Caetano de Domenico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Caetano de Domenico
Informações pessoais
Nome completo Caetano de Domenico
Data de nasc. 31 de outubro de 1895
Local de nasc. Messina, Sicília,  Itália
Nacionalidade Itália Italiano
Falecido em 15 de novembro de 1995 (100 anos)
Local da morte São Paulo (SP),  Brasil
Informações profissionais
Posição ex-Futebolista
Função Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)


Brasil São Bento-SP
Brasil Payssandu-SP
Brasil Ypiranga-SP
Seleção nacional
São Paulo Seleção Paulista
Times/Equipas que treinou
1934–1935
1938

1940–1941
1940–1950
1950
1953–1954
Brasil Santos
Brasil São Paulo Railway
Brasil Ypiranga-SP
Brasil Palestra Itália
Brasil Nacional-SP
Brasil Santos
Brasil Ferroviária



90


31

Caetano de Domenico[nota 1][1] (Messina, 31 de outubro de 1895 – São Paulo, 15 de novembro de 1995) foi um treinador e ex-futebolista italiano radicado no Brasil.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Pré-futebol[editar | editar código-fonte]

De Domenico foi um personagem importante da história do futebol paulista. Sobrevivente de um terremoto que devastou sua cidade natal e matou mais de 28 mil pessoas no final do século XVIII[carece de fontes?], chegou ao Brasil em 1910. Chapeleiro de profissão, mudou-se para o bairro do Ipiranga em 1912, onde residiu até falecer, com pouco mais de 100 anos de idade.

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Contabilizou, como jogador, passagens por São Bento, Payssandu e Ypiranga-SP, todos da capital paulista, chegando inclusive à Seleção Paulista.

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Como treinador, comandou Santos, Ypiranga[2] e Palestra Itália[3][4] (atual Palmeiras, no qual foi campeão paulista em 1940[5]). Também dirigiu o São Paulo Railway (antecessor do atual Nacional-SP), em 1938 e entre 1940–1950.

Tinha fama de retranqueiro. Um dos sistemas defensivos que criou foi batizado de cerradinha, nas décadas de 1930 e 1940.

O livro Almanaque do Palmeiras, de Celso Unzelte e Mário Sérgio Venditti, informa que comandou o Palestra em 90 jogos entre 1940–1941, com 57 vitórias, 21 empates e 12 derrotas.

Caetano também dirigiu a Ferroviária de Araraquara[6][7]. Estreou no jogo de número 88 da história do clube, realizado no dia 21 de junho de 1953 contra a Portuguesa Santista. O time de Santos venceu por 2–0. Pediu demissão do cargo, alegando problemas familiares e incompatibilidade com o forte calor araraquarense. Para seu lugar, foi anunciado o treinador argentino Armando Renganeschi, que subira com o XV de Jaú em 1951 e com o Linense em 1952.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como treinador[editar | editar código-fonte]

Palestra Itália (atual Palmeiras)
Palmeiras
  • São Paulo Taça Cavalheiro Ernesto Giuliano: 1941[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Algumas fontes da internet divergem sobre a ortografia correta do sobrenome do treinador. O de aparece muitas vezes como De, di ou Di. Quanto ao Domenico, em inúmeras oportunidades é referido como Domênico, que seria a forma aportuguesada desse sobrenome.

Referências

  1. ROZENBERG, Marcelo. «Que Fim Levou? Caetano de Domenico». TerceiroTempo.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  2. CALICCHIO, Renato (12 de abril de 2012). «Encontro depois de 40 anos – Clube Atlético Ypiranga». SãoPauloMinhaCidade.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  3. «Técnicos C». Porcopédia.com. 11 de maio de 2017. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  4. JÚNIOR, Roberto (8 de novembro de 2014). «Seu time já teve um jogador europeu; veja quem». Torcedores.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  5. TardesdePacaembu (16 de maio de 2013). «Oberdan... o "Clark Gable" das traves». TardesdePacaembu.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  6. «Campanha no ano 1953». AFEnet.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  7. «Campanha no ano 1954». AFEnet.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  8. «Técnicos – Caetano de Domenico». Palmeiras.com. Consultado em 20 de agosto de 2017 
  9. «Taça Cavalheiro Ernesto Giuliano». Porcopédia.com. 20 de setembro de 2011. Consultado em 20 de agosto de 2017 
Precedido por
Pedro Mazullo
Osvaldo Brandão
Técnico do Santos
1934–1935
1950
Sucedido por
Bilu
Artigas
Precedido por
Ângelo Mastrandrea
Técnico do Palestra Itália
1940–1941
Sucedido por
Mário Minervino
Precedido por
Técnico do Nacional
1940–1950
Sucedido por
Precedido por
Abel Picabéa
Técnico da Ferroviária
1953–1954
Sucedido por
Armando Renganeschi