Carnavalescos campeões do carnaval do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joãosinho Trinta é o carnavalesco com mais títulos no carnaval carioca. Foram nove conquistas na primeira divisão e outras três em grupos de acesso.

A lista de carnavalescos campeões do carnaval do Rio de Janeiro relaciona os carnavalescos vencedores de cada ano dos desfiles da primeira divisão do carnaval carioca. O Desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro é a parada carnavalesca que acontece anualmente no período de carnaval. Um determinado número de agremiações disputa o título de campeã do carnaval através de avaliações feitas por jurados divididos em diversos quesitos previamente estipulados pela liga organizadora do evento. O desfile competitivo foi idealizado pelo jornalista pernambucano Mário Filho, irmão do dramaturgo Nelson Rodrigues, através do seu periódico, Mundo Sportivo. O primeiro concurso ocorreu no carnaval de 1932. Ao longo dos anos, a primeira divisão do carnaval carioca teve várias nomenclaturas, passando pela organização de diversas entidades carnavalescas.[1][2][3]

O carnavalesco é o profissional responsável pela concepção e desenvolvimento do enredo a ser apresentado por uma escola de samba, bem como a concepção, desenvolvimento e construção das alegorias e fantasias relacionadas ao enredo por este proposto. Em alguns casos, os carnavalescos desenvolvem o enredo a partir de um tema proposto pela direção da escola de samba. Em outros, ele mesmo sugere o tema a partir de uma ideia original sua. Muitos carnavalescos têm formação ou alguma ligação com artes plásticas, artes cênicas, teatro ou dança.[4][5] Algumas agremiações optam por uma comissão de carnaval, quando um conjunto de carnavalescos trabalham juntos na concepção e confecção de um desfile.[6]

O termo "carnavalesco" foi difundido a partir da década de 1960, quando o professor da Escola de Belas Artes e cenógrafo do Teatro Municipal do Rio de Janeiro Fernando Pamplona levou para o Salgueiro cenógrafos e alunos seus na EBA para trabalhar no barracão da escola. A partir de então, as demais agremiações passaram a convidar artistas acadêmicos para confeccionar seus desfiles, consolidado a presença de artistas plásticos nos desfiles de escolas de samba. Nos primórdios dos desfiles, o carnaval era confeccionado pelos próprios desfilantes e pessoas ligadas à direção das escolas, o que explica a falta de informações sobre alguns dos primeiros desfiles organizados.

Mais de cinquenta carnavalescos diferentes já conquistaram, uma ou mais vezes, o título máximo do carnaval carioca. Joãosinho Trinta é o maior vencedor, com nove títulos conquistados na primeira divisão e outros três em grupos de acesso. O carnavalesco também detém o recorde de títulos consecutivos, conquistados entre os carnavais de 1974 a 1978.

Campeões por ano[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a listagem de carnavalescos campeões em cada ano da primeira divisão do carnaval do Rio de Janeiro. Ao longo dos anos, a primeira divisão do carnaval carioca teve várias nomenclaturas e foi organizada por diversas entidades carnavalescas. Em alguns dos anos, houveram mais de um desfile. Também são comuns empates entre as escolas. Alguns carnavais, especialmente no início da competição, não possuem informação disponível sobre carnavalescos campeões e enredos.

