TV Educativa de Ponta Grossa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
TVE Ponta Grossa
Fundação Educacional de Ponta Grossa
Ponta Grossa, PR
Brasil
Tipo Educativa
Canais Digital: 14 UHF
Virtual: 58 PSIP
Outros canais 8 (NET Ponta Grossa)
Ver retransmissoras
Sede Bandeira ponta grossa.png Ponta Grossa, PR
Rua Augusto Ribas, 722 (3° andar) - Centro
Rede TV Cultura
Rede(s) anterior(es) Paraná Educativa (apenas alguns programas)
Fundador Jocelito Canto
Pertence a Fundação Educacional de Ponta Grossa
Administração Prefeitura Municipal de Ponta Grossa
Presidente Luiz Fernando Souza (Direção executiva)
Fernando Durante (FUNEPO)
Fundação 28 de abril de 2000 (18 anos)[nota 1]
CNPJ 78.252.392/0001-73
Prefixo ZYB 417
Nome(s) anteriore(s) ÉTV (2014 - 2017)
Cobertura Campos Gerais (parcial)
Potência 2.8 kW
Página oficial pg.pr.gov.br/tve

TV Educativa de Ponta Grossa (também conhecida como TVE Ponta Grossa) é um canal de televisão com formato educativo que pertence a Funepo (Fundação Educacional de Ponta Grossa), instituição pública com direitos privados e que possui tais finalidades na cidade homônima. É a primeira geradora educativa de sons e imagens no Paraná sendo administrada por um governo municipal, diferente de outras cidades que apenas contavam com a retransmissão da TVE de Curitiba (hoje Paraná Educativa). A maior parte da programação é composta por programas da TV Cultura, sendo que a parceria com a Fundação Padre Anchieta foi um ano antes de entrar em operação[1][2] A emissora ponta-grossense operou por 17 anos no canal 58 UHF antes de digitalizar-se.[3] Além da transmissão em sinal aberto, a mesma transmite o seu sinal pelo canal 8 na TV a cabo (disponível pela NET) e mais recentemente buscando atingir um público maior é disponibilizado a transmissão ao vivo da Jornal da Educativa pelo Facebook desde a segunda metade de outubro de 2017.[4]

Com a reeleição do prefeito Marcelo Rangel foi dito no término de 2016 que a emissora seria extinta[5] resultando em repúdio pelo Conselho de Curadores da FUNEPO[6] e então desde o início de 2017 houve a preocupação que a concessão fosse devolvida a União (incluindo outras propostas feitas pela prefeitura) assim como que não houvesse a mudança para uma tecnologia de transmissão melhor. O tempo passou e a gestão afirmaria na sequência que iria garantir tal processo de mudanças.[7] Em agosto de 2017 é anunciado pelo prefeito da época, Marcelo Rangel quando a digitalização do canal iria ocorrer, iniciado com a logomarca em 3D e nova programação para o segundo semestre de 2017 até o sinal digital em definitivo em até janeiro de 2018.[8] Em 26 de setembro de 2017 a TV Educativa lançou um pregão eletrônico para abrir a licitação da compra de um transmissor com uma potência de 1.8 kW que opere em 14 UHF no sistema digital brasileiro.[9] Apenas em 24 de janeiro de 2017, uma semana antes do desligamento do sinal analógico no município é que a mesma consegue autorização por parte dos Ministérios das Comunicações para operar digitalmente.[10]

Desde 28 de janeiro de 2017 opera no sinal digital irradiando cerca de 2.8 kW a partir do canal físico 14 UHF (virtual 58.1), antes ocupado pela Rede Vida analógica. Porém apesar de estar em 16x9 não está sendo exibido em HD.[11][12] Segundo o diretor Luiz Fernando Souza (nomeado diretor da TVE desde fevereiro de 2017[13]) outros setores do canal também passaram por modernizações e melhorias técnicas como os estúdios e equipamentos, a meta é atingir em sua cobertura os 19 municípios dos Campos Gerais. A mesma se considera como "a maior produtora de conteúdo local" dentre as televisões paranaenses.[14] Transmissores deveriam ser instalados nas cidades vizinhas para cobrir ao menos 10 municípios.[15] Em de 19 de maio de 2018 equipamentos que iriam ser utilizados para transmissão esportiva pela série C do Campeonato Brasileiro foram furtados, o prejuízo, segundo o apresentador Cândido Neto é de 30 mil reais além de prejudicar a transmissão da partida.[16]

