CBERS-2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CBERS-2
CBERS line draw.jpeg
Visão geral da plataforma Phoenix-Eye, utilizada nos satélites da série.
Descrição
Nomes alternativos Ziyuan I-02
Ziyuan 1B
Tipo Satélite
Missão Sensoriamento remoto
Operador(es) Brasil INPE
China CAST
Identificação NSSDC 2003-049A
Identificação SATCAT 28057
Duração da missão 4 anos
Propriedades
Plataforma Phoenix-Eye 1
Fabricante China CAST
Massa de lançamento 1 450 quilogramas (3 200 lb)
Altura 1,8 metros (5,9 ft)
Largura metros (6,6 ft)
Comprimento 2,2 metros (7,2 ft)
Potência elétrica 1 100 watts
Geração de energia Painéis solares fotovoltaicos
Baterias Baterias de NiCd 30 Ah
Locomoção Propulsores de hidrazina
Vida útil 2 anos
Produção
Antecessor CBERS-1
Sucessor CBERS-3
Missão
Contratante(s) China SAST
Data de lançamento 21 de outubro de 2003, 03:16 UTC
Veículo de lançamento China Chang Zheng 4B
Local de lançamento China Centro de Lançamento de Taiyuan, LC-7
Destino Órbita terrestre baixa
Desativação Final de 2007
Especificações orbitais
Referência orbital Geocêntrica
Regime orbital Heliossíncrona
Excentricidade orbital 0,00003
Periastro 780,0 quilômetros (480 mi)
Apoastro 780,4 quilômetros (480 mi)
Inclinação orbital 98,391°
Período orbital 100,307 min
Argumento de periastro 35,167°
Anomalia média 324,953°
Época 28 de setembro de 2018, 11:27 UTC
Instrumentos
Instrumento 1 CCD
Instrumento 2 IRMSS
Instrumento 3 WFI
Instrumento 4 Repetidor
Outros
Notas Especificações orbitais disponíveis em in-the-sky.org


O CBERS-2 (da série China-Brazil Earth-Resources Satellite), foi um satélite de observação da Terra, resultado de um acordo sino-brasileiro e tecnicamente idêntico ao seu antecessor, o CBERS-1, foi lançado em 21 de outubro de 2003 a partir do Centro de Lançamento de Taiyuan por intermédio de um foguete Longa Marcha 4B. O satélite foi desativado no final de 2007, após o lançamento do seu sucessor, o CBERS-2B.[1]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Esse satélite foi projetado e lançado com o objetivo de gerar imagens da superfície da Terra, usando equipamentos de sensoriamento remoto. Essas imagens, podem ser usadas nas mais variadas aplicações, como: agricultura, meio ambiente, recursos hidrológicos e oceânicos, florestas, geologia entre outros.[2]

Características[editar | editar código-fonte]

Esse satélite tem o formato de um cubo com 2 m de aresta.[2] Ele possui um único conjunto de painéis solares ligado a uma de suas faces.

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

O satélite é composto por dois módulos principais:

O primeiro módulo contém os seus instrumentos de pesquisa e tem instalado 3 câmeras e o repetidor.[2]

  • Câmera Imageadora de Alta Resolução denominada de CCD, com resolução espacial de 20 metros, cinco bandas espectrais, e campo de visada de 113 km. Destina-se à observação de fenômenos ou objetos em escala municipal ou regional englobando aplicações em Vegetação, Agricultura, Meio ambiente, Água, Cartografia, Geologia e solos, e Educação. Imagens de uma mesma região são obtidas a cada 26 dias.
  • Imageador por Varredura de Média Resolução denominado de IRMSS, tem três bandas espectrais, com 80 metros de resolução espacial, mais uma banda na região do infravermelho termal com 160 metros. A câmera IRMSS além das aplicações da Câmera CCD, presta-se à análise de fenômenos que apresentem alterações de temperatura da superfície, à geração de mosaicos estaduais e à geração de cartas-imagens.
  • Câmera Imageadora de Amplo Campo de Visada denominada de WFI, que pode imagear grandes extensões territoriais, de mais de 900 km.
  • Repetidor para o Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais.

O segundo módulo contém os equipamentos que asseguram o suprimento de energia, os controles, as telecomunicações e demais funções necessárias à operação do satélite.

O CBERS-2 foi integrado e testado no Laboratório de Integração e Testes do INPE, após acordo para a montagem dos equipamentos chineses no Brasil. O processo de montagem, transcorreu entre 13 de agosto de 2000 e o final de 2001, quando foi enviado à China para a realização de testes acústicos e preparação da campanha de lançamento.[3]

Propriedades[4][editar | editar código-fonte]

  • Plataforma: Phoenix-Eye 1;
  • Massa de lançamento: 1 450 kg (3 200 lb);
  • Altura: 1,8 m (5,91 ft);
  • Largura: 2,0 m (6,56 ft);
  • Comprimento: 2,2 m (7,22 ft);
  • Potência de energia: 1 100 watts;
  • Geração de energia: Painéis solares fotovoltaicos (2,6 m (8,53 ft) de largura: 6,3 m (20,7 ft) de comprimento);
  • Baterias: duas baterias de NiCd (30 Ah);
  • Propulsão: Propulsores de hidrazina (16 propulsores de 1 N; 2 propulsores de 20 N);
  • Estabilização: 3 eixos;
  • Vida útil: 2 anos;
  • Comunicação de serviço: Bandas UHF e S;

Missão[editar | editar código-fonte]

O lançamento do CBERS-2, ocorreu sem problemas em 21 de outubro de 2003, às 03:16 UTC (01:16 no horário de Brasília) por intermédio de um foguete Longa Marcha 4B, partindo do Centro de Lançamento de Taiyuan, na China. O satélite foi desativado no final de 2007, após o lançamento do seu sucessor, o CBERS-2B.[1]

Especificações orbitais[5][6][editar | editar código-fonte]

  • Referência orbital: Geocêntrica;
  • Regime orbital: Heliossíncrona;
  • Excentricidade orbital: 0,00003;
  • Periastro: 780,0 km (485 mi);
  • Apoastro: 780,4 km (485 mi);
  • Argumento de periastro: 35,167°;
  • Anomalia média: 324,953°;
  • Inclinação orbital: 98,391°;
  • Período orbital: 100,307 min;
  • Revoluções diárias: 14,35592;
  • Época: 28 de setembro de 2018, 11:27 UTC;

Referências

  1. a b «CBERS - First Generation - eoPortal Directory - Satellite Missions». directory.eoportal.org (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2018. 
  2. a b c «CBERS - FAQ». INPE. 2011. Consultado em 25 de julho de 2013. 
  3. «Lançamento CBERS-2». INPE. 2011. Consultado em 25 de julho de 2013. 
  4. «INPE/CBERS». www.cbers.inpe.br. Consultado em 3 de outubro de 2018. 
  5. Ford, Dominic. «CBERS 2 - In-The-Sky.org». in-the-sky.org (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2018. 
  6. Ford, Dominic. «Orbital elements of CBERS 2 - In-The-Sky.org». in-the-sky.org (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2018. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]