Antínoo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Busto de Antínoo da Villa Adriana. Hoje no Museu do Louvre.

Antínoo (Bitínia, ca. 110/112outubro de 130) foi favorito e, provavelmente, um catamita do imperador romano Adriano[1] [2] .

Origens[editar | editar código-fonte]

Antínoo era natural da Bitínia[2] (norte da Ásia Menor, hoje na Turquia), cidade que foi fundada por árcades de Mantineia[2] , na Grécia continental. É provável que Adriano tenha conhecido Antínoo durante uma visita à Bitínia e que o tenha levado consigo.

As fontes são pouco claras a respeito da espécie de relacionamento que existiria entre ambos. O que é certo é que Antínoo era membro do círculo mais próximo do imperador, uma espécie de pajem ou "garoto de estimação", em razão de sua grande beleza. Não há registro de que tenha tido qualquer influência política no espírito do imperador[carece de fontes?]. Segundo Clemente de Alexandria, o relacionamento entre ambos era sexual, comparado ao relacionamento de Zeus com Ganímedes[1] .

Adriano era trinta e quatro anos mais velho que Antínoo (um adolescente), enquadrando-se a relação no modelo pederástico dos catamitas da Grécia Clássica, quatro séculos antes, da qual Adriano era admirador, embora tal prática não fizesse parte dos costumes romanos. Aparentemente a relação não gerou qualquer tipo de escândalo na altura.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em Outubro de 130, durante uma visita ao Egipto, Antínoo morreu afogado no rio Nilo, mas as circunstâncias em que o evento ocorreu são pouco claras.

É pouco provável que tenha sido assassinado por Adriano por motivos políticos, dado que o estatuto e origens do rapaz não representavam qualquer tipo de ameaça política ao imperador. Frequentemente defende-se que o próprio Antínoo ofereceu-se como sacrifício aos deuses, de modo a assegurar a prosperidade de Adriano.

Na época o imperador passava por um mau período, marcado por problemas de saúde, revoltas em partes do Império Romano, seca e fome no Egipto. Adriano e Antínoo tinham sido iniciados nos mistérios de Elêusis, sendo provável que as suas vidas tenham tomado um carácter mais místico.

No Egipto acreditava-se que a morte de um jovem no Nilo seria favorável à obtenção do favor dos deuses (sendo a pessoa associada a Osíris) e não era estranho ocorrerem mortes cerimoniais na época do ano em que Antínoo e Adriano visitaram o país.

Outros autores sugerem que Antínoo pode ter cometido suicídio, dado que como tinha agora vinte anos, os seus encantos juvenis começariam a deixar de interessar ao imperador. Segundo as fontes da época, após a sua morte Adriano teria chorado desesperadamente.

Antínoo, Museu de Delfos.

Deificação[editar | editar código-fonte]

Poucas semanas após a morte de Antínoo, Adriano decretou a sua deificação[1] . O imperador ordenou a construção de uma nova cidade perto do local da sua morte, Antinoópolis[1] [2] , no Alto Egipto, perto de Hermópolis (actualmente o local é denominado Sheikh Ibada). A divindade tutelar da cidade era um deus sincrético, resultado da fusão de Antínoo com Osíris.

Por todo o Império Romano foram erguidas numerosas estátuas de Antínoo e na parte oriental do Império levantaram-se templos dedicados ao jovem. Foi dado o nome Antínoo a uma estrela e o imperador escreveu um epitáfio dedicado ao jovem, que mandou gravar num obelisco, que se encontra hoje nos Jardins do Pincio em Roma.

Segundo Pausânias, seu templo em Mantineia era o mais novo da cidade[2] . Em sua honra, foram celebrados rituais místicos todo ano, e jogos a cada quatro anos[3] . No ginásio de Mantineia havia estátuas de Antínoo, que se destacam pelas pedras usadas[3] . Os retratos de Antínoo eram feitos de forma que ele se parecesse com Dionísio[3] .

Adriano viveu ainda mais oito anos. Após a sua morte a sua relação com Antínoo foi utilizada contra si pelos seus detractores. Os primeiros autores cristãos também criticaram esta relação, que para eles era um exemplo da amoralidade patente do paganismo.

Ao longo dos séculos a figura de Antínoo serviu de inspiração à arte e à literatura, como mostra o poema homoerótico Antinous escrito em inglês por Fernando Pessoa. A vida de Antínoo com Adriano é retratada no romance Memórias de Adriano (no título original: Mémoires d'Hadrien) de Marguerite Yourcenar.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALDRICH, Robert - The Seduction of the Mediterranean: Writing, Art and the Homosexual Fantasy. Routledge, 1993. ISBN 0-415-09312-0

Referências

  1. a b c d Clemente de Alexandria, Exortação aos gregos, Livro IV
  2. a b c d e Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 8.9.7; pelo contexto, Pausânias sugere que Antínoo morreu durante sua vida (eu nunca o vi em vida, mas vi imagens e retratos dele)
  3. a b c Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 8.9.8

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Antínoo