História[editar | editar código-fonte]

Precedentes[editar | editar código-fonte]

A emissora chegou a funcionar ilegalmente desde 1997 com a transmissão do desfile cívico de Ponta Grossa porém a operação foi caçada pelo Ministério Público. Depois de regularizada, em meados de 1999 começou a transmitir pelo 58 UHF, porém apenas retransmitindo a TV Cultura, canal educativo paulista. A intenção era criar convênio com a Universidade Estadual de Ponta Grossa, especialmente no setor de Comunicações Sociais para parte da geração de programas locais.[17]

Oficialmente foi inaugurada em 28 de abril de 2000 pela Fundação Educacional de Ponta Grossa, entidade de vínculos educativos e culturais criadas por Decreto Municipal em 8 de janeiro de 1981 e sendo portanto pertencente a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, diferentemente da maioria das concessões educativas. O então prefeito Jocelito Canto (1997-2000) entendia que a FUNEPO deveria ser extinta por não possuir recursos necessários para a manutenção da entidade. Contudo, sabendo da possibilidade da instalação de um canal com intuitos educacionais na cidade a gestão resolveu manter a fundação (vetando na Câmara Municipal o projeto que dá o fim da entidade em janeiro de 1999), o que fosse o contrário provavelmente dificultaria a instalação de mais uma geradora em Ponta Grossa. Apenas existiria uma retransmissão da TV Educativa chamada assim no governo Jaime Lerner (Paraná Educativa) do governo estadual. O estatuto da FUNEPO foi alterado em 12 de agosto de 1997 para possibilitar a administração de um canal de televisão.

Em 15 de maio de 1998, ainda sem ser uma geradora, recebeu a autorização para utilizar a radiofrequência para retransmissão através do 58 UHF e em 28 de abril de 1999 para que retransmite o canal do governo paulista. Ainda em 1998, no dia do aniversário da cidade foi protocolado a concessão de outorga para geradora de conteúdo que foi autorizado em 28 de maio de 1999 pelo vice-presidente da República, no cargo temporário de presidência, Marco Maciel, depois passando pelo plenário do Congresso Nacional. O processo foi relativamente rápido, considerando a duração de anos em que um processo como este normalmente dura, isto se deve a articulação política de Jocelito Canto no Senado e na Câmara Federal. Na Câmara o então deputado Michel Temer autorizou o decreto legislativo em 2 de dezembro de 1999 quando passou para o Senado houve opiniões diferentes, Roberto Requião afirmava que a concessão poderia ficar nas mãos do prefeito da época, no entanto o senador Álvaro Dias foi um defensor da implantação da TVE. De todo modo a FUNEPO conseguiu autorização por meio de decreto legislativo em 23 de março de 2000 assinado pelo senador Antônio Carlos Magalhães.

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Em 28 de abril de 2000, às 18 horas entra no ar a programação local da TV Educativa transmitindo a inauguração solene, exibindo as instalações locais que eram no sub-solo do Centro de Cultura. Como relatado por Leonardo Bressoto, ex-gerente comercial, muitas adversidades tiveram que ser perpassadas para colocar o sinal no ar. Dentre as dificuldades encontradas foram a tardia confirmação do empréstimo de equipamentos que iriam ser utilizados, os operadores não conseguiam colocar o jornal no ar sendo então chamado o responsável técnico: Pedro Slivinski, uma das ilhas de edições (do sistema S-VHS) estava com problema e que deveriam ser utilizados no setor de exibição (aonde é feito os cortes comerciais e colocados no ar os programas ao vivo) mas que ainda não estavam prontos na véspera de inauguração e mesmo no jornalismo que ainda não estava totalmente instaurado. O jornalista Marcelo Franco relatou que reportagens gravadas simplesmente desapareceram. A Gazeta do Povo criticou o corte das entrevistas e as gafes em geral bem como a duração das imagens de obras da Prefeitura (o que pode ter relação ou não com os materiais perdidos, apesar do então prefeito negar qualquer ordem no que foi exibido pelo canal).

