Independentismo catalão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estelada blava (Estrelada azul).
Reivindicação independentista catalã e irlandesa em Belfast (Irlanda do Norte, Reino Unido).

O Independentismo catalão é uma corrente política, derivada do nacionalismo catalão, que reivindica a independência da Catalunha ou dos Países Catalães, face à Espanha e França, e a sua livre e direta integração na União Europeia. O independentismo catalão assenta-se no princípio de que a Catalunha é uma nação, aludindo à sua história, cultura, língua própria e direito civil, e afirma que esta não alcançará a sua plenitude cultural, social e económica enquanto fizer parte da Espanha.

O partido político que atualmente representa de forma mais explícita esta corrente é Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), que utiliza a Constituição Espanhola de 1978 e participa ativamente na vida política catalã e espanhola, usando as regras do jogo democrático com o objetivo de conseguir, por via pacífica, o direito à autodeterminação da Catalunha, ou seja, alcançar a independência desta comunidade autónoma espanhola.

Uma parte dos partidários desta corrente política não só aspira a independência da Catalunha, como também a anexação dos denominados Países Catalães: Comunidade Valenciana, Ilhas Baleares, Rossilhão na França (a denominada Catalunha Norte), Faixa de Aragão (Aragão), El Carxe (comarca de Múrcia) e Alguer (na Sardenha, Itália), os quais, juntamente com Comunidade Autónoma da Catalunha (excluindo o Vale de Arão), uma vez independentes, formariam um grande Estado confederado catalão.

A bandeira que identifica o independentismo catalão é a Estelada.

Apoio social à independência da Catalunha[editar | editar código-fonte]

Manifestação independentista catalã em 2010, na cidade de Barcelona.
Local independentista em Vic, Catalunha.

Nas últimas convocatórias eleitorais realizadas na Catalunha, os votos recebidos pelos partidos explicitamente independentistas aumentaram mas, ainda assim, não superaram os 15 % dos votos emitidos. Contudo, diferentes estudos indicam que se se fizesse um referendo para decidir sobre a independência ou não da Catalunha, o número de votos favoráveis seria muito superior a esses 15 %, provavelmente pela alta participação que produziria e porque receberia o apoio de votantes de outros partidos catalanistas e nacionalistas ainda que não considerados explicitamente independentistas, como é o caso de Convergência e União (CiU).

Apesar das muitas teorias sobre o tema, atualmente existem poucas estimativas rigorosas sobre o apoio social à independência da Catalunha. As duas fontes que o são em maior grau são o Centro de Investigações Sociológicas (CIS), dependente do Ministério da Presidência Espanhola, e o Instituto de Ciências Políticas e Sociais (ICPS), associado à Universidade Autónoma de Barcelona e à Diputació de Barcelona.

Sondagens e inquéritos[editar | editar código-fonte]

Centro de Investigações Sociológicas (CIS)[editar | editar código-fonte]

O CIS, dependente Ministério da Presidência espanhol, realizou em 2001 uma sondagem de opinião na Catalunha na qual perguntava, explicitamente, se o inquirido era favorável ou não à independência da Catalunha. Os resultados foram os seguintes: 35,9% dos inquiridos estavam a favor, 48,1% contra, 13,3% indecisos e 2,8% não responderam.[1]

Instituto de Ciências Políticas e Sociais (ICPS)[editar | editar código-fonte]

O ICPS realiza sondagens de opinião anuais desde 1989, nas quais inclui um capítulo relacionado com a independência da Catalunha. Os resultados públicos deste capítulo, classificados por anos, são os seguintes:

Ano A favor (%) Contra (%) Indiferente (%) Não sabe/não responde (%)
1991 35 50 11 4
1992 31 53 11 5
1993 37 50 9 5
1994 35 49 14 3
1995 36 52 10 3
1996 29 56 11 4
1997 32 52 11 5
1998 32 55 10 3
1999 32 55 10 3
2000 32 53 13 3
2001 33 55 11 1
2002 34 52 12 1
2003* 43 43 12 1
2004* 39 44 13 3
2005 36 44 15 6
2006 33 48 17 2
2007[2] 31,7 51,3 14,1 2,9
* A metodologia utilizada nas sondagens de 2003 e 2004 difere das outras, na medida em que se utilizou o método da entrevista telefónica em vez da presencial.


