Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

José da Penha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de José da Penha
"A terra da mata"
José da Penha-RN, Brasil.JPG

Bandeira de José da Penha
Brasão de José da Penha
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 31 de dezembro de 1958 (57 anos)
Gentílico josé-penhense
Prefeito(a) Antônio Lisboa de Oliveira (PMN)
(2013–2016)
Localização
Localização de José da Penha
Localização de José da Penha no Rio Grande do Norte
José da Penha está localizado em: Brasil
José da Penha
Localização de José da Penha no Brasil
06° 19' 01" S 38° 16' 51" O06° 19' 01" S 38° 16' 51" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Oeste Potiguar IBGE/2008[1]
Microrregião Pau dos Ferros IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Em sentido horário: Riacho de Santana (a norte e noroeste); Marcelino Vieira e Tenente Ananias (a leste); Paraná e Major Sales (a sul) e Luís Gomes (a sudoeste).
Distância até a capital 421 km
Características geográficas
Área 117,635 km² [2]
População 6 049 hab. (RN: 103º) –  IBGE/2015[3]
Densidade 51,42 hab./km²
Altitude 264 m (RN: 38º)[4]
Clima Semiárido Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,608 (RN: 81º) – médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 25 984,995 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 4 220,40 IBGE/2008[6]
Página oficial
Prefeitura www.prefeituradejosedapenha.com.br

José da Penha é um município brasileiro no interior do estado do Rio Grande do Norte, Região Nordeste do país. Situa-se na microrregião de Pau dos Ferros e mesorregião do Oeste Potiguar, localizando-se a uma distância de 421 quilômetros a oeste da capital do estado, Natal. Ocupa uma área de 117,635 km² e sua população no censo de 2010 era de 5 868 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 101º mais populoso do estado e sexto de sua microrregião.

O município foi emancipado de Luís Gomes na década de 1950. O nome do município é uma referência ao capitão José da Penha Alves de Souza e foi escolhido pela população na época da emancipação. Atualmente, o município é formado pelos distritos de José da Penha (sede) e Major Felipe. Atualmente seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,608, considerando como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

História[editar | editar código-fonte]

Origens e emancipação[editar | editar código-fonte]

A história do atual município de José da Penha, localizado na zona serrana do estado do Rio Grande do Norte, começa no século XX, em 1934, quando o local começou a ser povoado, nos arredores do riacho Aroeira. Esse povoado, mais tarde, recebeu o nome de Mata.[7][8]

Apenas oito anos mais tarde, em 1942, o povoado continuava crescendo e se desenvolvendo. No dia 31 de dezembro de 1958, o povoado da mata foi emancipado de Luís Gomes, tornando-se novo município potiguar com o nome de "José da Penha". O nome foi escolhido pela população local e faz referência a José da Penha Alves de Souza, potiguar natural de Angicos, autor de vários livros referentes a assuntos filosóficos e militares.[7]

A instalação oficial do novo município ocorreu em 8 de fevereiro de 1959, tendo como primeiro prefeito Luiz Gonzaga Diógenes, nomeado pelo governador do estado, Dinarte Mariz. No ano seguinte, foram realizadas as primeiras eleições municipais, tendo Osório Estevam da Silva como prefeito prefeito eleito constitucional de José da Penha, assumindo em 31 de janeiro de 1960.[9]

Formação administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 1955, o atual território pertencente ao município de José da Penha, foi elevado à categoria de distrito, criado pela lei estadual nº 901. Esse distrito foi anexado ao município de Luís Gomes. Mais de três anos depois, o distrito foi emancipado e elevado à categoria de município, em 31 de dezembro de 1958, e instalado oficialmente em 8 de fevereiro de 1959, constituído apenas do distrito-sede.[8]

Em 1963, foi criado e anexado ao município de José da Penha o distrito de Major Felipe, por força da lei estadual nº 3013, de 19 de dezembro. Até os atuais, o município é formado por dois distritos: o distrito de José da Penha ou distrito-sede (onde se localiza a sede municipal) e o distrito de Major Felipe, próximo à divisa com o município de Major Sales.[8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa dos distritos e limites de José da Penha.

