Lista de lançamentos do Falcon 9 e Falcon Heavy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Desde junho de 2010, foguetes da família Falcon 9 foram lançados 129 vezes, com 127 sucessos completos da missão, uma falha parcial e uma perda total da espaçonave. Além disso, um foguete e sua carga útil foram destruídos na plataforma de lançamento durante o processo de abastecimento antes de um teste de fogo estático.

Projetado e operado pelo fabricante privado SpaceX, a família de foguetes Falcon 9 inclui as versões aposentadas do Falcon 9 v1.0, v1.1 e v1.2 "Full Thrust" Block 1 a 4, junto com a evolução do Block 5 atualmente ativo. Falcon Heavy é um derivado para carga pesada do Falcon 9, combinando um núcleo central com dois primeiros estágios do Falcon 9 como foguetes auxiliares laterais.[1]

O projeto do Falcon apresenta foguetes auxiliares reutilizáveis de primeiro estágio, que pousam em uma plataforma em solo perto do local de lançamento ou em uma balsa-drone no mar.[2] Em dezembro de 2015, o Falcon 9 se tornou o primeiro foguete a pousar propulsivamente depois de colocar uma carga em órbita.[3] Espera-se que essa conquista reduza significativamente os custos de lançamento.[4] Os foguetes auxiliares da família Falcon pousaram com sucesso 92 vezes em 103 tentativas. Um total de 28 foguetes auxiliares foram usados em várias missões, com um recorde de dez missões com o mesmo foguete auxiliar.

As missões típicas do Falcon 9 incluem entrega de carga e lançamentos tripulados para a Estação Espacial Internacional (ISS) com as cápsulas Dragon e Dragon 2, lançamento de satélites de comunicação e satélites de observação da Terra para órbita de transferência geoestacionária (GTO) e órbita terrestre baixa (LEO), alguns deles em inclinações polares. A carga útil mais pesada lançada para uma órbita LEO é um lote de 60 satélites Starlink pesando um total de 15.600 kg que a SpaceX lança regularmente, a uma órbita de aproximadamente 290 km.[5] A carga útil mais pesada lançada para uma órbita GTO foi o Intelsat 35e com 6.761 kg.[a] Lançamentos em órbitas mais altas incluíram a sonda Deep Space Climate Observatory (DSCOVR) para o ponto de Lagrange L1, o telescópio espacial Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) em uma trajetória de voo lunar e o teste de lançamento do Falcon Heavy que lançou o Tesla Roadster do Elon Musk em uma órbita heliocêntrica que se estende além da órbita de Marte.

Estatísticas de lançamento[editar | editar código-fonte]

Foguetes da família Falcon 9 foram lançados 129 vezes ao longo de 11 anos, resultando em 127 sucessos de missão total (98.41%), um sucesso parcial (SpaceX CRS-1 entregou sua carga para a Estação Espacial Internacional (ISS), mas uma carga útil secundária ficou presa em uma órbita menor do que o planejado), e uma falha (a espaçonave SpaceX CRS-7 foi perdida durante o lançamento). Além disso, um foguete e sua carga útil AMOS 6 foram destruídos antes do lançamento em preparação para um teste de fogo estático na plataforma.

A primeira versão do foguete Falcon 9 v1.0 foi lançada 5 vezes de junho de 2010 a março de 2013, seu sucessor Falcon 9 v1.1, 15 vezes de setembro de 2013 a janeiro de 2016 e a última atualização do Falcon 9 Full Thrust, 106 vezes de dezembro de 2015 até hoje. O Falcon Heavy foi lançado uma vez em fevereiro de 2018, incorporando dois primeiros estágios recondicionados como foguetes auxiliares laterais, e depois novamente em abril e junho de 2019, no lançamento de junho de 2019 reutilizando o foguete auxiliar lateral do lançamento anterior. O foguete auxiliar do "Block 4" a ser produzido foi lançado em abril de 2018, e a primeira versão do Block 5 em maio de 2018. Enquanto os foguetes auxiliares do Block 4 voaram apenas duas vezes e exigiram vários meses de reforma, as versões do Block 5 são projetadas para sustentar 10 lançamentos com apenas inspeções.[6] Um total de 71 novos lançamentos de foguetes auxiliares de primeiro estágio lançaram com sucesso suas cargas úteis.

Os foguetes auxiliares de primeiro estágio pousaram com sucesso em 92 de 103 tentativas (89%), com 68 de 73 (92.9%) para a versão do Block 5.

Lançamentos anteriores[editar | editar código-fonte]

2010–2013[editar | editar código-fonte]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
1 4 de junho de 2010,
18:45
F9 v1.0[7]
B0003.1[8]
CCAFS,
SLC-40
Dragon Spacecraft Qualification Unit LEO SpaceX Sucesso Falhou[9][10]
(paraquedas)
Primeiro lançamento do Falcon 9 v1.0.[11] Usou uma versão maquete da cápsula do Dragon que não foi projetada para se separar do segundo estágio.(mais detalhes abaixo) Tentou recuperar o primeiro estágio lançando-o de paraquedas no oceano, mas queimou na reentrada, antes mesmo do paraquedas abrir.[12]
2 8 de dezembro de 2010,
15:43[13]
F9 v1.0[7]
B0004.1[8]
CCAFS,
SLC-40
Dragon demo flight C1
(Dragon C101)
LEO (ISS) Sucesso[9] Falhou[9][14]
(paraquedas)
Lançamento inaugural da cápsula Dragon, consistindo em mais de 3 horas de testes de manobra e reentrada do foguete auxiliar.[15] Tentou recuperar o primeiro estágio lançando-o de paraquedas no oceano, mas ele se desintegrou na reentrada, antes do paraquedas abrir.[12](mais detalhes abaixo) Também incluiu dois CubeSats,[16] e uma roda de queijo Brouère. Antes do lançamento, a SpaceX descobriu que havia uma rachadura no bocal do motor do segundo estágio. Elon Musk mandou cortar a ponta do bocal e lançar o foguete alguns dias depois. Depois que a SpaceX cortou o bocal, a NASA foi notificada da mudança e eles concordaram com ela.[17]
3 22 de maio de 2012,
07:44[18]
F9 v1.0[7]
B0005.1[8]
CCAFS,
SLC-40
Dragon demo flight C2+[19]
(Dragon C102)
525 kg (1,157 lb)[20] LEO (ISS) NASA (COTS) Sucesso[21] Sem tentativa
A espaçonave Dragon demonstrou uma série de testes antes de poder se aproximar da Estação Espacial Internacional (ISS). Dois dias depois, tornou-se a primeira espaçonave comercial a acoplar na ISS.[18] (mais detalhes abaixo)
4 8 de outubro de 2012,
00:35[22]
F9 v1.0[7]
B0006.1[8]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-1[23]
(Dragon C103)
4,700 kg (10,400 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sem tentativa
Orbcomm-OG2[24] 172 kg (379 lb)[25] LEO Orbcomm Falha parcial[26]
O CRS-1 foi bem-sucedido, mas a carga útil secundária foi inserida em uma órbita anormalmente baixa e posteriormente foi perdida. Isso ocorreu devido a um dos nove motores Merlin desligando durante o lançamento e a NASA recusando uma segunda reinicialização, de acordo com as regras de segurança de veículos visitantes da ISS, o principal proprietário da carga útil está contratualmente autorizado a recusar uma segunda reignição. A NASA afirmou que isso acontecia porque a SpaceX não podia garantir uma probabilidade alta o suficiente de o segundo estágio completar a segunda queima com sucesso, o que era necessário para evitar qualquer risco de colisão da carga secundária com a ISS.[27][28][29]
5 1 de março de 2013,
15:10
F9 v1.0[7]
B0007.1[8]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-2[23]
(Dragon C104)
4,877 kg (10,752 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sem tentativa
Último lançamento do Falcon 9 v1.0 original, primeiro uso da seção principal não pressurizada do Dragon.[30]
6 29 de setembro de 2013,
16:00[31]
F9 v1.1[7]
B1003[8]
VAFB,
SLC-4E
CASSIOPE[23][32] 500 kg (1,100 lb) Órbita polar LEO MDA Sucesso[31] Descontrolado
(oceano)[d]
Primeira missão comercial com um cliente particular, primeiro lançamento de Vandenberg e primeiro lançamento do Falcon 9 v1.1 com capacidade aprimorada de 13 toneladas para LEO.[30] Após a separação do segundo estágio que transportava satélites comerciais e científicos canadenses, o foguete auxiliar do primeiro estágio executou uma reentrada controlada,[33] e um teste de aterrissagem no oceano pela primeira vez. Isso forneceu bons dados de teste, embora o foguete auxiliar tenha começado a inclinar ao se aproximar do oceano, levando ao desligamento do motor central quando o esgotou de combustível, resultando em um forte impacto no oceano.[31] Esta foi a primeira tentativa conhecida de um motor de foguete sendo aceso para realizar uma propulsão retro supersônica, e permitiu à SpaceX entrar em uma parceria público-privada com a NASA e seus projetos de pesquisa de tecnologias de entrada, descida e aterrissagem em Marte.[34] (mais detalhes abaixo)
7 3 de dezembro de 2013,
22:41[35]
F9 v1.1
B1004
CCAFS,
SLC-40
SES-8[23][36][37] 3,170 kg (6,990 lb) GTO SES Sucesso[38] Sem tentativa
[39]
Lançamento da primeira órbita (GTO) para o Falcon 9,[36] e primeira reignição bem-sucedida do segundo estágio.[40] O SES-8 foi inserido em uma órbita GTO de 79.341 km em o apogeu com uma inclinação de 20.55° em relação ao equador.

2014[editar | editar código-fonte]

Com 6 lançamentos, a SpaceX se tornou a segunda empresa estadounidense mais prolífica em termos de lançamentos de 2014, atrás somente dos foguetes Atlas V.[41]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
8 6 de janeiro de 2014,
22:06[42]
F9 v1.1 CCAFS,
SLC-40
Thaicom 6[23] 3,325 kg (7,330 lb) GTO Thaicom Sucesso[43] Sem tentativa
[44]
O satélite de comunicação tailandês foi o segundo lançamento GTO do Falcon 9. A Força Aérea dos Estados Unidos avaliou os dados de lançamento deste voo como parte de um programa de certificação separado para a SpaceX se qualificar para lançamento com cargas militares, mas descobriu que o lançamento tinha "reservas de combustível inaceitáveis no corte do motor da fase de queima de 2 segundos."[45] Thaicom 6 foi inserido em uma órbita GTO de 90.039 km em apogeu com uma inclinação de 22.46° em relação ao equador.
9 18 de abril de 2014,
19:25[22]
F9 v1.1 Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-3[23]
(Dragon C105)
2,296 kg (5,062 lb)[46] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Controlado
(oceano) [d][47]
Após a separação do segundo estágio, a SpaceX conduziu um segundo teste de descida controlada do foguete auxiliar descartado e alcançou o primeiro toque oceânico controlado com sucesso de um foguete auxiliar orbital com motor de foguete líquido.[48][49] Após o toque suave, o primeiro estágio tombou como esperado e foi destruído. Este foi o primeiro foguete auxiliar de Falcon 9 a voar com trem de pouso extensíveis e a primeira missão Dragon com o veículo de lançamento Falcon 9 v1.1. Este voo também lançou a missão ELaNa 5 para a NASA como carga útil secundária.[50][51]
10 14 de julho de 2014,
15:15
F9 v1.1 Cabo Canaveral,
SLC-40
Orbcomm-OG2-1
(6 satélites)[23]
1,316 kg (2,901 lb) LEO Orbcomm Sucesso[52] Controlado
(oceano)[d][47]
A carga útil incluiu seis satélites pesando 172 kg (379 lb) cada e dois simuladores de massa de 142 kg (313 lb).[25][53] Equipado pela segunda vez com trem de pouso, o foguete auxiliar de primeiro estágio conduziu com sucesso um teste de descida controlada que consiste em uma queima para desaceleração da velocidade hipersônica na atmosfera superior, uma queima de reentrada e uma queima final de aterrissagem antes do pouso suave no superfície do oceano.[54]
11 5 de agosto de 2014,
08:00
F9 v1.1 Cabo Canaveral,
SLC-40
AsiaSat 8[23][55][56] 4,535 kg (9,998 lb) GTO AsiaSat Sucesso[57] Sem tentativa
[58]
Pela primeira vez, a SpaceX conseguiu um retorno do local de lançamento entre dois voos de menos de um mês (22 dias). O lançamento GTO do grande satélite de comunicação de Hong Kong não permitiu o retorno propulsivo sobre a água e o pouso na agua controlado do primeiro estágio.[58]
12 7 de setembro de 2014,
05:00
F9 v1.1
B1011[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
AsiaSat 6[23][55][59] 4,428 kg (9,762 lb) GTO AsiaSat Sucesso[60] Sem tentativa
O lançamento foi atrasado por duas semanas para verificações adicionais após um mau funcionamento observado no desenvolvimento do protótipo F9R Dev1.[61] O lançamento GTO da carga útil pesada não permitiu pouso na agua controlado.[62]
13 21 de setembro de 2014,
05:52[22]
F9 v1.1
B1010[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-4[23]
(Dragon C106.1)
2,216 kg (4,885 lb)[63] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso[64] Descontrolado
(oceano)[d][65]
Quarta tentativa de toque suave no oceano,[66] mas o foguete auxiliar ficou sem oxigênio líquido.[65] Dados detalhados do sensor infravermelho de imagem térmica foram coletados, no entanto, pela NASA, como parte de um acordo conjunto com a SpaceX como parte da pesquisa sobre tecnologias de desaceleração retropropulsiva para o desenvolvimento de novas abordagens para a entrada na atmosfera marciana.[66]

2015[editar | editar código-fonte]

Com 7 lançamentos em 2015, o Falcon 9 foi o segundo foguete estadounidense mais lançado atrás apenas do Atlas V.[67]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
14 10 de janeiro de 2015,
09:47[68]
F9 v1.1
B1012[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-5[69]
(Dragon C107)
2,395 kg (5,280 lb)[70] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso[71] Falhou
(balsa-drone)
Após a separação do segundo estágio, a SpaceX tentou retornar o primeiro estágio pela primeira vez a uma plataforma flutuante de 90 m × 50 m, chamada de plataforma aeroespacial autônoma (balsa-drone). O teste atingiu muitos objetivos e retornou uma grande quantidade de dados, mas as superfícies de controle das aletas de manobra usadas pela primeira vez para um posicionamento de reentrada mais preciso ficaram sem fluido hidráulico para seu sistema de controle um minuto antes do pouso, resultando em um acidente de pouso.[72]
15 11 de fevereiro de 2015,
23:03[73]
F9 v1.1
B1013[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
DSCOVR[69][74] 570 kg (1,260 lb) HEO
(inserção Sol-Terra L1)
Sucesso Controlado
(oceano)[d]
Primeiro lançamento sob o contrato de lançamento OSP 3 da Força Aérea dos Estados Unidos.[75] Primeiro lançamento da SpaceX para colocar um satélite além de uma órbita de transferência geoestacionária, primeiro lançamento da SpaceX no espaço interplanetário e primeiro lançamento da SpaceX de um satélite de pesquisa estadounidense. O primeiro estágio fez uma descida em voo de teste para um pouso sobre o oceano a 10 m de seu alvo pretendido.[76]
16 2 de março de 2015,
03:50[22][77]
F9 v1.1
B1014[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
4,159 kg (9,169 lb) GTO Sucesso Sem tentativa[78]
O lançamento foi o primeiro lançamento conjunto da Boeing de uma pilha de comunicação dupla mais leve que foi projetada especificamente para aproveitar as vantagens do veículo de lançamento da SpaceX Falcon 9 de baixo custo.[79][80] Por satélite, os custos de lançamento foram inferiores a US$ 30 milhões.[81] O satélite ABS chegou ao seu destino final antes do previsto e iniciou as operações em 10 de setembro de 2015.[82]
17 14 de abril de 2015,
20:10[22]
F9 v1.1
B1015[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-6[69]
(Dragon C108.1)
1,898 kg (4,184 lb)[83] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Falhou[84]
(balsa-drone)
Após a separação do segundo estágio, um teste de descida controlado foi tentado com o primeiro estágio. Depois que o foguete auxiliar pousou na balsa-drone, ele tombou devido ao excesso de velocidade lateral causado por uma válvula de aceleração emperrada que atrasou a aceleração no momento correto.[85][86]
18 27 de abril de 2015,
23:03[87]
F9 v1.1
B1016[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
TürkmenÄlem 52°E / MonacoSAT[69][88] 4,707 kg (10,377 lb) GTO Agência Espacial Nacional do Turcomenistão[89] Sucesso Sem tentativa[90]
O lançamento original pretendido foi adiado mais de um mês depois que um problema com o sistema de pressurização de hélio foi identificado em peças semelhantes na fábrica de montagem.[91] O lançamento subsequente posicionou com sucesso este primeiro satélite do Turcomenistão a 52.0° leste.
19 28 de junho de 2015,
14:21[22][92]
F9 v1.1
B1018[8]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-7[69]
(Dragon C109)
1,952 kg (4,303 lb)[93] LEO (ISS) NASA (CRS) Falhou[94]
(em voo)
Impossibilitado[95]
(balsa-drone)
O desempenho de lançamento foi nominal até um incidente de sobrepressão no tanque LOX de segundo estágio, levando à ruptura do veículo em T+150 segundos. A cápsula Dragon sobreviveu à explosão, mas foi perdida no pouso, pois seu software não continha disposições para o lançamento de paraquedas em caso de falha do veículo de lançamento.[96](mais detalhes abaixo) A balsa-drone Of Course I Still Love You foi rebocado para o mar para se preparar para um teste de pouso, então esta missão foi sua primeira missão operacional.[97]
20 22 de dezembro de 2015,
01:29[98]
F9 FT
B1019.1[99]
Cabo Canaveral,
SLC-40
Orbcomm-OG2-2
(11 satélites)[23][98]
2,034 kg (4,484 lb) LEO Orbcomm Sucesso Sucesso[100]
(pouso em solo)
A carga útil incluiu 12 satélites pesando 172 kg cada,[25] e um simulador de massa de 142 kg.[53] Primeiro lançamento da versão v1.1 atualizada, com aumento de 30% na potência.[101] Orbcomm concordou originalmente em ser o terceiro voo do foguete auxiliar aprimorado,[102] mas a mudança para a posição do lançamento inaugural foi anunciada em outubro de 2015. A SpaceX recebeu uma licença da Administração Federal de Aviação (FAA) para pousar o foguete auxiliar em solo no Cabo Canaveral[103] e conseguiu pela primeira vez.[100] Este foguete auxiliar, número de série B1019, está agora em exibição permanente na frente da sede da SpaceX em Hawthorne, Califórnia.[99] (mais detalhes abaixo)

2016[editar | editar código-fonte]

Com 8 lançamentos de sucesso em 2016, SpaceX igualou com o Atlas V nos lançamentos de foguetes estadounidense para o ano.[104]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
21 17 de janeiro de 2016,
18:42[22]
F9 v1.1
B1017[8]
VAFB,
SLC-4E
Jason-3[69][105] 553 kg (1,219 lb) LEO Sucesso Falhou
(balsa-drone)
Primeiro lançamento da missão científica conjunta da NASA e NOAA sob o contrato de lançamento NLS II (não relacionado aos contratos NASA CRS ou USAF OSP3) e último lançamento do veículo de lançamento Falcon 9 v1.1. O satélite Jason-3 foi implantado com sucesso na órbita do alvo.[106] A SpaceX tentou pela primeira vez recuperar o foguete auxiliar do primeiro estágio em sua nova balsa-drone autônoma, mas após um pouso suave na balsa-drone, o bloqueio em um dos trens de pouso não travou e o foguete auxiliar caiu e explodiu.[107][108]
22 4 de março de 2016,
23:35[22]
F9 FT
B1020.1[109]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SES-9[69][110][111] 5,271 kg (11,621 lb) GTO SES Sucesso Falhou
(balsa-drone)
Segundo lançamento do veículo de lançamento Falcon 9 Full Thrust aprimorado.[101] A SpaceX tentou pela primeira vez recuperar um foguete auxiliar de um lançamento GTO em uma balsa-drone.[112] O pouso bem-sucedido não era esperado devido às baixas reservas de combustível[113] e o foguete auxiliar "pousou com força".[114] Mas a descida controlada, a reentrada atmosférica e a navegação para a balsa-drone foram bem-sucedidas e retornaram dados de teste significativos sobre o retorno de foguete auxiliar do Falcon 9 de alta energia.[115]
23 8 de abril de 2016,
20:43[22]
F9 FT
B1021.1[116]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-8[69][111]
(Dragon C110.1)
3,136 kg (6,914 lb)[117] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso[118] Sucesso[119]
(balsa-drone)
A Dragon transportou mais de 1.500 kg de suprimentos e entregou o inflável Bigelow Expandable Activity Module (BEAM) para a ISS para dois anos de testes em órbita.[120] O primeiro estágio do foguete pousou suavemente na balsa-drone da SpaceX, 9 minutos após a decolagem, tornando este o primeiro pouso bem-sucedido de um foguete auxiliar em uma balsa-drone no mar a partir de um lançamento orbital.[121] O primeiro estágio B1021 mais tarde se tornou o primeiro foguete auxiliar orbital a ser reutilizado quando lançou o SES-10 em 30 de março de 2017.[116] Um mês depois, a espaçonave Dragon retornou uma massa contendo amostras biológicas do astronauta Scott Kelly de sua missão de um ano na ISS.[122](mais detalhes abaixo)
24 6 de maio de 2016,
05:21[22]
F9 FT
B1022.1[123]
Cabo Canaveral,
SLC-40
JCSAT-14[124] 4,696 kg (10,353 lb)[125] GTO SKY Perfect JSAT Group Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Pela primeira vez, a SpaceX lançou um satélite japonês e, pela primeira vez, um foguete auxiliar pousou com sucesso após lançar uma carga útil em um GTO.[126] Como esse perfil de lançamento tem uma margem menor para a recuperação do foguete auxiliar, o primeiro estágio reentrou na atmosfera da Terra mais rápido do que nos pousos anteriores, com cinco vezes a potência de aquecimento.[127][128]
25 27 de maio de 2016,
21:39[129]
F9 FT
B1023.1[130]
Cabo Canaveral,
SLC-40
Thaicom 8[131][132] 3,100 kg (6,800 lb)[133] GTO Thaicom Sucesso Sucesso[134]
(balsa-drone)
Segundo retorno bem-sucedido de um lançamento GTO,[135] após o lançamento do Thaicom 8 em direção a 78.5° leste.[136] Mais tarde, tornou-se o primeiro foguete auxiliar a ser reprojetado após ser recuperado de um lançamento GTO. O Thaicom 8 foi entregue a uma órbita de transferência supersíncrona de 91.000 km.[137]
26 15 de junho de 2016,
14:29[22]
F9 FT
B1024.1[109]
Cabo Canaveral,
SLC-40
3,600 kg (7,900 lb) GTO Sucesso Falhou[65]
(balsa-drone)
Um ano após ser pioneira nesta técnica no voo 16, a Falcon lançou novamente dois satélites de propulsão de íons em grade Boeing 702SP de 1.800 kg cada,[138][139] em uma configuração de pilha dupla, com os dois clientes compartilhando o mesmo foguete e despesas de missão.[82] A tentativa de pouso do primeiro estágio em um balsa-drone falhou devido ao baixo empuxo em um dos três motores de pouso;[140] um caminho abaixo do ideal levava ao estágio de ficar sem propelente logo acima do convés da balsa-drone,[141] colidindo com o balsa-drone, quebrando um trem de pouso e caindo.
27 18 de julho de 2016,
04:45[22]
F9 FT
B1025.1[130]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-9[69][142]
(Dragon C111.1)
2,257 kg (4,976 lb)[143] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
A carga para a ISS incluiu um International Docking Adapter (IDA-2) e a carga útil total com a Cápsula Dragon reutilizável foi de 6.457 kg. Segundo pouso bem-sucedido no primeiro estágio em uma plataforma em solo.[144]
28 14 de agosto de 2016,
05:26
F9 FT
B1026.1[109]
Cabo Canaveral,
SLC-40
JCSAT-16 4,600 kg (10,100 lb) GTO SKY Perfect JSAT Group Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeira tentativa de pouso de uma trajetória balística usando uma queima de pouso de um único motor, já que todos os pousos anteriores de uma trajetória balística dispararam três motores na queima final. O último fornece mais força de frenagem, mas sujeita o veículo a maiores tensões estruturais, enquanto a queima de pouso monomotor consome mais tempo e combustível, permitindo mais tempo durante a descida final para correções.[145]
N/A [e] 3 de setembro de 2016,
07:00
(planejado)[146]
F9 FT
B1028.1[109]
Cabo Canaveral,
SLC-40
AMOS 6[147] 5,500 kg (12,100 lb) GTO Spacecom Falhou
(falha pré-lançamento)
Impossibilitado
(balsa-drone)
O foguete e a carga útil do AMOS 6 foram perdidos em uma explosão na plataforma de lançamento em 1 de setembro de 2016 durante os procedimentos de bastecimento de combustível antes de um teste de fogo estático.[148] O bloco estava livre de funcionários e não houve feridos.[149] A SpaceX divulgou um comunicado oficial em janeiro de 2017 indicando que a causa da falha foi um forro deformado em vários dos recipientes de pressão composto revestido (COPV) (usados para armazenar hélio que pressurizam os tanques de propelente do estágio do foguete), causando perfurações que permitiram o líquido e/ou oxigênio sólido para se acumular sob o forro, que foi inflamado por fricção.[150] Após a explosão, a SpaceX passou a realizar testes de fogo estático apenas sem cargas úteis anexadas.(mais detalhes abaixo)

2017[editar | editar código-fonte]

Com 18 lançamentos ao longo de 2017, a SpaceX teve o manifesto de lançamento anual mais prolífico de todas as famílias de foguetes.[151] 5 lançamentos em 2017 usaram foguetes auxiliares reutilizados.

