Itaperuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itaperuna
Vista panorâmica da cidade

Vista panorâmica da cidade
Bandeira de Itaperuna
Brasão de Itaperuna
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 10 de maio
Fundação 10 de maio de 1889 (125 anos)
Gentílico itaperunense
Lema Itaperuna,trabalho e desenvolvimento
Prefeito(a) Alfredo Paulo Marques Rodrigues (Alfredão) (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Itaperuna
Localização de Itaperuna no Rio de Janeiro
Itaperuna está localizado em: Brasil
Itaperuna
Localização de Itaperuna no Brasil
21° 12' 18" S 41° 53' 16" O21° 12' 18" S 41° 53' 16" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Noroeste Fluminense IBGE/2008 [1]
Microrregião Itaperuna IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Cambuci, Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, São José de Ubá, Patrocínio do Muriaé (MG), Eugenópolis (MG) e Antônio Prado de Minas (MG)
Distância até a capital 313 km
Características geográficas
Área 1 105,566 km² [2]
População 98 004 hab. Est IBGE/2013[3]
Densidade 88,65 hab./km²
Altitude 108 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,730 (RJ: 23º) – alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 1 105 701,516 mil (BR: 256º) – IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 242,86 IBGE/2008[5]
Página oficial

Itaperuna é um município da Microrregião de Itaperuna, na Mesorregião do Noroeste Fluminense, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Dista cerca de 313 quilômetros da capital do estado, a cidade do Rio de Janeiro. Ocupa uma área de 1 105,566 quilômetros quadrados. Sua população, em 2010, foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 95 876 habitantes, sendo, assim, o 27º município mais populoso do estado do Rio de Janeiro e o primeiro de sua microrregião.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Itaperuna" é um termo proveniente da língua tupi antiga. Significa "pedra erguida escura", através da junção dos termos itá (pedra), byr (erguida) e una (escura).[6]

História[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos primeiros colonizadores de origem europeia e asiática, a região era habitada por índios puris. A partir do século XVI, a região foi ocupada por bandeirantes e aventureiros que demandavam a baixada pelos afluentes da margem esquerda do Rio Paraíba do Sul. A atividade econômica predominante, a partir de então, foi a criação de gado, que se desenvolveu em fazendas de grandes extensões.

Por volta de 1830, entretanto, instalou-se, na área, o desbravador José de Lannes Dantas Brandão, com iniciativas que passaram a atrair população para o núcleo pioneiro do futuro município. Lanes chegou à região após sua deserção da milícia do exército[7] . Em 1834, se estabeleceu num lugar que foi denominado Porto Alegre. Pelos serviços de colonização, foi perdoado pelo governo, vindo a ser morto, no entanto, por seus escravos em 1852.

A partir do final do século XIX, com o advento da economia cafeeira, a colonização se efetuou de forma rápida e uniforme. Em 24 de novembro de 1885, o Decreto 2 810 elevou a Freguesia de Nossa Senhora da Natividade de Carangola (um dos primeiros nomes da cidade) à categoria de Vila de Itaperuna[8] , levando esse nome por ser passagem para se chegar à Pedra do Elefante, localizada em Carangola, no estado de Minas Gerais.

Em 1887, foi criada a freguesia de São José do Avaí, nome em homenagem às armas brasileiras na Guerra do Paraguai. Foram doados quinze alqueires de terra para patrimônio dessa vila pelo senhor Jaime Porto. A povoação foi elevada à categoria de vila em 1887, com a denominação de São José do Avaí, favorecida pela posição geográfica de fácil acessibilidade a Campos dos Goitacases, reforçada posteriormente pela ligação ferroviária. A cidade teve o núcleo inicial em torno da linha da estrada de ferro, à margem esquerda do Rio Muriaé. Hoje, ambos os lados do rio estão ocupados pela malha urbana.

