Vila Real de Santo António

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Vila Real de Santo António
Brasão de Vila Real de Santo António Bandeira de Vila Real de Santo António
Brasão Bandeira
Localização de Vila Real de Santo António
Área 61,25 km2
População 19 156 hab. (2011)
Densidade populacional 312,75 hab./km2
N.º de freguesias 3
Presidente da
Câmara Municipal
Luís Gomes (PSD)
Fundação do município
(ou foral)
1774
Região (NUTS II) Algarve
Sub-região (NUTS III) Algarve
Distrito Faro
Antiga província Algarve
Orago Nossa Senhora da Encarnação
Feriado municipal 13 de maio
Código postal 8900
Sítio oficial http://www.cm-vrsa.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Vila Real de Santo António é uma cidade raiana portuguesa no Distrito de Faro, região e sub-região do Algarve, com cerca de 11 900 habitantes.

É sede de um município com 61,25 km² de área (Fonte: INE) e 19 156 habitantes (Fonte: INE/Censos 2011), subdividido em 3 freguesias. É um dos poucos municípios de Portugal territorialmente descontínuos,[1] dividindo-se numa porção ocidental, a freguesia de Vila Nova de Cacela, e uma porção oriental, onde se situa a cidade e Monte Gordo. A parte oriental é limitada a norte e oeste pelo município de Castro Marim, a leste pelo Rio Guadiana, que define a fronteira com Espanha, município de Ayamonte, e a sul tem litoral no oceano Atlântico; a parte ocidental é limitada a norte e leste por Castro Marim, a oeste por Tavira e a sul tem litoral no oceano Atlântico.

História[editar | editar código-fonte]

Ao longo da sua História, Portugal teve sempre problemas políticos com a vizinha Espanha, e por isso sempre houve um especial cuidado com as regiões raianas. A foz do rio Guadiana divide o extremo sudeste português do extremo sudoeste espanhol, e durante muitos anos a única cidade portuguesa que protegia o território nacional nessa zona era Castro Marim. Nessa medida, e porque esse período foi uma era de grandes mudanças no país, foi assinada a 30 de Dezembro de 1773 uma Carta Régia que dava conta da criação de uma cidade no extremo algarvio – nascia assim Vila Real de Santo António.

Praça Marquês de Pombal, centro da cidade de Vila Real de Santo António.

A cidade nasceria no local onde antes existia uma povoação de pescadores denominada Santo António da Arenilha. Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido como Marquês de Pombal, ministro do rei D. José I, foi o homem responsável pela criação da cidade. A edificação da cidade foi bastante rápida; a 17 de Março de 1774 foi lançada a primeira pedra e no dia 6 de Agosto do mesmo ano já estavam terminadas as Casas da Câmara e da Alfândega, os quartéis e começava-se a construção da igreja. Os edifícios foram construídos da mesma forma que os da Baixa lisboeta, à base de peças pré-fabricadas que depois eram aplicadas no local, tornando a construção mais uniforme e célere. As obras ficaram concluídas a 13 de maio de 1776. A cidade desenvolvia-se numa malha urbana ortogonal perfeita, centrada na Praça Marquês de Pombal. Uma grande marginal percorria as várias centenas de metros que separavam o aglomerado urbano do rio Guadiana.

No final do século XIX, e início do séc XX a cidade viveu prosperamente. O sector das pescas (principalmente sardinha e atum) dinamizaram a cidade, transformando-a num importante centro pesqueiro e conserveiro. Era também um importante porto para os barcos que transportavam minério desde as minas de São Domingos. A importância da cidade traduziu-se também na tecnologia; foi a primeira cidade algarvia a ter iluminação a gás, em 1886.[carece de fontes?]

Actualmente a cidade e o município de Vila Real de Santo António vivem do turismo, a par da maior parte das zonas do litoral algarvio. Os extensos areais dão óptimas praias que na época balnear se enchem de turistas nacionais e estrangeiros.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Vila Real de Santo António fica no extremo sudeste do Algarve. O seu território é dominado pelo rio Guadiana, a leste, o Oceano Atlântico, a sul, e a serra algarvia (na freguesia de Vila Nova de Cacela) e o sapal de Castro Marim (Vila Real e Monte Gordo), a norte.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Os municípios em Portugal são geridos pelas Câmaras Municipais cujos membros são eleitos de quatro em quatro anos. O município de Vila Real de Santo António está dividido em três freguesias que são geridas a nível local pelas respectivas Juntas de Freguesia, cujos membros são eleitos na mesma altura da eleição do Presidente da Câmara. As freguesias do concelho são as seguintes:

  1. Vila Nova de Cacela
  2. Monte Gordo
  3. Vila Real de Santo António

Eleições autárquicas[editar | editar código-fonte]

Eleições autárquicas de 2005. A laranja as freguesias com maioria de votos no PSD e a rosa a freguesia com maioria de votos no PS.