Legenda:  *  Sem informação disponível
Pré-oficialização
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1932 * Estação Primeira de Mangueira Sorrindo / Na Floresta [7] [8]
1933 Pedro Palheta (1) e Maçu da Mangueira (1) Estação Primeira de Mangueira Uma Segunda-feira no Bonfim da Bahia [9] [10]
1934
[nota 1]
* Estação Primeira de Mangueira
(O País)
Divina Dama / República da Orgia [11] [12]
* Recreio de Ramos
(A Hora)
*
Desfile Oficial
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1935 Antônio Caetano (1) Vai Como Pode (Portela) O Samba Dominando o Mundo [13] [14]
1936 * Unidos da Tijuca Sonhos Delirantes [15] [16]
1937 * Vizinha Faladeira Uma Só Bandeira [17] [18]
1938 As escolas desfilaram, mas não foram julgadas [nota 2] [19] [20] [21]
1939 Paulo da Portela (1) Portela Teste ao Samba [22] [23]
1940 * Estação Primeira de Mangueira Prantos, Pretos e Poetas [24] [25]
1941 Paulo da Portela (2) e Lino Manoel dos Reis (1) Portela Dez Anos de Glória [26] [27]
1942 Lino Manoel dos Reis (2) Portela A Vida do Samba [28] [29]
1943 Liga da Defesa Nacional (1) Portela Carnaval de Guerra [30] [31]
1944 Liga da Defesa Nacional (2) Portela Brasil Glorioso [32] [33]
1945 Liga da Defesa Nacional (3) Portela Motivos Patrióticos [34] [35]
1946 Lino Manoel dos Reis (3) Portela Alvorada do Novo Mundo [36] [37]
1947 Euzébio (1) e Lino Manoel dos Reis (4) Portela Honra ao Mérito [38] [39]
1948 * Império Serrano Homenagem a Antônio Castro Alves [40] [41]
1949
[nota 3]
* Império Serrano
(FBES)
Exaltação a Tiradentes [42] [43] [44]
* Estação Primeira de Mangueira]
(UGESB)
Apologia aos mestres
1950
[nota 4]
* Império Serrano
(FBES)
Batalha Naval do Riachuelo [45] [46][47][48][49]
* Estação Primeira de Mangueira
(UCES)
Plano SALTE — Saúde, Lavoura, Transporte e Educação
* Prazer da Serrinha
(UGESB)
*
* Unidos da Capela
(UGESB)
*
1951
[nota 5]
* Império Serrano
(FBES)
Sessenta e Um Anos de República [50] [51][52][53]
Lino Manoel dos Reis (5) Portela
(UGESB)
A Volta do Filho Pródigo
Supercampeonato
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1952 A apuração não foi realizada [nota 6] [54] [55][56]
1953 Lino Manoel dos Reis (6) Portela As Seis Datas Magnas [57] [58]
1954 * Estação Primeira de Mangueira Rio de Janeiro de Ontem e Hoje [59] [60]
1955 * Império Serrano Exaltação a Caxias [61] [62]
1956 * Império Serrano Caçador de Esmeraldas ou Sonhos das Esmeraldas [63] [64]
1957 Djalma Vogue (1), Candeia (1) e Joacir (1) Portela Legados de D. João VI [65] [66]
1958 Djalma Vogue (2) Portela Vultos e Efemérides do Brasil [67] [68]
1959 Djalma Vogue (3) Portela Brasil, Panteon de Glórias [69] [70]
1960
[nota 7]
Djalma Vogue (4) Portela Rio, Capital Eterna do Samba ou Rio, Cidade Eterna [71] [72]
* Estação Primeira de Mangueira Glória ao Samba ou Carnaval de Todos os Tempos
Fernando Pamplona (1), Arlindo Rodrigues (1) e Newton de Sá (1) Acadêmicos do Salgueiro Quilombo dos Palmares
João Moleque (1) Unidos da Capela Produtos e Costumes de Nossa Terra
* Império Serrano Medalhas e Brasões
1961 * Estação Primeira de Mangueira Reminiscências do Rio Antigo [73] [74]
Grupo 1
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1962 Nelson de Andrade (1) Portela Rugendas ou Viagens Pitorescas Através do Brasil [75] [76]
1963 Arlindo Rodrigues (2) Acadêmicos do Salgueiro Chica da Silva [77] [78]
1964 Nelson de Andrade (2) Portela O Segundo Casamento de D. Pedro I [79] [80]
1965 Arlindo Rodrigues (3) e Fernando Pamplona (2) Acadêmicos do Salgueiro História do Carnaval Carioca - Eneida [81] [82]
1966 Nelson de Andrade (3) Portela Memórias de Um Sargento de Milícias [83] [84]
1967 Júlio Mattos (1) Estação Primeira de Mangueira O Mundo Encantado de Monteiro Lobato [85] [86]
1968 Júlio Mattos (2) Estação Primeira de Mangueira Samba, Festa de Um Povo [87] [88]
1969 Arlindo Rodrigues (4) e Fernando Pamplona (3) Acadêmicos do Salgueiro Bahia de Todos os Deuses [89] [90]
1970 Clóvis Bornay (1) e Arnaldo Pederneiras (1) Portela Lendas e Mistérios da Amazônia [91] [92]
1971 Arlindo Rodrigues (5), Fernando Pamplona (4), Maria Augusta (1) e Joãsinho Trinta (1) Acadêmicos do Salgueiro Festa Para Um Rei Negro [93] [94]
1972 Fernando Pinto (1) Império Serrano Alô, Alô, Taí Carmem Miranda [95] [96]
1973 Júlio Mattos (3) Estação Primeira de Mangueira Lendas do Abaeté [97] [98]
1974 Joãosinho Trinta (2) e Maria Augusta (2) Acadêmicos do Salgueiro O Rei de França na Ilha da Assombração [99] [100]
1975 Joãosinho Trinta (3) Acadêmicos do Salgueiro O Segredo das Minas do Rei Salomão [101] [102]
1976 Joãosinho Trinta (4) Beija-Flor Sonhar com Rei dá Leão [103] [104] [105]
1977 Joãosinho Trinta (5) Beija-Flor Vovó e o Rei da Saturnália na Corte Egípciana [106] [107] [108]
1978 Joãosinho Trinta (6) Beija-Flor A Criação do Mundo na Tradição Nagô [109] [110] [111]
Grupo 1-A
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1979 Arlindo Rodrigues (6) Mocidade Independente de Padre Miguel O Descobrimento do Brasil [112] [113] [114]
1980
[nota 8]
Joãosinho Trinta (7) Beija-Flor O Sol da Meia-noite, Uma Viagem ao País das Maravilhas [115] [116] [117]
Arlindo Rodrigues (7) Imperatriz Leopoldinense O Quê que a Bahia Tem?
Viriato Ferreira (1) Portela Hoje tem Marmelada!
1981 Arlindo Rodrigues (8) Imperatriz Leopoldinense O Teu Cabelo Não Nega [118] [119] [120]
1982 Rosa Magalhães (1) e Lícia Lacerda (1) Império Serrano Bum Bum Paticumbum Prugurundum [121] [122] [123]
1983 Joãosinho Trinta (8) Beija-Flor A Grande Constelação das Estrelas Negras [124] [125] [126]
1984
[nota 9]
Edmundo Braga (1) e Paulino Espírito Santo (1) Portela
(Desfile de domingo)
Contos de Areia [127][128] [129] [130]
Max Lopes (1) Estação Primeira de Mangueira
(Desfile de segunda-feira)
Yes, Nós Temos Braguinha
Max Lopes (2) Estação Primeira de Mangueira