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
29 14 de janeiro de 2017,
17:54
F9 FT
B1029.1[152]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-1
(10 satélites)[153][154]
9,600 kg (21,200 lb) Polar LEO Iridium Communications Sucesso Sucesso[155]
(balsa-drone)
Missão de retorno aos lançamentos após a perda do AMOS 6 em setembro de 2016. Este foi o primeiro lançamento de uma série de satélites Iridium NEXT destinados a substituir a constelação Iridium original lançada no final dos anos 1990. Cada missão do Falcon 9 carregava 10 satélites, com uma meta de constelação de 66 mais 9[156] satélites sobressalentes em meados de 2018.[157][158] Após o lançamento atrasado das duas primeiras unidades Iridium com um foguete Dnepr de abril de 2016, a Iridium Communications decidiu lançar o primeiro lote de 10 satélites com a SpaceX.[159] A carga útil compreendia 10 satélites pesando 860 kg cada, mais um distribuidor de 1.000 kg.[160]
30 19 de fevereiro de 2017,
14:39
F9 FT
B1031.1[8]
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-10[142]
(Dragon C112.1)
2,490 kg (5,490 lb)[161] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
Primeiro lançamento do Falcon 9 da histórica plataforma de lançamento LC-39A no Centro Espacial John F. Kennedy, e primeiro lançamento sem tripulação do LC-39A desde o Skylab-1.[162] O lançamento transportou suprimentos e materiais para apoiar as Expedições 50 e 51 da ISS, e o terceiro retorno de foguete auxiliar do primeiro estágio ao local da zona de pouso 1 do Cabo Canaveral.[163]
31 16 de março de 2017,
06:00
F9 FT
B1030.1[164]
KSC,
LC-39A
EchoStar 23 5,600 kg (12,300 lb)[165] GTO EchoStar Sucesso Sem tentativa
[166]
Primeiro lançamento sem tripulação do LC-39A desde a Apollo 6.[162] Lançou um satélite de comunicações para serviços de transmissão para todo o Brasil.[167] Devido ao lançamento do tamanho da carga útil em um GTO, o foguete auxiliar caiu no Oceano Atlântico e não apresentava trem de pouso e atetas de manobra.[168]
32 30 de março de 2017,
22:27
F9 FT
B1021.2[116]
KSC,
LC-39A
SES-10[110][169] 5,300 kg (11,700 lb)[170] GTO SES Sucesso[171] Sucesso
(balsa-drone)
Primeira carga a ser lançada em um primeiro estágio reutilizado, B1021, lançado anteriormente com CRS-8, e o primeiro a pousar intacto pela segunda vez.[172][171] Além disso, este lançamento foi o primeiro foguete reutilizado a ser lançado de LC-39A desde STS-135 e, pela primeira vez, a aoifa, usada para proteger a carga útil durante o lançamento, permaneceu intacta após um pouso na agua bem-sucedido obtido com propulsores e um paraquedas direcionável.[173][174](mais detalhes abaixo)
33 1 de maio de 2017,
11:15
F9 FT
B1032.1[130]
KSC,
LC-39A
NROL-76[175] Classificado LEO[176] NRO Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
Primeiro lançamento classificado de 2015 da SpaceX para missões espaciais de segurança nacional, o que permitiu à SpaceX contratar serviços de lançamento para cargas classificadas,[177] e assim quebrar o monopólio da United Launch Alliance (ULA) mantido em lançamentos classificados desde 2006.[178] Pela primeira vez, a SpaceX ofereceu transmissão ao vivo contínua do foguete auxiliar do primeiro estágio da decolagem ao pouso, mas omitiu a velocidade do segundo estágio e a telemetria de altitude.[179]
34 15 de maio de 2017,
23:21
F9 FT
B1034.1[180]
KSC,
LC-39A
Inmarsat-5 F4[181] 6,070 kg (13,380 lb)[182] GTO Inmarsat Sucesso Sem tentativa
[166]
O lançamento foi originalmente programado para o Falcon Heavy, mas as melhorias de desempenho permitiram que a missão fosse realizada por um Falcon 9 descartável.[183] O Inmarsat-5 F4 é o "maior e mais complicado satélite de comunicações já construído".[184] O Inmarsat-5 F4 foi entregue em uma órbita de transferência "supersíncrona" em arco de 381 km × 68.839 km de altitude, inclinada 24.5° em relação ao equador.[185]
35 3 de junho de 2017,
21:07
F9 FT
B1035.1[186]
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-11[142]
(Dragon C106.2 ♺)
2,708 kg (5,970 lb)[187] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
Esta missão entregou Neutron Star Interior Composition Explorer (NICER),[188] Multiple User System for Earth Sensing Facility (MUSES),[189] Roll Out Solar Array (ROSA),[190] um Advanced Plant Habitat para a ISS,[191][192] e cargas úteis Birds-1. Esta missão lançou pela primeira vez uma cápsula do Dragon reutilizada,[193] número de série C106, que foi lançada em setembro de 2014 na missão SpaceX CRS-4,[186] e foi a primeira vez desde 2011 que uma espaçonave reutilizada chegou à ISS.[194] 5 CubeSats foram incluídos na carga útil, os primeiros satélites dos países de Bangladesh (BRAC Onnesha), Gana (GhanaSat-1) e Mongólia (Mazaalai).[195]
36 23 de junho de 2017,
19:10
F9 FT
B1029.2[196]
KSC,
LC-39A
BulgariaSat-1[197] 3,669 kg (8,089 lb)[198] GTO Bulsatcom Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Na segunda vez, um foguete auxiliar foi reutilizado, pois o B1029 foi lançado na missão Iridium em janeiro de 2017.[196] Este foi o primeiro satélite de comunicações comercial de propriedade da Bulgária.[196]
37 25 de junho de 2017,
20:25
F9 FT
B1036.1[199]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-2
(10 satélites)
9,600 kg (21,200 lb) LEO Iridium Communications Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Lançamento da segunda constelação de Iridium de 10 satélites e primeiro lançamento usando aletas de manobra de titânio (em vez de alumínio) para melhorar a manobrabilidade de controle e lidar melhor com o calor durante a reentrada.[200]
38 5 de julho de 2017,
23:38
F9 FT
B1037.1[201]
KSC,
LC-39A
Intelsat 35e[202] 6,761 kg (14,905 lb)[203] GTO Intelsat Sucesso Sem tentativa
[166]
Originalmente esperado para ser lançado em um Falcon Heavy,[204] melhorias nos motores Merlin significaram que o satélite pesado poderia ser lançado para o GTO em uma configuração descartável do Falcon 9.[205] O foguete atingiu uma órbita supersíncrona com pico de 43.000 km, excedendo os requisitos mínimos de 28.000 km.[206] O Intelsat 35e é o maior satélite atualmente ativo da Intelsat.[207]
39 14 de agosto de 2017,
16:31
F9 B4
B1039.1[208]
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-12[142]
(Dragon C113.1)
3,310 kg (7,300 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
O Dragon carregava 2.349 kg de massa pressurizada e 961 kg não pressurizada, incluindo o detector Cosmic Ray Energetics and Mass Experiment (CREAM).[191] Primeiro lançamento da atualização, conhecido informalmente como "Block 4", que aumenta o impulso dos motores principais e inclui outras pequenas atualizações,[208] e último lançamento de uma cápsula do Dragon recém-construída, já que outras missões estão planejadas para usar espaçonaves recondicionadas.[209] Também foi o Lançamento Educacional de Nanossatélites ELaNa 22.[50]
40 24 de agosto de 2017,
18:51
F9 FT
B1038.1[210]
VAFB,
SLC-4E
Formosat-5[211][212] 475 kg (1,047 lb)[213] SSO NSPO Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro satélite de observação da Terra desenvolvido e construído por Taiwan. A carga útil estava muito abaixo das especificações do foguete, já que o rebocador espacial SHERPA da Spaceflight Industries foi removido do manifesto de carga desta missão,[214] levando a especulações de analistas de que com descontos devido a atrasos, a SpaceX perdeu dinheiro no lançamento.[215]
41 7 de setembro de 2017,
14:00[216]
F9 B4
B1040.1[109]
KSC,
LC-39A
Boeing X-37B OTV-5 4,990 kg (11,000 lb)[217]
+ OTV payload
LEO USAF Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
Devido à natureza classificada da missão, a velocidade do segundo estágio e a telemetria de altitude foram omitidas do webcast de lançamento. Notavelmente, o contratante principal, a Boeing, havia lançado o X-37B com a United Launch Alliance (ULA), uma parceria da Boeing e um concorrente da SpaceX.[218] Segundo lançamento da atualização do Falcon 9 Block 4.[219]
42 9 de outubro de 2017,
12:37
F9 B4
B1041.1[220]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-3
(10 satélites)[153]
9,600 kg (21,200 lb) Polar LEO Iridium Communications Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Terceiro lançamento da atualização do Falcon 9 Block 4 e o terceiro lançamento de 10 satélites Iridium NEXT.[220]
43 11 de outubro de 2017,
22:53:00
F9 FT
B1031.2[221]
KSC,
LC-39A
SES-11 / EchoStar 105 5,400 kg (11,900 lb)[222][223] GTO Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Terceira reutilização e recuperação de um foguete auxiliar de primeiro estágio previamente utilizado e, na segunda vez, o contratante SES S.A. usou um foguete auxiliar reutilizado.[221] O grande satélite é compartilhado, em acordo "CondoSat", entre a SES e a EchoStar.[224]
44 30 de outubro de 2017,
19:34
F9 B4
B1042.1[220]
KSC,
LC-39A
Koreasat 5A[225] 3,500 kg (7,700 lb) GTO KT Corporation Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro lançamento da SpaceX de um satélite sul-coreano, colocado em GEO a 113.0° leste.[226] Foi o terceiro lançamento e pouso da SpaceX em três semanas, e o 15.º pouso consecutivo com sucesso.[227] Um pequeno incêndio foi observado sob o foguete auxiliar após o pouso, levando a especulações sobre danos aos motores que o impediriam de voar novamente.[228]
45 15 de dezembro de 2017,
15:36[229]
F9 FT
B1035.2[230]
Cabo Canaveral,
SLC-40
SpaceX CRS-13[142]
(Dragon C108.2 ♺)
2,205 kg (4,861 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso no solo)
O primeiro lançamento na plataforma reformada em Cabo Canaveral após a explosão do AMOS 6 em 2016 e o 20.º pouso bem-sucedido de foguetes auxiliares. Sendo a segunda reutilização de uma cápsula Dragon (anteriormente SpaceX CRS-6) e a quarta reutilização de um foguete auxiliar (anteriormente SpaceX CRS-11), foi a primeira vez que os dois componentes principais foram reutilizados no mesmo lançamento.[231][230]
46 23 de dezembro de 2017,
01:27[232]
F9 FT
B1036.2[230]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-4
(10 satélites)[153]
9,600 kg (21,200 lb) Polar LEO Iridium Communications Sucesso[233] Controlado
(oceano)[d][233]
Para evitar atrasos e convencida de que não há aumento de riscos, a Iridium Communications aceitou o uso de um foguete auxiliar recuperado para seus 10 satélites e se tornou o primeiro cliente a usar o mesmo foguete auxiliar de primeiro estágio duas vezes (na segunda missão Iridium NEXT).[234][235] A SpaceX optou por não tentar recuperar o foguete auxiliar, mas realizou um pouso suave no oceano.[236] O lançamento ocorreu durante o pôr do sol, o que causou um efeito crepuscular, onde a luz do sol refletiu nas plumas do foguete em alta altitude, causando "visão de cair o queixo" em todo o sul da Califórnia e regiões vizinhas.[237]

2018[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2017, Gwynne Shotwell esperava aumentar a cadência de lançamento em 2018 em cerca de 50% em relação a 2017, nivelando-se a uma taxa de cerca de 30 a 40 lançamentos por ano, sem incluir os lançamentos para a constelação de satélites Starlink planejada da SpaceX.[238] A taxa real de lançamentos aumentou 17% de 18 lançamentos em 2017 para 21 lançamentos em 2018, dando à SpaceX o segundo lugar em lançamentos no ano para uma família de foguetes, atrás apenas da Longa Marcha da China.[239] O Falcon Heavy fez seu primeiro lançamento.

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
47 8 de janeiro de 2018,
01:00[240]
F9 B4
B1043.1[241]
CCAFS,
SLC-40
Zuma[241][242][243] Classificado LEO Northrop Grumman [f][241] Sucesso[244] Sucesso
(pouso no solo)
A missão foi adiada por quase dois meses. Após um lançamento nominal, a recuperação do foguete auxiliar de primeiro estágio marcou a 17.ª recuperação consecutiva com sucesso.[245] Apareceram rumores de que a carga útil foi perdida, já que o satélite pode ter falhado em se separar do segundo estágio[246] devido a uma falha no adaptador de carga útil fabricado pela Northrop Grumman, ao qual a SpaceX anunciou que seu foguete funcionou nominalmente.[246] A natureza classificada da missão significa que há poucas informações confirmadas. (mais detalhes abaixo)
48 31 de janeiro de 2018,
21:25[247]
F9 FT
B1032.2[248]
CCAFS,
SLC-40
GovSat-1 (SES-16)[249] 4,230 kg (9,330 lb)[250] GTO SES Sucesso[251] Controlado
(oceano)[d][251]
Foguete auxiliar reutilizado da missão classificada NROL-76 em maio de 2017.[248] Após um pouso suave experimental bem-sucedido no oceano que usou três motores, o foguete auxiliar inesperadamente permaneceu intacto. A recuperação foi comentada e um anúncio do Craigslist que se acredita ter sido feito por Elon Musk, brincando, disse que o foguete auxiliar estava à venda por US$ 9.9 milhões se o comprador trouxesse seu próprio rebocador.[252] Apesar disso, a recuperação não foi tentada e o foguete auxiliar foi posteriormente destruído.[253] O satélite GovSat-1 foi colocado em uma órbita de transferência supersíncrona de alta energia de 250 km × 51.500 km.[254][255]
FH 1 6 de fevereiro de 2018,
20:45[256]
Falcon Heavy
B1033.1 (central)[130]
KSC,
LC-39A
Tesla Roadster do Elon Musk[257][258] ~1,250 kg (2,760 lb)[259] Heliocêntrica
0.99–1.67 AU[259]
(perto da órbita de transferência de Marte)
SpaceX Sucesso[260] Falhou[260]
(balsa-drone)
B1023.2[8](lateral) Sucesso
(pouso no solo)
B1025.2[8](lateral) Sucesso
(pouso no solo)
Lançamento inaugural do Falcon Heavy, usando dois foguetes auxiliares do Falcon 9 recuperados como foguetes auxiliares laterais (das missões Thaicom 8[261] e SpaceX CRS-9),[130] bem como um foguete auxiliar Block 3 modificado reforçado para suportar a carga adicional do dois foguetes auxiliares laterais. O teste estático de fogo, realizado em 24 de janeiro de 2018, foi a primeira vez que 27 motores foram testados juntos.[262] O lançamento foi um sucesso, e os foguetes auxiliares laterais pousaram simultaneamente em plataformas de solo adjacentes.[260] O pouso na balsa-drone do foguete auxiliar central falhou devido ao dispositivo de ignição químico TEA-TEB esgotou, impedindo dois de seus motores de reiniciarem; a falha do pouso causou danos a balsa-drone.[263][264] A queima final na órbita heliocêntrica da Terra-Marte foi realizada após o segundo estágio e a carga útil cruzou por 6 horas através dos cinturão de radiação de Van Allen.[265] Mais tarde, Elon Musk tweetou que a terceira queima foi bem-sucedida,[266] e o JPL Horizons On-Line Ephemeris System mostrou o segundo estágio e carga útil em uma órbita com um afélio de 1.67 UA.[267] O webcast ao vivo provou ser imensamente popular, já que se tornou a segunda transmissão ao vivo mais assistida até agora no YouTube, alcançando mais de 2.3 milhões de visualizações simultâneas.[268] Acredita-se que mais de 100.000 visitantes tenham vindo à Space Coast para assistir ao lançamento pessoalmente.[269](mais detalhes abaixo)
49 22 de fevereiro de 2018,
14:17[270]
F9 FT
B1038.2[271]
VAFB,
SLC-4E
2,150 kg (4,740 lb) SSO Sucesso[274] Sem tentativa
[274]
Último lançamento de um primeiro estágio do Block 3. Reutilizou o foguete auxiliar da missão Formosat-5.[271] Paz é o primeiro satélite espião da Espanha[275] que será operado em uma constelação com a frota SAR alemã TSX e TDX.[272] Além disso, o foguete carregava 2 satélites de teste SpaceX para sua futura rede de comunicações em órbita terrestre baixa.[276][273] Este foguete auxiliar foi lançado sem trem de pouso e caiu no mar.[276] Ele também apresentava uma coifa de carga útil 2.0 atualizada com uma primeira tentativa de recuperação usando o barco tripulado Sr. Steven equipado com uma rede. A coifa errou por pouco o barco, mas conseguiu um pouso tranquilo na água.[277][278][274]
50 6 de março de 2018,
05:33[279]
F9 B4
B1044.1[109]
CCAFS,
SLC-40
6,092 kg (13,431 lb)[282] GTO Sucesso[283] Sem tentativa
[284]
Esse satélite de comunicação espanhol foi o maior satélite lançado pela SpaceX em março de 2018, "quase do tamanho de um ônibus".[285] Um pouso na balsa-drone foi planejada, mas desmantelada devido às condições climáticas desfavoráveis.[284] A SpaceX deixou o trem de pouso e as aletas de manobra de titânio no lugar para evitar mais atrasos, após preocupações anteriores com a pressurização da coifa e conflitos com o lançamento do GOES-S.[286] O satélite Hispasat 30W-6 foi lançado para uma órbita de transferência supersíncrona.[287]
51 30 de março de 2018,
14:14[288]
F9 B4
B1041.2[271]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-5
(10 satélites)[153]
9,600 kg (21,200 lb) Polar
LEO
Iridium Communications Sucesso[289] Sem tentativa
[290]
O 5.º lançamento da missão Iridium NEXT de 10 satélites usou um foguete auxiliar recondicionado do 3.º lançamneto da Iridium. Tal como acontece com os foguetes auxiliares reutilizados recentemente, a SpaceX usou a descida controlada do primeiro estágio para testar mais opções de recuperação de foguete auxiliar.[291] A SpaceX planejou uma segunda tentativa de recuperação da metade da coifa usando o barco tripulado Sr. Steven,[292] mas a coifa errou o alvo, o que fez com que a metade da coifa caisse do barco.[293]
52 2 de abril de 2018,
20:30[294]
F9 B4
B1039.2[295]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-14[142]
(Dragon C110.2 ♺)
2,647 kg (5,836 lb)[295] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso[296] Sem tentativa
[297]
O lançamento usou um foguete auxiliar recondicionado (do CRS-12) e uma cápsula recondicionada (C110 do CRS-8).[295] Cargas úteis externas incluem uma plataforma de pesquisa de materiais Materials International Space Station Experiment (MISSE-FF)[298] fase 3 da Robotic Refueling Mission (RRM)[299] TSIS,[300] Sensor heliofísico ASIM,[191] vários experimentos de cristalização,[301] e o sistema RemoveDEBRIS voltado para a remoção de detritos espaciais.[302] O foguete auxiliar foi destruído na reentrada e a SpaceX coletou mais dados sobre os perfis de reentrada.[303] Também carregou o primeiro satélite da Costa Rica, Projeto Irazú,[304] e o primeiro satélite do Quênia, 1KUNS-PF.[305]
53 18 de abril de 2018,
22:51[306]
F9 B4
B1045.1[271]
CCAFS,
SLC-40
Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS)[307] 362 kg (798 lb)[308] HEO para órbita P/2 NASA (LSP) Sucesso[309] Sucesso[309]
(balsa-drone)
Primeira missão científica de alta prioridade da NASA lançada pela SpaceX. Parte do Programa Explorer, o TESS é um telescópio espacial destinado à pesquisa de campo amplo de exoplanetas em trânsito em estrelas próximas. Foi a primeira vez que a SpaceX lançou um satélite científico que não foi projetado para focar nas observações da Terra. O segundo estágio colocou a espaçonave em uma alta órbita elíptica da Terra, após a qual o satélite realizou suas próprias manobras, incluindo um sobrevoo lunar, de modo que ao longo de dois meses atingiu uma órbita ressonante estável de 2:1 com a Lua.[310] Em janeiro de 2018, a SpaceX recebeu a certificação Categoria 2 do Launch Services Program da NASA de seu Falcon 9 Full Thrust, certificação necessária para o lançamento de missões de "risco médio" como o TESS.[311] Último lançamento de um foguete auxiliar Block 4,[312] e a 24.ª recuperação bem-sucedida de primeiro estágio. Um pouso experimental da coifa na água foi realizado a fim de tentar a recuperação da coifa, principalmente como um teste de sistema do paraquedas.[308][309]
54 11 de maio de 2018,
20:14[313]
F9 B5[314]
B1046.1[271]
KSC,
LC-39A
Bangabandhu-1[315][316] 3,600 kg (7,900 lb)[317] GTO Thales-Alenia / BTRC Sucesso[318] Sucesso[318]
(balsa-drone)
Primeiro lançamento do foguete auxiliar Block 5. Inicialmente planejado para o lançamento do Ariane 5 em dezembro de 2017,[319] tornou-se o primeiro satélite comercial de Bangladesh,[320] o BRAC Onnesha é um cubo construído pela Thales Alenia Space.[321][322] Destina-se a servir serviços de telecomunicações de 119.0° leste com uma vida útil de 15 anos.[323] Foi o 25.º foguete auxiliar de primeiro estágio recuperado com sucesso.[318]
55 22 de maio de 2018,
19:47[324]
F9 B4
B1043.2[325]
VAFB,
SLC-4E
6,460 kg (14,240 lb)[g] Polar
LEO
Sucesso[330] Sem tentativa
[166]
A 6.ª missão Iridium NEXT, lançando 5 satélites, usou o foguete auxiliar usado missão Zuma. A GFZ organizou uma viagem compartilhada do GRACE-FO em um Falcon 9 com a Iridium após o cancelamento do contrato de lançamento do Dnepr em 2015.[326] O CEO da Iridium, Matt Desch, revelou em setembro de 2017 que o GRACE-FO seria lançado nesta missão.[331] A recuperação do foguete auxiliar foi um recorde de 4.5 meses entre voos.[332]
56 4 de junho de 2018,
04:45[333]
F9 B4
B1040.2[271]
CCAFS,
SLC-40
SES-12[334] 5,384 kg (11,870 lb)[335] GTO SES Sucesso[336] Sem tentativa
[166]
O satélite de comunicações servindo o Oriente Médio e a região da Ásia-Pacífico no mesmo lugar que o SES-8 e foi o maior satélite construído para a SES.[334] O primeiro estágio do Block 4 foi destruido na reentrada,[335] enquanto o segundo estágio era uma versão do Block 5, fornecendo mais potência para uma órbita de transferência supersíncrona superior com apogeu de 58.000 km.[337]
57 29 de junho de 2018,
09:42[338]
F9 B4
B1045.2[339]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-15
(Dragon C111.2 ♺)
2,697 kg (5,946 lb)[340] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso[341] Sem tentativa
[166]
A carga útil incluiu MISSE-FF 2, ECOSTRESS, um sistema robótico de montagem e manutenção e a carga útil Birds-2. O foguete auxiliar foi reutilizado apresentou um período de recorde de retorno de 2.5 meses desde o lançamento original do TESS, um recorde mantido até fevereiro de 2020 com a missão Starlink L4. O mais rápido anterior foi de 4.5 meses. Este foi o último lancamento de um foguete auxiliar Block 4, que foi lançado no Oceano Atlântico sem trem de pouso e aletas de manobra.[342]
58 22 de julho de 2018,
05:50[343]
F9 B5
B1047.1
CCAFS,
SLC-40
Telstar 19V[344] 7,075 kg (15,598 lb)[345] GTO[346] Telesat Sucesso[347] Sucesso[347]
(balsa-drone)
Satélite de comunicações fabricado em SSL destinado a ser colocado a 63.0° oeste sobre as Américas,[348] substituindo o Telstar 14R.[346] Com 7.075 kg, tornou-se o satélite de comunicações comerciais mais pesado lançado até agora.[349][350] Isso exigiu que o satélite fosse lançado em uma órbita de energia mais baixa do que um GTO normal, com seu apogeu inicial de aproximadamente 17.900 km.[346]
59 25 de julho de 2018,
11:39[351]
F9 B5[352]
B1048.1[353]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-7
(10 satélites)[153]
9,600 kg (21,200 lb) Polar
LEO
Iridium Communications Sucesso[354] Sucesso[355]
(balsa-drone)
7.º lançamento do Iridium NEXT, com 10 satélites de comunicação.[354] O foguete auxiliar pousou com segurança na balsa-drone nas piores condições climáticas para qualquer pouso tentado.[355][354] O barco do Sr. Steven com uma rede de tamanho 4x atualizada foi usado para tentar a recuperação da coifa, mas falhou devido ao mau tempo.[355][354]
60 7 de agosto de 2018,
05:18[356]
F9 B5
B1046.2[357]
CCAFS,
SLC-40
Merah Putih (antigamente Telkom-4)[358][359] 5,800 kg (12,800 lb)[360] GTO Telkom Indonesia Sucesso[361] Sucesso[361]
(balsa-drone)
O satélite de comunicações indonésio pretendia substituir o velho Telkom 1 a 108.0° leste.[362] Primeiro re-lançamento de um foguete auxiliar da versão Block 5.[363]
61 10 de setembro de 2018,
04:45[364]
F9 B5
B1049.1[271]
CCAFS,
SLC-40
Telstar 18V / Apstar-5C[344] 7,060 kg (15,560 lb)[364] GTO[364] Telesat Sucesso[364] Sucesso[364]
(balsa-drone)
CondoSat para 138.0° leste sobre a Ásia e o Pacífico.[365] Entregue a uma órbita GTO com apogeu próximo a 18.000 km.[364]
62 8 de outubro de 2018,
02:22[366]
F9 B5
B1048.2[367]
VAFB,
SLC-4E
SAOCOM 1A[368][369] 3,000 kg (6,600 lb)[366] SSO CONAE Sucesso[366] Sucesso[366]
(pouso no solo)
O satélite argentino de observação da Terra foi originalmente planejado para ser lançado em 2012.[368] Primeiro pouso na plataforma em solo na Costa Oeste.[366]
63 15 de novembro de 2018,
20:46[370]
F9 B5
B1047.2[271]
KSC,
LC-39A
Es'hail 2[371] 5,300 kg (11,700 lb)[372] GTO Es'hailSat Sucesso[373] Sucesso[373]
(balsa-drone)
Satélite de comunicações do Catar posicionado a 26.0° leste.[371] Este lançamento usou COPVs redesenhados. Isso era para atender aos requisitos de segurança da NASA para missões de tripulação comercial, em resposta à explosão na plataforma de lançamento em setembro de 2016.[374]
64 3 de dezembro de 2018,
18:34:05
F9 B5
B1046.3[271]
VAFB,
SLC-4E
SSO-A (SmallSat Express) ~4,000 kg (8,800 lb)[375] SSO Spaceflight Industries Sucesso[376] Sucesso[376]
(balsa-drone)
Missão Rideshare[377] onde dois dispensadores SHERPA implantaram 64 pequenos satélites,[378][379] incluindo Eu:CROPIS[380] para o Centro Aeroespacial Alemão, HIBER-2 para o holandês Hiber Global,[381] ITASAT-1 para o brasileiro Instituto Tecnológico de Aeronáutica,[382] dois satélites de imagem SkySat de alta resolução para Planet Labs,[383] e dois CubeSats que fazem parte do ELaNa 24 da NASA.[384] Esta foi a primeira vez que um foguete auxiliar foi usado para um 3.º lançamento.
65 5 de dezembro de 2018,
18:16
F9 B5
B1050[271]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-16
(Dragon C112.2 ♺)
2,500 kg (5,500 lb)[385] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Falhou[386]
(pouso no solo)
Primeira missão CRS com o Falcon 9 Block 5. Este carregava o Global Ecosystem Dynamics Investigation (GEDI) como uma carga externa.[387] A missão foi atrasada por um dia devido à comida mofada de roedor para um dos experimentos na Estação Espacial Internacional. Uma espaçonave Dragon previamente reutilizada foi usada para a missão. O foguete auxiliar, em uso pela primeira vez, experimentou uma parada da bomba hidráulica da aleta de manobra na reentrada, o que fez com que girasse fora de controle até cair no mar, danificando fortemente a seção interestagio; este foi o primeiro pouso com falha direcionado para uma plataforma de solo.[386][388]
66 23 de dezembro de 2018,
13:51[389]
F9 B5
B1054[390]
CCAFS,
SLC-40
GPS III-01 (Vespucci) 4,400 kg (9,700 lb)[391] MEO USAF Sucesso[389] Sem tentativa
[389]
Inicialmente planejado para lançamento no Delta IV,[392] este foi o primeiro lançamento da SpaceX de uma carga útil classe EELV.[393] Não houve tentativa de recuperar o foguete auxiliar de primeiro estágio para reutilização[394][390] devido aos requisitos do cliente, incluindo uma órbita de alta inclinação de 55.0°.[395] Apelidado de Vespucci, a USAF marcou o satélite operacional em 1 de janeiro de 2020 sob o rótulo SVN 74.[396]