José da Penha está localizado no estado do Rio Grande do Norte, na mesorregião do Oeste Potiguar e Microrregião de Pau dos Ferros.[1] A área territorial do município é 117,635 km²[2] e a distância rodoviária até a capital do estado é de 421 quilômetros.[10] Limita-se com os municípios de Riacho de Santana a norte, Marcelino Vieira e Tenente Ananias a leste, Paraná e Major Sales a sul, Luís Gomes e novamente Riacho de Santana a oeste.[7]

No município predomina um relevo acidentado, cuja formação é composta pela Depressão Sertaneja-São Francisco, que abrange uma série de terrenos baixos situados entre as partes altas do Planalto da Borborema e da Chapada do Apodi. José da Penha está situada em uma área de abrangência das rochas metamórficas que compõem o embasamento cristalino, provenientes de idade Pré-Cambriana média e com idade variada entre um e 2,5 bilhões de anos, com a predominância de formas tabulares de relevos, separados por vales de fundo plano, com diferentes ordens de grandeza e aprofundamento de drenagem. O tipo de solo predominante é o luvissolo, também chamado de bruno não cálcico, com nível médio ou alto de fertilidade, textura argilosa ou arenosa e a boa drenagem.[7]

José da Penha encontra-se com 100% do seu território inserido na bacia hidrográfica do rio Apodi/Mossoró. O principal rio que passa próximo do município é o Rio Apodi. Os principais riachos das Flechas, Baixa do Fogo e Catolezinho. Os principais açudes, com capacidade superior a cem mil metros cúbicos de água, são Angicos (com capacidade para 3,5 milhões de m³), Barragem da Ema (1 500 000 m³), Baixa do Fogo (2 060 880 m³), Catolezinho (243 000 m³) e Flechas (8 950 000 m³).[7]

A cobertura vegetal é formada pela caatinga hiperxerófila, com espécies de pequeno porte adaptadas a períodos de seca, como as cactáceas, e pela floresta caducifólia, cujas espécies de plantas possuem folhas pequenas e caducas, que caem durante a estiagem.[7]

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
em José da Penha por meses (EMPARN, 1962-presente)[11][12]
Mês Acumulado Data Ref Mês Acumulado Data Ref
Janeiro 133,3 mm 16/01/1978 [13] Julho 80 mm 02/07/2013 [14]
Fevereiro 107,5 mm 26/02/1973 [15] Agosto 57,8 mm 04/08/2008 [16]
Março 137 mm 09/03/1963 [17] Setembro 72,6 mm 11/09/1985 [18]
Abril 105,2 mm 22/04/2013 [19] Outubro 83,7 mm 21/10/1971 [20]
Maio 106,2 mm 27/05/2014 [21] Novembro 140 mm 24/11/1995 [22]
Junho 58,2 mm 04/06/2009 [23] Dezembro 76 mm 30/12/2001 [24]

O clima de José da Penha é caracterizado como semiárido quente (do tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger),[7] com temperatura média anual de 26,4 °C e precipitação média de 862 milímetros (mm) anuais, concentrados entre os meses de fevereiro e maio, sendo março o mês de maior precipitação.[25] O tempo médio de insolação é de aproximadamente 2 700 horas anuais, com umidade relativa do ar de 66%.[7]

Segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), referentes ao período de 1962 a 1991 e a partir de 1993, o maior acumulado de precipitação (chuva) em 24 horas registrado no município foi de 140 mm em 24 de novembro de 1995.[22] Outros grandes acumulados foram 137 mm em 9 de março de 1963,[17] 133,3 mm em 16 de janeiro de 1978,[13] 114,4 mm em 19 de março de 1999,[26] 107,5 mm em 26 de fevereiro de 1973,[15] 106,2 mm em 27 de maio de 2014,[21] 105,8 mm em 10 de maio de 1967[27] e 105,2 mm em 22 de abril de 2013.[19] Em março de 2008 foi registrado o maior volume de chuva em um mês, de 542 mm.[28]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para José da Penha Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 32,5 31,6 30,6 30,2 29,9 29,9 30,4 31,6 32,6 33,2 33,3 33,2 31,6
Temperatura média (°C) 27,2 26,8 26,2 25,9 25,4 25 25 25,8 26,6 27,2 27,5 27,7 26,4
Temperatura mínima média (°C) 22 22 21,8 21,6 21 20,2 19,7 20 20,7 21,3 21,8 22,2 21,2
Precipitação (mm) 87 132 218 194 112 40 24 6 5 7 9 28 862
Fonte: Climate Data.[25]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1970 5 148
1980 5 577 8,3%
1991 5 531 -0,8%
2000 5 908 6,8%
2010 5 868 -0,7%
Est. 2015 6 049 [3] 2,4%
Censos demográficos
do IBGE (1970-2010)[30][31]