Nas sondagens a partir de 2011 pergunta-se diretamente aos entrevistados o que votariam num eventual referendo sobre a independência da Catalunha:

Data A favor (%) Contra (%) Abstenção (%) Em branco (%) Não sabe (%) Não responde (%)
2011[3] 41,4 22,9 25,5 1,0 8,3 0,9
2012[4] 46,5 28,8 16,3 1,7 6,3 0,6

Centro de Estudos de Opinião[editar | editar código-fonte]

O Centro de Estudos de Opinião também realiza, a cada dois meses, um estudo acerca da opinião política dos cidadãos. Os resultados no que concerne ao independentismo catalão foram os seguintes:[5]

Data Estado independente (%) Estado federal (%) Comunidade autónoma (%) Região (%) Não sabe (%) Não responde (%)
Junho de 2005 13,6 31,3 40,8 7,0 6,2 1,1
Novembro de 2005 12,9 35,8 37,6 5,6 6,9 1,2
Março de 2006 13,9 33,4 38,2 8,1 5,1 1,2
Julho de 2006 14,9 34,1 37,3 6,9 6,1 0,7
Outubro de 2006 14,0 32,9 38,9 8,3 5,1 0,8
Novembro de 2006 15,9 32,8 40,0 6,8 3,7 0,8
Março de 2007 14,5 35,3 37,0 6,1 4,9 2,2
Julho de 2007 16,9 34,0 37,3 5,5 5,4 1,0
Outubro de 2007 18,5 34,2 35,0 4,7 6,0 1,5
Dezembro de 2007 17,3 33,8 37,8 5,1 5,0 1,0
Janeiro de 2008 19,4 36,4 34,8 3,8 4,1 1,6
Maio de 2008 17,6 33,4 38,9 5,1 4,3 0,7
Julho de 2008 19,4 34,7 37,0 6,1 5,2 0,9
Novembro de 2008 17,4 31,8 38,3 7,1 4,2 1,2
Fevereiro de 2009 [6] 16,1 35,2 38,6 4,5 3,6 0,2
Maio de 2009 [7] 20,9 35,0 34,9 4,4 3,0 1,7
Julho de 2009 [8] 19,0 32,2 36,8 6,2 4,2 1,6
Dezembro de 2009 [9] 21,6 29,9 36,9 5,9 4,1 1,6
Fevereiro de 2010[10] 19,4 29,5 38,2 6,9 4,4 1,6
Maio de 2010[11] 21,5 31,2 35,2 7,3 4,0 1,7
Julho de 2010[12] 24,3 31,0 33,3 5,4 4,9 1,0
Novembro de 2010[13] 25,2 30,9 34,7 5,9 2,7 0,7
Janeiro de 2011[14] 24,5 31,9 33,2 5,6 3,5 1,3
Junho de 2011[15] 25,0 33,0 31,8 5,6 3,4 0,7
Outubro de 2011[16] 28,2 30,4 30,3 5,7 3,9 1,5
Março de 2012[17] 29,0 30,8 27,8 5,2 5,4 1,8
Junho de 2012[18] 34,0 28,7 25,4 5,7 5,0 1,3
Novembro de 2012[19] 44,3 25,5 19,1 4,0 4,9 2,2
Fevereiro de 2013 46,4 22,4 20,7 4,4 4,9 1,2
Maio de 2013 47,0 21,2 22,8 4,6 3,5 0,9

Universidade Aberta da Catalunha[editar | editar código-fonte]

Os resultados do inquérito realizado pelo Instituto DYM, para a Universidade Aberta da Catalunha, foram:

Ano A favor (%) Contra (%) Abstenção (%) Indecisos (%)
2008 [20] 36,5 22,1 27,1 11,7
2009 [21] 50,3 17,8 24,6 1,4

O estudo de 2008, realizado mediante inquéritos telefónicos, mostra que 36,5% votaria, em caso de referendo, a favor da independência. Já 22,1% votaria contra, 27,1 abster-se-ia e 11,7 não tem o voto decidido.