2019[editar | editar código-fonte]

Gwynne Shotwell declarou em maio de 2019 que a SpaceX pode realizar até 21 lançamentos em 2019, sem contar as missões Starlink.[397] Com uma queda nos contratos de lançamento comercial em todo o mundo em 2019, a SpaceX acabou lançando apenas 13 foguetes ao longo de 2019 (12 sem Starlink), significativamente menos do que em 2017 e 2018, e o 3.º lugar em lançamentos atrás apenas do Longa Marcha da China e dos foguetes R-7 da Rússia.[398]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
67 11 de janeiro de 2019,
15:31[399]
F9 B5
B1049.2[400]
VAFB,
SLC-4E
Iridium NEXT-8
(10 satélites)[153]
9,600 kg (21,200 lb) Polar LEO Iridium Communications Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Lançamento final do contrato Iridium NEXT, lançando 10 satélites.
68 22 de fevereiro de 2019,
01:45[401]
F9 B5
B1048.3[402]
CCAFS,
SLC-40
4,850 kg (10,690 lb)[406] GTO Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Nusantara Satu é um satélite de comunicações privado indonésio planejado para ser localizado a 146.0° leste,[403] com uma massa de lançamento de 4.100 kg,[406] e com propulsão elétrico para elevação de órbita e manutenção de estação.[407][408] O S5, um pequeno equipamento de 60 kg do Air Force Research Laboratory (AFRL), foi carregado nas costas do Nusantara Satu e foi implantado perto de sua posição GEO para realizar uma missão de consciência situacional espacial classificada. Esta oportunidade de lançamento foi negociada pela Spaceflight Industries como "GTO-1".[405]

O Módulo lunar Beresheet (inicialmente chamada de Sparrow) foi uma das candidatas ao Google Lunar X Prize, cujos desenvolvedores, a SpaceIL, assinaram um contrato de lançamento com a Spaceflight Industries em outubro de 2015.[409] Sua massa de lançamento foi de 585 kg incluindo o combustível.[410] Depois de se separar em uma órbita de transferência supersíncrona[411] com um apogeu de 69.400 km,[412][410] Beresheet elevou sua órbita por conta própria ao longo de dois meses e voou para a Lua.[411][413] Depois de entrar com sucesso na órbita lunar, Beresheet tentou pousar na Lua em 11 de abril de 2019, mas falhou.[414]

69 2 de março de 2019,
07:49[415]
F9 B5
B1051.1[271][416]
KSC,
LC-39A
Crew Dragon Demo-1[417]
(Dragon C201)
12,055 kg (26,577 lb)[418][h] LEO (ISS) NASA (CCD) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro lançamento do SpaceX Crew Dragon. Este foi o primeiro lançamento de demonstração para o Commercial Crew Program da NASA, que concedeu à SpaceX um contrato em setembro de 2014, com lançamentos esperados já em 2015.[419] O Dragon realizou uma atracação autônoma à Estação Espacial Internacional (ISS), 27 horas após o lançamento, com a escotilha sendo aberta cerca de 2 horas depois.[420] O veículo passou quase uma semana atracado na ISS para testar funções críticas. Foi desencaixado cerca de uma semana depois, em 8 de março de 2019, e caiu 6 horas depois, às 13:45.[421] O Dragon usado neste lançamento estava programado para lançar no teste de aborto a bordo em meados de 2019, mas foi destruído durante o teste.[422] O foguete auxiliar B1051.1 substituiu o B1050[423] e lançõu novamente em 12 de junho de 2019.
FH 2 11 de abril de 2019,
22:35[424]
Falcon Heavy
B1055 (central)[424]
KSC,
LC-39A
Arabsat-6A[425] 6,465 kg (14,253 lb)[426] GTO Arabsat Sucesso Sucesso[i]
(balsa-drone)
B1052.1
(lateral)
Sucesso
(pouso em solo)
B1053.1
(lateral)
Sucesso
(pouso em solo)
Segundo lançamento do Falcon Heavy, o primeiro lançamento comercial e o primeiro usando foguetes auxiliares Block 5. A SpaceX pousou com sucesso os foguetes auxiliares laterais na Zona de Pouso 1 e LZ 2 e reutilizou os foguetes auxiliares laterais mais tarde para a missão STP-2. O foguete auxiliar central pousou na balsa-drone Of Course I Still Love You, localizado a 967 km da costa, o pouso marítimo mais bem sucedido até agora.[428] Apesar do pouso bem-sucedido, devido ao mar agitado e ao fato de o Octagrabber não ter sido configurado para agarrar o foguete auxiliar central de um Falcon Heavy, o foguete auxiliar central não pôde ser preso ao convés para recuperação e posteriormente tombou no mar durante o trânsito. Desde então, a SpaceX desenvolveu novos acessórios de fixação para o Octagrabber para que esse problema não aconteça novamente.[429][430] A SpaceX recuperou a coifa deste lançamento e posteriormente a reutilizou no lançamento do Starlink em novembro de 2019.[431][432] Arabsat-6A, um satélite saudita de 6.465 kg, é o satélite de comunicações comerciais mais avançado até agora construído pela Lockheed Martin.[433] O Falcon Heavy entregou o Arabsat-6A em uma órbita de transferência supersíncrona com 90.000 km de apogeu com uma inclinação de 23.0° em relação ao equador.[434]
70 4 de maio de 2019,
06:48
F9 B5
B1056.1[423]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-17[142]
(Dragon C113.2 ♺)
2,495 kg (5,501 lb)[435] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Uma missão do Commercial Resupply Services para a Estação Espacial Internacional transportando quase 2.5 toneladas de carga, incluindo o Orbiting Carbon Observatory 3 como uma carga externa.[435] Originalmente planejado para pousar na Zona de Pouso 1, o pouso foi movido para a balsa-drone depois que um Dragon 2 teve uma anomalia durante o teste em LZ-1.[436]
71 24 de maio de 2019,
02:30
F9 B5
B1049.3[437]
CCAFS,
SLC-40
Starlink v0.9
(60 satélites)
13,620 kg (30,030 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Após o lançamento dos 2 satélites de teste Tintin, este foi o primeiro teste de lançamento em escala real da constelação Starlink, lançando satélites de "design de produção".[438][439][440] Cada satélite Starlink tem uma massa de 227 kg,[441] e a massa de lançamento combinada foi de 13.620 kg, a carga útil mais pesada lançada pela SpaceX na época.[442] As coifas foram recuperadas[443] e reutilizadas para o Starlink L5 em março de 2020.[444] Estes são os primeiros satélites comerciais a usar criptônio como combustível para seus propulsores de íons, que é mais barato do que o combustível xenônio normal.[445]
72 12 de junho de 2019,
14:17
F9 B5
B1051.2[423]
VAFB,
SLC-4E
RADARSAT Constellation
(3 satélites)
4,200 kg (9,300 lb)[446] SSO Canadian Space Agency (CSA) Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
Um trio de satélites construídos para o programa RADARSAT do Canadá foi lançado, planejando substituir os antigos RADARSAT-1 e RADARSAT-2. Os novos satélites contêm Sistema de Identificação Automática (AIS) para localização de navios e fornecem o método mais avançado e abrangente do mundo para manter a soberania do Ártico, conduzir a vigilância costeira e garantir a segurança marítima.[447][446] A missão foi originalmente programada para decolar em fevereiro, mas devido à falha no pouso do foguete auxiliar B1050, este lançamento foi mudado para o B1051 (usado no Crew Dragon Demo-1) e atrasado para permitir a reforma e o transporte para a Costa Oeste.[423] O foguete auxiliar pousou em segurança através da névoa.[448] Um custo de carga útil de aproximadamente US$ 1 bilhão tornou a segunda carga útil mais cara da SpaceX ja lançou[449][450] e a carga útil comercial mais valiosa até agora colocada em órbita.[451]
FH 3 25 de junho de 2019,
06:30[452]
Falcon Heavy
B1057 (central)[423]
KSC,
LC-39A
Space Test Program Flight 2 (STP-2) 3,700 kg (8,200 lb) LEO / MEO USAF Sucesso Falhou
(balsa-drone)
B1052.2
(lateral) ♺
Sucesso
(pouso em solo)
B1053.2
(lateral) ♺
Sucesso
(pouso em solo)
Segundo lançamento do Space Test Program da USAF (STP-2)[75] transportou 24 pequenos satélites,[453] incluindo: FormoSat-7 A/B/C/D/E/F integrado usando EELV Secondary Payload Adapter,[454] DSX, Prox-1[455] GPIM,[456] DSAC,[457] ISAT, SET,[458] COSMIC-2, Oculus-ASR, OBT, NPSat,[459] e vários CubeSats, incluindo E-TBEx,[460] LightSail 2,[461] TEPCE, PSAT, e três CubeSats ELaNa 15. A massa total da carga útil era de 3.700 kg.[462] A missão durou 6 horas, durante as quais o segundo estágio foi iniciado quatro vezes e entrou em órbitas diferentes para implantar satélites, incluindo uma "manobra de passivação de propulsão".[459][463]

Terceiro lançamento do Falcon Heavy. Os foguetes auxiliares laterais da missão Arabsat-6A apenas 2.5 meses antes foram reutilizados neste lançamento e retornaram com sucesso para LZ-1 e LZ-2.[423] O foguete auxiliar central, em uso pela primeira vez, passou pela reentrada mais enérgica tentada pela SpaceX, e tentou um pouso a mais de 1.200 km de distância, 30% mais longe do que qualquer pouso anterior.[464] Este foguete auxiliar central sofreu uma falha de controle do vetor de empuxo no motor central causado por uma ruptura no compartimento do motor devido ao calor extremo. O foguete auxiliar central, portanto, falhou em sua tentativa de pouso na balsa-drone Of Course I Still Love You devido à falta de controle quando os motores externos desligaram.[465] Pela primeira vez, uma metade da coifa pousou com sucesso na rede de captura do navio de apoio Ms. Tree (antigo Sr. Steven).[466]

73 25 de julho de 2019,
22:01[467]
F9 B5
B1056.2[468]
CCAFS
SLC-40
SpaceX CRS-18[142]
(Dragon C108.3 ♺)
2,268 kg (5,000 lb)[467] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
Este lançamento transportou cerca de 9.000 cargas individuais únicas, incluindo mais de uma tonelada de experimentos científicos, a maioria até agora lançada em um SpaceX Dragon. O terceiro International Docking Adapter (IDA-3), um substituto para o primeiro IDA perdido durante a anomalia de lançamento do CRS-7, foi uma das cargas úteis externas nesta missão.[469] Junto com alimentos e ciência, o Dragon também carregou o ELaNa 27 RFTSat CubeSat[470] e o MakerSat-1, que serão usados para demonstrar a manufatura aditiva em microgravidade. Espera-se que o satélite seja lançado por um distribuidor Cygnus no final de julho de 2019.

O foguete auxiliar usado neste lançamento foi o mesmo usado no CRS-17 no início do ano; originalmente, foi planejado para reutilizá-lo novamente para a missão CRS-19 ainda este ano,[471] mas o plano foi descartado. Pela primeira vez, a espaçonave Dragon duas vezes ja lançada também fez um terceiro lançamento.[472] Também foi usado pela primeira vez uma faixa cinza pintada onde o tanque de querosene RP-1 está localizado, para ajudar na condutividade térmica e, assim, economizar combustível.[473]

74 6 de agosto de 2019,
23:23[474]
F9 B5
B1047.3[475]
CCAFS,
SLC-40
AMOS-17[476] 6,500 kg (14,300 lb)[477] GTO Spacecom Sucesso Sem tentativa[477]
AMOS-17 é o satélite de alta capacidade mais avançado para fornecer serviços de comunicação por satélite para a África.[478] Após a perda do AMOS-6 em setembro de 2016, a Spacecom recebeu um lançamento gratuito como compensação pela perda do satélite.[479] Devido ao lançamento gratuito, a Spacecom foi capaz de descartar o foguete auxiliar sem nenhum custo extra que vem com o gasto de um foguete auxiliar e, portanto, pode atingir a órbita final mais rápido. Este foguete auxiliar tornou-se o segundo reforço do Block 5 a ser descartado.[477][480] Pela segunda vez, a Ms. Tree conseguiu pegar uma metade da coifa diretamente em sua rede.[481]
75 11 de novembro de 2019,
14:56[482]
F9 B5
B1048.4
CCAFS,
SLC-40
Starlink 1 v1.0 (60 satélites) 15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Segundo grande lote de satélites Starlink e a primeira missão operacional da constelação, foi lançado em uma órbita de aproximadamente 290 km com uma inclinação de 53.0°. Com 15.600 kg, é a carga útil mais pesada até agora lançada pela SpaceX, quebrando o recorde estabelecido pelo lançamento Starlink v0.9 no início daquele ano.[5] Este lançamento marcou a primeira vez que um foguette auxiliar do Falcon 9 fez um quarto lançamento e pousou.[483] Esta também foi a primeira vez que um Falcon 9 reutilizou as coifas (da ArabSat-6A em abril de 2019).[432] Foi planejado recuperar as coifas com a Ms. Tree e Ms. Chief, mas o plano foi abandonado devido ao mar agitado.[5]
76 5 de dezembro de 2019,
17:29[484]
F9 B5
B1059.1[485]
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-19[486]
(Dragon C106.3 ♺)
2,617 kg (5,769 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Segundo lançamento de reabastecimento que usou um Cargo Dragon pela terceira vez.[487] Este lançamento transportou Robotic Tool Stowage (RiTS), uma docking station que permite que o equipamento que procura por vazamentos na Estação Espacial Internacional seja armazenado na parte externa. Também estavam a bordo atualizações para o Cold Atom Laboratory (CAL). Os experimentos a bordo incluem o teste da propagação de fogo no espaço, cruzamento de cevada em microgravidade e experimentos para testar o crescimento de músculos e ossos na microgravidade.[488] As cargas úteis secundárias incluem o Hyperspectral Imager Suite (HISUI), um experimento para imagens de alta resolução em todas as cores do espectro de luz, permitindo imagens de solo, rochas, vegetação, neve, gelo e objetos feitos pelo homem. Além disso, havia três CubeSats da missão ELaNa 28 da NASA,[384] incluindo o satélite AztechSat-1 construído por estudantes no México.[488]
77 17 de dezembro de 2019,
00:10[489]
F9 B5
B1056.3[485]
CCAFS,
SLC-40
JCSat-18 / Kacific 1[490] 6,956 kg (15,335 lb)[489] GTO Sky Perfect JSAT
Kacific 1
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
CondoSat de Cingapura-Japão que cobrirá a região da Ásia-Pacífico.[491] Devido ao grande peso da carga útil, ele foi injetado em uma órbita sub-síncrona de energia inferior a 20.000 km; o próprio satélite será transferido para GTO completo. Este foi o terceiro lançamento do Falcon 9 para JSAT e os dois anteriores foram em 2016. A SpaceX pousou com sucesso o B1056.3, mas ambas as metades da coifa arraram os barcos de recuperação Ms. Tree e Ms. Chief.[492]

2020[editar | editar código-fonte]

