Mesquita (Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Mesquita
"A Caçula da Baixada"
Centro de Mesquita

Centro de Mesquita
Bandeira de Mesquita
Brasão de Mesquita
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 25 de setembro de 1999 (14 anos)
Gentílico mesquitense
Prefeito(a) Rogelson Sanches Fontoura (PSC)
(2013–2016)
Localização
Localização de Mesquita
Localização de Mesquita no Rio de Janeiro
Mesquita está localizado em: Brasil
Mesquita
Localização de Mesquita no Brasil
22° 46' 55" S 43° 25' 44" O22° 46' 55" S 43° 25' 44" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Metropolitana do Rio de Janeiro IBGE/2008[1]
Microrregião Rio de Janeiro IBGE/2008[1]
Região metropolitana Rio de Janeiro
Municípios limítrofes Belford Roxo, Nilópolis, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro e São João de Meriti
Distância até a capital 24 km
Características geográficas
Área 39,062 km² [2]
População 168 403 hab. (RJ: 18º) –  Censo IBGE/2010[3]
Densidade 4 311,17 hab./km²
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
PIB R$ 1 314 583,317 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 6 994,36 IBGE/2008[4]
Página oficial

Mesquita é um município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Emancipou-se em 1999 do município vizinho de Nova Iguaçu, sendo o município mais novo da Baixada Fluminense e do estado do Rio de Janeiro. Sua população, em 2010, era de 168 403 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.[3]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome "Mesquita" é uma referência ao Barão de Mesquita, o proprietário das antigas fazendas que se localizavam na atual região central do município.

História[editar | editar código-fonte]

Presidente Juscelino.

Há cerca de 500 anos, a região de Mesquita era habitada pelos índios jacutingas, apelido este dado aos índios locais pelos colonizadores portugueses. Acredita-se que o nome possivelmente surgiu porque os índios locais se enfeitavam com penas de jacutinga, um tipo de ave parecida com a galinha e muito comum na região naquela época.

A decadência dos jacutingas começou quando passaram a participar, junto com outras nações indígenas, de um movimento chamado Confederação dos Tamoios. O motivo deste movimento foi a revolta dos silvícolas diante da ação violenta dos portugueses, provocando mortes e escravidão.

Vila Emil

Na língua tupi, tamuya significa "o avô, o mais velho, o mais antigo". Por isso, essa confederação de chefes chamou-se "Confederação dos Tamuya", que os portugueses transformaram em "Confederação dos Tamoios".

A guerra entre índios e portugueses, seguida de doenças contraídas pelo contato com o branco, dizimou centenas de índios, que lutaram para resistir à escravidão. O bairro de Jacutinga é o único em toda a Baixada Fluminense que ainda preserva a memória dos indígenas.

Fazendo uma viagem de volta ao tempo, descobriremos que as terras já foram verdes, laranjas. Verde dos canaviais, depois a cor que passou a predominar foi a dos laranjais. Por volta de 1700, um engenho já funcionava na descida da Serra da Cachoeira, produzindo açúcar e aguardente com mão de obra escrava.

Édson Passos

O engenho era situado onde hoje existe o Parque Municipal e seu proprietário era o capitão Manoel Correa Vasques. As terras de Cachoeira passaram por vários donos, até que foram parar nas mãos de Jerônimo José de Mesquita, o primeiro Barão de Mesquita e, mais tarde, nas mãos de seu herdeiro, Jerônimo Roberto de Mesquita, que viria a ser o segundo Barão de Mesquita.

Em 1884, quando a Estrada de Ferro chegou às terras, a parada de trem passou a se chamar "Barão de Mesquita". Nessa época, as fazendas começaram a não dar mais lucros, principalmente por conta do abolicionismo, e a Fazenda da Cachoeira foi vendida e transformada em chácaras de plantio de laranjas. No início do século XX, surgiram as olarias, atraídas pela qualidade do barro e por áreas alagadas da região.