A população de José da Penha de acordo o censo brasileiro de 2010 era de 5 868 habitantes, sendo 4 605 no distrito-sede (78,5%) e 1 263 no distrito de Major Felipe (21,5%). Em termos populacionais, era o 101º município mais populoso do Rio Grande do Norte, apresentando uma densidade populacional de 49,88 km². Da população total, 3 046 eram do sexo feminino (50,91%) e 2 822 do sexo masculino (48,09%), tendo uma razão de sexo de 92,65. 3 542 habitantes viviam na zona urbana (60,36%) e 2 326 na zona rural (39,64%).[31][32][33] Quanto à faixa etária, 1 421 pessoas tinham menos de 15 anos (24,22%), 3 693 entre 15 e 64 anos (62,93%) e 754 possuíam 65 anos ou mais (12,85%).[34] Ainda segundo o mesmo censo, a população étnica era formada por 3 055 brancos (52,06%), 2 624 pardos (44,72%), 166 pretos (2,83%), 23 amarelos (0,38%).[35]

Considerando-se a nacionalidade, todos os habitantes eram brasileiros natos (100%).[36] Em relação à região de nascimento, 5 711 eram nascidos na Região Nordeste (97,33%), 122 no Sudeste (2,09%), 26 no Centro-Oeste (0,44%) e três no Norte (0,05%), além de outros cinco sem especificação (0,09%). 5 459 habitantes eram naturais do Rio Grande do Norte (93,03%) e, desse total, 4 462 eram nascidos em José da Penha (76,05%). Entre os naturais de outras unidades da federação (10,63%), a Paraíba era o estado com maior presença, com 137 habitantes residentes (2,33%), seguido por São Paulo, com 122 (2,09%), e pelo Ceará, com 75 (1,28%).[37][38] Para 2015, a estimativa populacional é de 6 049 habitantes.[3]

O Índice de Desenvolvimento Humano do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,608, sendo o 76º maior do Rio Grande do Norte e o 3 957 º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,788, o valor do índice de renda é de 0,583 e o de educação é de 0,489.[5] De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até 140 reais reduziu em 51,9%, passando de 65,8% para 31,7%. Em 2010, 68,3% da população vivia acima da linha de pobreza, 14,8% entre as linhas de indigência e de pobreza e 16,8% abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, o índice de Gini era de 0,47 e os 20% mais ricos eram responsáveis por 50,65% do rendimento total municipal, valor pouco mais de dezesseis vezes superior à dos 20% mais pobres, de 3,09%.[39]

Religião[editar | editar código-fonte]

Capela de Santo Expedito, no distrito de Major Felipe.

Na Igreja Católica, o município faz parte da Diocese de Mossoró, Zonal Alto Oeste, e é sede da paróquia de São Francisco de Assis, que foi criada em 4 de outubro de 2010 e abrange geograficamente os municípios de Água Nova, José da Penha e Riacho de Santana, possuindo dezessete comunidades (treze em zona rural e quatorze em área urbana), oito delas localizadas no município (sete na zona rural e uma na zona urbana).[40][41] No censo de 2010 o catolicismo romano era a religião da maioria da população, com 5 140 seguidores, ou 87,6% dos habitantes.[42]

Templo da Assembleia de Deus, denominação evangélica predominante no município.