No final de 2019, Gwynne Shotwell afirmou que a SpaceX esperava até 24 lançamentos de satélites Starlink em 2020,[493] além de 14 ou 15 de outros lançamentos comerciais. Com 26 lançamentos, 13 dos quais para os satélites Starlink, o Falcon 9 teve seu ano mais prolífico, e os foguetes Falcon foram a segunda família de foguetes mais prolífica de 2020, atrás apenas da família de foguetes Longa Marcha da China.[494]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
78 7 de janeiro de 2020,
02:19:21[495]
F9 B5
B1049.4
CCAFS,
SLC-40
Starlink 2 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Terceiro lote grande e segundo lançamento operacional da constelação Starlink. Um dos 60 satélites incluiu um revestimento de teste para tornar o satélite menos reflexivo e, portanto, menos provável de interferir com observações astronômicas baseadas no solo.[496]
79 19 de janeiro de 2020,
15:30[497]
F9 B5
B1046.4
KSC,
LC-39A
Crew Dragon in-flight abort test[498]
(Dragon C205.1)
12,050 kg (26,570 lb) Suborbital[499] NASA (CCP)[500] Sucesso Sem tentativa
Um teste atmosférico do sistema de aborto do Dragon 2 após Max q. A cápsula acionou seus motores SuperDraco, atingiu um apogeu de 40 km, lançou paraquedas após a reentrada e caiu no oceano a 31 km abaixo do local de lançamento. O teste foi previamente programado para ser realizado com a cápsula Crew Dragon Demo-1;[501] mas esse artigo de teste explodiu durante um teste de solo de motores SuperDraco em 20 de abril de 2019.[422] O teste de aborto usou a cápsula originalmente planejada para o primeiro lançamento com tripulação.[502] Como esperado, o foguete auxiliar foi destruído por forças aerodinâmicas depois que a cápsula foi abortada.[503] Primeiro lançamento de um Falcon 9 com apenas um estágio funcional, o segundo estágio tinha um simulador de massa no lugar de seu motor.
80 29 de janeiro de 2020,
14:07[504]
F9 B5
B1051.3
CCAFS,
SLC-40
Starlink 3 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Terceiro lote operacional e quarto grande lote de satélites Starlink, implantados em uma órbita circular de 290 km. Uma das metades da coifa foi recuperada durante a queda, enquanto a outra foi pescada no oceano.[505]
81 17 de fevereiro de 2020,
15:05[506]
F9 B5
B1056.4
CCAFS,
SLC-40
Starlink 4 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Falhou
(balsa-drone)
Quarto lote operacional e quinto grande lote de satélites Starlink. Usou um novo perfil de lançamento que se implantou em uma órbita elíptica de 212 km × 386 km em vez de lançar em uma órbita circular e religar o motor do segundo estágio duas vezes. O foguete auxiliar do primeiro estágio falhou ao pousar na balsa-drone[507] devido a dados incorretos do vento.[508] Esta foi a primeira vez que um foguete auxiliar já lançado, não pousou.
82 7 de março de 2020,
04:50[509]
F9 B5
B1059.2
CCAFS,
SLC-40
SpaceX CRS-20
(Dragon C112.3 ♺)
1,977 kg (4,359 lb)[510] LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
Último lançamento da fase 1 do contrato CRS. Transportador Bartolomeo, uma plataforma ESA para transportar cargas externas para Estação Espacial Internacional (ISS).[511] Originalmente programado para lançamento em 2 de março de 2020, a data de lançamento foi adiada devido a uma falha de motor de segundo estágio. A SpaceX decidiu trocar o segundo estágio em vez de substituir a peça defeituosa.[512] Foi o 50.º pouso bem-sucedido da SpaceX de um foguete auxiliar de primeiro estágio, o terceiro lançamento do Dragon C112 e o último lançamento da espaçonave Dragon de carga.
83 18 de março de 2020,
12:16[513]
F9 B5
B1048.5
KSC,
LC-39A
Starlink 5 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Falhou
(balsa-drone)
Quinto lançamento operacional de satélites Starlink. Foi a primeira vez que um foguete auxiliar de primeiro estágio já lançado pela quinta vez e a segunda vez que as coifas foram reaproveitadas (do lançamento Starlink em maio de 2019).[514] Perto do final da queima do primeiro estágio, o foguete auxiliar sofreu desligamento prematuro de um motor, o primeiro de uma variante Merlin 1D e o primeiro desde a missão CRS-1 em outubro de 2012. No entanto, a carga útil ainda atingiu a órbita desejada.[515] Esta foi a segunda falha de pouso de um foguete auxiliar de lançamento Starlink consecutivo, mais tarde revelada como sendo causada por fluido de limpeza residual preso dentro de um sensor.[516]
84 22 de abril de 2020,
19:30[517]
F9 B5
B1051.4
KSC,
LC-39A
Starlink 6 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Sexto lançamento operacional de satélites Starlink. O 84.º lançamento do foguete Falcon 9, ultrapassando o Atlas V para se tornar o foguete operacional dos Estados Unidos mais lançado.[518] As coifas foram usadas no lançamento do AMOS-17 (agosto de 2019).[519]
85 30 de maio de 2020,
19:22[520]
F9 B5
B1058.1[521]
KSC,
LC-39A
Crew Dragon Demo-2[417]
(Crew Dragon C206.1 Endeavour)
12,530 kg (27,620 lb)[522] LEO (ISS) NASA (CCDev) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro lançamento orbital tripulado em solo americano desde o ônibus espacial STS-135 em julho de 2011, levando os astronautas da NASA Robert Behnken e Douglas Hurley para a Estação Espacial Internacional.[417] A transmissão ao vivo da SpaceX atingiu o pico de 4.1 milhões de telespectadores, enquanto a NASA estimou que cerca de 10 milhões de pessoas assistiram em várias plataformas online e aproximadamente 150.000 pessoas se reuniram na Costa Espacial na Flórida, apesar dos riscos da pandemia COVID-19.[523]
86 4 de junho de 2020,
01:25[524]
F9 B5
B1049.5
CCAFS,
SLC-40
Starlink 7 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
O sétimo lançamento operacional dos satélites Starlink, ocorreu no 10.º aniversário do primeiro lançamento do Falcon 9. Incluído teste de satélite "VisorSat" que usa um guarda-sol para limitar a refletividade.[525] O primeiro foguete auxiliar a pousar com sucesso cinco vezes e o primeiro a pousar na balsa-drone Just Read The Instructions desde que foi movido para a Costa Leste.
87 13 de junho de 2020,
09:21[526]
F9 B5
B1059.3
CCAFS,
SLC-40
Starlink 8 v1.0
(58 satélites),[527][528]
SkySats-16, -17, -18
15,410 kg (33,970 lb)[526] LEO SpaceX
Planet Labs
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Oitavo lançamento operacional de satélites Starlink, incluindo o primeiro compartilhamento de carga no Programa SmallSat da SpaceX, de três satélites SkySat.[529][530] Uma metade da coifa já foi lançada na missão JCSat-18 / Kacific 1 em dezembro de 2019. A outra metade da coifa também já tinha sido lançada na missão Starlink 2 v1.0 em janeiro de 2020.[531] Pela primeira vez, a SpaceX não executou teste de fogo estático antes do lançamento.
88 30 de junho de 2020,
20:10:46[532]
F9 B5
B1060.1
CCAFS,
SLC-40
GPS III-03
(Matthew Henson)
4,311 kg (9,504 lb)[533] MEO USSF[533] Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Contrato de fabricação de carga útil concedido em janeiro de 2012,[534] totalmente montado em agosto de 2017,[535][536] e teste de vácuo térmico concluído em junho de 2018.[537] O contrato de lançamento foi concedido inicialmente por US$ 96.5 milhões,[538] mas posteriormente, este foi descontado em troca de permitir a configuração de lançamento que permite a recuperação do foguete auxiliar.[539] O veículo apelidado de Columbus foi transportado para a Flórida em fevereiro de 2020,[540] mas o lançamento foi adiado pelo cliente em abril de 2020 devido à pandemia COVID-19.[541] O lançamento foi dedicado à memória do falecido comandante da 21.ª Space Wing, coronel Thomas G. Falzarano,[542][543] e após o lançamento, em outubro de 2020, o apelido foi alterado para o do explorador do Ártico Matthew Henson.[544][393] O segundo estágio apresentava uma faixa cinza para permitir que mais calor fosse absorvido durante o período de desaceleração mais longo,[545] enquanto ambas as coifas foram retiradas da água sem tentar uma captura na rede.
89 20 de julho de 2020,
21:30[546]
F9 B5
B1058.2[547]
CCAFS,
SLC-40
ANASIS-II 5,000–6,000 kg (11,000–13,000 lb) GTO Exército da Coreia do Sul Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Com 5 a 6 toneladas, o satélite anteriormente conhecido como K-Milsat-1 é o primeiro satélite militar dedicado da Coreia do Sul. Contratado pela Administração do Programa de Aquisição de Defesa da Coreia do Sul em 2014.[548] 57.ª recuperação bem-sucedida de um primeiro estágio do Falcon 9. Pela primeira vez, as duas metades da coifa também foram capturadas com sucesso por navios de captura de coifa.[549] Este lançamento usou um foguete auxiliar usado 51 dias antes, um novo tempo de resposta recorde para um oguete auxiliar do Falcon 9.[550] Foi o mesmo foguete auxiliar que lançou a espaçonave Crew Dragon Demo-2 em 30 de maio de 2020.[546] O satélite foi entregue a uma órbita de transferência geoestacionária de 211 km × 45.454 km, enquanto as duas metades da coifa foram apanhadas nas redes de captura dos navios de apoio.[551]
90 7 de agosto de 2020,
05:12[552]
F9 B5
B1051.5
KSC,
LC-39A
Starlink 9 v1.0
(57 satélites),[527]
SXRS-1 (BlackSky Global 7 e 8)
14,932 kg (32,919 lb) LEO SpaceX
Spaceflight Industries (BlackSky)
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Nono lançamento operacional de satélites Starlink. Esta missão transportou 57 satélites Starlink e 2 satélites BlackSky, em compartilhamento.[553] Este primeiro compartilhamento contratado com a Spaceflight Industries foi apelidado internamente como "SXRS-1".[554] Após o teste anterior em um único Starlink, o lançamento terá todos os 57 satélites com um "VisorSat" para reduzir seu brilho.[555]
91 18 de agosto de 2020
14:31[556]
F9 B5
B1049.6[547]
CCAFS,
SLC-40
Starlink 10 v1.0
(58 satélites)
SkySat-19, -20, -21
~15,440 kg (34,040 lb) LEO SpaceX
Planet Labs
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Décimo lançamento operacional de satélites Starlink. Este lançamento incluindo 3 satélites SkySat, em compartilhamento.[529] Primeira vez que um foguete auxiliar fez um sexto lançamento.[557] As coifas já lançadas anteriormente no Starlink 3 v1.0. Uma metade da coifa foi capturada por Go Ms. Tree, a outra foi retirada do oceano.[529]
92 30 de agosto de 2020
23:18[558]
F9 B5
B1059.4
CCAFS,
SLC-40
SAOCOM 1B[559]
GNOMES 1[559]
Tyvak-0172[560]
3,130 kg (6,900 lb)[561] SSO CONAE
PlanetIQ
Tyvak
Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
O 100.º lançamento na história da SpaceX, pela primeira vez um lançamento comercial em um quarto lançamento de um foguete auxiliar, ele implantou satélites de observação da Terra construídos pela Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE) da Argentina e outros 2 em compartilhamento. A SpaceX foi contratada em 2009 para um lançamento inicial já em 2013.[562] Originalmente planejado para ser lançado de Vandenberg, mas foi lançado do Cabo Canaveral, o que o tornou o primeiro lançamento de lá usando o corredor sul para uma órbita polar desde 1969.[563][564]
93 3 de setembro de 2020
12:46:14[565]
F9 B5
B1060.2[566]
KSC,
LC-39A
Starlink 11 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Décimo primeiro lançamento operacional de satélites Starlink, totalizando 713 satélites Starlink já lançados.[565]
94 6 de outubro de 2020
11:29:34[567]
F9 B5
B1058.3[568]
KSC,
LC-39A
Starlink 12 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Décimo segundo lançamento operacional de satélites Starlink, que pela primeira vez usou meia-coifa em seu terceiro lançamento.[569] Além disso, o B1058 detém o título pelo menor tempo que um foguete auxiliar atingiu 3 lançamentos, em 77 dias, batendo o B1046 que era 129 dias.
95 18 de outubro de 2020
12:25:57[570]
F9 B5
B1051.6[571]
KSC,
LC-39A
Starlink 13 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb)[5] LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Décimo terceiro lançamento operacional de satélites Starlink. Na segunda vez, um foguete auxiliar fez seu sexto lançamento, na primeira vez, as duas metades da coifa já lançadas pela terceira vez. Ambas as metades da coifa pousaram em seus respectivos navios, mas uma metade da coifa quebrou a rede no Ms Tree.[572]
96 24 de outubro de 2020
15:31:34[573]
F9 B5
B1060.3
CCAFS,
SLC-40
Starlink 14 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Décimo quarto lançamento operacional de satélites Starlink e o 100.º lançamento bem-sucedido de um veículo Falcon.[574]
97 5 de novembro de 2020
23:24:23[575]
F9 B5
B1062.1
CCAFS,
SLC-40
GPS III-04 (Sacagawea)[544][576] 4,311 kg (9,504 lb) MEO USSF Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Contrato de fabricação concedido em janeiro de 2012,[534] passou por teste de vácuo térmico em dezembro de 2018,[577] enquanto o contrato de lançamento foi concedido em março de 2018.[578] Uma tentativa de lançamento em 3 de outubro de 2020 foi abortada 2 segundos antes do lançamento devido à partida antecipada de dois motores.[579][580] Após o aborto, dois motores do B1062 foram enviados para testes adicionais.[581] O aborto também causou atrasos no lançamento do Crew-1 para dar tempo para a revisão dos dados.[582][583]
98 16 de novembro de 2020
00:27[584]
F9 B5
B1061.1[585]
KSC,
LC-39A
Crew-1
(Crew Dragon C207.1 Resilience)
~12,500 kg (27,600 lb) LEO (ISS) NASA (CCP)[500] Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeira Crew do Programa Commercial Crew, após o retorno em agosto da missão de lançamento de teste tripulado Crew Dragon Demo-2. Designado originalmente como "USCV-1" pela NASA. Levou os astronautas Victor Glover, Michael Hopkins, Shannon Walker e Soichi Noguchi, para uma missão de 6 meses a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS), durante a qual o lançamento do Boeing Starliner OFT-2 também deveria atracar.[586] O primeiro lançamento do Programa Commercial Crew estava inicialmente previsto para ser lançado em 2017,[587][588] e as certificações finais concluídas em novembro de 2020.[589]
99 21 de novembro de 2020
17:17:08[590]
F9 B5
B1063.1
VAFB,
SLC-4E
Sentinel-6 Michael Freilich
(Jason-CS A)
1,192 kg (2,628 lb) LEO NASA / NOAA / ESA / EUMETSAT Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
Nomeado em homenagem ao ex-diretor do programa de ciências da Terra da NASA, é um satélite de radar altímetro da constelação da topografia da superfície dos oceanos localizado a 1.336 km e inclinação de 66°, e um seguimento de Jason-3 como uma parceria entre o Estados Unidos (NOAA e NASA), Europa (EUMETSAT, ESA, CNES).[591]
100 25 de novembro de 2020
02:13[592]
F9 B5
B1049.7[593]
CCAFS,
SLC-40
Starlink 15 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Pela primeira vez, um foguete auxiliar foi lançado pela sétima vez e, pela primeira vez, a SpaceX completou quatro lançamentos em um único mês.
101 6 de dezembro de 2020
16:17:08[594]
F9 B5
B1058.4[595]
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-21
(Dragon C208.1)
2,972 kg (6,552 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro lançamento da fase 2 do contrato CRS de 6 lançamentos adjudicado em janeiro de 2016.[596] Foi o primeiro lançamento da versão atualizada da espaçonave Cargo Dragon 2, com maior capacidade de carga e atracação autônoma à ISS. As cargas úteis incluíram Nanoracks Bishop Airlock[597] e CFIG-1 (Cool Flames Investigation with Gases).[598] É também é o 100.º lançamento bem-sucedido do Falcon 9.
102 13 de dezembro de 2020
17:30:00[599]
F9 B5
B1051.7
CCAFS,
SLC-40[600]
SXM-7 7,000 kg (15,000 lb) GTO Sirius XM Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Lançou o maior satélite de transmissão de alta potência para o serviço de rádio de áudio digital (DARS) da Sirius XM. SXM-7 foi construído pela Maxar Technologies; projetado para operar no espectro da banda S, ele substituirá o satélite SXM-3. O satélite fornecerá a maior densidade de potência de qualquer satélite comercial em órbita,[601] gerará mais de 20 kW de potência e terá um grande refletor de antena desdobrável, que permite a transmissão para rádios sem a necessidade de grandes antenas parabólicas no chão. Devido ao grande peso, a carga útil foi injetada em uma órbita sub-síncrona de 224 km × 19.411 km e o próprio satélite será transferido para GTO completo.[602] Foi a primeira vez que uma carga útil comercial primária foi lançada em um foguete auxiliar que já havia sido lançada mais de 4 vezes.[603] Primeiro lançamento dedicado ao cliente onde as coifas já foram usadas anteriormente.[604]
103 19 de dezembro de 2020
14:00:00[605]
F9 B5
B1059.5
KSC,
LC-39A
NROL-108 Classificado LEO NRO Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
O lançamento planejado não era conhecido pelo público até que os arquivos da FCC apareceram no final de setembro, seguido pela confirmação do NRO em 5 de outubro de 2020, provavelmente uma carga útil relativamente leve que permitiu o retorno do foguete auxiliar ao local de lançamento.[606]

2021[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2020, Elon Musk indicou que queria ser capaz de aumentar os lançamentos para 48 em 2021.[607] Os documentos regulamentares apresentados em fevereiro de 2020 especificam um máximo de 54 lançamentos para o Falcon 9 e outros 10 para o Falcon Heavy para 2021 na Flórida, de acordo com uma avaliação ambiental.[608]

