Niklas Luhmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Niklas Luhmann (Luneburgo, 8 de dezembro de 1927Oerlinghausen, 6 de novembro de 1998) foi um sociólogo alemão. É considerado um dos mais importantes representantes da sociologia alemã atual.

Adepto de uma teoria particularmente própria do pensamento sistémico, Luhmann teorizou a sociedade como um sistema autopoiético.

Ao aplicar o conceito dos sistemas autopoiéticos ao direito, Luhmann consegue reduzir a complexidade social. De tal modo, os estudos de Luhmann apregoam que o direito, em seu viés autopoiético, se (re)cria com base nos seus próprios elementos. Sua autorreferência permite que o direito mude a sociedade e se altere ao mesmo tempo movendo-se com base em seu código binário (direito/não-direito). Tal característica permite a construção de um sistema jurídico dinâmico mais adequado à hipercomplexidade da sociedade atual.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luhmann nasceu no distrito de Lüneburg, na Alemanha. Estudou direito na Universidade de Freiburg, entre 1946 e 1949, quando obteve seu doutorado e começou sua carreira na administração pública. Durante um descanso em 1961, foi para Harvard para estudar a sociologia de Talcott Parsons, o teórico mais famoso do mundo à época. Nos últimos anos, Luhmann abandonou o sistema teórico de Parsons, desenvolvendo um rival aproximado próprio. Ao deixar o serviço público em 1962, estudou na renomada Hochschule für Verwaltungswissenschaften (Universidade para Ciências Administrativas) em Speyer, na Renânia-Palatinado, onde foi influenciado pelo pensamento sociológico de Arnold Gehlen. Luhmann permaneceu em Speyer até 1965, quando lhe foi oferecido um posto no departamento de pesquisa social da Universidade de Münster, liderado por Helmut Schelsky. Entre 1965 e 1966 ele estudou um semestre de sociologia em Münster. Dois livros anteriores foram retroativamente aceitos como tese de Pós-Doutorado e a ele foi conferido o título de Professor. Em 1968/1969, ele ocupou o posto de palestrante na cadeira originalmente de Theodor Adorno na Universidade de Frankfurt, sendo indicado como professor de sociologia na recém-fundada Universidade de Bielefeld, até a aposentadoria, em 1993. Continuou seu trabalho até finalmente completar sua grande obra, Die Gesellschaft der Gesellschaft ("A Sociedade da Sociedade"), publicado em 1997.

Teoria[editar | editar código-fonte]

O elemento central da teoria de Luhmann é a comunicação. Sistemas sociais são sistemas de comunicação e a sociedade é o sistema social mais abrangente. Um sistema é definido pela fronteira entre ele mesmo e o ambiente, separando-o de um exterior infinitamente complexo. O interior do sistema é uma zona de redução de complexidade: a comunicação no interior do sistema opera selecionando apenas uma quantidade limitada de informação disponível no exterior. O critério pelo qual a informação é selecionada e processada é o sentido (em alemão Sinn).

Conceitos Fundamentais[editar | editar código-fonte]

Partindo da proposta de Claudio Baraldi e Elena Esposito, sugere-se, a seqüência abaixo como percurso para melhor compreensão da leitura sociológica da sociedade por Niklas Luhmann:

  • comunicação/unidade social, Senso/sentido, semântica social, generalização simbólica
  • paradoxo da diferenciação, assimetria/identidade, re-entry
  • interação, expectativa normativa, expectativa cognitiva, sociedade
  • ciência/observação de segunda ordem,sociedade complexa, seletividade, Teoria da evolução/construtivismo
  • sistema/ambiente, estrutura/função, acoplamento estrutural, código binário de referência, autopoiese, autorreferência
  • mudança/aprendizagem/consenso
  • O Direito da Sociedade.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

O termo comunicação na teoría do sistema vai muito além do idioma e da escrita.