José da Penha possui alguns credos protestantes ou reformados. Em 2010, 561 habitantes se declararam evangélicos, sendo que 514 pertenciam às evangélicas de origem pentecostal (8,76%), 24 às evangélicas de missão (0,41%) e 23 a igrejas evangélicas não determinadas (0,40%). Dentre as evangélicas pentecostais, 243 pertenciam à Assembleia de Deus (4,14%), 37 à Igreja Deus é Amor (0,64%), 21 à Congregação Cristã do Brasil (0,36%), onze à Universal do Reino de Deus (0,19%), dois ao Evangelho Quadrangular (0,04%) e 199 a outras evangélicas pentecostais (3,39%). Dentre as de missão, existia apenas a Igreja Presbiteriana[42]

Além do catolicismo romano e do protestantismo, também existiam três messiânicos (0,05%) e dois espiritualistas (0,04%). Outros 130 não tinham religião (2,21%), dentre os quais cinco ateus (0,1%); 26 pertenciam a outras religiosidades cristãs (0,44%) e cinco não souberam sua preferência religiosa (0,09%).[42]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município de José da Penha é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários e eleito pelo voto direto para um mandato de quatro anos.[43] O primeiro chefe do executivo municipal foi José Evaristo Fontes, interinamente, entre 1958 e 1960.[9] O atual prefeito municipal é Antônio Lisboa de Oliveira (popularmente conhecido como "Antônio Dólar"),[44] do Partido da Mobilização Nacional (PMN), eleito nas eleições municipais de 2012 com 75,44% dos votos válidos,[45] tendo como vice-prefeito Hélio Trajano Torres de Santana.[46]

O poder legislativo é representado pela câmara municipal, composta por nove vereadores eleitos para cargos de quatro anos.[43] Na atual legislatura, iniciada em 2013, está composta por sete cadeiras do Partido Social Democrático (PSD), uma do Partido da República (PR) e uma do Partido Democrático Trabalhista (PDT).[45] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[43]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também alguns conselhos municipais em atividade: Direitos da Criança e do Adolescente, Saúde, Segurança Alimentar e Nutricional e Tutelar.[47][48][49][50] José da Penha se rege pela sua lei orgânica, promulgada em 1990[51] e pertence à Comarca de Luís Gomes, de segunda entrância.[52] A Comarca de José da Penha, criada pelo Lei Complementar n° 51, em 11 de fevereiro de 1987, foi extinta em 27 de maio de 1988, por meio da Lei Complementar nº 57.[53][54][55] Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em dezembro de 2014 José da Penha possuía 5 171 eleitores, representando 0,222% do total do Rio Grande do Norte.[56]

Economia[editar | editar código-fonte]

Em 2012, segundo o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) do município de José da Penha era de R$ 32 605 mil, dos quais 24 315 mil do setor terciário, R$ 2 738 mil do setor primário, R$ 2 743 mil de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes e R$ 2 739 mil do setor secundário. O PIB per capita era de R$ 6 118,76.[57]

Em 2013 o município possuía um rebanho de 12 793 galináceos (frangos, galinhas, galos e pintinhos), 5 788 bovinos, 2 840 ovinos, 1 970 caprinos, 1 415 suínos e 140 equinos.[58] Na lavoura temporária de 2013 foram produzidos cana-de-açúcar (225 t), batata-doce (38 t), milho (10 t) e feijão (10 t),[59] e na lavoura permanente coco-da-baía (24 mil frutos), banana (42 t), castanha de caju (2 t).[60] Ainda no mesmo ano o município também produziu 870 mil litros de leite de 1 173 vacas ordenhadas; dezoito mil dúzias de ovos de galinha e 2 998 quilos de mel de abelha.[58]

Em 2010, considerando-se a população municipal com idade igual ou superior a dezoito anos, 50,1% eram economicamente ativas ocupadas, 43,3% inativa e 6,6% ativa desocupada. Ainda no mesmo ano, levando-se em conta população ativa ocupada a mesma faixa etária, 37,33% trabalhavam no setor de serviços, 29,5% na agropecuária, 14,35% no comércio, 8,01% na construção civil, 7,76% em indústrias de transformação e 1,24% na utilidade pública.[34] Conforme a Estatística do Cadastral de Empresas de 2013, José da Penha possuía 48 unidades (empresas) locais, todas atuantes. Salários juntamente com outras remunerações somavam R$ 3 546 mil e o salário médio mensal era de 1,5 salários mínimos.[61]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

José da Penha possuía, em 2010, 1 807 domicílios, sendo 1 131 na zona urbana (62,59%) e 676 na zona rural (37,41%). Desse total, 1 379 eram próprios (76,31%), dos quais 1 361 eram quitados (75,32%) e dezoito em processo de aquisição (0,99%); 229 cedidos (12,67%), sendo 21 por empregador (1,16%) e 208 de outras maneiras (11,51%); 194 alugados (10,74%) e cinco ocupados sob outras condições (0,28%).[62]

Trecho da BR-405 cortando a zona urbana do município.

