Eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 1958

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1954 Brasil 1962
Eleições estaduais no  Rio Grande do Sul em 1958
3 de outubro de 1958
(Turno único)
Brizola.jpg Peracchi Barcellos, Walter RS.jpg
Candidato Leonel Brizola Peracchi Barcelos
Partido PTB PSD
Natural de Carazinho, RS Porto Alegre, RS
Vice Não havia Não havia
Votos 670.003 500.944
Porcentagem 57,22% 42,78%


Brasão do Rio Grande do Sul.svg
Governador do Rio Grande do Sul

As eleições estaduais no Rio Grande do Sul em 1958 ocorreram no dia 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal, em 20 estados e nos territórios federais do Acre, Amapá, Rondônia e Roraima. Foram escolhidos o governador Leonel Brizola, o senador Guido Mondin, além de 24 deputados federais e 55 deputados estaduais.[1][nota 1][nota 2][nota 3]

Natural de Carazinho, o governador Leonel Brizola formou-se técnico rural em 1939 e no ano seguinte foi nomeado para o Departamento de Parques e Jardins da prefeitura de Porto Alegre na gestão do prefeito José Loureiro da Silva. Filiado ao PTB em agosto de 1945, obteria depois a graduação em Engenharia Civil na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Casado com Neusa Goulart Brizola, irmã do vice-presidente da República, João Goulart, foi eleito deputado estadual em 1947 e 1950, afastando-se do mandato para ocupar a Secretaria de Obras a convite do governador Ernesto Dorneles.[2] Derrotado por Ildo Meneghetti na disputa pela prefeitura da capital gaúcha em 1951, foi eleito deputado federal em 1954 e no ano seguinte foi eleito prefeito de Porto Alegre. Sua chegada ao Palácio Piratini aconteceu sob um duplo recorde: o de votos nominais e o de percentual de votos recebidos.[3][4][nota 4]

No caso da eleição para senador a vitória foi de Guido Mondin. Nascido em Porto Alegre, formou-se em Contabilidade no Instituto Comercial do Sindicato dos Empregados no Comércio e em Economia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.[5] Integrou a Academia Brasileira de Arte, a Fe­deração das Associações Comerciais do Rio Grande do Sul e presidiu a Associação Rio-Grandense de Artes Plásticas. Em Brasília esteve na Associação Brasiliense de Escritores, no conselho da Fundação Educacional do Distrito Federal e presidiu o Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal.[6] Presidente da União dos Escoteiros do Brasil, sua vida política transcorreu via PRP sendo eleito deputado estadual em 1950, suplente de deputado federal em 1954 e vice-prefeito de Caxias do Sul em 1955, chegando agora à condição de senador.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que certificou 1.170.947 votos nominais.[3]

Candidato a governador do estado
Candidato a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Leonel Brizola
PTB
Não havia[nota 3]
-
-
PTB, PRP
670.003
57,22%
Peracchi Barcelos
PSD
Não havia
-
-
Frente Democrática
(PSD, UDN, PL)
500.944
42,78%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Com informações extraídas do Tribunal Superior Eleitoral que certificou 1.132.938 votos nominais.[3][nota 5]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Guido Mondin
PRP
Geraldo Lindgren
PRP
-
PTB, PRP
617.385
54,49%
Brito Velho
PL
Otelo Laurent
PL
-
Frente Democrática
(PSD, UDN, PL)
494.316
43,63%
Gabriel Pedro Moacyr
PR
Não havia[nota 6]
-
-
PR (sem coligação)
21.237
1,88%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Fernando Ferrari PTB 147.996 São Pedro do Sul  Rio Grande do Sul
Wilson Vargas PTB 62.463 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Tarso Dutra PSD 53.226 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Raul Pilla PL 38.886 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Rui Ramos PTB 37.121 Itaqui  Rio Grande do Sul
César Prieto PTB 36.059 São Borja  Rio Grande do Sul
Alberto Hoffmann PRP 31.566 Ijuí  Rio Grande do Sul
Vítor Issler PTB 30.806 Passo Fundo  Rio Grande do Sul
Giordano Alves PTB 26.801 Itaqui  Rio Grande do Sul
Coelho de Sousa PL 25.986 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Paulo Mincarone PTB 24.632 Bento Gonçalves  Rio Grande do Sul
Daniel Faraco PSD 24.112 Florianópolis  Santa Catarina
Floriceno Paixão PTB 23.131 Taquara  Rio Grande do Sul
Hermes Sousa PSD 21.918 São Borja  Rio Grande do Sul
Clóvis Pestana PSD 21.697 Porto Alegre  Rio Grande do Sul
Nestor Jost PSD 20.359 Candelária  Rio Grande do Sul
Adílio Viana PTB 20.004 Rio Grande  Rio Grande do Sul
Osmar Grafulha PTB 19.260 Rio Grande  Rio Grande do Sul
Unírio Machado PTB 19.152 Santo Ângelo  Rio Grande do Sul
Croaci Oliveira PTB 19.105 Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Joaquim Duval PSD 18.529 Pelotas  Rio Grande do Sul
Raimundo Chaves PSD 17.328 Belém Pará Pará
Lino Braun PTB 16.520 Estrela  Rio Grande do Sul
Daniel Dipp PTB 15.770 Passo Fundo  Rio Grande do Sul

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo as 55 cadeiras da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.[1]

Notas

  1. No Distrito Federal não houve eleição para governador, apenas para o Senado Federal.
  2. Não houve eleições no Território Federal de Fernando de Noronha.
  3. a b Diante da inexistência do vice-governador do estado, o substituto constitucional do titular seria o presidente da Assembleia Legislativa.
  4. A Wikipedia têm ciência dos acontecimentos acerca de João Goulart e Leonel Brizola nos anos seguintes, mas por decisão editorial, esta página foi escrita sob a perspectiva de 1958, daí nos referirmos a Goulart "apenas" como vice-presidente da República.
  5. Conforme dispunha a legislação vigente, a escolha do suplente de senador ocorreu sob eleição direta de forma dissociada dos titulares. Neste caso a ordem foi a mesma dos senadores.
  6. O Partido Republicano não registrou candidato a suplente de senador.

Referências