Número do
lançamento
Data e
hora (UTC)
Versão do
foguete auxiliar
[b]
Local de
lançamento
Carga útil[c] Massa de
carga útil
Órbita Cliente Resultado do
lançamento
Pouso de
foguete auxiliar
104 8 de janeiro de 2021
02:15[609]
F9 B5
B1060.4
CCSFS,
SLC-40
Türksat 5A[610] 3,500 kg (7,700 lb) GTO Türksat Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Um satélite de 3.500 kg destinado a ser estacionado a 31.0° leste.[610] Este é o satélite mais poderoso da frota da Türksat[611] e fornecerá serviços de transmissão de televisão em Banda Ku na Turquia, Oriente Médio, Europa e África. O satélite foi injetado em uma órbita de transferência geoestacionária de 280 km × 55.000 km com inclinação de 17.6°.[612]
105 20 de janeiro de 2021
13:02[613]
F9 B5
B1051.8[614]
KSC,
LC-39A
Starlink 16 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
O primeiro foguete auxiliar a ser lançado e pousar oito vezes com sucesso. Alcançou um tempo de resposta recorde entre dois lançamentos do mesmo foguete auxiliar de apenas 38 dias e elevou o total de satélites Starlink lançados para mais de 1000.[615] A SpaceX afirmou que o pouso ocorreria durante ventos mais fortes do que o normal; este teste para expandir a gama de pouso que foi um sucesso.[616]
106 24 de janeiro de 2021
15:00[617]
F9 B5
B1058.5[618]
CCSFS,
SLC-40
Transporter-1:
(143 CubeSats compartilhados)
~5,000 kg (11,000 lb) SSO Vários Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
O primeiro lançamento compartilhado de satélites de pequeno porte dedicado, visando uma órbita geocêntrica de 525 km.[619] O lançamento implantou um recorde de 143 satélites, consistindo em 120 CubeSats, 11 microssatélites, 10 Starlinks e 2 estágios de transferência. Além disso, 2 cargas úteis hospedadas e 1 satélite fictício não separável[620] foram lançados.[621] Estes incluem SpaceBEE (x 36), Lemur-2 (x 8), ICEYE (x 3), UVSQ-SAT,[622] ELaNa 35 (PTD-1),[384] e nanosats Kepler (x 8).[623][624] D-Orbit ION Satellite Carrier e 10 satélites Starlink colocados em uma órbita polar[625] e 2 de 15 cargas úteis permaneceram anexadas a SHERPA-FX1. A Exolaunch implantou vários pequenos satélites e cubosats por meio de seus próprios mecanismos de implantação. Primeiro lançamento de um Falcon 9 com um estágio de transferência SHERPA-FX denominado SHERPA-FX1.[626][627]
107 4 de fevereiro de 2021
06:19[628]
F9 B5
B1060.5[629]
CCSFS,
SLC-40
Starlink 18 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Isso marcou o retorno mais rápido até o momento, com 27 dias, e a primeira vez que um Falcon 9 é lançado duas vezes em um mês.[630]
108 16 de fevereiro de 2021
03:59:37[631]
F9 B5
B1059.6
CCSFS,
SLC-40
Starlink 19 v1.0
(60 satélites)[632]
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Falhou
(balsa-drone)
Um buraco na tampa do motor com blindagem térmica, que provavelmente se desenvolveu devido à fadiga, permitiu a recirculação dos gases de escape quentes para danificar um dos motores Merlin 1D de primeiro estágio, fazendo com que ele desligasse logo durante a subida. A capacidade de desligamento do motor do Falcon 9 permitiu que a missão continuasse e colocasse os 60 satélites Starlink em órbita com sucesso.[633] O problema fez o foguete auxiliar falhar em sua tentativa de pouso na balsa-drone OCISLY e foi destruído, após sua queima de entrada, quebrando a sequência mais longa de 24 sucessos de pouso.[634] Durante esta missão, os navios GO Ms. Tree e GO Ms. Chief foram usados pela última vez para recuperar as coifas.[635][636] Após esta missão, ambos os navios foram aposentados porque a SpaceX não planeja mais pegar as coifas com esses navios.[637]
109 4 de março de 2021
08:24[638]
F9 B5
B1049.8[639]
KSC,
LC-39A
Starlink 17 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
O lançamento já havia sido adiado várias vezes, fazendo com que a carga útil Starlink L17 fosse lançada após as missões L18 e L19. Apresentada pela primeira vez, uma coifa que já foi lançada quarto vezes.[640] A queima de desórbita de segundo estágio falhou, causando uma reentrada descontrolada em 26 de março de 2021 na Costa Oeste dos Estados Unidos.[641]
110 11 de março de 2021
08:13:29[642]
F9 B5
B1058.6[643]
CCSFS,
SLC-40
Starlink 20 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Vigésimo lançamento operacional de satélites Starlink, elevando o total para 1.265 (incluindo protótipos) satélites já lançados.[644]
111 14 de março de 2021
10:01[645]
F9 B5
B1051.9
KSC,
LC-39A
Starlink 21 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Pela primeira vez, um foguete auxiliar de primeiro estágio lançou e pousou pela nona vez. Este lançamento também marcou o tempo de resposta mais rápido para uma metade de coifa, com 49 dias. Ambas as metades da coifa voaram anteriormente na missão Transporter-1.[646]
112 24 de março de 2021
08:28[647]
F9 B5
B1060.6[648]
CCSFS,
SLC-40
Starlink 22 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
A "recuperação molhada" da coifa foi alcançada pela embarcação de recuperação contratada Shelia Bordelon pela primeira vez. Ambas as metades da coifa foram retiradas da água.[649]
113 7 de abril de 2021
16:34
F9 B5
B1058.7
CCSFS,
SLC-40
Starlink 23 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
23.º lançamento operacional de satélites Starlink, totalizando 1.385 satélites lançados (incluindo protótipos). Este lançamento apresentou o segundo tempo de resposta de reforma do foguete auxiliar mais rápido em 27 dias e 8 horas (após Starlink 18 com B1060.5, que foi 4 horas mais rápido).[650]
114 23 de abril de 2021
09:49[651]
F9 B5
B1061.2[652]
KSC,
LC-39A
Crew-2
(Crew Dragon C206.2 Endeavour ♺)
~13,000 kg (29,000 lb)[653] LEO (ISS) NASA (CTS)[500] Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Segundo lançamento operacional do Programa Commercial Crew. Os astronautas da NASA transportados são Robert Kimbrough e Megan McArthur, o astronauta da JAXA Akihiko Hoshide e o astronauta da ESA Thomas Pesquet para a Estação Espacial Internacional (ISS).[654] Os quatro astronautas passarão 6 meses a bordo da ISS. Começando com a missão Crew-2, a NASA modificou o contrato para permitir que os astronautas da NASA usem cápsulas e foguetes privados testadas em lançamentos.[655] Assim, a SpaceX reformulou a Dragon usado no Demo-2 e usou o foguete auxiliar B1061-2 que havia sido usado para lançar a Crew-1 em novembro de 2020.
115 29 de abril de 2021
03:44[656]
F9 B5
B1060.7[657]
CCSFS,
SLC-40
Starlink 24 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
24.º lançamento operacional de satélites Starlink, elevando o total para 1.434 satélites em órbita. Este lançamento também homenageou a tripulação da Apollo 11, Michael Collins, que faleceu horas antes do lançamento.[658]
116 4 de maio de 2021
19:01[659]
F9 B5
B1049.9[660]
KSC,
LC-39A
Starlink 25 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
25.º lançamento operacional de satélites Starlink, elevando o total para 1.494 satélites em órbita, segunda vez que usaram um foguete auxiliar já lançado pela nona vez.
117 9 de maio de 2021
06:42[661]
F9 B5
B1051.10[662]
CCSFS,
SLC-40
Starlink 27 v1.0
(60 satélites)
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
O foguete auxiliar lançou e pousou pela décima vez um recorde, com coifas reutilizadas, trazendo o número total de satélites Starlink operacionais para aproximadamente 1.516 dos 1.584 planejados.[663]
118 15 de maio de 2021
22:56[664]
F9 B5
B1058.8[665]
KSC,
LC-39A[666]
Starlink 26 v1.0
(52 satélites)
Capella-6 &Tyvak-0130[667]
~14,000 kg (31,000 lb) LEO SpaceX
Capella Space e Tyvak
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Lançamento compartilhado com uma órbita direcionada de 569 × 582 km, significativamente mais alto do que os lançamentos Starlink típicos, para permitir as necessidades das cargas úteis compartilhadas.[668] "Recuperação molhada" de coifa feita pela embarcação de recuperação contratada Shelia Bordelon pela última vez.
119 26 de maio de 2021
18:59[669]
F9 B5
B1063.2[670]
CCSFS,
SLC-40[670]
Starlink 28 v1.0
(60 satélites)[670]
15,600 kg (34,400 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Provavelmente completará a primeira camada da rede Starlink localizada a 550 km de altitude e contendo 1.584 satélites.[668] Foi o 40.º lançamento com coifas reaproveitadas, sendo uma metade utilizada pela 5.ª vez (primeira coifa a fazer isso) e a outra metade pela 3.ª vez.[671] Este lançamento marca o 100.º lançamento bem-sucedido da SpaceX consecutivo sem falha em lançamentos desde dezembro de 2015.
120 3 de junho de 2021
17:29[672]
F9 B5
B1067.1[673]
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-22
(Dragon C209.1)
3,328 kg (7,337 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Segundo de um mínimo de 6 novas missões de carga sob o contrato CRS-2, que a NASA concedeu à SpaceX em 2015. A missão foi realizada com uma cápsula Dragon 2 sem tripulação,[674] que carregava painéis solares, reator catalítico para o sistema de suporte de vida da Estação Espacial Internacional (ISS), um sistema de suprimento de ar de emergência, unidade de controle remoto Kurs e um filtro de Potable Water Dispense (PWD). Também foram transportados o RamSat cubesat como carga útil para ELaNa 36,[675] o cubesat SOAR da Universidade de Manchester[676] e o primeiro satélite de Maurícia MIR-SAT1[677] a ser lançado posteriormente a partir da ISS. Esta foi a última missão que da balsa-drone Of Course I Still Love You (OCISLY) na Costa Leste,[678] já que a SpaceX planeja lançar satélites Starlink da Costa Oeste a partir de julho, o que exigirá um pouso na balsa-drone. A OCISLY será substituída pela nova balsa-drone A Shortfall Of Gravitas (ASOG) no final deste verão.[679]
121 6 de junho de 2021
04:26[680]
F9 B5
B1061.3
CCSFS,
SLC-40
SXM-8[681] 7,000 kg (15,000 lb) GTO Sirius XM Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Um grande satélite de transmissão de alta potência para o serviço de rádio digital de áudio (DARS) da Sirius XM, contratado junto com o SXM-7 para substituir o antigo satélite XM-4 e permitir a transmissão para rádios sem a necessidade de grandes antenas parabólicas no solo.[603][682]
122 17 de junho de 2021
16:09[683]
F9 B5
B1062.2[684]
CCSFS,
SLC-40
GPS III-05
(Neil Armstrong)
[544][391]
4,331 kg (9,548 lb)[685] MEO USSF[533] Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Contrato de fabricação concedido em fevereiro de 2013.[686] Em março de 2018, a Força Aérea dos Estados Unidos anunciou que havia concedido o contrato de lançamento de três satélites GPS para a SpaceX.[687] Este é o primeiro lançamento de um foguete auxiliar reutilizado para uma missão de 'Segurança Nacional'.[688] A "recuperação molhada" da coifa foi feita pela embarcação de recuperação contratada Hos Briarwood pela primeira vez. Ambas as metades da coifas foram retiradas da água.[689]
123 30 de junho de 2021
19:31[690]
F9 B5
B1060.8
CCSFS,
SLC-40
Transporter-2:
(88 CubeSats compartilhados)
~11,000 kg (24,000 lb) SSO Vários Sucesso Sucesso
(pouso em solo)
Um total de 88 cargas úteis, incluindo satélites Starlink (3x), Polar Vigilance (4x), Exolaunch YAM-2 e 3, Satellogic,[691] Capella-5[692] HawkEye Cluster 3 (vários satélites), Spaceflight Industries (vários satélites incluindo em dois rebocadores espaciais Sherpa-FX2 Sherpa-LTE1).[690]
124 29 de agosto de 2021
07:14[693]
F9 B5
B1061.4
KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-23
(Dragon C208.2 ♺)
~2,200 kg (4,900 lb) LEO (ISS) NASA (CRS) Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Terceira de seis novas missões de carga que a NASA atribuído em 2015 à SpaceX sob o contrato CRS-2 a ser realizado após as 20 missões iniciais da fase 1 serem concluídas em 2020.[674] Inclui FBCE, SoFIE. A primeira vez que um foguete auxiliar pousou na quarta balsa-drone da SpaceX, A Shortfall Of Gravitas (ASOG),[694][695] marcando o primeiro uso quando a SpaceX tinha três balsas-drone em operação.
125 14 de setembro de 2021,
03:55[696]
F9 B5
B1049.10[697]
VSFB,
SLC-4E
Starlink Group 2-1 (v1.5 L1 51 satélites)[698][699] ~13,260 kg (29,230 lb) LEO SpaceX Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
Primeiro lançamento de satélites Starlink da Base da Força Espacial de Vandenberg e primeiro lançamento na Costa Oeste em 10 meses. O lançamento com inclinação de 70 graus é o primeiro lançamento Starlink em uma órbita não-SSO de alta inclinação.[668] Os satélites eram a versão 1.5 atualizada que apresentava "links inter-satélites a laser, que são necessários para latitudes altas e cobertura do meio do oceano".[700] Foi o segundo foguete auxiliar a fazer o décimo lançamento e pouso.
126 16 de setembro de 2021
00:02:56[701]
F9 B5
B1062.3[702]
KSC,
LC-39A
Inspiration4
(Crew Dragon C207.2 Resilience ♺)
~12,519 kg (27,600 lb) LEO Shift4 Payments
[j][703]
Sucesso Sucesso
(balsa-drone)
A SpaceX assinou em fevereiro de 2021 seu primeiro voo totalmente civil para uma espaçonave tripulada por Jared Isaacman (Liderança), fundador e CEO da Shift4 Payments, que comanda e pilotou a missão, e que doou os três outros assentos no lançamento do veículo Crew Dragon para LEO. O primeiro desses três assentos (Generosidade) foi ganho por Christopher Sembroski em uma loteria, que doou ao St. Jude Children's Research Hospital, o segundo assento (Esperança) foi concedido a Hayley Arceneaux, uma embaixadora associada daquele hospital, e o terceiro assento (Prosperidade) foi concedido a Sian Proctor, vencedor de um concurso entre empreendedores que utilizam o Shift4Shop. Os assentos foram atribuídos em 30 de março de 2021.[704][705] A missão atingiu uma órbita circular de cerca de 585 km e durará cerca de 3 dias. O adaptador de docagem da Crew Dragon Resilience foi substituída por uma janela em forma de cúpula.[706][707][708]

Lançamentos futuros[editar | editar código-fonte]

Os lançamentos futuros são listados cronologicamente quando planos firmes estão em vigor. A ordem dos lançamentos posteriores é muito menos certa, pois o manifesto oficial da SpaceX não inclui uma programação.[681] As datas de lançamento provisórias são citadas de várias fontes para cada lançamento.[709][710][711] Espera-se que os lançamentos ocorram "não antes de" (NET) a data listada.

2021[editar | editar código-fonte]

Data e hora
(UTC)
Versão do foguete auxiliar[b] Local de lançamento Carga útil[c] Órbita Cliente
Outubro de 2021
Possível atraso[711][710]
Falcon Heavy
B1064.1, B1065.1, B1066
KSC,
LC-39A
USSF-44[712]
LDPE-2
GEO USSF e Lockheed Martin Space
Carga útil classificada totalizando 3.750 kg. Irá usar três novos foguetes auxiliares e o primeiro lançamento pesado e descartar o foguete auxiliar central que, portanto, aletas de manobra e trem de pouso não são necessários para um pouso,[713] enquanto os dois foguetes auxiliares laterais terão como objetivo um pouso simultâneo nas balsas-drone, JRTI e ASOG.[714][715][679] Primeira missão da SpaceX diretamente para a órbita geoestacionária. Carga útil secundária Tetra-1,[716] LINUSS A1 e A2 em um rebocador espacial, LDPE-2.
31 de outubro de 2021[717]
06:37[710]
F9 B5
B1067.2[718]
KSC,
LC-39A
Crew-3 LEO (ISS) NASA (CTS)[500]
O terceiro voo operacional da Crew Dragon da SpaceX está programado para transportar os astronautas da NASA, Thomas Marshburn, Kayla Barron e Raja Chari, bem como o astronauta alemão da ESA, Matthias Maurer.[717] Ele também transportará até 100 kg de carga para a ISS, além de apresentar uma função de espaçonave salva-vidas para evacuar os astronautas da ISS em caso de emergência.[500]
Outubro de 2021[709][719] F9 B5
B1051.11
VSFB,
SLC-4E
Starlink LEO SpaceX
Outubro de 2021[719][720] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Starlink LEO SpaceX
18 de novembro de 2021
23:11:12[721]
F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
CSG-2 SSO ASI
Segundo satélite COSMO-SkyMed de 2.ª Geração.
23 de novembro de 2021[722][723]
06:58[709]
F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Double Asteroid Redirection Test (DART)[724][725] Heliocêntrica NASA (LSP)
A espaçonave DART de 500 kg será usada para medir os efeitos cinéticos da queda de um impactador na superfície da lua do asteroide 65803 Didymos. Será a primeira missão a demonstrar a capacidade de redirecionamento de um asteroide.[724]
Novembro de 2021[726][719] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Starlink LEO SpaceX
Novembro de 2021[711][719] F9 B5 VSFB, SLC-4E Starlink LEO SpaceX
4 de dezembro de 2021[709] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-24 LEO (ISS) NASA (CRS)
Quarta das seis novas missões de carga que a NASA atribuiu em 2015 à SpaceX no âmbito do contrato CRS-2 a ser realizado após as 20 missões iniciais da fase 1 terem sido concluídas em 2020.[674]
13 de dezembro de 2021[727] F9 B5 KSC,
LC-39A
Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE)[728] LEO NASA (LSP)
Missão SMEX 14 com três telescópios idênticos da NASA em uma única sonda espacial, projetada para medir raios-X. O contrato de lançamento foi concedido à SpaceX por US$ 50.3 milhões.[728]
Dezembro de 2021[729][730] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
O3b mPOWER 1, 2 e 3 MEO SES
Em setembro de 2019, a SES assinou um contrato para o lançamento da primeira parte dos seus sete satélites MEO para os seus serviços de conectividade O3b de baixa latência e alto desempenho.[731][732]
Dezembro de 2021[726] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-3, Satélite miniaturizado compartilhado[733] SSO Vários
Q4 2021[734][709] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Türksat 5B GTO Türksat
O primeiro satélite GTO parcialmente construído na Turquia, o satélite de 4.500 kg, deve ser colocado a 42.0° leste.[735]

2022[editar | editar código-fonte]

A SpaceX vai permitir até 60 lançamentos todos os anos apenas na Flórida, de acordo com sua avaliação ambiental de fevereiro de 2020.[608]

Data e hora
(UTC)
Versão do foguete auxiliar[b] Local de lançamento Carga útil[c] Órbita Cliente
Janeiro de 2022[736] F9 B5 KSC,
LC-39A
Ax-1
(Crew Dragon C207.3 Resilience ♺)
LEO (ISS) Axiom Space
Anunciado em março de 2020, o lançamento será o primeiro voo totalmente privado para a ISS.[737] O Crew Dragon será comandado pelo astronauta profissional da Axiom, Michael López-Alegría.
Janeiro de 2022[711][738] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
SARah 2 & 3[739] SSO Serviço Federal de Inteligência da Alemanha
Em janeiro de 2019, os satélites deveriam ser lançados entre novembro de 2020 e setembro de 2021.[740]
Fevereiro de 2022[741] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
NROL-87 SSO[742] NRO
Carga útil classificada. A conclusão era esperada para dezembro de 2021.[712]
Março de 2022[709] F9 B5[743] VSFB,
SLC-4E
WorldView Legion 1 & 2 Mission 1 (2 Sats)[743] SSO Maxar
Dois satélites da Maxar Technologies construídos pela subsidiária SSL para a subsidiária DigitalGlobe.[743]
Q1 2022[744] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
O3b mPOWER -4, -5, -6 MEO SES
Segunda parte dos satélites MEO da SES para seus comprovados serviços de conectividade O3b de baixa latência e alto desempenho.[731][732]
Março de 2022[745] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
BlueWalker 3 LEO[746] AST SpaceMobile
Março de 2022[747] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-4, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona.
Q1 2022[748] F9 B5 KSC,
LC-39A
Módulo lunar IM-1 Nova-C TLI NASA (CLPS)
Intuitive Machines
Primeira missão do programa Commercial Lunar Payload Services da NASA, e seria a primeira empresa americana privada a pousar uma espaçonave na Lua. A sonda deverá transportar cinco cargas úteis de até 100 kg no total (LRA, NDL, LN-1, SCALPSS e ROLSES) e transmitir dados da superfície lunar em uma missão com duração de 2 semanas.[749][750][751] DOGE-1 será uma carga útil secundária compartilhada com 40 kg.[752][753]
Q1 2022[754][755] F9 B5[743] VSFB,
SLC-4E
WorldView Legion 3-6 Mission 2 (4 sats)[743][756] SSO
A Maxar Technologies construiu os satélites.
1 de abril de 2022[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
Crew-4 LEO (ISS) NASA (CTS)[500]
A NASA concedeu seis missões com a Crew Dragon para transportar até quatro astronautas e 100 kg de carga para a ISS, além de apresentar uma função de espaçonave salva-vidas para evacuar os astronautas da ISS em caso de emergência.[500] Os dois primeiros astronautas são Kjell Lindgren e Robert Hines da NASA.[757] Essa missão ou a Boeing Starliner-1 será lançado em abril de 2022; o outro será lançado em uma data posterior.[717]
Abril de 2022[758] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Nilesat-301[759] GTO Nilesat
Construído pela Thales Alenia Space, o satélite egípcio ficará estacionado a 7.0° oeste.[759]
Maio de 2022[760] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-25[674] LEO (ISS) NASA (CRS)
Quinto das seis novas missões de carga que a NASA concedeu em 2015 à SpaceX sob o contrato CRS-2 a ser realizado após as 20 missões iniciais da fase 1 terem sido concluídas em 2020.[674]
Início de 2022[761][709] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
USSF-52 GTO USSF
Contrato de carga útil classificado concedido em junho de 2018 por US$ 130 milhões,[762] aumentou para $149.2 milhões em agosto de 2021 devido a "uma mudança nos requisitos do contrato" e deverá ser concluído em 14 de abril de 2022.[763] A minuta de solicitação dizia que o lançamento custava 6.350 kg para o GTO.[764]
Junho de 2022[747] F9 B5 / Orbitador[765][766] VSFB,
SLC-4E
Transporter-5, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona.
Q2 2022[767][768] Falcon Heavy
B1068.1[769][770]
KSC,
LC-39A
ViaSat-3 Americas[771][772] GEO ViaSat
Esta missão injetará o satélite nas proximidades da órbita geoestacionária, permitindo assim que ele seja operacional mais rapidamente. Os satélites da classe ViaSat-3 usam propulsão elétrica, que requer menos combustível para as operações de manutenção das estações ao longo de sua vida, mas normalmente precisariam de vários meses para aumentar sua órbita de GTO para GEO.[772]
13 de julho a 26 de agosto de 2022[723] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Psyche e possivelmente Janus[773] Heliocêntrica NASA (Discovery)
Missão do Programa Discovery projetada para explorar o asteroide 16 Psyche que tem uma janela de lançamento limitada de 6 semanas. Espera-se que o asteroide mostre como era o Sistema Solar inicial e como os planetas se formaram.[774] Janus, sonda espacial dupla planejada para visitar dois asteroides binários, (35107) 1991 VH e (175706) 1996 FG3 também é esperado para ser lançado como uma carga útil secundária junto com a sonda espacial Psyche.
1 de agosto de 2022[775][776] F9 B5 CCSFS,
SLC-40
Korea Pathfinder Lunar Orbiter (KPLO)[777] TLI KARI
Primeira missão lunar da Coreia do Sul.[777]
Setembro de 2022[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-26[674] LEO (ISS) NASA (CRS)
Última das seis novas missões de carga que a NASA concedeu em 2015 à SpaceX sob o contrato CRS-2 a ser realizado após as 20 missões iniciais da fase 1 serem concluídas em 2020.[674]
Q3 2022 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Galaxy 31 e Galaxy 32 (2 satélites) GTO Intelsat
Maxar Technologies ou Northrop Grumman construíram os satélites.[778]
Q3 2022[779] Likely Falcon Heavy TBD USSF-67 TBD USSF
Primeiro lançamento do contrato de Fase 2 da Força Aérea dos EUA. O custo de US$ 316 milhões para o ano fiscal de 2022 para o primeiro lançamento,[779] inclui principalmente o custo de uma coifa de carga útil estendida, atualizações para a plataforma de lançamento da Costa Oeste da empresa na Base da Força Espacial de Vandenberg na Califórnia e uma instalação de integração vertical necessária para missões NRO, enquanto o preço de lançamento não aumenta.[780]
1 de outubro de 2022 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
MethaneSAT SSO Agência Espacial da Nova Zelândia do Fundo de Defesa Ambiental
O MethaneSAT é um satélite de 350 kg que visa localizar, quantificar e rastrear as emissões de metano das operações de petróleo e gás em todo o mundo. O projeto recebeu uma doação de US$ 100 milhões para a conclusão da missão e lançamento do Bezos Earth Fund, estabelecido por Jeff Bezos.[781]
25 de outubro de 2022[782] F9 B5 KSC,
LC-39A
Crew-5 LEO (ISS) NASA (CTS)[500]
A quinta USCV sera lançada com o prêmio da NASA de seis missões Crew Dragon, para transportar até quatro astronautas e 100 kg de carga para a ISS, além de apresentar uma função de espaçonave salva-vidas para evacuar os astronautas da ISS em caso de emergência.[500]
Outubro de 2022[747] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-6, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona.
15 de novembro de 2022[723] F9 B5 VSFB,
SLC-4E[783]
Surface Water Ocean Topography (SWOT) LEO NASA
Satélite americano-europeu destinado a medir a altitude da superfície de corpos d'água com precisão centimétrica.[784]
Outono de 2022[785] F9 B5[786] KSC,
LC-39A
Ax-2 LEO (ISS) Axiom Space
O contrato para 3 missões adicionais foi assinado em junho de 2021.[787] Peggy Whitson e John Shoffner foram contratados como comandante e piloto.[788][789] Espera-se que a terceira vaga seja concedida a um reality show do Discovery, vencedor do Who Wants To Be An Astronaut?.[790]
Final de 2022[791] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
ASBM 1 e ASBM 2 HEO Norwegian Space Agency
A Agência Espacial Norueguesa lançará 2 satélites do sistema Arctic Satellite Broadband Mission (ASBM) em órbitas altamente elípticas (apogeu 43.509 km, perigeu 8.089 km, 63.4°)[792] para fornecer cobertura de comunicação a alta latitudes não servidas por satélites geossíncronos.[791]
Q4 2022 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Galaxy 33 e Galaxy 34 (2 satélites) GTO Intelsat
Maxar Technologies ou Northrop Grumman construíram os satélites.[778]
Q4 2022[793] F9 B5 TBD Módulo lunar IM-2 Nova-C TLI NASA (CLPS)
Intuitive Machines
A Intuitive Machines está enviando seu segundo módulo de pouso a bordo de um Falcon 9, com um prazo de lançamento projetado acontecendo em algum momento por volta do final de 2022. A Intuitive Machines já reservou uma primeira missão de pouso via SpaceX, que também está hospedando cargas úteis para outras empresas privadas que buscam fazer aterrissagem lunar sob o programa Commercial Lunar Payload Services da NASA.
2022[794] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
EnMAP SSO DLR
GFZ
Primeiro satélite alemão de imagens hiperespectrais.
2022[795] F9 B5 CC,
SLC-40
Módulo lunar Hakuto-R Mission 1 e
Emirates Lunar Mission (Rashid) rover (carga útil secundária)
TLI ispace e
MBRSC
O Hakuto-R da ispace (para reinicializar) é derivado do projeto Hakuto que foi um dos participantes do extinto Google Lunar X Prize. O projeto reiniciado tem como objetivo lançar uma missão de rover transportando um módulo de pouso Hakuto-R e um rover da Emirates Lunar Mission (Rashid) (em colaboração com MBRSC) em 2022 com uma missão de rover japonês separada em 2023, ambos como cargas úteis secundárias em outro Falcon não especificado em 9 missões.[796][797]
2022[798] F9 B5[684] CC,
LC-39A ou SLC-40
GPS III-06
(Amelia Earhart)[544][391]
MEO USSF[533]
Contrato de fabricação de veículos espaciais concedido em fevereiro de 2013.[686] Em setembro de 2018, o veículo espacial estava integrando arreios.[537] Em março de 2018, a Força Aérea anunciou que havia concedido o contrato de lançamento de três satélites GPS para a SpaceX.
2022[799] F9 B5 ou Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Inmarsat-6B GTO Inmarsat
A Inmarsat manteve sua opção de lançamento depois que o lançamento programado do Falcon Heavy em 2016 (um satélite da European Aviation Network) foi trocado pelo lançamento do Ariane 5 em 2017.[800] Esta opção pode ser usada para lançar o Inmarsat-6B,[801] e, a partir de abril de 2020, o manifesto de lançamento da SpaceX listado Inmarsat para um lançamento do Falcon 9.[802]
2022 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
SES-18 e SES-19[803] GTO SES
A SpaceX lançará dois satélites de banda C para a SES, com a opção de lançar um terceiro satélite em um segundo lançamento.[804][805]
2022[744] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
O3b mPOWER 7, 8 e 9 MEO SES
Em agosto de 2020, a SES expandiu o contrato O3m com dois lançamentos adicionais, aumentando o número de satélites de 7 para 11 satélites em quase 2 toneladas cada.[806][807]
2022 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Intelsat 40e
TEMPO
GTO Intelsat
NASA
Maxar Technologies construíra um satélite que atenderá à América do Norte e Central.[808]
Final de 2022[741] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
NROL-85 (Intruder 13A e 13B) LEO NRO
Missão classificada concedida à SpaceX em fevereiro de 2019.[809]
H2 2022[810] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Amazonas Nexus[811] GTO Hispasat
Este satélite geoestacionário de alta capacidade de 4.500 kg apresenta uma nova geração de Digital Transparent Processor (DTP).
2022[812] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Aurora 4A (carga útil secundária)[813] GTO Astranis
Este pequeno satélite geoestacionário de 300 kg pretende fornecer 7.5 Gbit/s de largura de banda para o Alasca, em parceria com a Pacific Dataport. Originalmente, pretendia ser lançado no quarto trimestre de 2020.[814]
2022 ou mais tarde[711][815] F9 B5 KSC,
LC-39A
Space Adventures Dragon Mission LEO Space Adventures
A SpaceX assinou em fevereiro de 2020 seu primeiro lançamento comercial para uma espaçonave tripulada com a empresa sediada na Virgínia que havia transportado 7 turistas espaciais entre 2001 e 2009. O voo durará cerca de 3 dias, até 5 dias, em órbita elíptica com apogeu três vezes maior que o da ISS, e até quatro turistas espaciais com um preço por assento em torno de US$ 50 milhões.[815][816]