Durante muitos anos, a paisagem de Mesquita foi formada por laranjais, olarias e poucas residências. Por volta de 1940, a população atingia cerca de 9 109 habitantes, mas a decadência na produção de laranjas provocou a venda das chácaras e começaram a surgir os primeiros loteamentos, entre o pé da serra e a ferrovia. Pouco a pouco, as olarias também deram lugar aos loteamentos e, em 1950, a população havia triplicado para 28 835 habitantes.

No final da década de 1940 e início dos anos 1950, começaram a se estabelecer, em Mesquita, fábricas que ajudaram a impulsionar a economia da região: a Brasferro, metalúrgica de grande porte; a Ibt, também metalúrgica e a Pumar, indústria de sombrinhas. Começava o período de industrialização, que iria empregar centenas de moradores mesquitenses.

Em 1999, após uma batalha judicial que envolveu o Comitê Pró-Emancipação, a Câmara de Vereadores e a Prefeitura de Nova Iguaçu, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro e o Supremo Tribunal Federal, este último decidiu pela emancipação de Mesquita do município de Nova Iguaçu.

Em 15 de setembro de 1999, foi votado o Projeto de Lei da Emancipação e, em 25 de setembro de 1999, o então governador do estado Anthony Garotinho sancionou a lei que criou o município de Mesquita.

As primeiras eleições da cidade ocorreram em 2000, saindo-se vitorioso José Montes Paixão. O município foi instalado em 1 de janeiro de 2001.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O Parque Municipal de Nova Iguaçu é o primeiro geoparque do Rio de Janeiro e, nele, está localizada a nascente do Rio Dona Eugênia, principal rio do município. Este parque possui uma cratera vulcânica e tipos rochosos associados, além de remanescentes da Mata Atlântica. O Maciço do Mendanha domina a paisagem do município. Mesquita também possui muitas cachoeiras e matas.

Clima[editar | editar código-fonte]

Dados climatológicos para Mesquita
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura máxima média (°C) 29 30 29 28 26 26 25 26 26 28 28 29
Temperatura mínima média (°C) 22 23 22 21 19 18 17 18 19 20 21 22
Precipitação (mm) 179 128 140 99 70 49 50 41 84 100 139 185
Fonte: [5] 02 de janeiro de 2013

Localização[editar | editar código-fonte]

Mesquita limita-se com os municípios de: Nova Iguaçu, a norte; Nilópolis, a sul; Belford Roxo, a leste; São João de Meriti, a sudeste e Rio de Janeiro, a oeste.

O diagrama seguinte representa os municípios periféricos a Mesquita, num raio de 40 km. As distâncias são em linha reta.

Localidades na vizinhança
MesquitaMesquita
Localidade com 795212 habitantes (2010). Nova Iguaçu (3.3 km)
Localidade com 495694 habitantes (2010). Belford Roxo (3.7 km)
Localidade com 157483 habitantes (2010). Nilópolis (3.18 km)
Localidade com 459356 habitantes (2010). São João de Meriti (6.4 km)
Localidade com 855046  habitantes (2010). Duque de Caxias (12.08 km)
Localidade com 64323037 habitantes (2010). Rio de Janeiro (29.43 km)
Localidade com 487327 habitantes (2010). Niterói (33.49 km)
Localidade com 1016128 habitantes (2010). São Gonçalo (39.53 km)
Localidade com 296044 habitantes (2010). Petrópolis (39,90 km)
Localidade com 26381 habitantes (2010). Paty do Alferes (39,49 km)
Localidade com 24647 habitantes (2010). Miguel Pereira (36,51 km)
Localidade com 137962 habitantes (2010). Queimados (14,86 km)
Localidade com 95391 habitantes (2010). Japeri (27,76 km)
Localidade com 47074 habitantes (2010). Paracambi (34,46 km)
Localidade com 13239 habitantes (2010). Engenheiro Paulo de Frontin (36,15 km)
Localidade com 78183 habitantes (2010). Seropédica (28.69 km)
Localidade com 111171 habitantes (2010). Itaguaí (36,90 km)



Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Em 2009, através da Lei Complementar N° 009[6] , os dezessete bairros[7] do município de Mesquita foram redistribuída em três distritos recém criados.