A área experimentou crescimento regional, concomitante à ampliação de sua importância administrativa e, em 1889, foi elevada à categoria de cidade, com o nome de Itaperuna. Em 10 de maio de 1889, foi feita a primeira eleição para a câmara dos vereadores, sendo a vitória dos republicanos, que tomaram posse no dia 4 de julho do mesmo ano, sendo, portanto, a primeira câmara republicana do país, em pleno regime monárquico, regime esse que viria a ser desbancado pelo marechal Deodoro da Fonseca em 15 de novembro desse mesmo ano. Em 6 de dezembro de 1889, foi a vila de São José do Avaí transformada em município de Itaperuna, sendo criada sua respectiva comarca.

O desenvolvimento da economia cafeeira na área foi responsável pela concentração de atividades comerciais e de serviços na cidade de Itaperuna, que passou a desempenhar funções de centro sub-regional do nordeste fluminense. A cultura cafeeira foi um grande destaque na economia da cidade por mais de quatro décadas, tornando-a, em 1927, a maior produtora nacional[9] .

O declínio da atividade cafeeira fez com que a região passasse a sofrer fortes efeitos regressivos. A pecuária de corte desenvolveu-se, então, voltada para o abastecimento dos grandes matadouros e frigoríficos, desenvolvendo-se, posteriormente, a produção leiteira, estimulada pela presença da fábrica de leite em pó Glória na sede municipal.

A área municipal, atualmente, não abrange a mesma base territorial da época da criação, que se estendia aos atuais municípios de Laje do Muriaé, Natividade e Porciúncula, porém sua importância permanece na região. Do território original do município de Itaperuna, foram desmembrados os seguintes municípios: Bom Jesus do Itabapoana em 1938, Natividade e Porciúncula em 1947 e Laje do Muriaé em 1962, ficando Itaperuna com seu atual contorno.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Itaperuna recebe as águas do Rio Muriaé e do Rio Carangola. O Rio Muriaé nasce no município de Miraí, na Zona da Mata Mineira e deságua no rio Paraíba do Sul, nas proximidades do município de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Apresenta 250 km de extensão e tem como principais afluentes os rios Glória e Carangola. O Rio Carangola, com 130 km de extensão, nasce no município de Orizânia, também na Zona da Mata Mineira e deságua no rio Muriaé, dentro da sede do município de Itaperuna.

Rio Carangola

No município de Itaperuna, destacam-se duas unidades de relevo: a primeira está ligada a antigas superfícies cristalinas e a segunda é constituída pelas planícies aluviais intermontanas.

O território municipal participou dos processos morfogenéticos que envolveram o sudeste brasileiro e, portanto, as superfícies cristalinas sofreram fases sucessivas de lavantamento e fraturamento, dando origem aos patamares cristalinos. Os processos erosivos comandados pela rede de drenagem local desgastaram gradativamente o terreno, originando vales encaixados nas linhas de falhas, morros rebaixados e arredondados e baixadas, ora largas, ora estreitas.

Nesse sistema morfogenético, o município de Itaperuna caracteriza-se por um relevo ondulado, com ausência de escarpas íngremes e vales em constante aprofundamento e alargamento, embora em áreas de pequeno declive.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A área territorial de Itaperuna é banhada por dois principais rios, o Rio Muriaé e o Rio Carangola.

Distâncias[editar | editar código-fonte]

Distâncias de Itaperuna a algumas principais cidades do Sudeste:

  • Distância de São Paulo: 650 km
  • Distância de Campos dos Goytacazes: 112 km
  • Distância de Vitória: 267 km
  • Distância de Belo Horizonte: 381 km
  • Distância de Juiz de Fora: 218 km
  • Distância do Rio de Janeiro: 313 km[10]

Clima[editar | editar código-fonte]

Devido ao fato de se encontrar entre vales, Itaperuna é conhecida por ter o clima mais quente do estado do Rio de Janeiro. Tem a máxima de 43°C resgistrada pelo IBC Instituto Brasileiro de Climatologia. A cidade é a mais quente em relação às cidades mais próximas, como Natividade, Laje do Muriaé e Bom Jesus do Itabapoana.