As autárquicas de 2005 ditaram a eleição de Luís Gomes para presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António. O candidato do PSD venceu com 44,1% dos votos, contra os 35,3% do candidato socialista (concorrente que mais perto ficou do vencedor).[2] No total votaram 9 483 pessoas, tendo a abstenção sido da ordem dos 35%.

Partido Votos Percentagem (%) Mandatos
Partido Social Democrata
4 185
44,1
3
Partido Socialista
3 349
35,3
3
Partido Comunista Português
1 405
14,8
1
Bloco de Esquerda
209
2,2
0
Partido Popular
57
0,6
0

Demografia[editar | editar código-fonte]

Evolução 1801 - 2011
Ano População
1801 2112
1849 3953
1900 9817
1930 12313
1960 14999
1981 16347
1991 14400
2001 17956
2011 19156

O município de Vila Real de Santo António é um dos mais densamente povoados do Algarve, apresentando valores superiores à média nacional.

No que diz respeito à taxa de natalidade, desceu de 14,31 para 9,41 entre 1991 e 2001; a freguesia com o valor mais alto é Vila Real de Santo António (10,5%), seguido de Monte Gordo (8,1%), e por fim Vila Nova de Cacela (7,5%).

Gráfico com a evolução populacional do concelho.

A taxa de mortalidade também descrecesceu, descendo de 12,29 em 1991, para 11,92 em 2001; analisado por freguesia Vila Real de Santo António e Vila Nova de Cacela têm valores idênticos (13,1% e 13,0% respectivamente), enquanto que Monte Gordo apresenta o valor mais baixo do município (7,8%).[3] Contudo, como o decréscimo da natalidade foi mais acentuado a taxa de crescimento natural desceu de 2,01 para -2,51.[4] A única freguesia com saldo positivo neste aspecto é Monte Gordo (0,3%), enquanto que Vila Nova de Cacela é a que mais se destacou pelo aspecto negativo (-5,5%); a freguesia de Vila Real de Santo António teve uma taxa de crescimento natural de -2,6%.

Apesar do decréscimo, prevê-se que a população cresça cerca de 27% relativamente a 2001 até ao ano de 2031 (previsão:22 834 habitantes[3] ) devido ao crescente êxodo de pessoas dos municípios do interior do Algarve, para os mais litorais, tais como Vila Real de Santo António.

O crescimento populacional nota-se também na densidade populacional que, segundo a previsão, subirá de 2,90 hab/km² em 2001 para 3,69 hab/km² em 2031.[3]

                             Evolução da População Entre 1864 e  2011  

Evolução da  População  1864 / 2011; Variação da População  1864 / 2011; Comparando 2011 com 1864;

          Evolução dos Grupos Etários (de 1981 a 2011)

Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011; Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011;

Economia[editar | editar código-fonte]

O Algarve é, desde há vários anos, o destino preferencial de veraneio em Portugal, o que fez com que o sector terciário se desenvolvesse na região; a restauração, hotelaria e comércio são as principais fontes de rendimento dos algarvios. O concelho de Vila Real de Santo António não é excepção à regra. Foi nos anos 1960 que começou a grande procura pelas praias da zona, principalmente as de Monte Gordo. Essa procura fomentou um desenvolvimento de estruturas de apoio tais como hotéis e restaurantes.

Apesar da grande predominância de empregos no sector terciário, também no sector primário existe grande actividade no município. O cultivo de grão, frutos secos, citrinos e olival ocupam cerca de 47% da área do concelho. No que diz respeito à pecuária, as espécies mais criadas são aves, ovinos e caprinos. O sector secundário está apenas representado pela indústria de conservação de pescado, construção, indústria de mármores e artes gráficas.[5]

Educação[editar | editar código-fonte]

Escola Básica de Vila Nova de Cacela.

No concelho de Vila Real de Santo António existem 13 escolas que leccionam desde o ensino primário até ao ensino secundário. Existem nove escolas com o 1º ciclo de escolaridade, três escolas com o 2º e 3º ciclos e uma com ensino secundário. A par destas instalações existem ainda duas cresches e oito infantários[6]

Não há establecimentos de ensino superior no concelho. Contudo, funciona em Vila Real de Santo António a Universidade de Tempos Livres que promove a apredizagem através de cursos, estando também responsável pela organização de bailes, exposições entre outros eventos culturais.[7]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cultura algarvia tem em Vila Real de Santo António um importante centro de divulgação. Nesta cidade nasceram e trabalharam vários artistas que deixaram a sua marca na literatura, nas artes plásticas, entre outras áreas culturais.

