Jean le Rond d’Alembert

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Jean le Rond d'Alembert
Matemática e física
Nacionalidade França Francês
Nascimento 16 de novembro de 1717
Local Paris
Morte 29 de outubro de 1783 (65 anos)
Local Paris
Atividade
Campo(s) Matemática e física
Orientado(s) Pierre-Simon Laplace
Conhecido(a) por Equação diferencial de d'Alembert, Operador de d'Alembert, 5956 d'Alembert
Assinatura
Jean.Baptiste.le.Rond.d.Alembert.Signature.png

Jean le Rond d'Alembert (pronúncia francesa ʒɑ̃ batist lə ʁɔ̃ dalɑ̃bɛːʁ; Paris, 16 de novembro de 1717 — Paris, 29 de outubro de 1783[1] ) foi um filósofo, matemático e físico francês, que participou na edição da Encyclopédie, a primeira enciclopédia publicada na Europa.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jean le Rond d’Alembert nasceu em Paris,[1] filho ilegítimo da escritora Claudine Guérin de Tencin com o cavalheiro (chevalier) Louis-Camus Destouches, um oficial de artilharia das Forças Armadas. Seu pai estava distante quando nasceu e d'Alembert foi dias depois abandonado por sua mãe nos degraus da capela de Saint-Jean-le-Rond, próximo à igreja Notre-Dame de Paris.

Foi adotado por um vidraceiro e sua mulher, conhecida como Madame Rousseau, que cuidou de d'Alembert como se seu filho fosse, e recebeu o nome do santo patrono da igreja onde foi deixado. A verdadeira mãe sabia onde ele se encontrava e quando apresentou sinais de ser um gênio quis ficar com ele.[2] "Você é apenas a minha madrasta" disse-lhe o rapaz "a mulher do vidraceiro é a minha verdadeira mãe". E com isto abandonou-a como ela o havia abandonado. O cavalheiro Destouches pagou secretamente pela educação do filho, mas nunca o reconheceu legalmente.

D'Alembert estudou teologia no Collège des Quatre-Nations[3] e formou-se em Direito (1735-1738), mas só depois descobriu a sua vocação para a Matemática e Física. Tendo se tornado famoso, d’Alembert sempre teve orgulho de declarar que o vidraceiro e sua mulher eram seus pais e cuidou para que nada lhes faltasse (eles preferiram continuar vivendo em sua modesta casa). Mais tarde, a celebridade conseguida graças ao seu trabalho sobre o Cálculo Integral permitiu-o de entrar no colégio das ciências em 1741 com 24 anos de idade.[2] Dois anos mais tarde, ele publica O Tratado da Dinâmica. Onze anos depois, foi nomeado membro da Academia Francesa, de onde foi eleito secretário perpétuo em 1752.

Durante sua vida, d’Alembert participou ativamente das duas academias, contribuído com suas diversas descobertas. Manteve também correspondência com os nomes mais notáveis da época como Voltaire, Rousseau, Euler... Seus principais feitos foram no campo da astronomia e em matemática, com estudos de equações com derivadas parciais e seu uso na física. Também provou que todas as equações polinomiais a uma variável de grau N tem exatamente N soluções.[2]

Todavia, é mais conhecido por seu trabalho em parceria com Denis Diderot, reunindo todas as descobertas científicas da época em um livro denominado Encyclopédie, no qual foi responsável pela redação de vários artigos e pela elaboração do prefácio.

Obras[editar | editar código-fonte]

Foi escritor, filósofo e matemático, autor dos livros Discours préliminaire de l'Encyclopédie, Elogios acadêmicos e Tratado de dinâmica.

Suas pesquisas em física eram relacionaram-se à mecânica racional; princípio fundamental da dinâmica; problema dos três corpos; cordas vibrantes e hidrodinâmica.

Em matemática estudou as equações com derivadas parciais; equações diferenciais ordinárias; definiu a noção de limite; inventou um critério de convergência das séries; demonstrou o teorema fundamental da álgebra, que afirma ter toda equação algébrica pelo menos uma raiz real ou imaginária (teorema de D'Alembert-Gauss).

D'Alembert foi o primeiro a chegar a uma solução para o extraordinário problema da precessão dos equinócios. Seu trabalho principal puramente matemático, foi sobre equações parcialmente diferenciais, particularmente em conexão com correntes vibratórias.

Disse a frase: "A Morte é um bem para todos os homens; É como a noite desse dia inquieto que se chama vida".

Referências

  1. a b Rouse Ball, W. W.. A Short Account of the History of Mathematics (em inglês). [S.l.]: Courier Dover Publications, 2012. 522 pp. p. 374. ISBN 0486157849
  2. a b c d Jean Le Rond d'Alembert (em português) Enciclopédia Mirador Internacional; Oxford Dictionary of Scientists UOL - Educação. Visitado em 29 de outubro de 2012.
  3. Tanton, James Stuart. Encyclopedia of Mathematics (em inglês). [S.l.]: Infobase Publishing, 2005. 568 pp. p. 8. ISBN 0816051240

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Briggs, J. Morton. Jean le Rond d'Alembert (em inglês). Dictionary of Scientific Biography ed. Nova Iorque: Charles Scribner's Sons, 1970. p. 110–17. vol. 1. ISBN 0-684-10114-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons