Bárbara Gordon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Oráculo
Placeholder male superhero c.png

Dados da publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição Como Batgirl:
Detective Comics #359
(Janeiro de 1967)
Como Oráculo:
Suicide Squad (Vol. 1) #23
(Janeiro de 1989)
Criado por Gardner Fox
Carmine Infantino
Características do personagem
Alter ego Barbara "Babs" Gordon
Afiliações Bat-Família
Aves de Rapina
Liga da Justiça
Esquadrão Suicida

Corporação Batman

Parentesco James Gordon (pai)

James Gordon (irmão)

Situação presente Ativa
Codinomes conhecidos Batgirl
Habilidades Intelecto genial, hacker excepcional, memória fotográfica, grande detetive e artista marcial.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Bárbara Gordon é uma personagem fictícia da empresa norte-americana de Quadrinhos (banda desenhada, em Portugal) DC Comics. Bárbara atuou como a super-heróina conhecida por Batgirl de 1967 até 1988, quando passou a ser conhecida por Oráculo, manto que ela mantém até hoje.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Batgirl[editar | editar código-fonte]

A bibliotecária Bárbara Gordon estreou nos quadrinhos em Detective Comics #359 (1967) como filha do Comissário de Polícia da cidade de Gotham City, James Gordon. Em suas aventuras originais durante a Era de Prata, Batgirl era uma alegre e inexperiente versão feminina de Batman. Depois de várias aparições como coadjuvante em Batman, ela recebeu a sua própria tira em Detective Comics. Isso permitiu que a ela deixasse de ser uma tímida versão de Bárbara Gordon e, rapidamente, passasse a ser uma personagem mais moderna e confiante, a qual os amigos passaram a chamar de “Babs”. Desprovida de seus óculos e seus “coques”, Bárbara começou a ter uma série de encontros, o que viria a ser uma sucessão de namorados, sendo os mais populares: Jason Bard, veterano da guerra do Vietnã (que mais tarde virou investigador particular) e Dick Grayson, nessa época ainda usando o manto de Robin.

Bárbara provou ser bastante popular quando seus leitores passaram a mandar pedidos para que fizesse mais participações especiais em outros títulos. Além de aparecer várias vezes em Batman e Detective Comics, Batgirl participou também de World's Finest Comics, onde veio a encontrar Superman, Supergirl, Bat-Mirim e Mxyzptlk, pela primeira vez. Ela também lutou ao lado da Liga da Justiça contra a vilã Abelha Rainha. Babs encontrou Supergirl novamente em Adventure Comics #381, quando as duas heroínas investigaram separadamente um grupo criminoso formado por mulheres.

Batgirl nos anos 70 e 80[editar | editar código-fonte]

Suas histórias eram publicadas esporadicamente em Detective Comics até a metade dos anos 70. Durante esse tempo, Bárbara revelou sua identidade secreta para seu pai (que já tinha descoberto isso por conta própria). Os dois concorreram e venceram as eleições para a Câmara dos Deputados dos EUA. Eles se mudaram para Washington e ela planejou largar sua carreira de Batgirl.

Os fãs e o editor Julius Schwartz não queiram que ela se fosse e, por isso, Batgirl retornou em Superman #268, onde Bárbara Gordon teve um encontro às cegas com Clark Kent, estabelecendo uma amizade entre eles e também permitindo que Batgirl lutasse ao lado do Superman, posteriormente. Eles atuaram juntos novamente em Superman #279 e em DC Comics Presents #19. Em Superman Family #171, Babs atuou novamente com Supergirl, personagem a qual Bárbara passou a ser muito ligada.

Batman Family[editar | editar código-fonte]

Em 1975 a DC Comics criou a revista Batman Family, que só durou 20 edições. Batgirl foi uma das estrelas da revista, onde freqüentemente atuava com Robin. Nesse período, surgiu a grande amizade entre Dick e Bárbara. Por isso, logo em seguida, eles revelaram suas identidades um ao outro.

Bárbara conheceu a Batwoman em Batman Family #10, quando a super-heroína retornou a sua carreira no combate ao crime. A dupla enfrentou o Mariposa Assassina e o Cavaleiro. Mais tarde, as duas revelaram suas identidades secretas, tornando-se amigas um tempo depois. Além disso, atuaram mais duas vezes em Batman Family e foram companheiras de equipe nos Combatentes da Liberdade.

Na edição 17, Bárbara conhece Helena Wayne, a Caçadora da Terra 2.

Quando a revista acabou, seu conceito uniu-se ao de Detective Comics, começando com a edição #481 (1979), onde Batgirl continuou suas aventuras. Mesmo depois que o conceito Batman Family deixou Detective Comics, Batgirl continuou como atração secundária até a edição #519 (1982). Durante esses anos, ela retornou a Gotham e retomou seu emprego, enquanto combatia vários criminosos menores. Supergirl visitou Gotham nesse período e, novamente, as duas atuaram juntas em uma aventura. Um tempo depois, Bárbara ficou gravemente ferida ao levar um tiro de Cormorant em uma de suas aventuras, resultando numa crise de fé e uma outra pausa na carreira de vigilante mascarada. Mas, depois de uma conversa com Batman, ela voltou à ativa, capturando o vilão que quase lhe tirou a vida.

Depois do ocorrido, retornou à sua vida de Batgirl. Porém, cada vez mais Bárbara sentia-se inútil em mundo repleto de heróis e vilões superpoderosos. Ela expressou essas dúvidas à Supergirl durante a Crise nas Infinitas Terras, repetindo sua dúvida durante o enterro de sua amiga, no fim da Crise. Finalmente, após capturar Cormorant novamente em Batgirl Special #1 (1988), Bárbara retirou-se de sua vida de vigilante mascarada, vindo a atuar ocasionalmente em situações especiais.

Crise nas Infinitas Terras[editar | editar código-fonte]

A Crise nas Infinitas Terras mudou a continuidade do Universo DC de várias maneiras.

Na nova continuidade, Bárbara passou a ser a filha de Roger e Thelma Gordon e sobrinha de Jim Gordon. Quando seus pais morreram, Bárbara, ainda pré-adolescente, mudou-se de Chicago para Gotham City, para viver com seu tio Jim, sua tia Bárbara e o filho do casal, James. Há alguns anos, entretanto, em Batman: Gotham Knigts #06, Bárbara descobriu que Jim Gordon teve um caso com sua mãe, antes de ela casar-se com Roger e, por isso, há uma grande chance de Jim ser o pai biológico de Bárbara (embora ele não saiba disso). Além disso, nessa nova versão, a Dupla Dinâmica teve um papel mais significativo em seu treinamento. Na mini-série em nove partes chamada Batgirl: Ano Um é mostrado uma parte desse treinamento e mais alguns detalhes que foram acrescentados à cronologia da personagem. A única menção ao tempo em que Bárbara foi Deputada na fase Pré-Crise, foi em uma aparição especial em Rapina e Columba #22-#24 (1991) e, desde então, nunca mais comentou-se nada a respeito.

A Supegirl Pós-Crise não aterrissou na Terra até Bárbara já estar estabelecida como Oráculo. Além disso, Bárbara e Dick Grayson foram namorados por algum tempo, no passado. Bárbara também se envolveu com Jason Bard, que agora não era mais um veterano da guerra do Vietnã, mas sim um ex-policial e, atualmente, investigador particular.

Oráculo[editar | editar código-fonte]

Em Batman: A Piada Mortal (graphic novel escrita por Alan Moore), Coringa põe em prática um plano que, segundo ele, deixaria James Gordon louco. A idéia era provar que até o cidadão mais equilibrado é capaz enlouquecer. Parte do plano consistia em atirar em Bárbara. Então, Coringa vai até a casa de James e atira em Bárbara, quando ela vai atender a campainha. Há especulações que após o atentado, ela teria sido violentada sexualmente pelo Coringa enquanto despia e tirava fotos da heroina. A bala atingiu a espinha de Bárbara, que veio a ficar paraplégica, deixando para sempre sua carreira de Batgirl.[1]

Unindo sua grande inteligência com sua memória fotográfica, seu vasto conhecimento sobre computadores e eletrônicos, suas habilidades de hacker e seu treinamento como bibliotecária, Bárbara assumiu a identidade de Oráculo. Agora ela atuava como uma corretora de informações, as reunindo e disseminando para agências da lei e para a comunidade dos super-heróis. Mais tarde, ela foi treinada por Richard Dragon em uma arte marcial que utiliza-se de bastões, para que Bárbara pudesse combater em sua cadeira de rodas.

Inicialmente, Bárbara utilizou a identidade de Oráculo para auxiliar seu pai em um caso de assassinato extremamente complicado. Mais tarde, ela participou do Esquadrão Suicida, por um tempo. Durante esse período, ela se mudou para a prisão Belle Reve, em Louisiana, onde trabalhou usando o nome de Amy Beddoes. Novamente, Bárbara se muda, mas agora ela volta para Gotham, onde, freqüentemente, ajuda Batman, os vigilantes de Gotham e vários outros heróis. Por isso, ela é convidada a participar da Liga da Justiça, sendo um membro ativo por muito tempo, fazendo o serviço de informação e comunicação da equipe. Atualmente, ela está como status de membro reserva.

Aves de Rapina[editar | editar código-fonte]

Bárbara formou um grupo de super-heroínas que ela contratou como suas agentes. Sua primeira agente foi a Poderosa. Poderosa deixou de trabalhar com Oráculo depois do desastroso caso no Qurac, que teve como conseqüência várias mortes. Depois, Bárbara reagrupou e uniu forças com Canário Negro que, além de se tornar uma grande parceira, tornou-se, também, sua melhor amiga. Mais tarde, Helena Bertinelli, a Caçadora foi introduzida na equipe. E, por fim, Lady Falcão Negro foi a última integrante a ingressar.

A nova Batgirl[editar | editar código-fonte]

Durante a história “Terra de Ninguém”, Bárbara registrava o que acontecia em Gotham empregando vários adolescentes para ser seus olhos e ouvidos. Um desses adolescentes era Cassandra Cain que, posteriormente, salvou a vida de Jim Gordon. Vendo que Cassandra era uma das melhores artistas marciais do mundo e sabendo que Batman necessitava de quantos aliados fosse possível durante essa situação crítica, Bárbara permitiu que Cassandra se tornasse a nova Batgirl. Além disso, Bárbara tornou-se a guardiã de Cassandra por muito tempo, ensinando-a como tornar-se mais humana, visto que a pobre menina foi treinada por seu pai, David Cain, que não ensinou a garota nada mais a não ser lutar, tendo como único objetivo torná-la uma arma letal.

Os Novos 52[editar | editar código-fonte]

A dc comics reiniciou algumas histórias em quadrinhos de super-heróis, nessas novas histórias, Barbara Gordon, voltou a andar e voltou a ser a batgirl


Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Na série de TV de "Batman" dos anos 60, a personagem foi interpretada por Yvone Craig.

Em 1997, no filme "Batman e Robin", a Batgirl foi interpretada por Alicia Silverstone, onde foi feita uma alteração na identidade da personagem, passando a se chamar Barbara Wilson, sobrinha de Alfred, mordomo do milionário Bruce Wayne.

Em 2002, foi interpretada por Dina Meyer na série de televisão produzida para a Warner, chamada Birds of Prey.[2] Na série a personagem Barbara Gordon, outrora Batgirl, já se encontra paraplégica e assumindo a identidade de "Oráculo". A atriz aparece na série como Batgirl em alguns flashbacks da personagem.

Em 2008, no filme The Dark Knight o Comissário Gordon tem uma mulher, um filho e uma filha que aparece brevemente com 9 ou 10 anos de idade, interpretada por Hannah Gunn. Gary Oldman e Christopher Nolan revelaram que ela se chama Barbara.

Ícone de esboço Este artigo sobre banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. MONTEIRO, Rodrigo. Omelete. Batman: A piada mortal
  2. BORGO, Érico. Birds of prey estréia com sucesso Omelete