O clima tropical de Itaperuna apresenta chuvas durante o verão e temperaturas médias anuais entre 19°C e 32°C. É considerada uma das cidade mais quentes do estado do Rio de Janeiro, podendo chegar facilmente aos quarenta graus centígrados entre novembro e fevereiro.

Nuvola apps kweather.svg Médias meteorológicas para Itaperuna Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Média alta °C (°F) 32
(90)
33
(91)
32
(90)
30
(86)
28
(82)
27
(81)
27
(81)
28
(82)
28
(82)
29
(84)
29
(84)
31
(88)
Média diária °C (°F) 26
(79)
27
(81)
26
(79)
24
(75)
22
(72)
21
(70)
20
(68)
21
(70)
22
(72)
23
(73)
24
(75)
25
(77)
Média baixa °C (°F) 22
(72)
22
(72)
21
(70)
19
(66)
17
(63)
16
(61)
15
(59)
16
(61)
17
(63)
19
(66)
20
(68)
21
(70)
Precipitação mm (polegadas) 188
(7.4)
97
(3.82)
104
(4.09)
91
(3.58)
46
(1.81)
23
(0.91)
30
(1.18)
30
(1.18)
56
(2.2)
109
(4.29)
196
(7.72)
208
(8.19)
Fonte: The Weather Channel[11]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Itaperuna está dividida em seis setores e quarenta e seis bairros.

Distritos

  • Aré
  • Boa Ventura
  • Comendador Venâncio
  • Itajara
  • Nossa Senhora da Penha
  • Raposo
  • Retiro do Muriaé

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Itaperuna vem se tornando um polo estudantil no estado do Rio de Janeiro por agrupar faculdades particulares e determinados cursos em faculdades públicas, como a Universidade Federal Fluminense, Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro, Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro e Fundação Universitária de Itaperuna. O fluxo de estudantes vindos de cidades vizinhas diariamente é grande. Alguns fixam residência na cidade durante o período de estudos. Muitos vêm de outros estados, como Minas Gerais (Zona da Mata Mineira), Espírito Santo e Bahia. Em 2009, o Instituto Federal Fluminense, antigo Centro Federal de Educação Tecnológica de Campos, iniciou suas atividades na cidade ofertando os cursos técnicos de eletrotécnica e de guia de turismo. Hoje, o campus também conta com os cursos de informática e de eletromecânica.

Possui, também, várias faculdades particulares, dentre elas a Sociedade Universitária Redentor (Faculdade Redentor), o Centro Universitário São José e a Universidade Iguaçu. A cidade conta com vários cursos como administração de empresas, arquitetura, comunicação social, ciências biológicas, ciências contábeis, direito, educação física, enfermagem, engenharia civil, engenharia mecânica, engenharia de produção, engenharia de petróleo, farmácia, física, fisioterapia, fonoaudiologia, geografia, história, letras, matemática, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, pedagogia, psicologia, serviço social e sistema de informação.

Faculdades
Escolas técnicas

Saúde[editar | editar código-fonte]

Itaperuna é referência nacional e internacional no tratamento hospitalar de pacientes com problemas cardíacos e também neurológicos, pois abriga um dos mais modernos centros hospitalares do país: o Hospital São José do Avaí. A Casa de Saúde e Maternidade Santa Therezinha, hoje hospital das Clínicas é o maior centro de natalidade da região.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Itaperuna é a mais desenvolvida e a maior cidade do Noroeste Fluminense. Na cidade, há universidades, grandes empresas e um comércio bem desenvolvido. Destaque também para a agropecuária, que está em pleno desenvolvimento. Entre as grandes empresas situadas em Itaperuna, estão a Fábrica de Freios Boechat, a Quatá Alimentos (Leite Glória), a Camargo Correia, e a Fábrica de Laticínios Marília.

