As 1001 Horas de Asterix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Astérix chez Rahàzade
Álbum da série Astérix
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
País de origem  França
Língua de origem Francês
Editora(s) Les Éditions Albert René
Primeira edição 1987
Género(s) humor, aventura
Argumento Albert Uderzo
Desenho Albert Uderzo
Personagens principais Astérix, Obélix, Assurancetourix, Kiçàh, Rahàzade
Título(s) em português As 1001 Horas de Asterix
Títulos da série Astérix
Le Fils d'Astérix
La Rose et le Glaive

As 1001 Horas de Asterix (francês Astérix chez Rahàzade ) é o vigésimo-oitavo álbum da série de banda desenhada franco-belga Astérix, escrito e ilustrado por Albert Uderzo e publicado em 1987. É o quarto álbum produzido apenas por Uderzo, após o falecimento de René Goscinny em 1977.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Logo no início da história, está havendo uma das rotineiras brigas na aldeia gaulesa, quando Chatotorix resolve cantar. Sua voz, de tão desafinada, faz até chover. Com a chuva, cai do céu um homem moreno, de baixa estatura e magro. Trata-se um faquir, originário da Índia, chamado Khenhé. Ele explica que estava sobrevoando a aldeia, em seu tapete, quando a tempestade causada por Chatotorix o fez cair (o que deixa a todos espantados). Ele conta que o reino indiano onde mora está sofrendo com uma longa e terrível seca. Diante disso, o maligno guru Kenvenlah decretou que se não chover em 1001 horas, a bela e jovem Princesa Jade, filha do Rajá, terá que ser sacrificada para acalmar os deuses. Para tentar salvá-la, Khenhé foi até a Gália em busca do bardo que faz chover. Assim, Asterix, Obelix, Chatotorix e o cãozinho Ideiafix partem junto com Khenhé em seu tapete mágico, para salvar a princesa na distante Índia.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Asterix e seus amigos passam sobrevoando por vários lugares que os fazem lembrar aventuras passadas, como Roma (Asterix e os Louros de César) e a Grécia (Asterix nos Jogos Olímpicos).
  • Ao chegar à Pérsia e salvar um povoado do ataque de piratas citas, os gauleses ganham um banquete. Nesse banquete, há um enorme monte de bolinhas negras. Obelix pergunta o que é aquilo, e um persa diz que é apenas um alimento para os pobres, chamado Kawiar. Trata-se, obviamente, do famoso e caro prato de ovas de peixe conhecido como caviar.
  • Asterix e Obelix encontram, na Índia, animais que nunca haviam visto, como elefantes, rinocerontes e tigres.
  • É interessante notar os nomes curiosos dos indianos, sempre lembrando perguntas: Khenhé (Quem é?), Khiorassam (Que horas são?), Khenvenlah (Quem vem lá?), Kheissaih (Quem está aí?), entre outros.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]