(Supercampeonato)
1985 Fernando Pinto (2) Mocidade Independente de Padre Miguel Ziriguidum 2001 - Carnaval nas Estrelas [131] [132] [133]
1986 Júlio Mattos (4) Estação Primeira de Mangueira Caymmi Mostra ao Mundo o que a Bahia e a Mangueira Têm [134] [135] [136]
Grupo 1
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1987 Júlio Mattos (5) Estação Primeira de Mangueira No Reino das Palavras, Carlos Drummond de Andrade [137] [138] [139]
1988 Paulo César Cardoso (1), Milton Siqueira (1) e Ilvamar Magalhães (1) Unidos de Vila Isabel Kizomba, Festa da Raça [140] [141] [142]
1989 Max Lopes (3) Imperatriz Leopoldinense Liberdade, Liberdade, Abre as Asas Sobre Nós! [143] [144] [145]
Grupo Especial
Ano Carnavalesco campeão / (número do título) Escola de samba Enredo Ref.
1990 Renato Lage (1) e Lilian Rabello (1) Mocidade Independente de Padre Miguel Vira, Virou, a Mocidade Chegou [146] [147] [148]
1991 Renato Lage (1) e Lilian Rabello (1) Mocidade Independente de Padre Miguel Chuê, Chuá, as Águas Vão Rolar [149] [150] [151]
1992 Chico Spinoza (1) e Mário Monteiro (1) Estácio de Sá Paulicéia Desvairada - 70 Anos de Modernismo [152] [153] [154]
1993 Mario Borriello (1) Acadêmicos do Salgueiro Peguei Um Ita no Norte [155] [156] [157]
1994 Rosa Magalhães (2) Imperatriz Leopoldinense Catarina de Médicis na Corte dos Tupinambôs e dos Tabajéres [158] [159] [160]
1995 Rosa Magalhães (3) Imperatriz Leopoldinense Mais Vale Um Jegue que Me Carregue, que Um Camelo que Me Derrube, Lá no Ceará [161] [162] [163]
1996 Renato Lage (3) Mocidade Independente de Padre Miguel Criador e Criatura [164] [165] [166]
1997 Joãosinho Trinta (9) Unidos do Viradouro Trevas! Luz! A Explosão do Universo [167] [168] [169]
1998
[nota 10]
Cid Carvalho (1), Amarildo de Mello (1), Anderson Müller (1), Fran Sérgio (1), Ubiratan Silva (1), Nelson Ricardo (1), Paulo Führo (1) e Victor Santos (1) Beija-Flor O Mundo Místico dos Caruanas nas Águas do Patu-anu [170] [171] [172]
Alexandre Louzada (1) Estação Primeira de Mangueira Chico Buarque da Mangueira
1999 Rosa Magalhães (4) Imperatriz Leopoldinense Brasil, Mostra a Sua Cara em... Theatrum Rerum Naturalium Brasiliae [173] [174] [175]
2000 Rosa Magalhães (5) Imperatriz Leopoldinense Quem Descobriu o Brasil Foi Seu Cabral, no Dia 22 de Abril, Dois Meses Depois do Carnaval [176] [177] [178]
2001 Rosa Magalhães (6) Imperatriz Leopoldinense Cana-caiana, Cana Roxa, Cana Fita, Cana Preta, Amarela, Pernambuco... Quero Vê Descê o Suco na Pancada do Ganzá [179] [180] [181]
2002 Max Lopes (4) Estação Primeira de Mangueira Brazil com Z é pra Cabra da Peste, Brasil com S é Nação do Nordeste [182] [183] [184]
2003 Laíla (1), Cid Carvalho (2), Fran Sérgio (2), Ubiratan Silva (2) e Shangai (1) Beija-Flor O Povo Conta a Sua História: Saco Vazio Não Para em Pé - A Mão que Faz a Guerra, Faz a Paz [185] [186] [187]
2004 Laíla (2), Cid Carvalho (3), Fran Sérgio (3), Ubiratan Silva (3) e Shangai (2) Beija-Flor Manôa, Manaus, Amazônia, Terra Santa: Alimenta o Corpo, Equilibra a Alma e Transmite a Paz [188] [189] [190]
2005 Laíla (3), Cid Carvalho (4), Fran Sérgio (4), Ubiratan Silva (4) e Shangai (3) Beija-Flor O Vento Corta as Terras dos Pampas. Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Guarani. Sete Povos na Fé e na Dor... Sete Missões de Amor [191] [192] [193]
2006 Alexandre Louzada (2) Unidos de Vila Isabel Soy Loco por Ti, América - A Vila Canta a Latinidade [194] [195] [196]
2007 Laíla (4), Alexandre Louzada (3), Fran Sérgio (5), Ubiratan Silva (5) e Shangai (4) Beija-Flor Áfricas - Do Berço Real à Corte Brasiliana [197] [198] [199]
2008 Laíla (5), Alexandre Louzada (4), Fran Sérgio (6), Ubiratan Silva (6) e Shangai (5) Beija-Flor Macapabá: Equinócio Solar, Viagens Fantásticas ao Meio do Mundo [200] [201] [202]
2009 Renato Lage (4) Acadêmicos do Salgueiro Tambor [203][204]
2010 Paulo Barros (1) Unidos da Tijuca É segredo! [205][206]
2011 Laíla (6), Alexandre Louzada (5), Fran Sérgio (7), Ubiratan Silva (7) e Victor Santos (2) Beija-Flor A Simplicidade de um Rei [207][208]
2012 Paulo Barros (2) Unidos da Tijuca O Dia em que Toda a Realeza Desembarcou na Avenida para Coroar o Rei Luiz do Sertão [209][210]
2013 Rosa Magalhães (7) Unidos de Vila Isabel A Vila Canta o Brasil, Celeiro do Mundo - "Água no Feijão que Chegou Mais Um" [211][212]
2014 Paulo Barros (3) Unidos da Tijuca Acelera, Tijuca! [213][214]
2015 Laíla (7), Fran Sérgio (8), Ubiratan Silva (8), Victor Santos (3), André Cezari (1), Bianca Behrends (1) e Cláudio Russo (1) Beija-Flor Um Griô Conta a História: Um Olhar Sobre a África e o Despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos Sobre a Trilha de Nossa Felicidade [215][216]
2016 Leandro Vieira (1) Estação Primeira de Mangueira Maria Bethânia: A Menina dos Olhos de Oyá [217][218]
2017
[nota 11]
Paulo Barros (4) Portela Quem Nunca Sentiu o Corpo Arrepiar ao Ver Esse Rio Passar? [219][220][221]
Alexandre Louzada (6) Mocidade Independente de Padre Miguel As Mil e Uma Noites de Uma 'Mocidade' pra Lá de Marrakesh
2018 Laíla (8), Cid Carvalho (5), Victor Santos (4), Bianca Behrends (2), Rodrigo Pacheco (1) e Léo Mídia (1) Beija-Flor Monstro É Aquele que Não Sabe Amar. Os Filhos Abandonados da Pátria que os Pariu [222][223]
2019 Leandro Vieira (2) Estação Primeira de Mangueira História para Ninar Gente Grande [224][225]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Títulos por carnavalesco(a)[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de títulos conquistados por cada carnavalesco. Mais de cinquenta profissionais já conquistaram o título máximo do carnaval carioca, seja em trabalhos individuais, em dupla ou participando de comissões. Joãosinho Trinta é o maior vencedor do carnaval do Rio de Janeiro com nove títulos conquistados na primeira divisão.

O carnavalesco Arlindo Rodrigues tem oito títulos conquistados no carnaval do Rio.
Desde que instaurou a Comissão de Carnaval na Beija-Flor, em 1998, Laíla conquistou oito títulos pela escola.
O carnavalesco Fran Sérgio conquistou oito títulos participando da Comissão de Carnaval da Beija-Flor.
Rosa Magalhães é uma das maiores vencedoras do carnaval carioca, com sete títulos no currículo.
Legenda:  †  Carnavalesco(a) falecido(a)
# Carnavalesco(a) Títulos Anos
1 Joãsinho Trinta 9 1971, 1974, 1975, 1976, 1977, 1978, 1980, 1983 e 1997
2 Arlindo Rodrigues 8 1960, 1963, 1965, 1969, 1971, 1979, 1980 e 1981
Fran Sérgio 1998, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011 e 2015
Laíla 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011, 2015 e 2018
Ubiratan Silva 1998, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011 e 2015
3 Rosa Magalhães 7 1982, 1994, 1995, 1999, 2000, 2001 e 2013
4 Alexandre Louzada 6 1998, 2006, 2007, 2008, 2011 e 2017
Lino Manoel dos Reis † 1941, 1942, 1946, 1947, 1951 e 1953
5 Cid Carvalho 5 1998, 2003, 2004, 2005 e 2018
Júlio Mattos 1967, 1968, 1973, 1986 e 1987
Shangai 2003, 2004, 2005, 2007 e 2008
6 Djalma Vogue † 4 1957, 1958, 1959 e 1960
Fernando Pamplona 1960, 1965, 1969 e 1971
Max Lopes 1984 (dois títulos), [nota 12] 1989 e 2002
Paulo Barros 2010, 2012, 2014 e 2017
Renato Lage 1990, 1991, 1996 e 2009
Victor Santos 1998, 2011, 2015 e 2018
7 Liga da Defesa Nacional 3 1943, 1944 e 1945
Nelson de Andrade † 1962, 1964 e 1966
8 Bianca Behrends 2 2015 e 2018
Fernando Pinto 1972 e 1985
Leandro Vieira 2016 e 2019
Lilian Rabello 1990 e 1991
Maria Augusta 1971 e 1974
Paulo da Portela 1939 e 1941
9 Amarildo de Mello 1 1998
Anderson Müller 1998
André Cezari 2015
Antônio Caetano † 1935
Arnaldo Pederneiras 1970
Candeia 1957
Chico Spinoza 1992
Cláudio Russo 2015
Clóvis Bornay 1970
Edmundo Braga 1984
Euzébio 1947
Ilvamar Magalhães 1988
Joacir 1957
João Moleque 1960
Léo Mídia 2018
Lícia Lacerda 1982
Maçu da Mangueira † 1933
Mario Borriello 1993
Mário Monteiro 1992
Milton Siqueira 1988
Nelson Ricardo 1998
Newton de Sá 1960
Paulino Espírito Santo 1984
Paulo César Cardoso 1988
Paulo Führo 1998
Pedro Palheta 1933
Rodrigo Pacheco 2018
Viriato Ferreira 1980

