organization. 2002. Consultado em 13 de dezembro de 2009 
  115. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Hawton K, van Heeringen K 2009 1372–81
  116. «Suicide prevention». WHO Sites: Mental Health. World Health Organization. 16 de fevereiro de 2006. Consultado em 16 de setembro de 2008 
  117. «WHO Statement: World Suicide Prevention Day 2008» (PDF). World Health Organization. 2008. Consultado em 26 de outubro de 2008 
  118. U.S. Suicide Rate Increasing Newswise, Retrieved on October 21, 2008.
  119. a b LOVISI, Giovanni Marcos et al. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2009, vol.31, suppl.2 [cited 2019-09-17], pp.S86-S93. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000600007&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1516-4446. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462009000600007.
  120. Sher, 2006b
  121. «Homicides and suicides--National Violent Death Reporting System, United States, 2003-2004». MMWR Morb. Mortal. Wkly. Rep. 55 (26): 721–4. Julho de 2006. PMID 16826158 
  122. Crombie et al., 1998.
  123. Carlini-Cotrim et al., 1998.
  124. Exum, 2002.
  125. Louis Appleby (Foreword), David Duffy (Editor), Tony Ryan (Editor) (25 de agosto de 2004). New Approaches to Preventing Suicide. [S.l.]: Jessica Kingsley Publishers. pp. 31–32. ISBN 978-1843102212 
  126. La Vecchia C, Lucchini F, Levi F (julho de 1994). «Worldwide trends in suicide mortality, 1955-1989». Acta Psychiatr Scand. 90 (1): 53–64. ISSN 0001-690X. PMID 7976451. doi:10.1111/j.1600-0447.1994.tb01556.x ; Lester, Patterns, 1996, pp. 28-30.
  127. Hoyert DL, Heron MP, Murphy SL, Kung HC (abril de 2006). «Deaths: final data for 2003» (PDF 3.72 MB). Natl Vital Stat Rep. 54 (13): 1–120. ISSN 1551-8922. PMID 16689256 
  128. men: 24.9, women: 8.2, combined: 16.0 Scottish Public Health Observatory (see link to excel spreadsheet) [6]
  129. fonte, (PDF), em francês.
  130. [7]
  131. AFP 22 de Novembro de 2004)
  132. [8] 15 de Maio de 2009
  133. Fern, Daniela; Brasil, es De Paris para a BBC. «Onda de suicídios leva França a discutir cultura 'pós-privatizações'». BBC News Brasil 
  134. a b «Notícias – Brasil, mundo, saúde, educação, empregos e mais – R7». noticias.r7.com 
  135. [9]
  136. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome ipcdigital.com
  137. «Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio». Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio 
  138. a b c d Milene Câmara (2010). Associação previne o suicídio em Portugal. Disponível em: http://www.solidariedade.pt/sartigo/index.php?x=4478
  139. "Risco de Morrer em Portugal em 2003", Vol. 1, publ. D. G. S
  140. Group, Global Media (22 de novembro de 2010). «Suicídios aumentaram na última década em Portugal». tsf.pt 
  141. [10]
  142. [11]
  143. ROTHSCHILD, Anthony. J. Suicide Risk Assessment. In: ROTHSCHILD, Anthony. Acute care psychia try: Diagnosis and Treatment. Baltimore: Williams and Wilkins, 1997.
  144. HILLARD, James. Emergency management of the suicidal patient. In: WALKER, Ingram. Psychiatric Emergencies. Philadelphia: Lippincott Company, 1983.
  145. SCHMITT, Ricardo (et al). Risco de suicídio: avaliação e manejo. In: SCHMITT, Ricardo (et al). Emergências psiquiátricas. Porto Alegre: Artmed, 2001. vol I.
