Império de Canem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Império de Kanem-Bornu)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Império de Canem

Império de Canem-Bornu

ca. 700 — 1387 
Bornu flag.tif
Bandeira de Canem (Organa) do atlas de Angelino Dulcert de 1339
Bandeira de Canem (Organa) do atlas de Angelino Dulcert de 1339
Kanem-Bornu-cropped.svg
Canem em seu zênite
Continente África
Capitais Manã
Anjimi
Países atuais Chade Chade
Líbia Líbia
Níger Níger
Nigéria Nigéria
Camarões Camarões

Língua oficial canembu
Religiões Animismo (até século XI)
Islamismo (século XI-XIV)

Forma de governo Monarquia
Maí (rei)
•  ca. 700   Ceife
•  1382–1387   Omar I

Período histórico Idade Média
•  ca. 700   Fundação
•  1387   Dissolução

O Império de Canem,[1][2][3] por vezes referido como Império de Canem-Bornu, foi um império da África que existiu de ca. 700 até 1387. Sua história é conhecida principalmente com base na Crônica Real ou Girgam, descoberta em 1851 pelo viajante alemão Heinrich Barth.[4]

História[editar | editar código-fonte]

No século VIII, foi fundado o Reino de Canem Magui. Desde o século IX, era conhecido pelos geógrafos árabes como Império de Canem. Tornou-se majoritariamente muçulmano a partir do reinado do maí Humé, por volta de 1085. No seu auge, no reinado de Dunama Dibalemi (r. 1220–1259), abarcava uma área que atualmente corresponde a grande parte do atual Chade e partes do sul da Líbia, além do leste do Níger, o nordeste da Nigéria, o norte de Camarões e o Sudão.

Manteve relações diplomáticas com vários reinos berberes, como o Califado Almóada, por exemplo. Após a morte de Dibalemi, o império se esfacelou rapidamente. Foi ameaçado pelos saôs e pelos bilalas vindos do leste. Para se defender, os reis de Canem se refugiaram na margem oeste do lago Chade, formando o Império de Bornu em 1387.

Referências

  1. Jaguaribe 2002, p. 242-243; 254.
  2. Silva 2009.
  3. Silva 2014.
  4. Barth 1858, p. 15–29, 581–602.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barth, Heinrich. Travels and discoveries in North and Central Africa: including accounts of Tripoli, the Sahara, the remarkable kingdom of Bornu, and the countries around lake Chad. II. Londres, Nova Iorque e Melbourne: Ward, Lock and Co. 
  • Jaguaribe, Hélio. Um estudo crítico da história. 2. São Paulo: Paz e Terra 
  • Silva, Alberto da Costa (2009). A Enxada e a Lança - A África Antes dos Portugueses. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira Participações S.A. ISBN 978-85-209-3947-5 
  • Silva, Alberto da Costa (2014). A Manilha e o Libambo - A África e a Escravidão, de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira Participações S.A. ISBN 978-85-209-3949-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Império de Canem
Mercator Africa 037.jpg Este artigo sobre História da África é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.