Títulos consecutivos[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a relação de títulos conquistados consecutivamente por cada carnavalesco. Joãosinho Trinta detém a marca de cinco títulos conquistados consecutivamente de 1974 a 1978.

Joãosinho Trinta é o carnavalesco que mais títulos conquistou consecutivamente. Foram cinco campeonatos seguidos: Dois pelo Salgueiro (1974-75) e três pela Beija-Flor (1976-77-78).
Alexandre Louzada conquistou três títulos consecutivos entre 2006 e 2008, sendo um pela Vila Isabel, e dois pela Beija-Flor.
Títulos Carnavalesco(a) Anos
5 Joãosinho Trinta 1974, 1975, 1976, 1977 e 1978
4 Djalma Vogue 1957, 1958, 1959 e 1960
3 Arlindo Rodrigues 1979, 1980 e 1981
Rosa Magalhães 1999, 2000 e 2001
Cid Carvalho 2003, 2004 e 2005
Fran Sérgio 2003, 2004 e 2005
Laíla 2003, 2004 e 2005
Shangai 2003, 2004 e 2005
Ubiratan Silva 2003, 2004 e 2005
Alexandre Louzada 2006, 2007 e 2008
Liga da Defesa Nacional 1943, 1944 e 1945
2 Lino Manoel dos Reis 1941 e 1942
1946 e 1947
Júlio Mattos 1967 e 1968
1986 e 1987
Lilian Rabello 1990 e 1991
Renato Lage 1990 e 1991
Rosa Magalhães 1994 e 1995
Fran Sérgio 2007 e 2008
Laíla 2007 e 2008
Shangai 2007 e 2008
Ubiratan Silva 2007 e 2008

Títulos consecutivos em escolas diferentes[editar | editar código-fonte]

Apenas três carnavalescos conseguiram a façanha de vencer consecutivamente em escolas diferentes.