Comércio[editar | editar código-fonte]

Itaperuna também possui o comércio mais desenvolvido do Noroeste e atende um enorme fluxo de pessoas diariamente de Itaperuna e cidades vizinhas. Na Avenida Cardoso Moreira, Rua Assis Ribeiro e Rua 10 de Maio estão localizados o maior número de lojas e escritórios comerciais da cidade. Itaperuna também é um polo de confecções e atende de forma significativa à demanda regional. As grandes lojas de confecções que estão situadas na Rua José Rafael Vieira, ao lado do Terminal Rodoviário, recebem muitas excursões de revendedores de toda a região.

Alguns dos shoppings de Itaperuna:

  • Shopping Bittencourt
  • Edifício Rotary
  • Centro Comercial Jorge Nunes
  • Centro Comercial e Empresarial Itaperuna
  • Galeria Mak's
  • Itaperuna Shopping Rio Center

Rede bancária[editar | editar código-fonte]

Itaperuna possui uma ampla rede bancária com agências dos principais bancos: Itaú-Unibanco (três agências), Bradesco (duas agências), HSBC (uma agência), Caixa Econômica Federal (duas agências), Banco do Brasil (uma agência), Santander (uma agência), Casas Lotéricas (cinco agências).

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional[editar | editar código-fonte]

Abaixo a tabela demográfica de Itaperuna
1880 1900 1920 1940 1950 1960 1970 1980 1991 1996 2000 2007 2008 2009 2010 2013
13.083 39.187 90.807 127.353 75.011 78.130 60.622 63.168 78.000 81.797 86.720 92.852 102.781 99.454 95.876 98.004

Fonte: IBGE

Esporte[editar | editar código-fonte]

Itaperuna também é destaque no esporte, em especial no futebol, com o Itaperuna Esporte Clube, antigo Porto Alegre, que disputou o Campeonato Carioca de Futebol - Segunda Divisão pela última vez em 2011.

Esse time já disputou a Primeira Divisão do Campeonato Carioca, travando memoráveis partidas contra os times da capital, chegando inclusive a obter êxito em algumas oportunidades, vencendo jogos contra Flamengo, Fluminense e Botafogo. O único clube grande que o time do interior não conseguiu vencer foi o Vasco da Gama. Em 2011 disputou a Segunda Divisão do Campeonato Carioca, mas foi rebaixado para Terceira Divisão em 2012 por abandonar injustificadamente a competição[12] .

Turismo[editar | editar código-fonte]

Estátua do Cristo Redentor[editar | editar código-fonte]

Cristo Redentor de Itaperuna no morro do Castelo

Itaperuna possui a segunda maior estátua do Cristo Redentor do Brasil, com vinte metros de altura[13] . Foi inaugurada em 1966, nos festejos do aniversário do município, pelo então prefeito Cláudio Cerqueira Bastos.

Notas[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa da população em 2013 Estimativa da população em 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2013). Página visitada em 11 de dezembro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 29 de Julho de 2013..
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 574.
  7. http://www.ferias.tur.br/informacoes/7020/porciuncula-rj.html
  8. http://www.itaperuna.com.br/historico.asp
  9. http://www.itaperuna.com.br/historico.asp
  10. http://maps.google.com.br/maps?saddr=itaperuna&daddr=-22.2083969,-42.899063+to:rio+de+janeiro&hl=pt-BR&ll=-22.144164,-42.459412&spn=1.434779,2.469177&sll=-14.239424,-53.186502&sspn=46.771555,79.013672&geocode=Ff5pvP4d39CA_SkHdVSHb2C8ADHfSzyZcPBV6A%3BFXQgrf4diWlx_SkT_6vB1kCYADF0QUUvWXAKrA%3BFQ2Fov4djaxs_SkLtSRC_n6ZADHuWWyEPCWI-Q&mra=ls&z=9&via=1
  11. The Weather Channel: Marcas e registros mensais - Itaperuna, RJ. Página visitada em 09 de fevereiro de 2010.
  12. http://www.e-tribuna.com.br/2011/index.php?option=com_content&view=article&id=12792%3Aitaperuna-e-rebaixado-para-a-serie-c-em-2012&Itemid=142
  13. http://www.rj.gov.br/web/seel/exibeconteudo?article-id=279021