Operação Arquivo X

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Operação Arquivo X foi o nome dado à operação policial brasileira deflagrada pela Polícia Federal, em 22 de setembro de 2016, que representou a 34ª fase da Operação Lava Jato.[1] A operação fez referência à letra presente nos nomes das empresas do empresário Eike Batista. A Arquivo X investiga se houve pagamento de propina para que o consórcio formado pela Mendes Júnior e OSX fosse escolhido para a construção de duas plataformas de petróleo para o pré-sal.[2]

O ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Guido Mantega, foi preso temporariamente na operação.[3]

Repasses de propinas[editar | editar código-fonte]

Segundo as investigações, em um depoimento ao Ministério Público Federal, o ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, Eike Batista, declarou que, em novembro de 2012, recebeu um pedido de Guido Mantega para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, no interesse do PT.[4] O procurador da Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou que os pagamentos feitos por Eike foram operacionalizados por Mônica Moura, mulher do marqueteiro João Santana. O casal foi preso na 23ª fase da operação, em fevereiro de 2016, e solto no dia 1º de agosto, do mesmo ano,[4] após colaborar com a justiça e mediante pagamento de fiança.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Adriana Justi (22 de setembro de 2016). «Polícia Federal cumpre mandados da 34ª fase da Operação Lava Jato». G1. Globo.com. Consultado em 17 de novembro de 2016 
  2. «Operação é batizada de Arquivo X em referência às empresas de Eike». G1. Globo.com. 22 de setembro de 2016. Consultado em 17 de novembro de 2016 
  3. «Operação Arquivo X: Ex-ministro Guido Mantega é preso na 34ª fase da Operação Lava Jato». Jornal Grande Bahia. Consultado em 17 de novembro de 2016 
  4. a b Erick Gimenes e José Vianna. «Justiça manda soltar todos os presos da 34ª fase da Operação Lava Jato». G1. Globo.com. Consultado em 17 de novembro de 2016 
  5. «Monica Moura e João Santana deixam a prisão em Curitiba». G1. Globo.com. Consultado em 17 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]