Carnavalesco(a) Ano / Escola
Joãosinho Trinta 1974 e 1975 (Acadêmicos do Salgueiro), 1976, 1977 e 1978 (Beija-Flor)
Arlindo Rodrigues 1979 (Mocidade Independente de Padre Miguel), 1980 e 1981 (Imperatriz Leopoldinense)
Alexandre Louzada 2006 (Unidos de Vila Isabel), 2007 e 2008 (Beija-Flor)

Campeões por escolas diferentes[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavalescos campeões em escolas diferentes. Alexandre Louzada detém o recorde de ter sido campeão em quatro agremiações.

Carnavalesco(a) Quantidade Escolas em que venceu
Alexandre Louzada 4 escolas Estação Primeira de Mangueira, Unidos de Vila Isabel, Beija-Flor e Mocidade Independente de Padre Miguel
Arlindo Rodrigues 3 escolas Acadêmicos do Salgueiro, Mocidade Independente de Padre Miguel e Imperatriz Leopoldinense
Joãosinho Trinta Acadêmicos do Salgueiro, Beija-Flor e Unidos do Viradouro
Rosa Magalhães Império Serrano, Imperatriz Leopoldinense e Unidos de Vila Isabel
Fernando Pinto 2 escolas Império Serrano e Mocidade Independente de Padre Miguel
Max Lopes Estação Primeira de Mangueira e Imperatriz Leopoldinense
Paulo Barros Unidos da Tijuca e Portela
Renato Lage Mocidade Independente de Padre Miguel e Acadêmicos do Salgueiro

Campeões por década[editar | editar código-fonte]

Antônio Caetano, Maçu da Mangueira, Paulo da Portela e Pedro Palheta foram os primeiros carnavalescos campeões do carnaval carioca. Cada um conquistou um título na década de 1930. Ainda que na época o termo "carnavalesco" não fosse difundido no meio, foram eles os responsáveis pelo enredo e pela parte plástica dos desfiles. Lino Manoel dos Reis foi o maior campeão da década de 1940, vencendo quatro carnavais pela Portela. Djalma Vogue foi quem mais venceu na década de 1950, ganhando três campeonatos pela Portela. Na década de 1960, Arlindo Rodrigues foi o maior vencedor, conquistando quatro títulos. A década de 1970 foi dominada por Joãosinho Trinta, que venceu seis campeonatos. Max Lopes ganhou três títulos nos anos 80. A década de 1990 marcou a rivalidade entre Renato Lage (na Mocidade) e Rosa Magalhães (na Imperatriz). Cada um conquistou três títulos. Nos anos 2000, Laíla, Fran Sérgio, Ubiratan Silva e Shangai se sobressaíram aos demais, conquistando cinco títulos pela Comissão de Carnaval da Beija-Flor. Paulo Barros foi o maior vencedor da década de 2010, com quatro campeonatos conquistados.

Década Carnavalesco / (títulos na década)
1930 Antônio Caetano (1); Maçu da Mangueira (1); Paulo da Portela (1); e Pedro Palheta (1)
1940 Lino Manoel dos Reis (4); Liga da Defesa Nacional (2); Euzébio (1); e Paulo da Portela (1)
1950 Djalma Vogue (3); Lino Manoel dos Reis (2); Candeia (1); e Joacir (1)
1960 Arlindo Rodrigues (4); Fernando Pamplona (3); Nelson de Andrade (3); Júlio Mattos (2); Djalma Vogue (1); João Moleque (1); e Newton de Sá (1)
1970 Joãosinho Trinta (6); Arlindo Rodrigues (2); Maria Augusta (2); Arnaldo Pederneiras (1); Clóvis Bornay (1); Fernando Pamplona (1); Fernando Pinto (1); e Júlio Mattos (1)
1980 Max Lopes (3);[nota 12] Arlindo Rodrigues (2); Joãosinho Trinta (2); Júlio Mattos (2); Edmundo Braga (1); Fernando Pinto (1); Ilvamar Magalhães (1); Lícia Lacerda (1); Milton Siqueira (1); Paulino Espírito Santo (1); Paulo César Cardoso (1); Rosa Magalhães (1); Viriato Ferreira (1)
1990 Renato Lage (3); Rosa Magalhães (3); Lilian Rabello (2); Alexandre Louzada (1); Amarildo de Mello (1); Anderson Müller (1); Cid Carvalho (1); Chico Spinoza (1); Fran Sérgio (1); Joãosinho Trinta (1); Laíla (1); Mario Borriello (1); Mário Monteiro (1); Nelson Ricardo (1); Paulo Führo (1); Ubiratan Silva (1); e Victor Santos (1)
2000 Laíla (5); Fran Sérgio (5); Ubiratan Silva (5); Shangai (5); Alexandre Louzada (3); Cid Carvalho (3); Rosa Magalhães (2); Max Lopes (1); e Renato Lage (1)
2010 Paulo Barros (4); Laíla (3); Victor Santos (3); Alexandre Louzada (2); Bianca Behrends (2); Fran Sérgio (2); Leandro Vieira (2); Ubiratan Silva (2); André Cezari (1); Cid Carvalho (1); Cláudio Russo (1); Edson Pereira (1); Léo Mídia (1); Rodrigo Pacheco (1); e Rosa Magalhães (1)

Distância entre títulos[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a listagem de maiores intervalos entre títulos de um mesmo carnavalesco(a). A maior distância entre dois campeonatos ocorreu com Joãosinho Trinta. Vencedor do carnaval de 1983, o carnavalesco levou 14 anos para conquistar um novo título de campeão, em 1997.

