Astérix e a Grande Travessia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
La Grande Traversée
Álbum da série Astérix
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
País de origem  França
Língua de origem Francês
Editora(s) Hachette
Primeira edição 1975
Primeira publicação Jornal Sud-Ouest (1975)
Género(s) humor, aventura
Argumento René Goscinny
Desenho Albert Uderzo
Personagens principais Astérix, Obélix
Título(s) em português Astérix e a Grande Travessia
Títulos da série Astérix
Le Cadeau de César
Obélix et Compagnie

Astérix e a Grande Travessia (francês La Grande Traversée) é o vigésimo-segundo álbum da série de banda desenhada franco-belga Astérix, escrito por René Goscinny e ilustrado por Albert Uderzo, publicado em 1975 no jornal Sud-Ouest, republicado no formato álbum no mesmo ano.

Argumento[editar | editar código-fonte]

As reservas de peixe da aldeia esgotam-se, mas Ordralfabétix recusa-se a pescar pois garante que o peixe não tem garantia de qualidade. O problema é que Panoramix necessita de peixe para preparar a poção mágica, sendo então necessário alguém para ir pescar, logicamente os voluntários são Astérix e Obélix. Infelizmente em alto mar os dois novos pescadores, são apanhados no meio de uma grande tempestade, e perdem o rumo para a aldeia, acabando por atravessar o Atlântico sem perceber, e chegando até a costa leste da América do Norte, aproximadamente onde futuramente ficará Nova York. Ambos percebem que estão em algum lugar longínquo, mas não tem ideia de onde é. Os dois gauleses travam conhecimento com uma tribo índia pacífica, mas decidem regressar à aldeia. Por sorte um navio viquingue em expedição encontrava-se nas proximidades e os dois gauleses decidem embarcar, sendo trazidos até à atual Dinamarca, onde libertam um escravo gaulês (que por sorte era pescador) e regressam à aldeia com o tão desejado peixe.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Sabe-se que estes viquingues eram de nacionalidade dinamarquesa, pois existem várias referências de Hamlet.
  • Asterix e Obelix participam de diversas atividades típicas dos índios norte-americanos, como dançar em volta da fogueira e caçar bisões.
  • Ao longo da história, há inúmeras referências aos Estados Unidos da América, algumas das quais descritas abaixo.
  • O primeiro animal que Asterix e Obelix encontram é um peru, e eles se surpreendem, pois nunca haviam visto um. Obelix caça alguns, e os dois apreciam muito o gosto do peru assado (que é um prato típico dos Estados Unidos, principalmente no Dia de Ação de Graças). Obelix dá aos animais o nome de "Glu-glus".
  • Quando Asterix esbofeteia um indígena, este fica vendo estrelas, e elas aparecem dispostas como estão na bandeira norte-americana;
  • Em um banquete oferecido pelos indígenas, Obelix pega uma tigela com comida, aponta e pergunta: "Glu-glu?". E o chefe da tribo responde, sorridente: "Au-au!". Obelix faz uma cara de desagrado, e observa, meio angustiado, seu cão Ideiafix comendo. Pouco depois, quando é chamado para uma caçada, Obelix comenta: "Ótimo! Pelo menos vou saber que não estou comendo cachorro-quente!"
  • Quando Asterix e Obelix avistam o navio dos viquingues, Asterix põe o painel pintado que ganhou de presente dos índios debaixo do braço, pega uma tocha, sobe e uma pedra e faz sinal para os viquingues. Nessa cena, Asterix fica em uma pose idêntica à Estátua da Liberdade, numa clara alusão ao famoso monumento nova-iorquino.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]