Brasil na Copa do Mundo FIFA de 1970

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Brasil
Campeão
Flag of Brazil.svg
Associação CBF
Confederação CONMEBOL
Participação 9.ª (todas as copas)
Melhor resultado Nuvola apps mozilla.png Campeão: 1958, 1962, 1970, 1994, 2002
Treinador Brasil |Zagallo
Equipe brasileira na Copa do Mundo FIFA de 1970

A seleção brasileira de Zagallo, Tostão, Gérson, Rivelino, Pelé e muitos outros, não deu chance aos adversários atingindo seis vitórias em seis partidas. Na estréia, um susto: Petrás faz 1 a 0 para a Checoslováquia e comemora com o sinal da cruz. Jairzinho lhe roubaria a comemoração que se tornaria marca registrada do Brasil neste mundial. O Brasil virou e bateu os checoslovacos por 4 a 1 — gols de Rivelino, Pelé e Jairzinho (2). Neste jogo Pelé tenta pela primeira vez na história do futebol um gol do meio de campo para o desespero do goleiro tcheco Ivo Viktor, que por muito pouco não toma um gol antológico do "Rei".

Em seguida, um dos grandes jogos da Copa. Os campeões de 1958 e 1962 venceram a Inglaterra, campeã da Copa de 1966, por 1 a 0, gol de Jair. O destaque foi a atuação do goleiro inglês, Gordon Banks, que defendeu uma cabeçada de Pelé, num lance antológico considerado a maior defesa do Século XX. Essa partida, aliás, é considerada uma das mais emocionantes de todas as Copas. O gol brasileiro saiu de uma jogada individual de Tostão pela esquerda do ataque. Ele se livrou de três ingleses e tocou para Pelé, que só rolou para o "Furacão da Copa" soltar um forte chute.

Depois, 3 a 2 na Romênia (marcaram Pelé (2) e Jair), assegurando o primeiro lugar na chave. Por pouco, o placar não foi mais elástico: o goleiro romeno Radulescu falhou na devolução da bola e ela foi direto aos pés de Pelé, que emendou de primeira, mas o goleiro, desta vez, estava atento. Nas quintas-de-final, o Brasil ganhou do Peru, treinado por Didi, por 4 a 2 — Tostão foi o destaque do jogo, marcando dois gols; Jair e Rivelino completaram.

Nas semifinais, duas guerras: Itália vence a Alemanha Ocidental por 4 a 3 numa epopeia sensacional decidida só na prorrogação; e o Brasil bate o Uruguai por 3 a 1 num jogo violento, em que o Uruguai, fazendo marcação cerrada, impedia as jogadas de ataque do Brasil e ainda inaugurou o placar. Foi preciso uma mudança tática, permitindo o avanço do volante Clodoaldo, que empatou o jogo. No segundo tempo, Jair e Rivelino — numa jogada de pura raça — acabaram de enterrar os campeões das Copas de 1930 e 1950. Neste jogo um novo momento mágico de Pelé. Lançado, ele dá um drible de corpo no goleiro uruguaio Ladislao Mazurkiewicz, sem tocar na bola e lhe aplica o "drible da vaca", chuta e a bola, caprichosamente, vai para fora.

No último jogo, brasileiros e italianos decidiriam quem ficaria definitivamente com a Jules Rimet.

O Brasil venceu a Itália por 4 a 1 e o estádio Azteca foi invadido pela torcida. Pelé chegou até a ganhar uma placa no estádio, que afirmava que o jogador é "um exemplo para a juventude do mundo". O super time do Brasil passou para a história como a melhor seleção de todos os tempos. Zagallo, o treinador, consagrou-se como o primeiro campeão mundial como jogador (58, 62) e como técnico (70). A seleção canarinho tinha como titulares: Félix (Fluminense), Carlos Alberto Torres (Santos), Brito (Flamengo), Piazza (Cruzeiro) e Everaldo (Grêmio); Gérson (São Paulo) e Clodoaldo (Santos); Pelé (Santos), Jairzinho (Botafogo), Tostão (Cruzeiro) e Rivelino (Corinthians). Pelé conseguiu sua terceira copa como jogador, um recorde até hoje. Marcaram na final: Pelé, Jairzinho, Gérson e Carlos Alberto Torres numa bomba, aos 42 minutos do segundo tempo, que deu início à festa do terceiro mundial ganho.

Brasil três vezes campeão mundial de futebol. A Jules Rimet era brasileira para sempre. Uma vitória incontestável numa campanha perfeita e tão genial que até os gols que o craque dos craques, Pelé, não fez entraram para a história. Anos depois a Jules Rimet foi roubada e derretida no Rio de Janeiro. A Alemanha Ocidental ficou em terceiro lugar e o Uruguai em quarto.