Tempo Carnavalesco / (distância entre títulos)
14 anos Joãosinho Trinta (1983—1997)
13 anos Fernando Pinto (1972—1985); Júlio Mattos (1973—1986); Max Lopes (1989—2002); Renato Lage (1996—2009); Victor Santos (1998—2011); Cid Carvalho (2005—2018)
12 anos Rosa Magalhães (1982—1994 e 2001—2013)
8 anos Arlindo Rodrigues (1971—1979); Alexandre Louzada (1998—2006)
6 anos Alexandre Louzada (2011—2017)
5 anos Fernando Pamplona (1960—1965); Júlio Mattos (1968—1973); Max Lopes (1984—1989); Renato Lage (1991—1996); Cid Carvalho, Fran Sérgio e Ubiratan Silva (1998—2003)
4 anos Lino Manoel dos Reis (1942—1946 e 1947—1951); Arlindo Rodrigues e Fernando Pamplona (1965—1969); Rosa Magalhães (1995—1999); Laíla, Fran Sérgio, Ubiratan Silva e Victor Santos (2011—2015)
3 anos Arlindo Rodrigues (1960—1963); Joãosinho Trinta e Maria Augusta (1971—1974); Joãosinho Trinta (1980—1983); Laíla, Alexandre Louzada, Fran Sérgio e Ubiratan Silva (2008—2011); Paulo Barros (2014—2017); Laíla, Victor Santos e Bianca Behrends (2015—2018); Leandro Vieira (2016—2019)
2 anos Paulo da Portela (1939—1941); Lino Manoel dos Reis (1951—1953); Nelson de Andrade (1962—1964); Arlindo Rodrigues (1963—1965); Nelson de Andrade (1964—1966); Arlindo Rodrigues e Fernando Pamplona (1969—1971); Joãosinho Trinta (1978—1980); Laíla, Fran Sérgio, Ubiratan Silva e Shangai (2005—2007); Paulo Barros (2010—2012 e 2012—2014)

Notas

  1. Foram realizados dois desfiles em 1934. O desfile organizado pelo Jornal O País, no Campo de Santana em 20 de janeiro de 1934, foi vencido pela Mangueira. O desfile organizado pelo Jornal A Hora, no Estádio Brasil, em 4 de fevereiro de 1934, foi vencido pelo Recreio de Ramos.
  2. Uma forte chuva impediu que a comissão julgadora chegasse ao local dos desfiles. As escolas desfilaram, porém não houve concurso pela falta dos jurados.
  3. Foram realizados dois desfiles em 1949. O desfile organizado pela FBES foi vencido pelo Império Serrano. O desfile organizado pela UGESB foi vencido pela Mangueira. O desfile da FBES foi considerado Oficial por ter recebido apoio da Prefeitura da cidade. Porém, os dois resultados são considerados oficiais.
  4. Foram realizados três desfiles em 1950. O desfile organizado pela FBES foi vencido pelo Império Serrano. O desfile organizado pela UCES foi vencido pela Mangueira. O desfile organizado pela UGESB foi vencido por Unidos da Capela e Prazer da Serrinha, que empataram em primeiro lugar. Os desfiles da FBES e da UCES foram considerados oficiais pela Prefeitura da cidade. Porém, os três resultados são considerados oficiais.
  5. Foram realizados dois desfiles em 1951. O desfile organizado pela FBES foi vencido pelo Império Serrano. O desfile organizado pela UGESB foi vencido pela Portela. O desfile da FBES foi considerado oficial pela Prefeitura da cidade. Porém, os dois resultados são considerados oficiais.
  6. Uma forte chuva fez com que a comissão julgadora abandonasse o palanque onde estavam, deixando de julgar algumas escolas.
  7. Neste ano foi criada uma nova regra que descontava pontos das escolas que ultrapassassem o tempo máximo de desfile. Por conta de discordâncias em relação às punições, as cinco primeiras colocadas foram consideradas campeãs.
  8. Beija-Flor, Imperatriz e Portela empataram em primeiro lugar.
  9. Por conta da inauguração do Sambódromo, ficou definido que os desfiles seriam divididos em dois dias, sendo que cada dia teria uma escola campeã. A Portela foi a campeã dos desfiles de domingo; e a Mangueira, dos desfiles de segunda-feira. As mais bem colocadas ainda disputariam um Supercampeonato, que foi vencido pela Mangueira. Por este motivo, a Mangueira tem dois títulos conquistados em 1984; e a Portela, um.
  10. Beija-Flor e Mangueira empataram em primeiro lugar.
  11. Inicialmente, a Portela venceu o carnaval por um décimo de diferença para a Mocidade. Após a divulgação das justificativas dos jurados, verificou-se que um determinado julgador descontou um décimo da Mocidade com base em um guia de desfile desatualizado. A escola havia corrigido o guia e enviado à LIESA no tempo previsto, porém a liga não repassou o guia correto ao jurado, que puniu erradamente a escola. Os presidentes de todas as escolas do Grupo Especial votaram por declarar a Mocidade campeã, dividindo o título com a Portela.
  12. a b São contabilizados dois títulos para a Mangueira em 1984: Campeã e Supercampeã