O serviço de abastecimento de água de José da Penha é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN).[63] Em 2010, 1 656 domicílios eram abastecidos pela rede geral (91,64%); 96 através de poços (5,31%); 38 através de rio(s), lago(s), açude(s) ou igarapé(s) (2,1%) e dezessete de outras formas (0,94%).[64] O fornecimento de energia elétrica é realizado pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN).[65] A voltagem da rede é de 220 volts.[66] Dos 1 807 domicílios, 1 795 possuíam energia elétrica (99,34%), todos a partir da companhia distribuidora.[67] O lixo era coletado em 1 137 domicílios (62,92%), sendo 1 122 a partir do serviço de limpeza (62,09%) e apenas quinze por caçambas (0,83%).[68]

A frota municipal em 2014 era de 912 motocicletas, 419 automóveis, 102 caminhonetes, 63 motonetas, 32 caminhões, dezesseis micro-ônibus, nove camionetas, dois ônibus e sete em outras categorias, totalizando 1 562 veículos.[69] No transporte rodoviário, o município é cortado pela rodovia de ligação federal BR-405,[70] que começa em Mossoró e se estende até o estado da Paraíba, ligando José da Penha a outras localidades.

O código de área (DDD) de José da Penha é 084[71] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) da cidade é de 59980-000.[72] No dia 10 de novembro de 2008 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outras cidades de DDDs 33 e 38, em Minas Gerais; 44, no Paraná; 49, em Santa Catarina; além de outros municípios com código 84, no Rio Grande do Norte.[73] Conforme dados do censo de 2010, 1 301 domicílios tinham somente celular (72,05%), 126 possuíam fixo e celular (6,95%) e 28 apenas telefone fixo (19,46%).[74]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A rede de saúde de José da Penha dispunha, em 2009, de cinco estabelecimentos de saúde, todos públicos e municipais, prestando atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), com vinte leitos para internação, todos públicos,[75] entre os quais o Hospital Municipal Mãe Fraza, que conta com serviços de atendimento ambulatorial, internação e SADT (Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia), além de leitos nas especialidades de cirurgia geral, clínica geral, obstetrícia cirúrgica e clínica e pediatria.[76] José da Penha pertence à VI Unidade Regional de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (URSAP-RN), com sede em Pau dos Ferros.[77]

Em 2010, a expectativa de vida ao nascer do município era de 72,29 anos, com índice de longevidade de 0,788, taxa de mortalidade infantil de 20,3 por mil nascidos vivos e taxa de fecundidade de 1,9 filhos por mulher.[34] Em abril do mesmo ano, a rede profissional de saúde era constituída por dezesseis auxiliares de enfermagem, dez médicos, oito técnico de enfermagem, quatro enfermeiros, três cirurgiões-dentistas e dois farmacêuticos, totalizando 43 profissionais.[78] Segundo dados do Ministério da Saúde, de 1990 a 2012 o município registrou um caso de AIDS e, entre 2001 e 2012, foram notificados 564 casos de dengue e um de leishmaniose.[79] Em 2014 houve nove óbitos nas unidades de saúde do município (seis de mulheres e três de homens), dos quais três por doenças no sistema respiratório, duas por doenças infectocontagiosas ou paralisias, uma por doença no sistema digestório, uma no sistema endócrino e uma por tumores (neoplasias).[80]

Educação[editar | editar código-fonte]

IDEB de José da Penha[81]
Ano Anos
iniciais
Anos
finais
2005 1,8 3,2
2007 3,1 3
2009 3,9 3,2
2011 3,8 3,2
2013 4 3,6