Escalação[editar | editar código-fonte]

Número / Nome Clube Posição Data Nasc. Jogos Gols
1 Félix Rio de Janeiro Fluminense Goleiro 24 de dezembro de 1937 6 0
12 Ado São Paulo Corinthians Goleiro 4 de junho de 1946 0 0
22 Leão São Paulo Palmeiras Goleiro 11 de junho de 1949 0 0
4 Carlos Alberto São Paulo Santos Lateral-direito 17 de julho de 1944 6 1
21 Zé Maria São Paulo Corinthians Lateral-direito 18 de maio de 1949 0 0
6 Marco Antônio Rio de Janeiro Fluminense Lateral-esquerdo 6 de fevereiro de 1951 2 0
16 Everaldo Rio Grande do Sul Grêmio Lateral-esquerdo 11 de setembro de 1944 5 0
2 Brito Rio de Janeiro Flamengo Zagueiro 9 de agosto de 1939 6 0
3 Piazza Minas Gerais Cruzeiro Zagueiro 25 de fevereiro de 1943 6 0
14 Baldocchi São Paulo Palmeiras Zagueiro 14 de março de 1946 0 0
15 Fontana Minas Gerais Cruzeiro Zagueiro 31 de dezembro de 1940 2 0
17 Joel São Paulo Santos Zagueiro 18 de setembro de 1946 0 0
5 Clodoaldo São Paulo Santos Volante 25 de setembro de 1949 6 1
8 Gérson São Paulo São Paulo Meia 11 de janeiro de 1941 4 1
7 Jairzinho Rio de Janeiro Botafogo Ponta-direita 25 de dezembro de 1944 6 7
9 Tostão Minas Gerais Cruzeiro Atacante 25 de janeiro de 1947 6 2
10 Pelé São Paulo Santos Atacante 23 de outubro de 1940 6 4
11 Rivellino São Paulo Corinthians Ponta-esquerda 1 de janeiro de 1946 5 3
13 Roberto Rio de Janeiro Botafogo Atacante 31 de julho de 1943 2 0
18 Paulo César Rio de Janeiro Botafogo Meia 16 de junho de 1949 4 0
19 Edu São Paulo Santos Ponta-esquerda 6 de agosto de 1949 1 0
20 Dario Minas Gerais Atlético Mineiro Atacante 4 de março de 1946 0 0
Zagallo Treinador 9 de agosto de 1931

Grupo 3[editar | editar código-fonte]

Pos. Seleção P J V E D GP GC SG
1 Brasil Brasil 6 3 3 0 0 8 3 +5
2 Flag of England.svg Inglaterra 4 3 2 0 1 2 1 +1
3 Roménia Romênia 2 3 1 0 2 4 5 –1
4 Flag of the Czech Republic.svg Tchecoslováquia 0 3 0 0 3 2 7 –5

Final[editar | editar código-fonte]

21 de junho de 1970 Brasil Brasil 4 – 1 Flag of Italy.svg Itália Estádio Azteca, Cidade do México
12:00
Pelé Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18'
Gérson Gol marcado aos 66 minutos de jogo 66'
Jairzinho Gol marcado aos 71 minutos de jogo 71'
Carlos Alberto Gol marcado aos 86 minutos de jogo 86'
Relatório Boninsegna Gol marcado aos 37 minutos de jogo 37' Público: 107 412
Árbitro: Alemanha OrientalGDR Rudi Glöckner
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Brasil
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Itália

Final[editar | editar código-fonte]

Brasil
BRASIL:
G 1 Félix
LD 4 Carlos Alberto Capitão
Z 2 Brito
Z 3 Piazza
LE 16 Everaldo
M 5 Clodoaldo
M 8 Gérson
A 7 Jairzinho
A 9 Tostão
A 10 Pelé
A 11 Rivelino Penalizado com cartão amarelo
Treinador:
Brasil Mário Zagallo
BRA-ITA 1970-06-21.svg
Itália
ITÁLIA:
G 1 Enrico Albertosi
LD 2 Tarcisio Burgnich Penalizado com cartão amarelo
Z 8 Roberto Rosato
Z 5 Pierluigi Cera
LE 3 Giacinto Facchetti Capitão
M 10 Mario Bertini Substituído após 75 minutos de jogo 75'
M 13 Angelo Domenghini
A 15 Sandro Mazzola
M 16 Giancarlo De Sisti
A 11 Luigi Riva
A 20 Roberto Boninsegna Substituído após 84 minutos de jogo 84'
Substitutos:
MC 18 Antonio Juliano Entrou em campo após 75 minutos 75'
MC 14 Gianni Rivera Entrou em campo após 84 minutos 84'
Treinador:
Itália Ferruccio Valcareggi

Bandeirinha:
Suíça Rudolf Scheurer
Argentina Ángel Norberto Coerezza

Regras do jogo:

  • 90 minutos.
  • 30 minutos de prorrogação se necessário.
  • Repetição da partida no dia 23 de junho caso persistisse o empate.
  • Cinco jogadores no banco de reservas.
  • Máximo de duas substituições por time.
Copa do Mundo FIFA de 1970
Brasil
Brasil
Campeão
(3º título)

Em 2007, a revista inglesa World Soccer, numa pesquisa realizada entre especialistas de futebol de todo o mundo, elegeu a seleção brasileira de 1970 como o maior time de futebol de todos os tempos.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Seleção brasileira de 1970 é a melhor de todos os tempos». O Globo. Consultado em 27 de abril de 2017