Política econômica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Detalhe de governo. Mural por Elihu Vedder. Lobby para Principal Sala de Leitura, da Biblioteca do Congresso Thomas Jefferson, Washington, DC figura principal está sentado em cima de um pedestal dizendo "governo" e segurando um tabuleta

A política econômica consiste no conjunto de ações governamentais que são planejadas para atingir determinadas finalidades relacionadas com a situação econômica de um país, uma região ou um conjunto de países. Estas ações são executadas pelos agentes de política econômica, a saber: nacionalmente, o Governo, o Banco Central e o Parlamento e internacionalmente por órgãos como, por exemplo, o FMI, o Banco Mundial e o Ex-Im Bank [1] . Cada vez mais há uma interação com entidades multinacionais, pelo fato de a economia da maioria dos países encontrar-se globalizada.

Modalidades[editar | editar código-fonte]

Pode ser de natureza estrutural, quando visa a modificar a estrutura macro-economica; conjuntural, quando visa a administrar uma situação como depressão, hiperinflação ou escassez de produtos; ou expansionista, quando visa à manutenção ou à aceleração de crescimento econômico.

Instrumentos de política econômica[editar | editar código-fonte]

Política fiscal[editar | editar código-fonte]

Conjunto de decisões e ações relacionadas com as despesas, receitas dos governos federal, estadual e municipal.

Política externa[editar | editar código-fonte]

Conjunto de medidas que tem por finalidade manter o equilíbrio do Balanço de Pagamentos, proteger determinados setores e desenvolver relações comerciais externas.

Por sua vez subdivide-se em Política Cambial e Política Comercial.

Política de rendas[editar | editar código-fonte]

Conjunto de medidas visando a redistribuição de renda e justiça social.

Política monetária[editar | editar código-fonte]

Conjunto de medidas objetivando controlar o volume de liquidez (quantidade de dinheiro circulante) à disposição dos agentes econômicos.


Política de estabilização macroeconômica[editar | editar código-fonte]

Política de estabilização tem o objetivo de estimular uma economia da recessão ou conter o excesso de inflação com a restrição a oferta de dinheiro.

  • A política fiscal, com objetivo de guiar a economia através dos gastos do governo e impostos.
  • Postura Fiscal: O tamanho do déficit ou superávit
  • Política sobre o imposto: Os impostos usados ​​para coletar as receitas do governo.
  • Os gastos do governo em qualquer área do governo
  • A política monetária controla o valor da moeda, diminuindo a oferta de dinheiro e controlando a inflação e estimulando o crescimento econômico. Foco na quantidade de dinheiro em circulação e, consequentemente, as taxas de juros e inflação.
  • As taxas de juros, se definida pelo Governo
  • Políticas sobre rendimentos e controle de preços a imposição ao controle não-monetária sobre a inflação
  • As reservas mínimas que afetam o multiplicador de dinheiro


Programas de política econômica no Brasil[editar | editar código-fonte]

Durante sua História, o Brasil passou por vários Governos com variados programas de política econômica. Mas, no geral, todos os Governos realizam investimentos no desenvolvimento do país de forma constante, programados pelo Orçamento Anual da União. Porém, alguns programas ficaram mais famosos.

Um exemplo de política econômica bem sucedida no Brasil foi o famoso Plano de Metas, do presidente Juscelino, executado entre 1956 e 1960. Este plano incentivou a indústria automobilística, a abertura de estradas e criou Brasília, entre outros acontecimentos.

Posteriormente, nos anos 70, os governos militares ficaram famosos por incentivar o desenvolvimento do país, através da idéia do "Brasil Grande" com diversos investimentos em infra-estrutura (abertura e asfaltamento de milhares de quilômetros de estradas, construção de usinas de energia como Itaipu e outras, a Ponte Rio-Niterói, aeroportos, portos, criação do Pro-Álcool e da Telebrás etc.).

No Governo Itamar Franco, o Plano Real levou ao controle da inflação, ao controle dos gastos públicos desenfreados através da implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal, também incluiu a privatização de empresas estatais ineficientes, alavancando melhorias no Brasil. Houve investimento na duplicação de 1300 km de rodovias entre Belo Horizonte e Florianópolis, e dos trechos BR-232 (140 km entre Recife e Caruaru) e BR-230 (132 km entre João Pessoa e Campina Grande), incrementando a economia nordestina. FHC também asfaltou rodovias de terra da Região Norte, para melhorar a economia e a integração nacional: com a Venezuela, ao asfaltar a rodovia BR-174 (988 km ligando Manaus-Boa Vista-fronteira com Venezuela), e com o Peru e Bolívia, ao asfaltar a rodovia BR-317 (331 km ligando Rio Branco à Assis Brasil, na fronteira tríplice).

Já o Governo Lula lançou, em 2007 foi anunciado, no Brasil, o Programa de Aceleração de Crescimento - PAC,[2] que é um programa do Governo Federal englobando um conjunto de políticas econômicas, planejadas para os próximos 4 anos,[3] que se destinam a acelerar o crescimento econômico do país.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Jacques Généreux, Introdução à política econômica; Edicoes Loyola, ISBN 8-515-01087-9
  2. Carlos Lessa, O conceito de política econômica: ciência e/ou ideologia? , Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, 1998 ISBN 8-586-21517-1
  3. João Paulo de Almeida Magalhães, Adhemar dos Santos Mineiro, Luiz Antônio Elias, 20 anos de política econômica , Contraponto, 1999 ISBN 8-585-91023-2
  4. História econômica do Brasil contemporâneo: coletânea de textos apresentados no I Congresso Brasileiro de História Econômica, Campus da USP, setembro de 1993, Volume 4 , EdUSP, 2002 ISBN 8-531-40688-9
  5. Oreiro,jose Luis/paula,luiz Fernando De, Sistema Financeiro e Política Econômica em uma Era De , Elsevier Brasil ISBN 8-535-26333-0
  6. Wilson Cano, Soberania e política econômica na América Latina , Fundação Ed. UNESP, 2000 ISBN 8-571-39271-4
  7. Généreux, J. Économie politique, Hachette; Éd.4 (2004) ISBN 2-011-45587-1 (em francês)
  8. Guitton, H. e Vitry, D., Économie politique : Introduction générale, analyse micro-économique, analyse macro-économique (Précis Dalloz) Dalloz; 13e éd. (1981) ISBN 2-247-00290-0 (em francês)
  9. Boissieu, C. de, Principes de politique économique, Paris : Economica, 1980 ISBN 2-717-80312-2 OCLC 461693079 (em francês)
  10. Ferdinand Bakoup, Africa and Economic Policy: Developing a Framework for Policymakers , Anthem Press, 2014 ISBN 1-783-08019-1 (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.