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,489,[34] ao passo que a taxa de alfabetização da população acima dos dez anos indicada pelo último censo demográfico do mesmo ano foi de 72,6% (78,8% para as mulheres e 65,8% para os homens).[82] Ainda em 2010, José da Penha possuía uma expectativa de anos de estudos de 9,53 anos, valor ligeiramente abaixo da média estadual (9,54 anos).[34] A taxa de conclusão dos ensinos fundamental (15 a 17 anos) e médio (18 a 24 anos) era de 48,2% e 36,5%, respectivamente. Em 2014, a distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com idade superior à recomendada, era de 27% para os anos iniciais e 44,1% nos anos finais, sendo essa defasagem no ensino médio de 36,9%.[81]

No censo de 2010, da população total, 1 677 frequentavam creches ou escolas, 1 647 na rede pública de ensino (98,19%) e trinta em redes particulares (1,81%); 1 023 cursavam o regular do ensino fundamental (61%), 208 o regular do ensino médio (12,37%), 143 cursos superiores de graduação (8,51%), cem no pré-escolar (5,93%), 63 na alfabetização de jovens e adultos (3,75%), 56 estavam em creches (3,36%), 42 em classes de alfabetização (2,48%), 21 na educação de jovens e adultos do ensino médio (1,23%), vinte na educação de jovens e adultos do ensino fundamental (1,17%) e seis na especialização de nível superior (0,53%).[83] Levando-se em conta o nível de instrução da população com idade superior a dez anos, 3 697 não possuíam instrução e ensino fundamental incompleto (73,65%), 589 tinham fundamental completo e médio incompleto (11,74%), 587 ensino médio completo e superior incompleto (11,69%) e 146 o superior completo (2,92%).[84] Em 2012 José da Penha possuía uma rede de quatorze escolas de ensino fundamental (com 61 docentes), nove do pré-escolar (cinco docentes) e uma de ensino médio (dez docentes).[85]

Cultura[editar | editar código-fonte]

José da Penha realiza uma quantidade diversa de eventos todos os anos. São alguns deles o Arraiá da Vila Major Felipe, realizado desde 2013 no distrito de Major Felipe, durante a comemoração das festas juninas, contando com apresentações de quadrilhas, grupos artísticos, desfiles e bandas musicais, além de barracas com comidas típicas;[86] a festa de São Francisco de Assis, realizada entre os dias 24 de setembro e 4 de outubro na Igreja Matriz, com novenas, missas e procissões realizadas em homenagem ao padroeiro municipal, além de shows pirotécnicos;[87] a festa de aniversário do município e o Reveillon, ambos realizados no dia 31 de dezembro, último dia do ano e marcando, respectivamente, a emancipação política de José da Penha e as comemorações da passagem do Ano Novo, atraindo turistas vindos de várias localidades circunvizinhas.[88]

Também são realizados eventos com foco no setor esportivo, como a Copa Municipal de Futebol de Campo, realizada no Estádio Municipal Jedaias de Araújo a partir de outubro,[89][90] e as tradicionais corridas de dezembro, que ocorrem no mesmo dia da emancipação política, como a Corrida de Jegue e a Corrida de Pedestre.[91] Importantes atrativos turísticos de José da Penha são a comunidade Baixa do Fogo e o sítio Barra do Catolé.[7] As principais atividades artesanais são o barro, bordado e o couro, além da culinária típica.[92][93] José da Penha também possui uma biblioteca pública municipal, ginásios poliesportivos, além de grupos artísticos de capoeira, carnaval, desenho e pintura, manifestação tradicional e música, como bandas e corais.[94][95]