O primeiro telejornal exibido foi no mesmo dia em que houve a inauguração apresentado por Regis Luiz Rieger e Eduardo Ribeiro (hoje na RecordTV e Record News) as oito horas da noite, contando com uma entrevista ao senador Álvaro Dias, articulador no processo de outorga da TVE. Segundo Jocelito Canto, a ideia era de que o material produzido pela TV fosse utilizado pelas escolas municipais e que na grade contivesse programas de auditório, além dos jornalísticos, de entrevistas e de debates. O mesmo se defende de acusações de tentativa de marcar sua imagem pela TV bem com as denúncias feitas pelo Fantástico (Rede Globo).

Jocelito, quando questionado sobre sua participação na TVE:

"Uma forma de garantir credibilidade da emissora, afinal era o prefeito presente na TV"

No início a equipe de jornalismo possuía redator, 3 profissionais responsáveis pelas pautas, um diretor e um editor, além disto havia 6 equipes composta por cinegrafista, repórteres e motoristas. Havia o Jornal da TVE ao 12:30 e o Jornal da Noite, que diferente do primeiro que era apenas meia hora, o segundo durava o dobro de duração. Em outubro a Maria Arlete Cadek deixa a diretoria do jornalismo, carga que posteriormente foi ocupado por Ana Cláudia Ferreira Gambassi. A primeira grade de programação era composta além dos dois telejornais citados anteriormente dos programas (respectivamente de segunda à domingo, um em cada dia): Esportemoção, UEPG na Educativa, Som da Cidade (durante um tempo apresentado pelo próprio Jocelito Canto), Revelações, Bravo e Frito do Léo e Querência Gaúcha. Exceto Contraponto, Esportemoção e Som da Cidade os demais programas foram extinto brevemente em setembro, estes outros ficariam no ar até o final do ano 2000, a não ser o programa Contraponto que prosseguiu no ano seguinte.[18]

Novas gestões e cassação da outorga[editar | editar código-fonte]

Durante o mandato de Péricles Holleben Mello (2001-2004) houve mudança em quase toda a diretoria do canal. A programação também passou a ser reavaliada, devido a infraestrutura e equipe limitada. Na mudança de gestão restou apenas um telejornal que foi reduzido pela metade a sua duração (o Jornal da Noite passou a ser chamado simplesmente de Jornal da TVE) explicado devido a redução do número de profissionais. O noticiário juntamente com o programa Contraponto duraram até 24 de setembro de 2001 quando por determinação do Ministério Público a programação local foi suspensa. O promotor Mauro Rocha tinha aberto esta possibilidade um mês antes com o anúncio de irregularidades por parte do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais. Os motivos são a criação de cargos, a contratação sem um concurso público e alterações no solário sem avaliação mediante o orçamento, sendo que já tinha passado pela análise jurídica da FUNEPO. O promotor disse ainda que 98% dos repasses vem da prefeitura, sendo que não há outro órgão financiador da fundação. Até agosto de 2001 a televisão tinha 33 funcionários.[18][19] Segundo Regis Luiz Rieger que inclusive trabalhou na TVE havia dívidas desde a inauguração do canal. Posteriormente os equipamentos foram devolvidos e os funcionários demitidos, restando apenas poucos membros que refletiriam sobre como retomar com a programação local e dos cuidados da retransmissão da TV Cultura.[18] Em 2002 surgiu a possibilidade da retransmissão do Canal Futura mas que não se concretizou. Embora fosse a expectativa da Federação das Indústrias, o antigo Centro Federal de Educação Tecnológica, Fundação Cultural e Universidade Estadual de Ponta Grossa. A diretora de programação do canal carioca, Lucia Araújo esteve em Ponta Grossa em conversa com a direção executiva em nome de Fernando Esteche e demais membros.[20]

Logo de 2014-2017

Péricles gostaria que fosse criado um plano de cargos e salários e também um aumento da participação popular no Conselho de Curadores da Fundação Educacional de Ponta Grossa, para o segundo prefeito após a estreia do canal:

"A TVE é o espelho pelo quas as pessoas se vêm e se reconhecem"