2023[editar | editar código-fonte]

Data e hora
(UTC)
Versão do foguete auxiliar[b] Local de lançamento Carga útil[c] Órbita Cliente
10 de janeiro de 2023[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-27 LEO (ISS) NASA (CRS)
Mais três missões CRS-2 para Dragon 2 cobrindo até CRS-29 foram anunciadas em dezembro de 2020.[817]
1 de fevereiro de 2023[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
Crew-6 LEO (ISS) NASA (CTS)[500]
O último USCV foi lançado com o prêmio da NASA de seis missões Crew Dragon, para transportar até quatro astronautas e 100 kg de carga para a ISS, além de apresentar uma função de espaçonave salva-vidas para evacuar os astronautas da ISS em caso de emergência.[500]
Março de 2023[797][818] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Módulo lunar Hakuto-R (carga útil secundária)[796][819] TLI ispace
O Hakuto-R da Ispace (para reinicializar) é derivado do projeto Hakuto que foi um dos participantes do extinto Google Lunar X Prize. O projeto reiniciado visa lançar uma missão de módulo-rover carregando um módulo Hakuto-R e um rover Rashid (em colaboração com MBRSC) em 2021 com uma missão de rover japonês separada em 2023, ambos como cargas úteis secundárias em outras missões Falcon 9 não especificadas.[796][797]
Abril de 2023[747] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-7, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona. A On-Orbit Servicing, Assembly and Manufacturing Mission 2 (OSAM-2), anteriormente conhecida como Archinaut One, pode ser lançada nesta missão de transporte compartilhado no início de 2023.[820][821]
5 de junho de 2023[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-28 LEO (ISS) NASA (CRS)
Mais três missões CRS-2 para Dragon 2 cobrindo até CRS-29 foram anunciadas em dezembro de 2020.[817]
Q2 2023[747] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-8, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona.
Meados de 2023[822][823] F9 B5 KSC,
LC-39A
Módulo lunar Blue Ghost TLI Firefly Aerospace
NASA (CLPS)
A Firefly Aerospace escolheu o foguete Falcon 9 da SpaceX para lançar o módulo lunar Blue Ghost na superfície lunar. O Blue Ghost transportará 10 cargas úteis para a missão Commercial Lunar Payload Services 19D da NASA junto com outras cargas úteis contratadas separadamente.[824]
20 de outubro de 2023[723] F9 B5 KSC,
LC-39A
SpaceX CRS-29 LEO (ISS) NASA (CRS)
Mais três missões CRS-2 para Dragon 2 cobrindo até CRS-29 foram anunciadas em dezembro de 2020.[817]
30 de novembro de 2023[723] F9 B5 CCSFS,
SLC-40
PACE SSO NASA (LSP)
Plankton, Aerosol, Cloud, ocean Ecosystem é uma espaçonave de 1.7 tonelada e US$ 800 milhões que orbitará a 676 km de altitude. Incluirá o Ocean Color Imager, destinado a estudar o fitoplâncton no oceano, e dois polarímetros para estudar as propriedades das nuvens, dos aerossóis e do oceano. O preço de lançamento foi de US$ 80.4 milhões.[825]
Novembro de 2023[826] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Griffin Mission 1 TLI Astrobotic
NASA (Artemis)
A sonda lunar Griffin da Astrobotic levará o rover VIPER da NASA ao polo sul lunar.[827]
Novembro de 2023[828] TBD TBD Masten Mission One (MM1)
Módulo lunar XL-1
TLI Masten Space Systems
NASA (CLPS)
Em abril de 2020, a NASA anunciou Masten Space Systems como um dos vencedores do contrato CLPS para enviar um módulo de pouso ao polo sul lunar em 2022 com várias cargas úteis.[829] Em agosto de 2020, Masten anunciou que assinou um contrato de lançamento com a SpaceX.[830][831] Em junho de 2021, a missão foi adiada para novembro de 2023.[828]
Q4 2023[747] F9 B5 VSFB,
SLC-4E
Transporter-9, SmallSat Rideshare SSO Vários
Missão SmallSat Rideshare dedicada à órbita heliossíncrona.
Q4 2023[832] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
SATRIA GTO PT Pasifik Satelit Nusantara
A PSN escolheu o Falcon 9 em setembro de 2020 para lançar seu satélite em vez de um foguete chinês ou Ariane 5.
Q4 2023 F9 B5[786] CC,
LC-39A ou SLC-40[833]
USSF-36 TBD USSF
Lançar parte do contrato de Fase 2 da Força Aérea dos Estados Unidos concedido em 2021.[834]
Q4 2023 F9 B5[786] CC,
LC-39A ou SLC-40[833]
NROL-69 TBD USSF
Lançar parte do contrato de Fase 2 da Força Aérea dos Estados Unidos concedido em 2021.[834]
2023 F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
Satélite Intelsat GTO Intelsat
A Intelsat contratou a SpaceX e a Arianespace para lançar seu quinto satélite construído pela Maxar Technologies, e concedeu aquele que não o lançar com um contrato separado em uma data posterior.[778]
2023 F9 B5[786] KSC,
LC-39A
Ax-3 LEO (ISS) Axiom Space
Contrato para 3 missões adicionais foi assinado em junho de 2021.[787]
2023 F9 B5[786] KSC,
LC-39A
Ax-4 LEO (ISS) Axiom Space
Contrato para 3 missões adicionais foi assinado em junho de 2021.[787]

2024 e além[editar | editar código-fonte]

Data e hora
(UTC)
Versão do foguete auxiliar[b] Local de lançamento Carga útil[c] Órbita Cliente
2024-2027[779] TBD TBD Cerca de mais 12 lançamentos TBD USSF
Lançamento parte do contrato de Fase 2 da Força Aérea dos Estados Unidos, concedendo à SpaceX 40% dos cerca de 34 lançamentos previstos para ocorrer entre 2022 e 2027.[779]
Q1 2024 F9 B5 TBD IM-3 módulo lunar Nova-C TLI Intuitive Machines
Terceira missão para Intuitive Machines, com possíveis cargas úteis de compartilhadas.[835]
Junho de 2024 F9 B5 VSFB,
SLC-4E
SPHEREx SSO[836] NASA
Em fevereiro de 2021, a NASA anunciou um contrato de US$ 99 milhões para sua Divisão de Astrofísica.[837]
Outubro de 2024 Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Europa Clipper Heliocêntrica NASA
Europa Clipper conduzirá uma pesquisa detalhada de Europa e usará um conjunto sofisticado de instrumentos científicos para investigar se a lua gelada tem condições adequadas para a vida. Os principais objetivos da missão são produzir imagens de alta resolução da superfície de Europa, determinar sua composição, procurar sinais de atividade geológica recente ou em andamento, medir a espessura da camada de gelo da lua, pesquisar lagos subterrâneos e determinar a profundidade e salinidade deo oceano de Europa.[838] A missão passará por Marte e pela Terra antes de chegar a Júpiter em abril de 2030.[839][840]
Novembro de 2024[841] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Power and Propulsion Element (PPE)
Habitation and Logistics Outpost (HALO)
TLI NASA (Artemis)
Primeiros elementos para a estação Gateway no âmbito do programa Artemis, atribuído em fevereiro de 2021. O lançamento custará à NASA US$ 331.8 milhões.[842]
2024[744] F9 B5 CC,
LC-39A ou SLC-40
O3b mPOWER 10 e 11 MEO SES
Em agosto de 2020, a SES expandiu o contrato da O3m com um quarto lançamento.[807]
2024[843][844] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Dragon XL TLI NASA (Gateway Logistics Services)
Em março de 2020, a NASA anunciou seu primeiro contrato para o Gateway Logistics Services que garante pelo menos dois lançamentos em uma espaçonave Crew Dragon modificada que transportará mais de 5 toneladas de carga para a órbita lunar em missões de 6 a 12 meses de duração.[845]
1 de fevereiro de 2025[846] F9 B5 KSC,
LC-39A
Interstellar Mapping and Acceleration Probe (IMAP) Sol–Terra L1 NASA
Em setembro de 2020, a NASA selecionou a SpaceX para lançar a missão IMAP, que ajudará os pesquisadores a entender melhor os limites da heliosfera, uma barreira magnética em torno de nosso Sistema Solar. O custo total de lançamento é de aproximadamente US$ 109.4 milhões. As cargas úteis secundárias são a missão Lunar Trailblazer da NASA, duas missões heliofísicas de oportunidade da NASA e a missão Space Weather Follow On-Lagrange 1 (SWFO-L1) da National Oceanic and Atmospheric Administration.[847]
2026[848] Falcon Heavy KSC,
LC-39A
Dragon XL TLI NASA (Gateway Logistics Services)
Segundo módulo de logística Dragon XL.[848]

Lançamentos notáveis[editar | editar código-fonte]

Primeiro lançamento do Falcon 9[editar | editar código-fonte]

Em 4 de junho de 2010, o primeiro lançamento do Falcon 9 colocou com sucesso uma carga útil de teste na órbita pretendida.[11] Começando no momento da decolagem, o foguete experimentou um rolamento.[849] O rolamento parou antes que a espaçonave atingisse o topo da torre, mas o segundo estágio começou a rolar perto do final de sua queima,[11] caindo fora de controle durante o processo de passivação e criando um halo gasoso de propelente ventilado que podia ser visto de todo o leste da Austrália, levantando questões sobre OVNIs.[850][851]

Missões SpaceX COTS Demo[editar | editar código-fonte]

Dragon COTS-1 após retornar da órbita

O segundo lançamento do Falcon 9 foi o COTS Demo Flight 1, que colocou uma cápsula Dragon operacional em uma órbita de aproximadamente 300 km em 8 de dezembro de 2010,[852] A cápsula reentrou na atmosfera após duas órbitas, permitindo o teste para o integridade do recipiente de pressão, controle de atitude usando os motores Draco, telemetria, orientação, navegação, sistemas de controle e o escudo térmico PICA-X, e destina-se a testar os paraquedas em velocidade. A cápsula foi recuperada na costa do México[853] e então colocada em exibição na sede da SpaceX.[854]

Os objetivos restantes do programa de qualificação COTS NASA foram combinados em uma única missão Dragon C2+,[855] com a condição de que todos os marcos fossem validados no espaço antes de atracar a Dragon na Estação Espacial Internacional (ISS). A cápsula Dragon foi lançada em órbita em 22 de maio e, nos dias seguintes, testou seu sistema de posicionamento, painéis solares, fixação de garra, sensores de navegação de proximidade e suas capacidades de encontro a distâncias seguras. Após uma posição de espera final a 9 m de distância do porto de ancoragem módulo Harmony em 25 de maio, ela foi agarrada com o braço robótico da ISS (Canadarm2) e, finalmente, a escotilha foi aberta em 26 de maio. Foi lançado em 31 de maio e completou com sucesso todos os procedimentos de retorno,[856] e a cápsula Dragon C2+ recuperada está agora em exibição no Centro Espacial John F. Kennedy.[857] O Falcon 9 e a Dragon se tornaram assim o primeiro lançador totalmente desenvolvido comercialmente a entregar uma carga útil à ISS, abrindo caminho para que a SpaceX e a NASA assinassem o primeiro acordo de Commercial Resupply Services para 12 entregas de carga.[858]

CRS-1[editar | editar código-fonte]

Dragon CRS-1 atracado na Estação Espacial Internacional (ISS) em 14 de outubro de 2012
Ver artigo principal: SpaceX CRS-1

A primeira missão operacional de reabastecimento de carga para a Estação Espacial Internacional (ISS), o quarto lançamento do Falcon 9, foi lançado em 7 de outubro de 2012. Aos 76 segundos após a decolagem, o motor 1 do primeiro estágio sofreu uma perda de pressão que causou um desligamento automático daquele motor, mas os oito motores restantes do primeiro estágio continuaram a queimar e a cápsula Dragon alcançou a órbita com sucesso e, assim, demonstrou o funcionamento do foguete "motor desligado" em voo.[859][860] Devido às regras de segurança dos veículos visitantes da ISS, a pedido da NASA, a carga útil secundária Orbcomm-2 foi lançada em uma órbita menor do que o pretendido.[27] A missão continuou para encontrar e ancorar a cápsula Dragon com a ISS, onde a tripulação da ISS descarregou sua carga útil e recarregou a espaçonave com carga para retornar à Terra.[861] Apesar do incidente, Orbcomm disse que reuniu dados de teste úteis da missão e planejou enviar mais satélites via SpaceX,[26] que aconteceu em julho de 2014 e dezembro de 2015.

Lançamento inaugural do Falcon 9 v1.1[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CASSIOPE

Após tentativas malsucedidas de recuperar o primeiro estágio com paraquedas, a SpaceX atualizou um foguete auxiliar de primeiro estágio muito maior e com maior empuxo, denominado Falcon 9 v1.1 (também denominado Block 2).[862] A SpaceX realizou seu primeiro lançamento de demonstração desta versão em 29 de setembro de 2013,[863] com a CASSIOPE como carga primária. Tinha uma massa de carga muito pequena em relação à capacidade do foguete e foi lançado com desconto, cerca de 20% do preço normal publicado.[864][865][31] Após a separação do segundo estágio, a SpaceX conduziu um novo teste de voo em alta altitude e alta velocidade, em que o foguete auxiliar tentou reentrar na atmosfera inferior de uma maneira controlada e desacelerar para um pouso simulado sobre a água.[31]

Perda da missão CRS-7[editar | editar código-fonte]

SpaceX CRS-7 se desintegrando dois minutos após a decolagem, visto de uma câmera de rastreamento da NASA
Ver artigo principal: SpaceX CRS-7

Em 28 de junho de 2015, o lançamento 19 do Falcon 9 transportou uma cápsula Dragon na sétima missão de Commercial Resupply Services para a Estação Espacial Internacional (ISS). O segundo estágio se desintegrou devido a uma falha interna do tanque de hélio enquanto o primeiro estágio ainda estava queimando normalmente. Esta foi a primeira (até maio 2021) perda da missão primária de qualquer foguete Falcon 9.[94] Além dos consumíveis e experimentos da ISS, esta missão levou o primeiro International Docking Adapter (IDA-1), cuja perda atrasou a preparação do US Orbital Segment (USOS) da ISS para futuras missões tripuladas.[866]

O desempenho foi nominal até T+140 segundos no lançamento, quando uma nuvem de vapor branco apareceu, seguida pela rápida perda de pressão do tanque de LOX do segundo estágio. O foguete auxiliar continuou em sua trajetória até a separação completa do veículo em T+150 segundos. A cápsula Dragon foi ejetada do foguete em desintegração e continuou transmitindo dados até o impacto com o oceano. Funcionários da SpaceX afirmaram que a cápsula poderia ter sido recuperada se os paraquedas tivessem sido acionados; entretanto, o software da Dragon não incluiu nenhuma provisão para a implantação de paraquedas nesta situação.[96] Investigações subsequentes identificaram a causa do acidente até a falha de um suporte que prendia um recipiente de hélio dentro do tanque de LOX do segundo estágio. Com a integridade do sistema de pressurização de hélio rompida, o excesso de hélio inundou rapidamente o tanque, fazendo com que ele explodisse por pressão excessiva.[867][868] Uma investigação independente do acidente da NASA sobre a perda da SpaceX CRS-7 descobriu que a falha do suporte que levou ao colapso do Falcon 9 representou um erro de projeto. Especificamente, esse aço inoxidável de grau industrial foi usado em um caminho de carga crítico sob condições criogênicas e condições de voo, sem triagem de peça adicional e sem levar em consideração as recomendações do fabricante.[869]

Primeiros pousos dos foguetes auxiliares da versão Full Thrust[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Voo 20 do Falcon 9 e SpaceX CRS-8

Depois de pausar os lançamentos por meses, a SpaceX lançou em 22 de dezembro de 2015, a tão esperada missão de retorno de foguete auxiliar após a perda do CRS-7. Este lançamento inaugurou uma nova versão Falcon 9 Full Thrust (também inicialmente denominada Block 3)[862] de seu foguete carro-chefe com desempenho aprimorado, principalmente graças ao subresfriamento dos propelentes. Depois de lançar uma constelação de 11 satélites de segunda geração Orbcomm-OG2,[870] o primeiro estágio realizou um teste de descida controlada e pouso pela oitava vez, a SpaceX tentou pousar o foguete auxiliar em terra pela primeira vez. Ele conseguiu retornar a primeiro estágio com sucesso à Zona de Pouso 1 no Cabo Canaveral, marcando a primeira recuperação bem-sucedida de um foguete que lançou uma carga útil em órbita.[871] Após a recuperação, o foguete auxiliar do primeiro estágio realizou mais testes em solo e, em seguida, foi colocado em exibição permanente fora da sede da SpaceX em Hawthorne, Califórnia.[99]

Em 8 de abril de 2016, a SpaceX entregou sua missão comercial de reabastecimento para a Estação Espacial Internacional (ISS) marcando o retorno ao voo da cápsula Dragon, após a perda do CRS-7. Após a separação, o foguete auxiliar do primeiro estágio desacelerou com uma manobra de impulso, reentrou na atmosfera, executou uma descida controlada automatizada e pousou verticalmente na balsa-drone Of Course I Still Love You, marcando o primeiro pouso bem-sucedido de um foguete em um embarcação no mar.[872] Esta foi a quarta tentativa de pousar em um balsa-drone, como parte dos testes experimentais de descida controlada e pouso.[873]

Perda do AMOS 6 na plataforma de lançamento[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: AMOS 6

Em 1 de setembro de 2016, o foguete Falcon 9 explodiu na plataforma de lançamento enquanto o propelente estava sendo carregado para um teste de fogo estático de pré-lançamento de rotina. A carga útil, o satélite israelense AMOS 6, parcialmente encomendado pelo Facebook, foi destruído junto com o foguete.[874] Em 2 de janeiro de 2017, a SpaceX divulgou uma declaração oficial indicando que a causa da falha foi um revestimento deformado em vários dos tanques COPV, causando perfurações que permitiram que o oxigênio líquido e/ou sólido se acumulasse sob os fios de carbono dos COPV, que foram posteriormente inflamados possivelmente devido ao atrito dos fios quebrados.[150]

Reutilização inaugural de primeiro estágio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: SES-10

Em 30 de março de 2017, a SpaceX lançou o satélite SES-10 com o foguete auxiliar de primeiro estágio B1021, que havia sido usado anteriormente para a missão CRS-8 um ano antes. O estágio foi recuperado com sucesso pela segunda vez e foi retirado e colocado em exibição na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral.[875]

Lançamento controverso do Zuma[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Zuma (satélite)

Zuma era um satélite classificado do governo dos Estados Unidos e foi desenvolvido e construído pela Northrop Grumman a um custo estimado de US$ 3.5 bilhões.[876] Seu lançamento, originalmente planejado para meados de novembro de 2017, foi adiado para 8 de janeiro de 2018, pois os testes de coifa para outro cliente da SpaceX foram avaliados. Após um lançamento bem-sucedido do Falcon 9, o foguete auxiliar de primeiro estágio pousou em LZ-1.[245] Relatórios não confirmados sugeriram que o satélite Zuma foi perdido,[246] com alegações de que a carga útil falhou após a liberação orbital ou que o adaptador fornecido pelo cliente falhou em liberar o satélite do estágio superior, enquanto outras alegações argumentaram que o Zuma está em órbita e operando secretamente.[246] A COO da SpaceX, Gwynne Shotwell, afirmou que seu Falcon 9 "fez tudo corretamente" e que "as informações publicadas que são contrárias a esta declaração são categoricamente falsas".[246] Um relatório preliminar indicou que o adaptador de carga útil, modificado pela Northrop Grumman após comprá-lo de um subcontratado, falhou em separar o satélite do segundo estágio sob as condições de gravidade zero.[877][876] Devido à natureza sigilosa da missão, nenhuma outra informação oficial é esperada.[246]

Teste de lançamento do Falcon Heavy[editar | editar código-fonte]

Decolagem do Falcon Heavy em seu lançamento inaugural (esquerda) e seus dois foguetes auxiliares laterais pousando em LZ-1 e LZ-2 alguns minutos depois (direita)

O lançamento inaugural do Falcon Heavy ocorreu em 6 de fevereiro de 2018, marcando o lançamento do foguete mais poderoso desde o Ônibus Espacial, com uma capacidade de carga útil teórica para a órbita terrestre baixa mais do que o dobro do Delta IV Heavy.[878][879] Os dois foguetes auxiliares laterais pousaram quase simultaneamente após um voo de dez minutos. O foguete auxiliar central não conseguiu pousar na plataforma flutuante no mar.[264] O foguete levou um carro e um manequim para uma órbita heliocêntrica excêntrica que vai além do afélio de Marte.[880]

Lançamento inaugural Crew Dragon e o primeiro lançamento tripulado[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Crew Dragon Demo-1 e Crew Dragon Demo-2

Em 2 de março de 2019, a SpaceX lançou sua primeira cápsula Dragon 2 (Crew Dragon). Foi uma missão não planejada para a Estação Espacial Internacional (ISS). O Dragon continha um manequim chamado Ripley, que foi equipado com vários sensores para coletar dados sobre como um humano se sentiria durante o voo. Junto com o manequim estava 136 kg de carga de alimentos e outros suprimentos.[881] Também a bordo estava o brinquedo de pelúcia referido como um 'indicador de gravidade zero de alta tecnologia'.[882] O brinquedo se tornou um sucesso com a astronauta Anne McClain, que mostrava o brinquedo de pelúcia na ISS todos os dias[883] e também decidiu mantê-lo a bordo para experimentar o SpX-DM2 tripulado.