  146. «WHO Europe - Suicide Prevention» (PDF). World Health Organization. 15 de janeiro de 2005. Consultado em 16 de setembro de 2008 
  147. Shaffer D (setembro de 1988). «The epidemiology of teen suicide: an examination of risk factors». J Clin Psychiatry. 49 (Suppl): 36–41. ISSN 0160-6689. PMID 3047106 
  148. C Estellita-Lins, V Oliveira, M CoutinhoAcompanhamento terapêutico: intervenção sobre a depressão e o suicídio. Psychê, 2006, redalyc.uaemex.mx
  149. Elisa Pinto Seminotti, Mariana Esteves Paranhos, Valéria de Oliveira Thiers. Intervenção em crise e suicídio: análise de artigos indexados. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (Brasil) 2006
  150. ESTELLITA-LINS, Carlos; OLIVEIRA, Verônica Miranda de e COUTINHO, Maria Fernanda Cruz. Acompanhamento terapêutico: intervenção sobre a depressão e o suicídio. Psyche (Sao Paulo) [online]. 2006, vol.10, n.18 [citado 2011-07-02], pp. 151-166 . Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382006000200015&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1415-1138.
  151. [12]
  152. C Estellita-Lins, V Oliveira, M Coutinho. Intervenção em crise e suicídio: análise de artigos indexados. PUC - RS 2006
  153. C Estellita-Lins, V Oliveira, M Coutinho. Intervenção em crise e suicídio: análise de artigos indexados. PUC - RS 2006
  154. «Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde: 2013» 
  155. Platão. Laws, Book IX
  156. Durkheim, Émile (1897). Suicide. New York: The Free Press (reprint, 1997), 327. ISBN 0684836327.
  157. «Laws - IPC - Section 309». Vakilno1.com. 10 de outubro de 2006. Consultado em 6 de maio de 2009 
  158. "German politician Roger Kusch helped elderly woman to die" Times Online July 2, 2008
  159. Durkheim E. Suicide: A Study in Sociology. New York: Free Press, 1966.
  160. Gartner, J.; Larson, D.B.; Allen, G. Religious commitment and mental health: a review of the empirical literature. Journal of Psychology and Theology 19: 6-25, 1991.
  161. Rachel Esteves Soeiro e col. Religião e transtornos mentais em pacientes internados em um hospital geral universitário. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(4):793-799, abr, 2008
  162. Torres, Wilma da Costa. Relaçäo entre religiosidade, medo da morte e atitude frente ao suicídio. Arq. bras. psicol;38(4):3-23, out.-dez. 1986. tab.
  163. Dr. Ronald Roth, D.Acu. «Suicide & Euthanasia - a Biblical Perspective». Acu-cell.com. Consultado em 6 de maio de 2009 
  164. «Norman N. Holland, Literary Suicides: A Question of Style». Clas.ufl.edu. Consultado em 6 de maio de 2009 
  165. «Catechism of the Catholic Church - PART 3 SECTION 2 CHAPTER 2 ARTICLE 5». Scborromeo.org. 1 de junho de 1941. Consultado em 6 de maio de 2009 
  166. «The Sin of Suicide, Aquinas». Csulb.edu. 28 de agosto de 1996. Consultado em 6 de maio de 2009 
  167. SANSANO, R. Suicídio: Buscando alternativas. Barcelona: Clie 1992.
  168. [13]
  169. «Qual a visão cristã a respeito do suicídio? O que diz a Bíblia a respeito do suicídio?». gotquestions.org 
  170. a b c Euthanasia and Judaism: Jewish Views of Euthanasia and Suicide (2008) http://www.religionfacts.com/euthanasia/judaism.htm ReligionFacts.com
  171. Suicide as seen in Islam http://www.inter-islam.org/Prohibitions/suicide.html
  172. «Page not found! - Submission.org - Your best source for Submission (Islam)». www.submission.org 
  173. Hindu Website. Hinduism and suicide
  174. Cult Members say Solar Temple Leaders Ordered Mass Suicides, AFP, 19 de abril de 2001 [www.rickross.com]
  175. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome camus
  176. "O MITO DE SÍSIFO DE CAMUS". Vilém Flusser. Acesso: 16 de dezembro, 2011.