O estatuto foi alterado mas como as alterações da Lei foram mandadas para a Câmara Municipal muito das decisões tinham interferências dos vereadores. O novo conselho pediu por alterações mais drásticas e controlar outros veículos de comunicação bem como a solicitação da menor influência da administração municipal. O prefeito que ficou até o termino de 2004 mandou recursos de equipamentos para a manutenção e funcionamento da TV Educativa. A mesma retomou as suas atividades em 21 de abril de 2004, porém transmitindo apenas o Jornal da TVE na apresentação de Regis Luiz Rieger. Ficou por um tempo uma equipe de jornalistas até a contração do pessoal que entraria no quadro de funcionários a partir do dia 6 de agosto de 2004, graças a um concurso público.[18] Altair Ramalho foi diretor de jornalismo e apresentador no canal chegou a atuar na mesma entre 2004 e 2012.[21][22] Na primeira semana de dezembro de 2010 a TVE mudou seu endereço para aonde se localiza o extinto Clube Guaíra (arrematado pela prefeitura em 6 de julho de 2007 por 1,9 milhão de reais[23]), interrompendo a programação por um curto período de dias. A mesma se encontra no 3° andar e divide o edifício com a Autarquia Municipal de Trânsito que esta lá desde 2008, sendo que a mudança da TV Educativa definitivamente para o novo prédio levou mais de um ano.[24] [25] No dia 9 de novembro de 2012, o ex-prefeito Pedro Wosgrau Filho entrega o edifício reformado (ficando conhecido como "Espaço Guaíra"), na época a TVE passou a ficar com uma área de 1000 m².[26] Em 2014 já na gestão de Marcelo Rangel, a ÉTV (chamado assim durante a direção de Guilherme Pikunas) trouxe novos programas e transmissões ao vivo de outros municípios, além disso foi adquirido um link aéreo digital para transmissões fora dos estúdios em uma qualidade maior.[27] O atual diretor de jornalismo é Marcelo Franco, apresentador do Jornal da Educativa.[2][28]

Programas[editar | editar código-fonte]

Desconsiderando a programação de São Paulo, o número de programas locais transmitidos são aproximadamente 20 produções feitas pelo canal da prefeitura de Ponta Grossa.[29] Sendo alguns destes:

  • Jornal da Educativa (incluindo matérias da Paraná Educativa[30])
  • Esporte & Emoção
  • TVE Esporte
  • Hip Hop PG
  • Visão Geral
  • Vem Comigo
  • Doc.com
  • E as crianças como vão?
  • Lente Aberta
  • Quintas da Saúde
  • Culturação
  • TVE Cinema
  • Saúde em Foco
  • Alô Campos Gerais
  • Conexão Regional
  • Sexta às Seis

Eventos que ocorrem na região muitas vezes são transmitidos pela TVE. É veiculado na grade transmissões esportivas como partidas do Operário Ferroviário (em parceira com o portal A Rede), equipe de futebol profissional na cidade.[31] Já foi transmitindo desfiles[32], o Festival de Música dos Campos Gerais[33], o carnaval de Tibagi[34] e o Festival Universitário da Canção (FUC).[35] Em 25 de outubro de 2018 é firmado uma parceira com o Grupo RIC para o auxílio na transmissão dos jogos e investimentos em programas locais, o diretor executivo se reuniu com o presidente Petreli e também com o diretor comercial da RIC TV.[36][37]

Programetes[editar | editar código-fonte]

Vão ao ar durante a programação, entre um a três minutos durante os breaks da grade:

  • Talento & Negócio
  • Minuto Empreendedor
  • Direitos do Consumidor
  • TVE Notícias/Saúde/Talentos/Turismo

Retransmissoras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Considerando a estreia oficial com programas locais e não a transmissão pelo canal 58 UHF.

