Astérix na Córsega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Astérix en Corse
Álbum da série Astérix
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
País de origem  França
Língua de origem Francês
Editora(s) Hachette
Primeira edição 1973
Primeira publicação Revista Pilote números 687 (04 de janeiro de 1973), a 708 (31 de maio de 1973)
Género(s) humor, aventura
Argumento René Goscinny
Desenho Albert Uderzo
Personagens principais Astérix, Obélix
Título(s) em português Astérix na Córsega
Títulos da série Astérix
Le Devin
Le Cadeau de César

Astérix na Córsega (francês Astérix en Corse) é o vigésimo álbum da série de banda desenhada franco-belga Astérix, escrito por René Goscinny e ilustrado por Albert Uderzo, publicado nas edições 687 (04 de janeiro de 1973), a 708 (31 de maio de 1973) da revista Pilote e republicado no formato álbum em 1973. O álbum retrata o herói gaulês Astérix, em que este e seus inseparáveis amigos Obelix e Idéiafix visitam a ilha da Córsega.

Argumento[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A aldeia festeja o aniversário da batalha de Gergóvia, por isso deslocam-se à aldeia vários guerreiros (de outros álbuns) que ajudaram Astérix nas suas lutas contra os romanos.

Supostamente a cereja no topo do bolo das celebrações, era um combate contra os campos romanos, mas estes já estavam preparados e fugiram todos, menos um que ficou encarregue de guardar um prisioneiro corso.

Logicamente quando os gauleses sabem da existência do prisioneiro, libertam-no e levam-no para a aldeia.

Astérix e Obélix oferecem-se para o levar de novo para a Córsega, e viajam até à ilha. Aí travam conhecimento com os clãs corsos, e entram numa batalha contra os romanos, devido ao seu governador corrupto e implacável.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Existem várias referências a Napoleão Bonaparte (natural da Córsega) ao longo do livro.
  • O chefe corso que Asterix e Obelix ajudam é caricatura do jornalista francês Paul Gianolli, e é conhecido em Portugal com o mesmo nome do original francês, Ocatarinetabelachichix (referência a "O catarinetta bella Tchi-tchi", de Tino Rossi). Na tradução brasileira, teve dois nomes, Queijolão no original da Cedibra, Bonapartix - continuando as referências a Napoleão - na Editora Record.
  • Na abertura, personagens de seis dos livros anteriores visitam as celebrações da aldeia: Petisuix, de Astérix entre os Helvécios; Filémignon Y Bacon e seu filho Pepe, Asterix na Hispânia; Docontrix, de Asterix Gladiador; Cinemapax e quatro bretões de Asterix entre os Bretões; três dos gauleses visitados em Astérix e a Volta à Gália; e Alambix, de Astérix e o Escudo de Arverne.
  • São feitas referências a hábitos dos corsos, como sua preguiça, a sesta, e as vendetas - inclusive mostrando as facas tradicionalmente usadas para tais rivalidades na região.
  • Asterix e companhia lutam com romanos nos Maquis, onde turistas visitando a Córsega tradicionalmente se perdem.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]