Bairros oficiais
Distrito Bairros
Centro Alto UruguaiCentroChatubaCoreiaSanta Teresinha
Vila Emil CosmoramaCruzeiro do SulEdson PassosPresidente JuscelinoVila Emil
Banco de Areia Bairro IndustrialBanco de AreiaBNHJacutingaRocha SobrinhoSanto EliasVila Norma[nota 1] [6] [7]

Política[editar | editar código-fonte]

Emancipado em 25 de setembro de 1999, o município de Mesquita já teve os seguintes prefeitos:

Nome início do mandato fim do mandato
1 José Montes Paixão (PDT) 1 de janeiro de 2001 30 de março de 2004 (afastado por motivos de saúde)
Framínio Aristides Gonçalves 30 de março de 2004 31 de dezembro de 2004
2 Artur Messias da Silveira (PT) 1 de janeiro de 2005 1 de janeiro de 2009
Artur Messias da Silveira (PT) (reeleito) 1 de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2012
3 Rogelson Sanches Fontoura (PSC) [8] 1 de janeiro de 2013 31 de dezembro de 2016 (previsão)

Transporte[editar | editar código-fonte]

Os principais acessos rodoviários de Mesquita são: a Via Light, que corta o bairros de Jacutinga e Rocha Sobrinho. sendo a principal ligação para a cidade do Rio de Janeiro junto com a Rodovia Presidente Dutra.

Ferroviário[editar | editar código-fonte]

Mesquita é cortada pela ferrovia da Linha Japeri, que conecta a Central do Brasil e o município de Japeri, sendo servida por três estações:

Cultura[editar | editar código-fonte]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

O carnaval de Mesquita, já foi considerado o melhor da Baixada Fluminense, é organizado principalmente na região do centro, mais precisamente no entorno da Praça Elizabeth Paixão. O município também possui vários blocos populares e de enredo, como Tradição Barreirense e Colibri de Mesquita, além disso recentemente foi criada a escola de samba Chatuba de Mesquita, cujas cores são o verde e o branco, em homenagem às cores oficiais da cidade.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O Louzadão, casa do Mesquita Futebol Clube.

O principal esporte praticado em Mesquita é o futebol. Os principais clubes de futebol da cidade são o Mesquita Futebol Clube e a Associação Atlética Volantes, que disputam o Campeonato Carioca.

O município também abriga dois estádios: o Estádio Niélsen Louzada e o Estádio Giulite Coutinho, este último também conhecido como Estádio de Edson Passos, mas que ficaria no bairro Cosmorama e não em Edson Passos, discussão corrente entre os habitantes e torcedores sobre o nome da localidade onde fica situado o estádio do America Football Club.

Estádio Giulite Coutinho, palco do America Football Club.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Na verdade o bairro Vila Norma fica na divisa entre o município de São João de Meriti e Mesquita, ficando uma parte do bairro no município de Mesquita e a outra parte no município de São João de Meriti, e é isso que causa uma certa confusão, já que muitas pessoas não sabem desse detalhe.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  3. a b Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Climatologia. Climatempo. Página visitada em 02/01/2013.
  6. a b Novo Abairramento de Mesquita - Diário Oficial dos Municípios do Estado de Rio de Janeiro.. Página visitada em 29 de agosto de 2011).
  7. a b Mapa do Abairramento de Mesquita - Prefeitura Municipal de Mesquita.. Página visitada em 26 de agosto de 2011).
  8. Novo prefeito de Mesquita, Gelsinho Guerreiro toma posse.. Extra Online. Página visitada em 02 de janeiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons

Tópicos relacionados[editar | editar código-fonte]