A Dragon passou seis dias no espaço, incluindo cinco ancorados na ISS. Durante o tempo, vários sistemas foram testados para garantir que o veículo estivesse pronto para os astronautas americanos Douglas Hurley e Robert Behnken voarem nele em 2020. A Dragon desatracou e executou uma queima de reentrada antes de pousar em 8 de março de 2019 às 08:45 EST, 320 km da costa da Flórida.[884]

A SpaceX realizou um lançamento bem-sucedido do primeiro lançamento espacial tripulado orbital comercial em 30 de maio de 2020, tripulado com os astronautas da NASA Douglas Hurley e Robert Behnken. Ambos os astronautas se concentraram em realizar testes na cápsula da Crew Dragon. Crew Dragon retornou com sucesso à Terra, pousando no Golfo do México em 2 de agosto de 2020.[885]

Registros de re-lançamentos de foguetes auxiliares[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Falcon 9 B1046 e Falcon 9 B1048

A maioria dos recordes foi estabelecida durante o lançamento de satélites Starlink.

Em 3 de dezembro de 2018, o lançamento espacial SSO-A foi lançado em B1046. Foi a primeira missão comercial a usar um foguete auxiliar já lançado pela terceira vez.

O B1048 foi o primeiro foguete auxiliar, a fazer um quarto lançamento em novembro de 2019 e o quinto vlançamento em março de 2020, mas o foguete auxiliar foi perdido durante a reentrada.

O B1049 foi o primeiro foguete auxiliar a ser recuperado cinco vezes em 4 de junho de 2020, seis vezes em 18 de agosto de 2020 e sete vezes em 25 de novembro de 2020.

O B1051 foi o primeiro foguete auxiliar a ser recuperado oito vezes em 20 de janeiro de 2021 e recuperado pela nona vez em 14 de março de 2021.[886][887]

Em 9 de maio de 2021, o B1051 foi lançado e pousou pela décima vez, atingindo uma das metas importantes da SpaceX para reutilização.[888]

O foguete auxiliar B1060 detém o recorde de recuperação mais rápida em 27 dias. Foi lançado em 7 de janeiro e novamente em 4 de fevereiro de 2021.[889][890]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Os satélites Telstar 18V e Telstar 19V eram mais pesados, mas foram lançados em uma órbita de transferência de energia inferior atingindo um apogeu bem abaixo da altitude geoestacionária.
  2. a b c d e f g h i j k l m Os foguetes auxiliares de primeiro estágio Falcon 9 são designados com um número de série de construção e um número de voo opcional quando reutilizados, por exemplo, B1021.1 e B1021.2 representam os dois voos adicionais B1021. Lançamentos usando foguetes auxiliares reutilizados são indicados com um símbolo de reciclado ♺.
  3. a b c d e f g h i j k l m Dragon 1 ou 2 são designados com um número de série ou nome de construção e um número de voo opcional quando reutilizado, por exemplo, Dragon C106.1 e Dragon C106.2 representam os dois adicionais Dragon C106. As espaçonaves Dragon que são reutilizadas são indicadas com um símbolo de reciclado ♺.
  4. a b c d e f g Uma "aterrissagem no oceano" controlada denota uma entrada atmosférica controlada, uma descida e um pouso vertical na superfície do oceano a uma velocidade próxima de zero, com o único propósito de coletar dados de teste; tais foguetes auxiliares foram destruídos no mar.
  5. Por ser um teste pré-lançamento, a SpaceX não conta esta tentativa programada em seus totais de lançamento. Algumas fontes consideram este lançamento planejado para os esquemas de contagem e, como resultado, algumas fontes podem listar os totais de lançamento após 2016 com um lançamento adicional.
  6. Agência governamental dos Estados Unidos não especificada
  7. A carga útil compreende à 5 satélites Iridium pesando 860 kg cada,[328] 2 satélites GRACE-FO pesando 580 kg cada,[329] mais um distribuidor de 1000 kg.[160]
  8. A massa total da carga útil inclui a cápsula Crew Dragon, combustível, manequim adequado, instrumentação e 204 kg de carga.
  9. Apesar de ter feito um pouso bem-sucedido, o foguete tombou no mar. Isso ainda é considerado um pouso bem-sucedido, pois o dano a plataforma ocorreu durante o transporte.[427]
  10. Evento destinado a auxiliar o St. Jude Children’s Research Hospital

Referências

  1. «Falcon 9 Overview». SpaceX. 8 de maio de 2010. Arquivado do original em 5 de agosto de 2014 
  2. Simberg, Rand (8 de fevereiro de 2012). «Elon Musk on SpaceX's Reusable Rocket Plans». Popular Mechanics. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  3. Wall, Mike (21 de dezembro de 2015). «Wow! SpaceX Lands Orbital Rocket Successfully in Historic First». Space.com. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  4. Grush, Laren (21 de dezembro de 2015). «SpaceX successfully landed its Falcon 9 rocket after launching it to space». The Verge. Consultado em 16 de agosto de 2017 
  5. a b c d e f g h i j k l m n «SpaceX and Cape Canaveral Return to Action with First Operational Starlink Mission». NASASpaceFlight.com. 11 de novembro de 2019. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  6. Baylor, Michael (17 de maio de 2018). «With Block 5, SpaceX to increase launch cadence and lower prices». NASASpaceFlight.com. Consultado em 5 de julho de 2018 
  7. a b c d e f Clark, Stephen (18 de maio de 2012). «Q&A with SpaceX founder and chief designer Elon Musk». Spaceflight Now. Consultado em 29 de junho de 2012. The next version of Falcon 9 will be used for everything. The last flight of version 1.0 will be Flight 5. All future missions after Flight 5 will be v1.1. 
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r «Space Launch Report: SpaceX Falcon 9 v1.2 Data Sheet». Space Launch Report. 14 de agosto de 2017. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  9. a b c Spencer, Henry (30 de setembro de 2011). «Falcon rockets to land on their toes». New Scientist. Consultado em 13 de julho de 2016. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2017 
  10. Clark, Stephen (3 de junho de 2010). «Falcon 9 demo launch will test more than a new rocket». SpaceFlight Now. Consultado em 13 de julho de 2016 
  11. a b c Clark, Stephen (4 de junho de 2010). «Falcon 9 booster rockets into orbit on dramatic first launch». Spaceflight Now. Consultado em 4 de junho de 2010 
  12. a b Graham, William (30 de março de 2017). «SpaceX conducts historic Falcon 9 re-flight with SES-10 - Lands booster again». NASASpaceFlight.com 
  13. Clark, Stephen (9 de dezembro de 2010). «Mission Status Center». Spaceflight Now. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  14. Matt (7 de maio de 2010). «Preparations for first Falcon 9 launch». Space Fellowship. Consultado em 13 de julho de 2016 
  15. Clark, Stephen (7 de dezembro de 2010). «SpaceX on the verge of unleashing Dragon in the sky». Spaceflight Now. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  16. Brinton, Turner (8 de abril de 2010). «NRO Taps Boeing for Next Batch of Cubesats». SpaceNews. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  17. Berger, Eric (3 de junho de 2020). «Forget Dragon, the Falcon 9 rocket is the secret sauce of SpaceX's success». ArsTechnica. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  18. a b Amos, Jonathan (22 de maio de 2012). «Nasa chief hails new era in space». BBC News. Consultado em 25 de maio de 2012 
  19. Carreau, Mark (20 de julho de 2011). «SpaceX Station Cargo Mission Eyes November Launch». Aviation Week & Space Technology. Consultado em 6 de março de 2016 
  20. Hartman, Dan (23 de julho de 2012). «International Space Station Program Status» (PDF). NASA. Consultado em 25 de setembro de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  21. Clark, Stephen (22 de maio de 2012). «Dragon circling Earth after flawless predawn blastoff». Spaceflight Now. Consultado em 22 de maio de 2012. Cópia arquivada em 25 de maio de 2012 
  22. a b c d e f g h i j k l «Launch Log». Spaceflight Now. 1 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 22 de abril de 2016 
  23. a b c d e f g h i j k «SpaceX Launch Manifest». SpaceX. Consultado em 25 de setembro de 2012. Arquivado do original em 4 de outubro de 2012 