Referências

  1. Eichelbaun; Oliveira, Melissa Cristina; Hebe Maria Gonçalves de (15 de junho de 2016). «A TV Educativa de Ponta Grossa no contexto das TVE's no Brasil». Encontro Regional Sul de História da Mídia - 2016. UFRGS. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  2. a b «Fundação Educacional de Ponta Grossa - FUNEPO - TV Educativa». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  3. Carvalho, Guilherme (3 de novembro de 2017). O Espaço da Mídia Pública no Brasil. [S.l.]: Appris Editora e Livraria Eireli - ME. ISBN 9788547306595 
  4. Alexandrino, Bruna (4 de novembro de 2017). «O telejornal tradicional em tempos de redes sociais». DeJor UEPG. Periódico UEPG. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  5. «Prefeito reeleito de Ponta Grossa anuncia novo secretariado». G1 PR - Campos Gerais e Sul. 30 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  6. «Conselho repudia anúncio de fechamento da Funepo e da TV Educativa de Ponta Grossa». Conselho de Curadores da Funepo. Portal Comunitário. 11 de janeiro de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  7. «Rangel garante que fará a digitalização da TV Educativa». Blog do Doc.com. 12 de janeiro de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  8. «TV Educativa entra em processo de digitalização». A Rede. 11 de agosto de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  9. Ionnglebood, Mauro (19 de outubro de 2017). «Pregão eletrônico nº 001/2017». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  10. «Atos de 24 de janeiro de 2018». Diário Oficial da União. Imprensa Nacional. 1 de fevereiro de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  11. Costa, Isaque Aparecido (28 de janeiro de 2018). «HDTV em Ponta Grossa, Pr». HT Forum 
  12. Tavares, R. (29 de janeiro de 2018). «TVE Cultura HD Ponta Grossa PR no Ar.». Brasil DTV. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  13. Petroski, Daniel (4 de fevereiro de 2017). «TV Educativa de PG tem novo diretor». A Rede. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  14. «TVE completa 18 anos com maior produção local do Estado». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. 27 de abril de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  15. «Instalação de equipamentos pode deixar a TVE fora do ar». A Rede. 7 de abril de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  16. «Equipe da TVE Ponta Grossa tem equipamentos furtados em avião». Correio dos Campos. 19 de maio de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  17. «Ponta Grossa ganha nova emissora de TV». Folha de Londrina. 1 de junho de 1999. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  18. a b c d Rieger, Regis Luiz (2005). «A TV regional como instrumento de preservação da cultura local/regional: um espaço para a programação da localização frente à globalização». Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas, UEPG. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) 
  19. Angelo, Denise (21 de agosto de 2001). «Promotor investiga TV Educativa». Folha de Londrina. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  20. «TVE Ponta Grossa estuda parceria com Rede Futura». Tribuna do Paraná. 14 de agosto de 2002. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  21. «Morre o jornalista Altair Ramalho». Diário dos Campos. 24 de setembro de 2013. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  22. «Jornalista e radialista Altair Ramalho morre em Ponta Grossa». G1 PR - Campos Gerais e Sul. 24 de setembro de 2013 
  23. «Prefeitura compra Clube Guaíra por R$ 1,9 milhão». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. 6 de junho de 2007. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  24. «TV Educativa em novo endereço». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  25. «Autarquia muda atendimento ao público para o Guaíra». Diário dos Campos. 28 de abril de 2008. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  26. «Espaço Guaíra - Wosgrau entrega novas estruturas». Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. 9 de novembro de 2012. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  27. Sartini, Gabriel (17 de agosto de 2014). «Investimentos garantem expansão da 'Educativa'». A Rede. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  28. «Marcelo Franco (@MarceloFrancoBR) | Twitter». twitter.com. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  29. «Instalação de equipamentos pode deixar TVE fora do ar». A Rede. 7 de abril de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  30. Gonçalves, Hebe (22 de outubro de 2013). «E-Paraná: um desrespeito à comunicação pública». Observatório da Imprensa. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  31. «Jornal da Manhã - aRede fecha parceria com a TVE para transmitir a partida». Jornal da Manhã 
  32. Silva, Gizele (15 de setembro de 2016). «Desfile celebra 193 anos de Ponta Grossa». Diário dos Campos. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  33. «Femuscage atinge 1,5 mil espectadores». Diário dos Campos. 17 de julho de 2013. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  34. Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (3 de março de 2014). «TV Educativa transmite ao vivo carnaval de Tibagi». Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  35. Macedo, Neomil (30 de maio de 2014). «Show de Rubens Daniel encerra 27º FUC neste sábado». Portal UEPG. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  36. «RIC TV anuncia investimentos e programação local em PG». A Rede. 24 de outubro de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 
  37. «RIC TV firma parceria com emissora de Ponta Grossa». RIC Mais. 25 de outubro de 2018. Consultado em 3 de dezembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.