  177. [14]
  178. By SIMON ROBINSON (Sunday, Mar. 27, 2005). «Europe's Way of Death». TIME. Consultado em 6 de maio de 2009  Verifique data em: |data= (ajuda)
  179. Schopenhauer | On Suicide[ligação inativa]
  180. «Suicide (Stanford Encyclopedia of Philosophy)». Plato.stanford.edu. Consultado em 6 de maio de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bedford, D.; O’Farrell, A.; Howell, F. - Blood alcohol levels in persons who died from accidents and suicide. Irish Medical Journal 99(3): 80-83, 2006.
  • Borges, G.; Rosovsky, H. - Suicide attempts and alcohol consumption in an emergency room sample. J Stud Alcohol 57: 543-548, 1996.
  • Caces, F.E. & Harford, T. - Time series analysis of alcohol consumption and suicide mortality in the United States 1934-1987. J Stud Alcohol 59(4): 455-461, 1998.
  • Carlini-Cotrim, B.; Gallina, J.R.; Chasin, A.A.M. - Ocorrências de suicídios sob efeito de álcool: um estudo na região metropolitana de São Paulo. Rev. ABP-APAL 20(4): 146-149, 1998.
  • Crombie, I.K.; Pounder, D.J.; Dick, R.H. - Who takes alcohol prior to suicide? Journal of Clinical Forensic Medicine 5: 65-68, 1998.
  • Durkheim, E. - O Suicídio. Lisboa, Editorial Presença, 1982.
  • Exum, M.L. - The application and robustness of the rational choice perspective in the study of intoxicated and angry intentions to aggress. Criminology 40(4): 933-966, 2002.
  • Henderson, J.P.; Mellin, C.; Patel, F. - Suicide – A statistical analysis by age, sex and method. Journal of Clinical Forensic *Medicine 12: 305-309, 2005.
  • Hercules, H.C. (Ed.) - Medicina Legal – Texto e Atlas. São Paulo, Editora Atheneu, 2005.
  • Hufford, M.R. - Alcohol and suicidal behaviour. Clinical Psychology Review 21(5): 797-811, 2001.
  • Klerman, G.L. - Clinical epidemiology of suicide. J Clin Psychiatry 48(12 suppl.): 33-38, 1987.
  • Mann, J.J.; Cornelius, J.R.; Salloum, I.M.; Thase, M.E. - Patterns of suicidality and alcohol use in alcoholics with major depression. Alcohol Clin Exp Tes 20: 1451-1455, 1996.
  • Marra, Realino, Suicidio, diritto e anomia. Immagini della morte volontaria nella civiltà occidentale, Edizioni Scientifiche Italiane, Napoli, 1987, ISBN 209776
  • Mello-Santos, C.; Bertolote, J.M.; Wang, Y.P. - Epidemiology of suicide in Brazil (1980-2000). Rev Bras Psiquiatr 27(2): 131-134, 2006.
  • Ministério da Saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade [SIM]- DATASUS (Online). Disponível em: http://www.datasus.gov.br [Acessado em 20 agosto 2006]
  • Nemtsov, A. - Suicides and alcohol consumption in Russia, 1965-1999. Drug and Alcohol Dependence 71: 161-168, 2003.
  • Pirkola, S.P.; Isometsä, E.T.; Heikkinen, M.E.; Lönnqvist, J.K. - Suicides of alcohol misusers and non-misusers in a nationwide population. Alcohol & Alcoholism 35(1): 70-75, 2000.
  • Sher, L. - Alcoholism and suicidal behavior: a clinical overview. Acta Psychiatr Scand 113: 13-22, 2006a.
  • Sher, L. - Alcohol consumption and suicide. Q J Med 99: 57-61, 2006b.
  • Souza, E.R.; Minayo, M.C.S.; Malaquias, J.V. - Suicide among young people in selected Brazilian State capitals. Cad Saúde Pública 18(3): 673-683, 2002.
  • World Health Organization (WHO). The economic dimensions of interpersonal violence. World Health Organization, Geneva, Switzerland. 2004. Disponível online em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/publications/violence/economic_dimensions/en/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]