Referências

  1. «A história dos desfiles das escolas de samba». Portal MultiRio. Consultado em 22 de julho de 2017 
  2. «Mario Filho: futebol, carnaval e construção da alma carioca». Portal MultiRio. Consultado em 22 de julho de 2017 
  3. «Mário Filho inventou o desfile das escolas de samba pra encher páginas de jornal». Extra Online. Consultado em 22 de julho de 2017 
  4. Revista Superinteressante. «Revista Super Interessante, edição mensal de fevereiro de 1996, págs. 32-37». Consultado em 5 de janeiro de 2009 
  5. Brasil Profissões. «Carnavalesco». Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  6. Sidney Rezende. «Mocidade apresenta nova comissão de carnaval no primeiro ensaio do ano». Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  7. «Resultado 1932». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  8. «Resultado 1932». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  9. «Resultado 1932». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  10. «Resultado 1932». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  11. «Resultado 1934». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  12. «Resultado 1934». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  13. «Resultado 1935». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  14. «Resultado 1935». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  15. «Resultado 1936». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  16. «Resultado 1936». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  17. «Resultado 1937». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  18. «Resultado 1937». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  19. «Resultado 1938». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  20. «Resultado 1938». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  21. «Resultado 1938». Site Academia do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2018 
  22. «Resultado 1939». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  23. «Resultado 1939». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  24. «Resultado 1940». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  25. «Resultado 1940». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  26. «Resultado 1941». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  27. «Resultado 1941». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  28. «Resultado 1942». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  29. «Resultado 1942». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  30. «Resultado 1943». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  31. «Resultado 1943». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  32. «Resultado 1944». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  33. «Resultado 1944». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  34. «Resultado 1945». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  35. «Resultado 1945». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  36. «Resultado 1946». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  37. «Resultado 1946». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  38. «Resultado 1947». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  39. «Resultado 1947». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  40. «Resultado 1948». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  41. «Resultado 1948». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  42. «Resultado 1948». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  43. «Resultado 1949». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  44. «Resultado 1949». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  45. «Resultado 1950». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  46. «Resultado 1950». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  47. «Resultado 1950 FBES». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  48. «Resultado 1950 UCES». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  49. «Resultado 1950 UGESB». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 6 de abril de 2017 
  50. «Resultado 1951». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  51. «Resultado 1951». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  52. «Resultado 1951 FBES». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  53. «Resultado 1951 UGESB». Site Academia do Samba. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  54. «Resultado 1952». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  55. «Resultado 1952». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  56. «Resultado 1952 – Grupo 1». Site Academia do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  57. «Resultado 1953». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  58. «Resultado 1953». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  59. «Resultado 1954». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  60. «Resultado 1954». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  61. «Resultado 1955». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  62. «Resultado 1955». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  63. «Resultado 1956». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  64. «Resultado 1956». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  65. «Resultado 1957». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  66. «Resultado 1957». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  67. «Resultado 1958». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  68. «Resultado 1958». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  69. «Resultado 1959». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  70. «Resultado 1959». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  71. «Resultado 1960». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  72. «Resultado 1960». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  73. «Resultado 1961». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  74. «Resultado 1961». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  75. «Resultado 1962». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  76. «Resultado 1962». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  77. «Resultado 1963». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  78. «Resultado 1963». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  79. «Resultado 1964». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  80. «Resultado 1964». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  81. «Resultado 1965». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  82. «Resultado 1965». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  83. «Resultado 1966». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  84. «Resultado 1966». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  85. «Resultado 1967». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  86. «Resultado 1967». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  87. «Resultado 1968». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  88. «Resultado 1968». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  89. «Resultado 1969». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  90. «Resultado 1969». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  91. «Resultado 1970». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  92. «Resultado 1970». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  93. «Resultado 1971». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  94. «Resultado 1971». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  95. «Resultado 1972». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  96. «Resultado 1972». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  97. «Resultado 1973». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  98. «Resultado 1973». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  99. «Resultado 1974». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  100. «Resultado 1974». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  101. «Resultado 1975». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  102. «Resultado 1975». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  103. «Resultado 1976». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  104. «Resultado 1976». Site Apoteose. Consultado em 18 de abril de 2018. Cópia arquivada em 6 de março de 2018 
  105. «Resultado 1976». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  106. «Resultado 1977». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  107. «Resultado 1977». Site Apoteose. Consultado em 18 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2018 
  108. «Resultado 1977». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  109. «Resultado 1978». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  110. «Resultado 1978». Site Apoteose. Consultado em 18 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2018 
  111. «Resultado 1978». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  112. «Resultado 1979». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  113. «Resultado 1979». Site Apoteose. Consultado em 18 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2018 
  114. «Resultado 1979». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  115. «Resultado 1980». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  116. «Resultado 1980». Site Apoteose. Consultado em 18 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  117. «Resultado 1980». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  118. «Resultado 1981». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  119. «Resultado 1981». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  120. «Resultado 1981». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  121. «Resultado 1982». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  122. «Resultado 1982». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  123. «Resultado 1982». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  124. «Resultado 1983». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  125. «Resultado 1983». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  126. «Resultado 1983». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  127. «Mangueira e Portela fizeram Carnaval histórico em 1984». UOL. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 27 de março de 2017 
  128. «Resultado 1984». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  129. «Resultado 1984». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  130. «Resultado 1984». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  131. «Resultado 1985». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  132. «Resultado 1985». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  133. «Resultado 1985». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  134. «Resultado 1986». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  135. «Resultado 1986». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  136. «Resultado 1986». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  137. «Resultado 1987». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  138. «Resultado 1987». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  139. «Resultado 1987». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  140. «Resultado 1988». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  141. «Resultado 1988». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  142. «Resultado 1988». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  143. «Resultado 1989». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  144. «Resultado 1989». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  145. «Resultado 1989». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  146. «Resultado 1990». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  147. «Resultado 1990». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  148. «Resultado 1990». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  149. «Resultado 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  150. «Resultado 1991». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  151. «Resultado 1991». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  152. «Resultado 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  153. «Resultado 1992». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  154. «Resultado 1992». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  155. «Resultado 1993». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  156. «Resultado 1993». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  157. «Resultado 1993». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  158. «Resultado 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  159. «Resultado 1994». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  160. «Resultado 1994». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  161. «Resultado 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  162. «Resultado 1995». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  163. «Resultado 1995». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  164. «Resultado 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  165. «Resultado 1996». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  166. «Resultado 1996». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  167. «Resultado 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  168. «Resultado 1997». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  169. «Resultado 1997». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  170. «Resultado 1998». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  171. «Resultado 1998». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  172. «Resultado 1998». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  173. «Resultado 1999». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  174. «Resultado 1999». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  175. «Resultado 1999». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  176. «Resultado 2000». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  177. «Resultado 2000». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  178. «Resultado 2000». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  179. «Resultado 2001». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  180. «Resultado 2001». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  181. «Resultado 2001». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  182. «Resultado 2002». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  183. «Resultado 2002». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  184. «Resultado 2002». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  185. «Resultado 2003». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  186. «Resultado 2003». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  187. «Resultado 2003». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  188. «Resultado 2004». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  189. «Resultado 2004». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  190. «Resultado 2004». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  191. «Resultado 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  192. «Resultado 2005». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  193. «Resultado 2005». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  194. «Resultado 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  195. «Resultado 2006». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  196. «Resultado 2006». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  197. «Resultado 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  198. «Resultado 2007». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  199. «Resultado 2007». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  200. «Resultado 2008». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  201. «Resultado 2008». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  202. «Resultado 2008». Site Sambario Carnaval. Consultado em 29 de abril de 2018. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  203. «Após 16 anos, Salgueiro é campeão do carnaval do Rio». Estadão. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 3 de junho de 2018 
  204. «Resultado 2009». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  205. «Unidos da Tijuca encerra jejum de 74 anos e vence carnaval do Rio». Gazeta do Povo. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 20 de abril de 2019 
  206. «Resultado 2010». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  207. «Beija-Flor é campeã do Carnaval com homenagem a Roberto Carlos». O Globo. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 20 de abril de 2019 
  208. «Resultado 2011». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  209. «Unidos da Tijuca é a campeã do carnaval carioca 2012». G1. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2018 
  210. «Resultado 2012». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  211. «Vila Isabel samba o 'caminho da roça' e é campeã do carnaval do Rio». G1. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2018 
  212. «Resultado 2013». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  213. «Unidos da Tijuca é a campeã no Rio». G1. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de julho de 2018 
  214. «Resultado 2014». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  215. «Com enredo polêmico, Beija-Flor é eleita campeã do Carnaval 2015 no Rio». UOL. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2015 
  216. «Resultado 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  217. «Mangueira é campeã do Carnaval do Rio depois de 14 anos com enredo em homenagem a Maria Bethânia». R7. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 16 de abril de 2016 
  218. «Resultado 2016». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  219. «Com enredo sobre rios, Portela é campeã e quebra jejum de 33 anos». UOL. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2017 
  220. «Liesa decide dividir título do carnaval do Rio entre Mocidade e Portela». G1. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de julho de 2018 
  221. «Resultado 2017». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  222. «Beija-Flor é campeã do Carnaval do Rio com desfile politizado». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2019 
  223. «Resultado 2018». Site Galeria do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  224. «Mangueira conquista o 20º título do Carnaval carioca». UOL. Consultado em 20 de abril de 2019. Cópia arquivada em 20 de abril de 2019 
  225. «Resultado 2019». Site Sambario Carnaval. Consultado em 20 de abril de 2019. Cópia arquivada em 20 de abril de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Baltar, Anderson; Leal, Eugênio; Dattoli, Vicente (2017). As Primas Sapecas do Samba - Alegria, Crítica e Irreverência na Avenida 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra. ISBN 978-85-61893-42-2 
  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 1.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. 495 páginas. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Diniz, Alan; Medeiros, Alexandre; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como um trio de penetras "arrombou a festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra Editora e Distribuidora LTDA. ISBN 978-85-61893-12-5 
  • Diniz, André; Cunha, Diogo (2014). Na Passarela do Samba - O Esplendor das Escolas em 30 anos de desfiles de carnaval no Sambódromo 1.ª ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. ISBN 978-85-7734-445-1 
  • Fabato, Fábio; Farias, Julio Cesar; Simas, Luiz Antonio; Camões, Marcelo; Natal, Vinícius (2014). As Titias da Folia - O brilho maduro de escolas de samba de alta idade 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra Editora e Distribuidora LTDA. ISBN 978-85-61893-29-3 
  • Fabato, Fábio; Gasparini, Gustavo; Melo, João Gustavo; Magalhães, Luis Carlos; Simas, Luiz Antonio (2016). As Matriarcas da Avenida - Quatro grandes escolas que revolucionaram o maior show da Terra 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra Editora e Distribuidora LTDA. ISBN 978-85-61893-61-3 
  • Fabato, Fábio; Simas, Luiz Antonio (2015). Pra tudo começar na quinta-feira: O enredo dos enredos 1.ª ed. Rio de Janeiro: Mótula Editorial. ISBN 978-85-65679-28-2 
  • Fernandes, Nélson da Nóbrega (2001). Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados (PDF). Col: Memória Carioca. vol. 3; 1.ª ed. Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio de Janeiro. 153 páginas 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Jório, Amaury; Araújo, Hiram (1969). Escolas de Samba em Desfile — Vida, Paixão e Sorte 1.ª ed. Rio de Janeiro: Poligráfica Editora. 320 páginas 
  • Moraes, Eneida de (1958). História do Carnaval Carioca 1.ª ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. 315 páginas 
  • Pamplona, Fernando (2017). O encarnado e o branco 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra Editora e Distribuidora Ltda. 173 páginas. ISBN 978-85-61893-23-1 
  • RIOTUR, Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (1991). Memória do Carnaval 1.ª ed. Rio de Janeiro: Oficina do Livro Editora e Livraria. 407 páginas. ISBN 85-85386-01-0 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carnaval do Rio de Janeiro

Ligações externas[editar | editar código-fonte]