Referências

  1. a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. a b «Consulta por Município». Resolução Nº 01, de 15 de janeiro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  3. a b c «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2015» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2015. Consultado em 4 de setembro. 
  4. «Rio Grande do Norte». Embrapa. 2000. Arquivado desde o original em 27 de fevereiro de 2011. Consultado em 25 de dezembro de 2011. 
  5. a b «Ranking IDH-M 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Arquivado desde o original (PDF) em 1º de agosto de 2013. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  7. a b c d e f g h i «JOSÉ DA PENHA». IDEMA/RN. 2008. Arquivado desde o original (PDF) em 24 de dezembro de 2011. Consultado em 24 de dezembro de 2011. 
  8. a b c «Histórico». Biblioteca IBGE. Arquivado desde o original (PDF) em 24 de dezembro de 2011. Consultado em 24 de dezembro de 2011. 
  9. a b «A Cidade». Prefeitura de José da Penha. Arquivado desde o original em 17 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  10. «Distância entre Natal e José da Penha». Google Maps. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  11. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - José da Penha (Estação Sítio Angicos, Açude Arapuá)». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  12. «Monitoramento pluviométrico». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  13. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1978). «Chuvas - médias diárias - 1/1978 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  14. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2013 - Posto: JOSÉ DA PENHA (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2013. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  15. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1973). «Chuvas - médias diárias - 2/1973 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  16. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2008. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  17. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1963). «Chuvas - médias diárias - 3/1963 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  18. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1985). «Chuvas - médias diárias - 9/1985 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  19. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2013 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2013. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  20. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1971). «Chuvas - médias diárias - 10/1971 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  21. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2014 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2014. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  22. a b «Ocorrência de chuvas (mm) - 1995 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1995. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  23. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2009 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2009. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  24. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2001 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2001. Arquivado desde o original em 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  25. a b «Clima: José da Penha». Climate Data. Arquivado desde o original em 27 de março de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  26. «Ocorrência de chuvas (mm) - 1999 - Posto: JOSÉ DA PENHA (SÍTIO ANGICOS)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1999. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  27. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1967). «Chuvas - médias diárias - 5/1967 - Estação: José da Penha (Sítio Angicos, Açude Arapuã)». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  28. «Análise de precipitação acumulada por mês - Ano: 2008 - Posto: José da Penha (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2008. Arquivado desde o original em 29 de julho de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015. 
  29. «Clima: Major Felipe». Climate Data. Arquivado desde o original em 27 de março de 2014. Consultado em 27 de março de 2014. 
  30. «Demografia - População Total». Confederação Nacional de Municípios. Arquivado desde o original em 25 de dezembro de 2011. Consultado em 25 de dezembro de 2011. 
  31. a b «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  32. «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  33. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  34. a b c d e «José da Penha, RN». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  35. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  36. «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  37. «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  38. «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  39. «ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA». Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  40. «Zonal do Alto Oeste». Portal da Diocese de Mossoró. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  41. BULCÃO, Valéria, et al. (2014). "80 anos da diocese de Santa Luzia". Fé e Evangelização: 110 p.
  42. a b c «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  43. a b c «Como funcionam os poderes». Consultado em 23 de fevereiro de 2015. 
  44. «Prefeito». Prefeitura de José da Penha. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  45. a b «Apuração 1º turno - José da Penha/RN». UOL Eleições. 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  46. «Vice-Prefeito». Prefeitura de José da Penha. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  47. «9.4. Conselhos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 8 de fevereiro de 2014. 
  48. «8.3. Conselho municipal de segurança alimentar e nutricional». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  49. «4.2. Conselho, fundo e plano municipal de saúde». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  50. «5.2. Conselho e fundo municipal de habitação». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  51. «3.2. Instrumentos de planejamento municipal». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2005. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  52. Poder Judiciário do Rio Grande do Norte (TJRN). «Consulta de Comarcas e Juízes». Consultado em 25 de dezembro de 2011. 
  53. MEDEIROS, Ivoncisio Meira de. O Poder Judiciário no Rio Grande do Norte (1918-1992) (Brasília [s.n.]). p. 112. 