O último estudo sobre o tema foi realizado mediante entrevista telefónica, a catalães maiores de 18 anos, pelo Centro de Estudos de Opinião da Generalitat da Catalunha e publicado em dezembro de 2009. Nas citadas entrevistas telefónicas incluíram-se diversas perguntas acerca do sentimento de pertença a Espanha e/ou Catalunha.[22]

Ano Só catalão (%) Mais catalão que espanhol (%) Tão espanhol quanto catalão (%) Mais espanhol que catalão (%) Só espanhol (%) Não sabe (%) Não responde (%)
2009 19,1 25,6 42,7 4,5 5,7 0,8 1,6

Referendo popular sobre a independência da Catalunha em 2009[editar | editar código-fonte]

Depois da realização a 13 de setembro de 2009 de um referendo popular em Arenys de Munt sobre a vontade dos seus habitantes em serem independentes da Espanha, dois meses de pois, a 13 de dezembro, realizou-se um outro referendo popular, em 167 municípios da Catalunha, na qual os seus habitantes foram convocados a responder à seguinte pergunta: "É a favor de que a Catalunha seja um Estado de direito, independente, democrático e social, integrado na União Europeia?". Estavam convocados às urnas um total de 700 000 votantes, e participaram na consulta 200 000 pessoas, 30% do censo.[23] O "sim" venceu com valores pouco abaixo dos 95% dos votos, frente ao "não" com 3,52%.[23]

Referendo sobre a independência da Catalunha em 2014[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de dezembro de 2013 foi anunciado um projeto de referendo sobre a independência da Catalunha,[24] pelo presidente da Generalitat, Artur Mas (CiU, primeira força política na região), que contou com o apoio dos partidos representados por Oriol Junqueras (ERC, segunda força política mais votada), Joan Herrera (ICV, quinta força política), Joana Ortega e Ramon Espadaler (UDC, parceiros de coligação da CiU), Joan Mena (EUiA, parceiros políticos de coligação com ICV) e David Fernández e Quim Arrufat (CUP, nona força política). O apoio destes partidos à realização do referendo confere uma maioria de 88 deputados dentro dos 135 do Parlamento catalão.

O referendo que se pretende realizar a 9 de novembro de 2014 tem um formato binomial: "Quer que a Catalunha seja um Estado?" e "Se sim, quer que este Estado seja independente?". O Governo central espanhol, presidido por Mariano Rajoy (Partido Popular), indicou que fará tudo o que está ao seu alcance para impedir que se realize.[25]

Referências

  1. Distribuciones de frecuencia marginales del estudio 2410 (em espanhol) Centro de Investigações Sociológicas. Página visitada em 23 de março de 2014.
  2. Sondeig d'opinió - Catalunya (PDF) (em catalão) Instituto de Ciências Políticas e Sociais (2007). Página visitada em 23 de março de 2014.
  3. Sondagem de Opinião na Catalunha - novembro de 2011 (em catalão) Instituto de Ciências Políticas e Sociais. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  4. Sondagem de Opinião na Catalunha - novembro/dezembro de 2012 (em catalão) Instituto de Ciências Políticas e Sociais. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  5. Resultados das sondagens de opinião (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  6. Baròmetre d'Opinió Política. Febrer 2009 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  7. Baròmetre d'Opinió Política. Maig 2009 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  8. Baròmetre d'Opinió Política. Juliol 2009 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  9. Baròmetre d'Opinió Política. Desembre 2009 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  10. Baròmetre d'Opinió Política. Febrer de 2010 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  11. Baròmetre d'Opinió Política. Maig 2010 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  12. Baròmetre d'Opinió Política. Juliol 2010 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  13. Baròmetre d'Opinió Política. Novembre 2010 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  14. Baròmetre d'Opinió Política. Gener 2011 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  15. Baròmetre d'Opinió Política. Juny 2011 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  16. Baròmetre d'Opinió Política. Octubre 2011 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  17. Baròmetre d'Opinió Política. Març 2012 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  18. Baròmetre d'Opinió Política. Juny 2012 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  19. Baròmetre d'Opinió Política. Novembre 2012 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 15 de outubro de 2013.
  20. Resultados do estudo do Instituto DYM para a UOC - 2008 (em catalão) Universidade Aberta da Catalunha. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  21. Resultados do estudo do Instituto DYM para a UOC - 2009 (PDF) (em catalão). Página visitada em 24 de junho de 2010.
  22. Baròmetre d'Opinió Política. Febrer 2009 (PDF) (em catalão) Centre d'Estudis d'Opinió. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  23. a b Yahoo.com. Independencia de Cataluña: baja participación en un referéndum simbólico (em espanhol) Yahoo!. Página visitada em 24 de junho de 2010.
  24. Referendo sobre independência da Catalunha é "inconstitucional" e "não se vai realizar", garante Rajoy Público (12 de dezembro de 2013). Página visitada em 13 de dezembro de 2013.
  25. Governo de Espanha promete bloquear referendo Diário de Notícias (12 de dezembro de 2013). Página visitada em 23 de março de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Independentismo catalão