  24. (secondary payload) de Selding, Peter B. (25 de maio de 2012). «Orbcomm Eagerly Awaits Launch of New Satellite on Next Falcon 9». SpaceNews. Consultado em 28 de maio de 2012 
  25. a b c Krebs, Gunter. «Orbcomm FM101, ..., FM119 (OG2)». Gunter's Space Page. Consultado em 16 de abril de 2017 
  26. a b Editorial (30 de outubro de 2012). «First Outing for SpaceX». The New York Times. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  27. a b Clark, Stephen (11 de outubro de 2012). «Orbcomm craft falls to Earth, company claims total loss». Spaceflight Now. Consultado em 11 de outubro de 2012 
  28. de Selding, Peter B. (11 de outubro de 2012). «Orbcomm Craft Launched by Falcon 9 Falls out of Orbit». SpaceNews. Consultado em 12 de outubro de 2012. Orbcomm requested that SpaceX carry one of their small satellites (weighing a few hundred pounds, versus Dragon at over 12,000 pounds)... The higher the orbit, the more test data [Orbcomm] can gather, so they requested that we attempt to restart and raise altitude. NASA agreed to allow that, but only on condition that there be substantial propellant reserves, since the orbit would be close to the space station. It is important to appreciate that Orbcomm understood from the beginning that the orbit-raising maneuver was tentative. They accepted that there was a high risk of their satellite remaining at the Dragon insertion orbit. SpaceX would not have agreed to fly their satellite otherwise, since this was not part of the core mission and there was a known, material risk of no altitude raise. 
  29. Clark, Stephen (14 de novembro de 2012). «Dragon Mission Report». Spaceflight Now. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  30. a b «Falcon 9 Overview». SpaceX. 27 de maio de 2012. Consultado em 28 de maio de 2012. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2012 
  31. a b c d e Messier, Doug (29 de setembro de 2013). «Falcon 9 Launches Payloads into Orbit From Vandenberg». Parabolic Arc. Consultado em 30 de setembro de 2013 
  32. Clark, Stephen (18 de maio de 2012). «Dragon Mission Report | Q&A with SpaceX founder and chief designer Elon Musk». Spaceflight Now. Consultado em 25 de maio de 2012 
  33. «SES-8 Mission Press Kit» (PDF). spaceflightnow.com. SpaceX. Novembro de 2013. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  34. Braun, Robert D.; Sforzo, Brandon; Campbell, Charles (2017). «Advancing Supersonic Retropropulsion Using Mars-Relevant Flight Data: An Overview». AIAA SPACE and Astronautics Forum and Exposition. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-62410-483-1. doi:10.2514/6.2017-5292. hdl:2060/20170008535 
  35. «SpaceX Successfully Completes First Mission to Geostationary Transfer Orbit». SpaceX. 3 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2019 
  36. a b Brost, Kirstin; Feltes, Yves (14 de março de 2011). «SpaceX and SES Announce Satellite Launch Agreement» (Nota de imprensa). SpaceX. Consultado em 6 de março de 2016. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2019 
  37. Morring, Frank, Jr. (21 de março de 2011). «Satellite Operators Boost Launcher Competition». Aviation Week & Space Technology. Consultado em 6 de março de 2016 
  38. «SpaceflightNow Mission Status Center». Spaceflight Now. 3 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 28 de março de 2014 
  39. «SpaceX Falcon 9 v1.1 - SES-8 Launch Updates». Spaceflight 101. 3 de dezembro de 2013. Consultado em 13 de julho de 2016. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  40. Graham, William (3 de dezembro de 2013). «Falcon 9 v1.1 successfully lofts SES-8 in milestone launch». NASASpaceFlight.com 
  41. «Orbital Launches of 2014». Gunter space page. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  42. Graham, William (5 de janeiro de 2014). «SpaceX Falcon 9 v1.1 launches Thaicom-6 at first attempt». NASASpaceFlight.com. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  43. de Selding, Peter B. (6 de janeiro de 2014). «SpaceX Delivers Thaicom-6 Satellite to Orbit». SpaceNews. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  44. «SpaceX plans to recover stages when customers allow». SpaceFlight Now. 30 de abril de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  45. Capaccio, Tony (20 de julho de 2014). «Air Force Examines Anomalies as Musk's SpaceX Seeks Work». Bloomberg. Consultado em 10 de novembro de 2017. A second anomaly was a stage-one fire on the "Octaweb" engine structure during a flight in December. 
  46. «Orbital CRS-3 Mission Overview» (PDF). NASA. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  47. a b «Falcon 9 First Stage Return: ORBCOMM Mission». SpaceX. 22 de julho de 2014 – via YouTube 
  48. Belfiore, Michael (22 de abril de 2014). «SpaceX Brings a Booster Safely Back to Earth». MIT Technology Review. MIT. Consultado em 10 de novembro de 2017 
  49. Norris, Guy (28 de abril de 2014). «SpaceX Plans For Multiple Reusable Booster Tests». Aviation Week & Space Technology. Consultado em 28 de abril de 2014. The April 17 F9R Dev 1 flight, which lasted under 1 min, was the first vertical landing test of a production-representative recoverable Falcon 9 v1.1 first stage, while the April 18 cargo flight to the ISS was the first opportunity for SpaceX to evaluate the design of foldable landing legs and upgraded thrusters that control the stage during its initial descent. 
  50. a b Mahoney, Erin (3 de julho de 2016). «Past ElaNa CubeSat Launches». NASA. Consultado em 18 de fevereiro de 2019   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  51. «ELaNa V CubeSat Launch on SpaceX-3 Mission» (PDF). NASA. Março de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2019   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  52. «Falcon 9 Launches Orbcomm OG2 Satellites to Orbit». SpaceX. 14 de julho de 2014. Consultado em 6 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 25 de maio de 2019 
  53. a b Krebs, Gunter. «Orbcomm-OG2 Mass Simulator 1, 2». Gunter's Space Page. Consultado em 16 de abril de 2017 
  54. «SpaceX Soft Lands Falcon 9 Rocket First Stage». SpaceX. 22 de julho de 2014. Consultado em 22 de julho de 2014. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2020 
  55. a b Clark, Stephen (8 de fevereiro de 2012). «SpaceX to launch AsiaSat craft from Cape Canaveral». Spaceflight Now. Consultado em 9 de fevereiro de 2012 
  56. Shanklin, Emily; Cubbon, Sabrina; Pang, Winnie (4 de agosto de 2014). «SpaceX AsiaSat 8 Press Kit» (PDF). Spaceflight Now. Consultado em 6 de março de 2016 
  57. «AsiaSat 8 Successfully Lifts Off» (PDF) (Nota de imprensa). AsiaSat. Consultado em 6 de agosto de 2014. Arquivado do original (PDF) em 19 de janeiro de 2015 
  58. a b Evans, Ben (3 de agosto de 2014). «SpaceX Prepares to Score Two "Personal Bests" With AsiaSat-8 Launch». AmericaSpace. Consultado em 13 de julho de 2016 
  59. «Space Systems/Loral (SSL), AsiaSat + SpaceX—AsiaSat 6 Arrives @ Canaveral AFS (Launch Preparations)». SatNews. 30 de julho de 2014. Consultado em 31 de julho de 2014 
  60. Wall, Mike (7 de setembro de 2014). «Dazzling SpaceX Nighttime Launch Sends AsiaSat 6 Satellite Into Orbit». Space.com. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  61. «SpaceX Falcon Launches AsiaSat 6 Satellite After Weeks of Delay». NBC News. 7 de setembro de 2014 
  62. Evans, Ben (7 de setembro de 2014). «SpaceX Successfully Delivers AsiaSat-6 to Orbit in Spectacular Sunday Morning Launch». AmericaSpace 
  63. «SpaceX CRS-4 Mission Overview» (PDF). NASA. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  64. Schierholz, Stephanie; Huot, Dan (21 de setembro de 2014). «NASA Cargo Launches to Space Station aboard SpaceX Resupply Mission» (Nota de imprensa). NASA. Consultado em 21 de setembro de 2014   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  65. a b c How Not to Land an Orbital Rocket Booster. SpaceX. 14 de setembro de 2017. Consultado em 14 de setembro de 2017 – via YouTube 
  66. a b Morring, Frank, Jr. (20 de outubro de 2014). «NASA, SpaceX Share Data On Supersonic Retropropulsion : Data-sharing deal will help SpaceX land Falcon 9 on Earth and NASA put humans on Mars». Aviation Week & Space Technology. Consultado em 28 de março de 2015. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2014. [The] partnership between NASA and SpaceX is giving the American space agency an early look at what it would take to land multi-ton habitats and supply caches on Mars for human explorers, while providing sophisticated infrared (IR) imagery to help the spacecraft company develop a reusable launch vehicle. After multiple attempts, airborne NASA and United States Navy IR tracking cameras ... captured a SpaceX Falcon 9 in flight as its first stage [fell] back toward Earth shortly after second-stage ignition and then reignited to lower the stage toward a propulsive "zero-velocity, zero-altitude" touchdown on the sea surface.  Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda)
  67. «Orbital Launches of 2015». Gunters space page. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  68. Heiney, Anna (7 de janeiro de 2015). «Next SpaceX Launch Attempt Saturday, January 10». NASA. Consultado em 8 de janeiro de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  69. a b c d e f g h i j k «Launch Manifest». SpaceX. Consultado em 31 de julho de 2013. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2013 
  70. «SpaceX CRS-5 factsheet» (PDF). NASA. Dezembro de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  71. Siceloff, Steven (10 de janeiro de 2015). «Dragon Begins Cargo-laden Chase of Station». NASA. Consultado em 10 de janeiro de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  72. Clark, Stephen (10 de janeiro de 2015). «Dragon successfully launched, rocket recovery demo crash lands». Spaceflight Now. Consultado em 10 de janeiro de 2015 
  73. «DSCOVR:Deep Space Climate Observatory». NOAA. 19 de janeiro de 2015. Consultado em 20 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  74. Clark, Stephen (6 de dezembro de 2012). «SpaceX books first two launches with U.S. military». Spaceflight Now. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  75. a b «SpaceX Awarded Two EELV-Class Missions from the United States Air Force» (Nota de imprensa). SpaceX. 5 de dezembro de 2012. Consultado em 3 de março de 2015. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2019 
  76. @elonmusk (February 11, 2015). «Rocket soft landed in the ocean within 10 m of target and nicely vertical! High probability of good droneship landing in non-stormy weather» (Tweet). Consultado em February 14, 2015 – via Twitter  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  77. «Patrick Air Force Base — Home — Next Launch». Patrick Air Force Base. 14 de fevereiro de 2015. Consultado em 14 de fevereiro de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  78. Bergin, Chris (25 de fevereiro de 2015). «Legless Falcon 9 conducts Static Fire test ahead of Sunday launch». NASASpaceFlight.com. Consultado em 13 de julho de 2016 
  79. Svitak, Amy (10 de março de 2014). «SpaceX Says Falcon 9 To Compete For EELV This Year». Aviation Week & Space Technology. Consultado em 6 de fevereiro de 2015. But the Falcon 9 is not just changing the way launch-vehicle providers do business; its reach has gone further, prompting satellite makers and commercial fleet operators to retool business plans in response to the low-cost rocket. In March 2012, Boeing announced the start of a new line of all-electric telecommunications spacecraft, the Boeing 702SP, which are designed to launch in pairs on a Falcon 9 v1.1. Anchor customers Asia Broadcast Satellite (ABS) of Hong Kong and Mexico's Satmex's plan to loft the first two of four such spacecraft on a Falcon 9. [...] Using electric rather than chemical propulsion will mean the satellites take months, rather than weeks, to reach their final orbital destination. But because all-electric spacecraft are about 40% lighter than their conventional counterparts, the cost to launch them is considerably less than that for a chemically propelled satellite. 
  80. Climer, Joanna (November 12, 2014). «Boeing Stacks Two Satellites to Launch as a Pair» (Nota de imprensa). Boeing. Consultado em February 6, 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  81. Clark, Stephen (2 de março de 2015). «Plasma-driven satellites launched from Cape Canaveral». Spaceflight Now. Consultado em 2 de março de 2015 
  82. a b Climer, Joanna (10 de setembro de 2015). «Boeing: World's First All-Electric Propulsion Satellite Begins Operations» (Nota de imprensa). Boeing. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  83. «SpaceX CRS-6 Mission Overview» (PDF). NASA. Abril de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  84. «CRS-6 First Stage Tracking Cam». SpaceX. 14 de abril de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2017 – via YouTube 
  85. @elonmusk (April 14, 2015). «Looks like Falcon landed fine, but excess lateral velocity caused it to tip over post landing» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  86. CRS-6 First Stage Landing. SpaceX. 15 de abril de 2015. Consultado em 6 de março de 2016 
  87. «Patrick Air Force Base». Patrick Air Force Base. Consultado em 15 de abril de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  88. Evans, Ben (25 de abril de 2015). «Second SpaceX Mission in Two Weeks Gears Up for Monday Launch». AmericaSpace. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  89. Clark, Stephen (27 de abril de 2015). «Turkmenistan's first satellite braced for liftoff». Spaceflight Now. Consultado em 27 de abril de 2015 
  90. Wall, Mike (27 de abril de 2015). «SpaceX Falcon 9 Rocket Launches Turkmenistan's First-Ever Satellite». Space.com. Consultado em 13 de julho de 2016 
  91. «SpaceX Clarifies Reason For TurkmenAlem52E Launch Delay». ZeroG News. 23 de março de 2015. Consultado em 25 de março de 2015 
  92. «NASA Opens Media Accreditation for Next SpaceX Station Resupply Launch» (Nota de imprensa). NASA. 20 de maio de 2015. Consultado em 20 de maio de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  93. «SpaceX CRS-7 Mission Overview» (PDF). NASA. Junho de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  94. a b Chang, Kenneth (28 de junho de 2015). «SpaceX Rocket Explodes After Launch to Space Station». The New York Times. Consultado em 29 de junho de 2015 
  95. Bergin, Chris; Chris Gebhardt (24 de junho de 2015). «World launch markets look toward rocket reusability». NASASpaceFlight.com. Consultado em 13 de julho de 2016 
  96. a b Bergin, Chris (27 de julho de 2015). «Saving Spaceship Dragon – Software to provide contingency chute deploy». NASASpaceflight.com. Consultado em 6 de abril de 2018 
  97. Smedley, Jesse (18 de junho de 2015). «SpaceX Augments and Upgrades Drone Ship Armada». NASASpaceFlight.com. Consultado em 18 de junho de 2015 
  98. a b «ORBCOMM OG2 Next-Generation Satellite Constellation - OG2 Mission 2». Orbcomm. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  99. a b c Clark, Stephen (20 de agosto de 2016). «SpaceX puts historic flown rocket on permanent display». Spaceflight Now. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  100. a b Chang, Kenneth (21 de dezembro de 2015). «Spacex Successfully Lands Rocket after Launch of Satellites into Orbit». The New York Times. Consultado em 22 de dezembro de 2015 
  101. a b de Selding, Peter B. (16 de outubro de 2015). «SpaceX Changes its Falcon 9 Return-to-flight Plans». SpaceNews. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  102. de Selding, Peter B. (8 de maio de 2015). «Orbcomm to SpaceX: Launch our Satellites Before October». SpaceNews. Consultado em 8 de maio de 2015 
  103. Dillow, Clay (2 de dezembro de 2015). «SpaceX Will Try Its Next Rocket Landing on Solid Ground». Fortune. Consultado em 4 de dezembro de 2015 
  104. «Orbital Launches of 2016». Gunters space page. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  105. «Jason-3 satellite». National Environmental Satellite Data and Information Service. NOAA. Consultado em 11 de dezembro de 2015   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  106. Boyle, Alan (17 de janeiro de 2016). «SpaceX rocket launches satellite, but tips over during sea landing attempt». GeekWire. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  107. «Falcon lands then tips over». Elon Musk on Instagram. 17 de janeiro de 2016. Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2016 
  108. «Latest: SpaceX: ice buildup may have led rocket to tip over». The Seattle Times. 18 de janeiro de 2016. Consultado em 3 de novembro de 2017 
  109. a b c d e f Krebs, Gunter. «Falcon-9 v1.2 (Falcon-9FT)». space.skyrocket.de 
  110. a b de Selding, Peter B. (10 de abril de 2014). «SES Books SpaceX Falcon 9 for Hybrid Satellite's Debut». SpaceNews. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  111. a b Bergin, Chris (8 de fevereiro de 2016). «SpaceX prepares for SES-9 mission and Dragon's return». NASASpaceFlight.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2016 
  112. Orwig, Jessica (23 de fevereiro de 2016). «SpaceX will attempt a potentially historic rocket landing this week — here's how to watch live». Business Insider. Consultado em 23 de fevereiro de 2016 
  113. «SES-9 Mission Press Kit» (PDF). SpaceX. 23 de fevereiro de 2016. Consultado em 24 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 27 de julho de 2019 
  114. @elonmusk (March 5, 2016). «Rocket landed hard on the droneship. Didn't expect this one to work (versus hot reentry), but next flight has a good chance.» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  115. Foust, Jeff (4 de março de 2016). «SpaceX launches SES-9 satellite». SpaceNews. Consultado em 5 de março de 2016 
  116. a b c Graham, William (30 de março de 2017). «SpaceX conducts historic Falcon 9 re-flight with SES-10 – Lands booster again». NASASpaceFlight.com. Consultado em 3 de maio de 2017 
  117. «CRS-8 Mission Overview» (PDF). NASA. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  118. «CRS-8 Official Webcast». SpaceX. 8 de abril de 2016. Consultado em 17 de agosto de 2017 – via YouTube 
  119. @SpaceX (April 8, 2016). «1st stage landed on droneship Of Course I Still Love You» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  120. Thomson, Iain (14 de março de 2015). «SpaceX to deliver Bigelow blow-up job to ISS astronauts». The Register. Consultado em 27 de abril de 2015 
  121. Drake, Nadia (8 de abril de 2016). «SpaceX Rocket Makes Spectacular Landing on Drone Ship». National Geographic. Consultado em 8 de abril de 2016. To space and back, in less than nine minutes? Hello, future. 
  122. Clark, Stephen (11 de maio de 2016). «Cargo-carrying Dragon spaceship returns to Earth». Spaceflight Now 
  123. Gebhardt, Chris (12 de abril de 2017). «SES-10 F9 static fire – SpaceX for history books and first core stage re-flight». NASASpaceFlight.com. Consultado em 13 de abril de 2017 
  124. Bergin, Chris (10 de janeiro de 2014). «SpaceX win contract to loft JCSAT-14 via Falcon 9». NASASpaceFlight.com. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  125. Graham, William (5 de maio de 2016). «Falcon 9 launches with JCSAT-14 – lands another stage». NASASpaceFlight.com. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  126. Amos, Jonathan (6 de maio de 2016). «SpaceX records another rocket landing». BBC News. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  127. Dean, James (16 de maio de 2016). «SpaceX Falcon 9 first stage booster suffered "max" damage on landing». Florida Today. Consultado em 31 de março de 2017 
  128. «JCSAT-14 Hosted Webcast». SpaceX. 5 de maio de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2017 – via YouTube 
  129. Wall, Mike (27 de maio de 2016). «Three in a Row! SpaceX Lands Rocket on Ship at Sea Yet Again». Space.com. Consultado em 27 de maio de 2016 
  130. a b c d e Bergin, Chris (25 de abril de 2017). «SpaceX Static Fire spy sat rocket and prepare to test Falcon Heavy core». NASASpaceFlight.com. Consultado em 3 de maio de 2017 
  131. de Selding, Peter B. (30 de abril de 2014). «Orbital To Build, SpaceX To Launch, Thaicom 8». SpaceNews. Consultado em 1 de maio de 2014 
  132. Tortermvasana, Komsan (27 de fevereiro de 2016). «Thaicom determined to launch eighth satellite despite probe». Bangkok Post. Consultado em 2 de novembro de 2017 
  133. «SatBeams - Satellite Details - Thaicom 8». Satbeams. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  134. «First-stage landing Onboard camera». SpaceX on YouTube. 27 de maio de 2016 
  135. Graham, William (26 de maio de 2016). «SpaceX Falcon 9 launches Thaicom 8 and nails another ASDS landing». NASASpaceflight.com 
  136. «Thaicom 8». Satbeams. Consultado em 22 de maio de 2016 
  137. «THAICOM 8 Mission in Photos». SpaceX. Consultado em 23 de março de 2020. Cópia arquivada em 23 de março de 2020 
  138. «Satbeams:ABS2A». Satbeams. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  139. «Satbeams:Eutelsat 117 West B». Satbeams. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  140. @elonmusk (June 15, 2016). «Looks like thrust was low on 1 of 3 landing engines. High g landings v sensitive to all engines operating at max.» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  141. @elonmusk (June 16, 2016). «Looks like early liquid oxygen depletion caused engine shutdown just above the deck» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  142. a b c d e f g h de Selding, Peter B. (24 de fevereiro de 2016). «SpaceX wins 5 new space station cargo missions in NASA contract estimated at US$700 million». SpaceNews. Slide shows yearly breakdown of NASA missions from 2016 to 2021. Consultado em 25 de fevereiro de 2016 
  143. «SpaceX CRS-9 Mission Overview» (PDF). NASA. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  144. Clark, Stephen (18 de julho de 2016). «SpaceX sends supplies to space station lands another falcon rocket». Spaceflight Now. Consultado em 20 de julho de 2016 
  145. «Falcon 9 Rocket lifts Japanese Communications Satellite, aces high-energy Ocean Landing». Spaceflight101. 15 de agosto de 2016. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  146. Godwin, Curt (1 de setembro de 2016). «SpaceX set to launch heaviest payload to date as Tropical Storm Hermine looms». SpaceFlight Insider. Consultado em 31 de março de 2017 
  147. @pbdes (January 26, 2016). «Spacecom of Israel: SpaceX confirms our Amos-6 satellite, included our Ku- and Facebook/Eutelsat Ka-band for 4.0° west, to launch in May on Falcon 9.» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  148. Malik, Tariq (1 de setembro de 2016). «SpaceX Falcon 9 Rocket Explodes on Launch Pad in Florida». Space.com. Consultado em 1 de setembro de 2016 
  149. @SpaceX (September 1, 2016). «Update on this morning's anomaly» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  150. a b «January 2 Anomaly Updates». SpaceX. 2 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 19 de maio de 2020 
  151. «Orbital Launches of 2017». Gunters space page. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  152. Chris Bergin (17 de janeiro de 2017). «Landed Falcon 9 booster sails into Los Angeles». NASASpaceFlight.com. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  153. a b c d e f g Moskowitz, Clara (16 de junho de 2010). «Largest Commercial Rocket Launch Deal Ever Signed by SpaceX». Space.com. Consultado em 6 de março de 2016 
  154. Graham, William (13 de janeiro de 2017). «SpaceX Returns To Flight with Iridium NEXT launch – and landing». NASASpaceFlight.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2017 
  155. @SpaceX (January 14, 2017). «First stage has landed on Just Read the Instructions» (Tweet) – via Twitter  Verifique data em: |data= (ajuda)
  156. a b «Iridium Adds Eighth Launch with SpaceX for Satellite Rideshare with NASA/GFZ (NASDAQ:IRDM)» (Nota de imprensa). Iridium. January 31, 2017. Consultado em February 4, 2017. Cópia arquivada em February 4, 2017  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  157. Clark, Stephen (10 de novembro de 2015). «Radio bug to keep new Iridium satellites grounded until April». Spaceflight Now. Consultado em 6 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2016 
  158. de Selding, Peter B. (2 de fevereiro de 2017). «Iridium». Space Intel Report. Consultado em 17 de agosto de 2017  Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda)
  159. de Selding, Peter B. (25 de fevereiro de 2016). «Iridium, frustrated by Russian red tape, to launch first 10 Iridium Next satellites with SpaceX in July». SpaceNews. Consultado em 25 de fevereiro de 2016 
  160. a b de Selding, Peter B. (15 de junho de 2016). «Iridium's SpaceX launch slowed by Vandenberg bottleneck». SpaceNews. Consultado em 21 de junho de 2016 
  161. «SpaceX CRS-10 mission overview» (PDF). NASA. Consultado em 17 de agosto de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  162. a b Pearlman, Robert Z. (17 de fevereiro de 2017). «The Milestone Space Missions Launched from NASA's Historic Pad 39A». Space. Space.com. Consultado em 17 de maio de 2019 
  163. Siceloff, Steven (19 de fevereiro de 2017). «NASA Cargo Headed to Space Station Includes Important Experiments, Equipment». NASA. Consultado em 19 de fevereiro de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  164. EchoStar XXIII Launch (the number 30 is visible just above the engines). 16 de março de 2017. Consultado em 1 de maio de 2017 
  165. Clark, Stephen (16 de março de 2017). «TV broadcast satellite launched aboard Falcon 9 rocket». Spaceflight Now. Consultado em 17 de março de 2017 
  166. a b c d e f Krebs, Gunter. «Falcon-9 v1.2(ex) (Falcon-9FT(ex))». Gunter's Space Page. Consultado em 26 de junho de 2018 
  167. de Selding, Peter B. (24 de novembro de 2016). «EchoStar expects January 8 or 9 SpaceX launch, confronts Brazil and EU deadlines». SpaceNews. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  168. Clark, Stephen (13 de março de 2017). «Falcon 9 booster minus landing legs and grid fins poised for launch». Spaceflight Now. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  169. Clark, Stephen (17 de janeiro de 2017). «SES 10 telecom satellite in Florida for launch on reused SpaceX rocket». Spaceflight Now. Consultado em 18 de janeiro de 2017 
  170. «Airbus Defence and Space signs a new satellite contract with SES». airbusdefenceandspace.com. 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 31 de agosto de 2016. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2017 
  171. a b Grush, Loren (30 de março de 2017). «SpaceX makes aerospace history with successful landing of a used rocket». The Verge. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  172. Masunaga, Samantha (30 de agosto de 2016). «SpaceX signs first customer for launch of a reused rocket». The Los Angeles Times. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  173. Lopatto, Elizabeth (30 de março de 2017). «SpaceX even landed the nose cone from its historic used Falcon 9 rocket launch». The Verge. Consultado em 31 de março de 2017 
  174. Gebhardt, Chris (30 de março de 2017). «SES-10 with reuse of CRS-8 Booster SN 1021». NASASpaceFlight.com. Consultado em 31 de março de 2017 
  175. Gruss, Mike (18 de maio de 2016). «NRO discloses previously unannounced launch contract for SpaceX». SpaceNews. Consultado em 11 de novembro de 2017. SpaceX is under contract to launch NROL-76 in March 2017 from Cape Canaveral [...] for a smaller mission. 
  176. Klotz, Irene (30 de abril de 2017). «Secret U.S. Spy Satellite Heading to Low-Earth Orbit, SpaceX Launch License Shows». Space.com. Consultado em 30 de abril de 2017 
  177. Berger, Eric (1 de maio de 2017). «SpaceX successfully launches its first spy satellite». Ars Technica. Consultado em 1 de maio de 2017 
  178. Shalal, Andrea (26 de maio de 2015). «U.S. Air Force certifies SpaceX for national security launches». Reuters 
  179. Whitwam, Ryan (1 de maio de 2017). «SpaceX Launches Spy Satellite, Streams Full Falcon 9 Landing». ExtremeTech. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  180. Bergin, Chris (3 de maio de 2017). «SpaceX improving launch cadence, testing new goals». NASASpaceFlight.com. Consultado em 5 de maio de 2017 
  181. de Selding, Peter B. (2 de julho de 2014). «Inmarsat Books Falcon Heavy for up to Three Launches». SpaceNews. Consultado em 6 de agosto de 2014. Arquivado do original em 11 de agosto de 2014 
  182. Krebs, Gunter. «Inmarsat-5 F1, 2, 3, 4». Gunter's Space Page. Consultado em 16 de abril de 2017 
  183. de Selding, Peter B. (3 de novembro de 2016). «Inmarsat, juggling two launches, says SpaceX to return to flight in December». SpaceNews. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  184. «Digital Society Boosted by Stunning SpaceX Launch Delivering Inmarsat Mobile Broadband Satellite to Orbit». universetoday.com. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  185. Clark, Stephen. «Fourth satellite for Inmarsat's global broadband network launched by SpaceX». Spaceflight Now. Consultado em 25 de março de 2020 
  186. a b Gebhardt, Chris (28 de maio de 2017). «SpaceX static fires CRS-11 Falcon 9 Sunday ahead of ISS mission». NASASpaceFlight.com. Consultado em 30 de maio de 2017 
  187. Clark, Stephen (3 de junho de 2017). «Cargo manifest for SpaceX's 11th resupply mission to the space station». Spaceflight Now. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  188. «The Neutron star Interior Composition ExploreR Mission». NASA. Consultado em 26 de fevereiro de 2016   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  189. «Multiple User System for Earth Sensing Facility (MUSES)». NASA. 29 de junho de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2016   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  190. «Roll-Out Solar Array». NASA. 18 de agosto de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2016   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  191. a b c Kenol, Jules; Love, John (17 de maio de 2016). Research Capability of ISS for a Wide Spectrum of Science Disciplines, Including Materials Science (PDF). Materials in the Space Environment Workshop, Italian Space Agency, Rome. NASA. p. 33. Consultado em 26 de agosto de 2016. Arquivado do original (PDF) em 16 de agosto de 2016   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  192. Gebhardt, Chris (5 de junho de 2017). «SpaceX's CRS-11 Dragon captured by Station for a second time». NASASpaceFlight.com. Consultado em 5 de junho de 2017 
  193. Foust, Jeff (14 de outubro de 2016). «SpaceX to reuse Dragon capsules on cargo missions». SpaceNews. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  194. Gebhardt, Chris (5 de junho de 2017). «SpaceX's CRS-11 Dragon captured by Station for a second time». NASASpaceFlight.com 
  195. «BIRDS-1 constellation of five CubeSats deployed». AMSAT-UK. 7 de julho de 2017. Consultado em 8 de julho de 2017 
  196. a b c Clark, Stephen (5 de maio de 2017). «Bulgaria's first communications satellite to ride SpaceX's second reused rocket». Spaceflight Now. Consultado em 5 de maio de 2017 
  197. «SSL Selected To Provide Direct Broadcast Satellite To Bulgaria Satellite». Space Systems/Loral. 8 de setembro de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2014 
  198. Krebs, Gunter. «BulgariaSat 1». Gunter's Space Page. Consultado em 5 de junho de 2017 
  199. Graham, William (24 de junho de 2017). «SpaceX Doubleheader Part 2 – Falcon 9 conducts Iridium NEXT-2 launch». NASASpaceFlight.com. Consultado em 3 de julho de 2017 
  200. Foust, Jeff (25 de junho de 2017). «SpaceX launches second batch of Iridium satellites». SpaceNews. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  201. Bergin, Chris (29 de junho de 2017). «SpaceX returns two boosters, fires up a third for Static Fire test». NASASpaceFlight.com. Consultado em 2 de julho de 2017 
  202. Clark, Stephen (30 de agosto de 2016). «SES agrees to launch satellite on "flight-proven" Falcon 9 rocket». Spaceflight Now. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  203. Clark, Stephen (29 de junho de 2017). «Live coverage: SpaceX's next Falcon 9 rocket set for launch Sunday». Spaceflight Now. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  204. Evans, Ben (5 de julho de 2017). «Third Time's a Charm as SpaceX Launches 10th Mission of 2017 with Intelsat 35e». AmericaSpace 
  205. Krebs, Gunter. «Falcon-9 v1.2(ex) (Falcon(ex))». Gunter's Space Page. Consultado em 16 de abril de 2017 
  206. @elonmusk (July 6, 2017). «Thanks @INTELSAT! Really proud of the rocket and SpaceX team today. Minimum apogee requirement was 28,000 km, Falcon 9 achieved 43,000 km.» (Tweet). Consultado em July 7, 2017 – via Twitter  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  207. «Comparing masses of all Intelsat satellites, Intelsat 35e is the heaviest with 6761 kg». Gunter's Space Page. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  208. a b Graham, William (14 de agosto de 2017). «SpaceX Falcon 9 launches CRS-12 Dragon mission to the ISS». NASASpaceFlight.com. Consultado em 14 de agosto de 2017 
  209. Gebhardt, Chris (26 de julho de 2017). «TDRS-M given priority over CRS-12 Dragon as launch dates realign». NASASpaceFlight.com. Consultado em 26 de julho de 2017 
  210. Gebhardt, Chris (19 de agosto de 2017). «SpaceX static fire Formosat-5 Falcon 9, aims for another ASDS landing». NASASpaceFlight.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  211. «FormoSat-5». European Space Agency. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  212. «Formosat 5 program description». National Space Organization. Consultado em 3 de novembro de 2017. Arquivado do original em 1 de outubro de 2016 
  213. Krebs, Gunter. «Formosat-5». Gunter's Space Page. Consultado em 24 de agosto de 2017 
  214. «A Message from Spaceflight President Curt Blake on the FormaSat-5/SHERPA launch». Spaceflight.com. 2 de março de 2017. Consultado em 2 de março de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2017 
  215. Seemangal, Robin (24 de agosto de 2017). «SpaceX Will Lose Millions on Its Taiwanese Satellite Launch». Wired 
  216. Clark, Stephen (7 de setembro de 2017). «SpaceX beats hurricane with smooth launch of military's X-37B spaceplane». Spaceflight Now. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  217. Richardson, Derek (6 de setembro de 2017). «As Hurricane Irma looms, X-37B poised for first flight atop SpaceX Falcon 9». Spaceflight Insider. Consultado em 7 de setembro de 2017 
  218. «SpaceX wins launch of U.S. Air Force X-37B space plane». CNBC. 6 de junho de 2017. Consultado em 7 de junho de 2017. Cópia arquivada em 7 de junho de 2017 
  219. Gebhardt, Chris (7 de junho de 2017). «Bulgariasat launch realigns; SpaceX secures X-37B launch contract». NASASpaceFlight.com. Consultado em 9 de julho de 2017 
  220. a b c Bergin, Chris (25 de setembro de 2017). «SpaceX realign near-term manifest ahead of double launch salvo». NASASpaceFlight.com. Consultado em 3 de outubro de 2017 
  221. a b Clark, Stephen (4 de agosto de 2017). «SES agrees to launch another satellite on previously-flown Falcon 9 booster». Spaceflight Now. Consultado em 4 de agosto de 2017 
  222. «SES 11». SatBeams. Consultado em 25 de junho de 2021 
  223. «EchoStar 105 Satellite To Replace AMC-15». Echostar. Consultado em 25 de junho de 2021 
  224. Clark, Stephen (12 de outubro de 2017). «SpaceX launches its 15th mission of the year». Spaceflight Now 
  225. de Selding, Peter B. (12 de maio de 2014). «KT Sat Picks Thales Alenia over Orbital Sciences for Two-satellite Order». SpaceNews. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  226. Leahy, Bart (25 de setembro de 2017). «SpaceX gears up for a busy autumn». Spaceflight Insider. Consultado em 25 de setembro de 2017 
  227. Clark, Stephen (30 de outubro de 2017). «SpaceX launches — and lands — third rocket in three weeks». Spaceflight Now 
  228. «SpaceX Falcon 9 Block 5 will certainly introduce a brand-new age of fast reuse rockets». Daily Enterpriser. 25 de março de 2018. Consultado em 7 de abril de 2018. Arquivado do original em 7 de abril de 2018 
  229. Clark, Stephen (15 de dezembro de 2017). «SpaceX's 50th Falcon rocket launch kicks off station resupply mission». Spaceflight Now. Consultado em 16 de dezembro de 2017 
  230. a b c Gebhardt, Chris (11 de novembro de 2017). «SpaceX static fires Zuma Falcon 9; engine test anomaly no issue for manifest». NASASpaceFlight.com. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  231. Grush, Loren (15 de dezembro de 2017). «SpaceX launches and lands its first used rocket for NASA». The Verge. Consultado em 15 de dezembro de 2017 
  232. Clark, Stephen (22 de dezembro de 2017). «SpaceX's Falcon 9 rocket makes its final launch of the year». Spaceflight Now. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  233. a b Henry, Caleb (22 de dezembro de 2017). «SpaceX concludes 2017 with fourth Iridium Next launch - SpaceNews.com». spacenews.com. Consultado em 25 de julho de 2018 
  234. Clark, Stephen (23 de dezembro de 2017). «SpaceX launch dazzles, delivering 10 more satellites for Iridium». Spaceflight Now 
  235. Gebhardt, Chris (19 de outubro de 2017). «Iridium-4 switches to flight-proven Falcon 9, RTLS at Vandenberg delayed». NASASpaceFlight.com. Consultado em 19 de outubro de 2017 
  236. Wall, Mike (22 de dezembro de 2017). «Used SpaceX Rocket Launches 10 Communications Satellites Once Again». Space.com. Consultado em 23 de dezembro de 2017 
  237. Malik, Tariq (23 de dezembro de 2017). «SpaceX's Jaw-Dropping Rocket Launch Wows Spectators Across Southern California». Space.com. Consultado em 23 de dezembro de 2017 
  238. «SpaceX aims to follow a banner year with an even faster 2018 launch cadence». SpaceNews. 21 de novembro de 2017. Consultado em 22 de novembro de 2017 
  239. «Orbital Launches of 2018». Gunter's Space Page. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  240. Wall, Mike (7 de janeiro de 2018). «SpaceX Launches Secret Zuma Mission for U.S. Government, Lands Rocket». Space.com. Consultado em 24 de abril de 2018 
  241. a b c Gebhardt, Chris (16 de outubro de 2017). «SpaceX adds mystery "Zuma" mission, Iridium-4 aims for Vandenberg landing». NASASpaceFlight.com. Consultado em 17 de outubro de 2017 
  242. Clark, Stephen (15 de outubro de 2017). «Regulatory filings suggest SpaceX plans November launch with mystery payload». Spaceflight Now. Consultado em 15 de outubro de 2017 
  243. SpaceX (29 de setembro de 2017). «Federal Communications Commission – Application for Special Temporary Authority». FCC. Consultado em 14 de outubro de 2017   Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  244. Shotwell, Gwynne (9 de janeiro de 2018). «Statement From Gwynne Shotwell, President and COO of SpaceX on Zuma Launch». SpaceRef.com. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  245. a b «Zuma Mission press kit» (PDF). SpaceX. Consultado em 7 de janeiro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 7 de janeiro de 2018 
  246. a b c d e f Grush, Loren (9 de janeiro de 2018). «Did SpaceX's secret Zuma mission actually fail?». The Verge. Consultado em 10 de janeiro de 2018. Rumors started circulating on Monday that the satellite malfunctioned when it reached orbit, and both the Wall Street Journal and Bloomberg have reported that Zuma actually fell back to Earth and burned up in the planet’s atmosphere. [...] SpaceX said that the Falcon 9 rocket, which carried Zuma to orbit, performed as it was supposed to. [...] "For clarity: after review of all data to date, Falcon 9 did everything correctly on Sunday night", [Gwynne Shotwell] said. "If we or others find otherwise based on further review, we will report it immediately. Information published that is contrary to this statement is categorically false". She added that the company cannot comment further due to the classified nature of the mission. [...] Of course, Northrop Grumman won't comment on the launch.