Um dos mais conhecidos é António Aleixo, poeta popular da primeira metade do século XX; famoso pela ironia e crítica social, é um dos mais aclamados poetas algarvios. Também Manuel Cabanas[8] foi uma figura de destaque no panorama artístico vila realense; o Mestre Cabanas, como era conhecido, foi xilogravador e um opositor convicto do Estado Novo. É ainda a cidade natal de Lutegarda Guimarães de Caires, ativista e poetisa, promotora do Natal dos Hospitais e diversas causas sociais em Portugal.

Centro Cultural António Aleixo[editar | editar código-fonte]

Este centro cultural foi instituído à memória do poeta homónimo. Situa-se no centro da cidade de Vila Real de Santo António. O local é constituído por duas salas de exposições: a zona principal tem uma área substancialmente maior que a outra sala e recebe exposições dos mais variados tipos de arte, tais como a pintura, escultura ou fotografia; a outra área está destinada a uma exposição permanente dos trabalhos de xilogravura de Manuel Cabanas, e por essa razão, a galeria tem o nome desse artista.[9]

Centro de Artes e Ofícios da Manta Rota[editar | editar código-fonte]

Situado na freguesia de Vila Nova de Cacela, é um importante centro de divulgação da arte e saber tradicional da região. Está instalado no antigo edifício do Casino da Manta Rota. Neste centro organizam-se também diversas exposição de arte e eventos culturais.[10]

À parte dos centros culturais, o mais importante "centro" de divulgação cultural da região situa-se ao longo da costa, estendendo-se desde a praia da Manta Rota até Cacela Velha; o Núcleo Museológico de Cacela Velha põe a descoberto séculos de história. A passagem de povos tais como os romanos ou muçulmanos é bem retratada no município. Os vestígios encontrados são expostos em exposições temporárias na Escola Primária de Santa Rita.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Paragem do autocarro social.

O concelho de Vila Real de Santo António é servido por várias vias de comunicação que o ligam ao Algarve e a Espanha. A auto-estrada A22, mais conhecida como Via do Infante faz a conexão do concelho (apesar de passar no concelho vizinho de Castro Marim) ao país vizinho, através da Ponte Internacional do Guadiana. O IC27 - tal como a via do Infante, não passa no concelho de Vila Real de Santo António, mas sim em Castro Marim - liga o concelho ao Alentejo, mais propriamnete a Mértola e Beja. A EN 125 é também uma importante via de comunicaçãono concelho, ligando as freguesias entre si e conectando-as ao resto da região.

Estação ferroviária.

A viagem para Espanha pode também ser feita num ferry-boat. O atravessamento do rio neste local foi feito desde sempre (até à da construção da ponte) por barco. No início do século XX, mais propriamente em 1906, esse meio de transporte foi complementado com uma ligação à linha ferroviária local - linha do Algarve (então designada por linha do Sul - que foi expandida (ía só até Tavira). O interface de tranportes era assegurado por um apeadeiro, actualmente desactivado, o apeadeiro de Vila Real de Santo António-Guadiana.

Existe uma rede de autocarros que cobre todo o Algarve, EVA transportes. A Rota da Ria Formosa[11] é a carreira que serve o município, levando passageiros desde Vila Real de Santo António até Faro, e vice-versa. Foi criada uma rede municipal de autocarros sociais que têm como objectivo ligar as várias aldeias do concelho, promovendo o deslocamento de pessoas idosas.[12]

Património[editar | editar código-fonte]

Associações Juvenis do concelho[editar | editar código-fonte]

- Associação 'Backup', nascida a 27 de Novembro de 2013 foi criada com o objetivo de desenvolver as competências sociais e comunitárias dos jovens de Vila Real de Santo António. Tem como principais eixos a Intervenção Social e Comunitária, Cidadania Participativa e Democracia, Educação e Formação e Empreendedorismo.

Com o fim de formar cidadãos mais ativos, a ‘Backup’ pretende ir ao encontro dos interesses, das necessidades e potencialidades do seu público-alvo, impulsionando a consciencialização dos indivíduos e levando-os a participar ativamente no seu próprio desenvolvimento.

para mais informações www.yourbackup.pt

- Associação Juvenil "Ganda Cena", criada a 23 de Abril de 2008, organizada e dirigida por jovens, tem sede na Avenida da República, Nº. 119 e pretende representar as opiniões do jovens municipes, através de actividades culturais, desportivas, recreativas e artísticas

- II ACTO

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vila Real de Santo António


Concelhos do Distrito de Faro (Algarve) Mapa da Grande Área Metropolitana do Algarve
Albufeira
Alcoutim
Aljezur
Castro Marim
Faro
Lagoa
Lagos
Loulé
Monchique
Olhão
Portimão
São Brás de Alportel
Silves (Portugal)
Tavira
Vila do Bispo
Vila Real de Santo António
Albufeira
Alcoutim
Aljezur
Castro Marim
Faro
Lagoa
Lagos
Loulé
Monchique
Olhão
Portimão
São Brás de Alportel
Silves
Tavira
Vila do Bispo
Vila Real de Santo António