  54. «Lei Complementar nº 51, de 11 de fevereiro de 1987» (PDF). Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. 11 de fevereiro de 1987. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  55. «Lei Complementar nº 57, de 27 de maio de 1988» (PDF). Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. 27 de maio de 1988. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  56. «Estatísticas de eleitorado - Consulta Quantitativo». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  57. «Rio Grande do Norte » José da Penha » produto interno bruto dos municípios - 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  58. a b «Rio Grande do Norte » José da Penha » produção agrícola municipal - pecuária - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  59. «Rio Grande do Norte » José da Penha » produção agrícola municipal - lavoura temporária - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  60. «Rio Grande do Norte » José da Penha » produção agrícola municipal - lavoura permanente - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  61. «Rio Grande do Norte » José da Penha » estatísticas do cadastro central de empresas - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  62. «Tabela 3219 - Domicílios particulares permanentes, por número de moradores, segundo a situação do domicílio, o tipo de domicílio, a condição de ocupação e a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  63. «Resumo dos Custos Totais de Poços Para Atender a Demanda Humana Concentrada no Ano 2020». Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Arquivado desde o original em 30 de agosto de 2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  64. «Tabela 1398 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, cuja condição no domicílio não era pensionista, nem empregado(a) doméstico(a) ou seu parente, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar, a situação do domicílio, a existência e número de banheiros de uso exclusivo do domicílio, a principal forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  65. «Quem somos». Companhia Energética do Rio Grande do Norte. Arquivado desde o original em 9 de agosto de 2014. Consultado em 15 de outubro de 2011. 
  66. «Tensões Nominais». Agência Nacional de Energia Elétrica. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  67. «Tabela 3220 - Domicílios particulares permanentes, por número de moradores, segundo a situação do domicílio, a existência e número de banheiros de uso exclusivo do domicílio, a principal forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  68. «Tabela 3218 - Domicílios particulares permanentes, por forma de abastecimento de água, segundo a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  69. «Rio Grande do Norte » José da Penha » frota - 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2014. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  70. «BR-405, a estrada sem lei e sem controle». Tribuna do Norte. 29 de julho de 2007. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  71. «Estado: Rio Grande do Norte (RN)». Web Busca. Arquivado desde o original em 26 de agosto de 2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  72. «Sobre José da Penha». CityBrazil. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  73. «Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf». Estadão. 7 de novembro de 2008. Arquivado desde o original em 12 de novembro de 2011. Consultado em 1° de março de 2011. 
  74. «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  75. «Serviços de saúde 2009». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Arquivado desde o original em 17 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2014. 
  76. «HOSPITAL MUNICIPAL MÃE FRAZA». DATASUS. Arquivado desde o original em 4 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  77. «Municípios - VI URSAP». Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária do Rio Grande do Norte (SUVISA/RN). Arquivado desde o original em 14 de março de 2014. Consultado em 16 de junho de 2015. 
  78. «Caderno de Informações de Saúde - Município: José da Penha - RN». DATASUS. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  79. «6 - combater a AIDS, a malária e outras doenças». Portal ODM. Consultado em 4 de setembro. 
  80. «Rio Grande do Norte » José da Penha » morbidades hospitalares - 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Arquivado desde o original em 5 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  81. a b «2 - oferecer educação básica de qualidade para todos». Portal ODM. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  82. «Tabela 1383 - Taxa de alfabetização das pessoas de 10 anos ou mais de idade por sexo». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  83. «Tabela 1972 - Pessoas que frequentavam creche ou escola por nível e rede de ensino». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2015. 
  84. «Tabela 3540 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por nível de instrução, segundo a situação do domicílio, o sexo, a cor ou raça e os grupos de idade». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2015. 
  85. «Rio Grande do Norte » José da Penha » ensino - matrículas, docentes e rede escolar - 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Arquivado desde o original em 5 de setembro de 2015. Consultado em 4 de setembro de 2015. 
  86. «1ª Arraiá da Vila Major Felipe». Prefeitura de José da Penha. junho de 2013. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  87. «JOSÉ DA PENHA COMEMORA HOJE O DIA DO PADROEIRO SÃO FRANCISCO DE ASSIS». Portal Rafael Fernandes. 4 de outubro de 2013. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  88. «São Miguel e José da Penha se apresentam como principais destinos para o reveillon no alto oeste». Jornal O Mossoroense. 31 de dezembro de 2006. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  89. «4ª COPA MUNICIPAL DE FUTEBOL DE CAMPO 2013». Prefeitura de José da Penha. 2013. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  90. «CONVITE». Prefeitura de José da Penha. outubro de 2013. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  91. «Tradicionais corridas de dezembro». Prefeitura de José da Penha. dezembro de 2013. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 
  92. «Principais atividades artesanais». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 9 de fevereiro de 2014. 
  93. «Principais atividades artesanais». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 9 de fevereiro de 2014. 
  94. «6.5 Grupos artísticos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 20c14. 
  95. «7.6 Grupos artísticos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre José da Penha