Paulo Cézar Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paulo Cézar Caju
Informações pessoais
Nome completo Paulo Cézar Lima
Data de nasc. 16 de junho de 1949 (65 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro (RJ),  Brasil
Informações profissionais
Posição ex-Meia / Ponta-esquerda
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1967–1972
1972–1974
1974–1975
1975–1977
1977–1978
1978–1979
1980
1981
1981
1982–1983
1983
Brasil Botafogo
Brasil Flamengo
França Olympique de Marseille
Brasil Fluminense
Brasil Botafogo
Brasil Grêmio
Brasil Vasco da Gama
Brasil Corinthians
Estados Unidos California Surf
França AS Aix
Brasil Grêmio
264 (83)
105 (19)
31 (17)
85 (16)






Seleção nacional
1967–1977 Brasil Brasil 78 (17)

Paulo Cézar Lima, mais conhecido como Paulo Cézar Caju (Rio de Janeiro, 16 de junho de 1949) é um ex-futebolista brasileiro, que atuava como meia e ponta-esquerda.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido na favela da Cocheira, Paulo Cézar Lima tinha o sonho de fazer sucesso no futebol e sair da miséria. Como a favela onde fora criado ficava no bairro de Botafogo, nada era mais natural do que ele fosse tentar a sorte no alvinegro de General Severiano.

Foi revelado pelo Botafogo e atuou pelo clube desde o fim dos anos 1960 ao início dos anos 1970. Em 1967, aos 18 anos, Paulo Cézar concretizou de vez seu sonho, ao tornar-se jogador do time principal do Botafogo e participar de sua primeira temporada no Glorioso. Foi apelidado de "Nariz de Ferro" e "Urubu Feio".[carece de fontes?] Seu futebol habilidoso e provocador foi chamando a atenção do público futebolístico. Em pouco tempo, tornou-se conhecido em seu estado natal. Ainda em 1967, Paulo Cézar foi convocado pela primeira vez para a seleção brasileira. Foi campeão carioca em 1967, quando marcou três gols no jogo decisivo, contra o America,[1] e 1968, e da Taça Brasil de 1968.

O apelido caju, que tornou-se quase um sobrenome, surgiu quando retornou dos Estados Unidos em 1968 com os cabelo pintados de vermelho. A pintura de vermelho dos cabelos foi feita como forma de demonstrar seu apoio ao movimento dos panteras negras, com o qual o jogador identificava-se politicamente.[2]

Atuava na ponta-esquerda. Aos 21 anos de idade, disputou, como reserva da seleção brasileira, a Copa do Mundo de 1970, no México. O técnico Zagallo, a princípio, tentou encaixá-lo no time, mas depois percebeu que, com o esquema que pretendia usar, os dois não poderiam jogar juntos.[3] Na volta do México, disse a uma emissora de televisão "Não queremos saber do Botafogo", o que causou mal-estar no clube, mas foi contornado depois que o jogador disse ter dado a declaração para livrar-se do repórter.[4]

Com a perda do título carioca para o Fluminense em 1971, Paulo Cézar foi responsabilizado pela derrota e teve que deixar o Botafogo. O motivo da discórdia foi uma jogada que fez em uma partida realizada quando seu clube estava com boa vantagem na tabela, a poucos jogos do fim: Paulo Cézar fez embaixadas diante de seus marcadores, o que foi entendido como uma atitude de desprezo para com os demais adversários do Botafogo, que até então aceitavam a superioridade do time. A partir daí, as partidas tornaram-se bem mais difíceis, com o time alvinegro perdendo pontos importantes, até finalmente ser superado pelo Fluminense, que se sagraria campeão.

Em 1972, Paulo Cézar transferiu-se para o Flamengo, time pelo qual jogou até 1974. Na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha, foi titular da seleção brasileira.

Mas só faria um contrato realmente bom quando foi vendido ao Olympique de Marseille, da França, depois da Copa de 1974. "Sempre troquei de time por interesses profissionais", disse à revista Placar, em 1979. "E acho que deve ser assim mesmo, pois a carreira é curta. Hoje, minha situação financeira é apenas razoável, ao contrário do que muitos podem pensar. Contrato excepcional mesmo só fiz com o Olympique. Os outros foram apenas bons.".[5]

Jogaria ainda pelo Fluminense, onde fez parte da lendária equipe que ficou conhecida como Máquina Tricolor (em 1975), tendo sido bicampeão carioca em 1975 e 1976, semifinalista dos campeonatos brasileiros nestes anos e conquistando vários torneios internacionais amistosos neste período.[6]

Teve uma primeira passagem pelo Grêmio, entre 1978 e 1979. Saiu do clube gaúcho e passou ainda por Vasco da Gama e Corinthians, que fez um apelo publicitário aos seus torcedores para arrecadar dinheiro para a contratação.[7] Retornou ao tricolor gaúcho, onde foi campeão mundial da Copa Intercontinental em 1983.

Em 1997, foi a estrela de um documentário cinematográfico sobre sua vida, feito para lançamento durante a fase promocional da Copa do Mundo de 1998, na França. Embora as filmagens tenham se concentrado em mostrar dez dias de seu cotidiano como ex-jogador sem que o mesmo prestasse qualquer depoimento ou entrevista formal, houve algumas referências sobre sua bem-sucedida e polêmica carreira, além de belas jogadas preservadas em arquivos diversos terem sido exibidas.

Em 2005, foi homenageado pelo Botafogo, com o lançamento de uma camisa comemorativa, com seu nome e o número 11 às costas. A partir de maio de 2008, passou a escrever às terças-feiras para o Jornal da Tarde,[8] onde prometeu "soltar o verbo".[1]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Botafogo
Flamengo
Olympique Marseille
Fluminense
Grêmio
Vasco da Gama
Seleção brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Artilharias[editar | editar código-fonte]

Botafogo

Referências

  1. a b "Uma cidade maravilhosa", Paulo Cézar Caju, Jornal da Tarde, 20/5/2008, pág. 16C
  2. http://oglobo.globo.com/blogs/blog-do-caju/
  3. "Nossos pontas jogam errado", Aimoré Moreira, Placar número 5, 17/4/1970, Editora Abril, pág. 6
  4. "Os campeões já chegaram, a crise do Botafogo continua", Fausto Neto, Placar número 16, 3/7/1970, Editora Abril, pág. 37
  5. "Ciganos da bola", Placar número 495, 26/10/1979, Editora Abril, pág. 50
  6. Site Flumania, disponível em 22 de janeiro de 2014
  7. "Olha só quem o JT contratou", Jornal da Tarde, 19/5/2008, pág. 14C
  8. "Olha só quem o JT contratou", Jornal da Tarde, 19/5/2008, pág. 15C

Ligações externas[editar | editar código-fonte]