Meios de Difusão (por exemplo livros, televisão, rádio, web) se desenvolveram e evoluiram com base no idioma falado. Eles aumentam a probabilidade da comunicação em seu todo (podendo ocasionalmente aumentar a probabilidade de desentendimento em certos casos). Eles fazem com que a presenca física do "interlocutor", no momento em que a comunicação se inicia, seja dispensável. (ver Berghaus 2004)

A expressão probabilidade da comunicação provém de sua teoría que "a comunicação é improvável". (ver Luhmann 1997)

Trabalhos principais[editar | editar código-fonte]

  • 1969 Legitimation durch Verfahren (tr.:Legitimação pelo procedimento. Brasília: UnB, 1980)
  • 1972: Rechtssoziologie I (tr.:Sociologia do direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983. 252 p.)
  • 1972: Rechtssoziologie II (tr.:Sociologia do direito II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985. 212p.')
  • 1981: Ausdifferenzierung des Rechts. Beiträge zur Rechtssoziologie und Rechtstheorie (tr.: A diferenciação do direito. Contribuições para a sociologia e a teoria do direito / tr. Italiana: La differenziazione del diritto. Contributi alla sociologia e alla teoria del diritto Raffaele De Giorgi. Bologna: il Mulino, 1990 397p. ISBN 88-15-02100-0)
  • 1982: Liebe als Passion: Zur Codierung von Intimität (tr.:O amor como paixão: para a codificação da intimidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; Lisboa, Portugal: Difel, 1991. 250p. ISBN 972290051X')
  • 1984: Soziale Systeme (tr.:sistemas sociais)
  • 1988: Die Wirtschaft der Gesellschaft (A Economia da Sociedade)
  • 1990: Die Wissenschaft der Gesellschaft (A Ciência da sociedade)
  • 1991: Soziologie des Risikos (Sociologia do risco)
  • 1993: Das Recht der Gesellschaft (O direito da Sociedade)
  • 1995: Social systems (tr.: Sistemas Sociais)
  • 1995: Die Kunst der Gesellschaft (tr.: A Arte da Sociedade)
  • 1997: Die Gesellschaft der Gesellschaft (A sociedade da sociedade)
  • 2000: Die Religion der Gesellschaft(A religião da sociedade)
  • 2002: Das Erziehungssystem der Gesellschaft (O sistema educacional da Sociedade)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Trabalhos sobre Luhmann[editar | editar código-fonte]

  • ALBUQUERQUE, Paulo Antonio de M. Funktionen und Struktur der Rechtsprechung im demokratischen Rechtsstaat in normen-und systemteoretischer Perspective. Berlim: Duncker & Humblot, 2001. ISBN 3-428-09894-3.
  • ALBUQUERQUE, Paulo Antonio de M., GOMES, Rafael Benevides B. Implicações Sistêmicas da Súmula Vinculante. in: NOMOS: Revista do Curso de Mestrado em Direito da UFC, v. 26, JAN-JUN, p. 225-238, 2007. (ISSN: 1807-3840) http://ssrn.com/abstract=1288091
  • AGGIO, Amanda Bastos M., O Olhar Complexo e Sistêmico Aplicado à Comunicação: a Teoria Sistêmica de Niklas Luhmann. Ouro Preto: Intercom 2012 http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2012/resumos/R33-0162-2.pdf
  • ARNAUD, André-Jean; LOPES JR., Dalmir (org.). "Niklas Luhmann: do sistema social à sociologia jurídica". Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004 389 p. ISBN 85-7387-487-2)
  • NEVES, Marcelo. "Entre Têmis e Leviatã: uma relação difícil. O estado democrático de direito a partir e além de Luhmann e Habermas". São Paulo: Martins Fontes, 2006 353 p. ISBN 85-336-2282-1)
  • NEVES, Clarissa Eckert Baeta; SAMIOS, Eva Machado Barbosa. Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: Ed. da universidade/UFRGS: Goethe-Institut/ICBA, 1997 111p ISBN 8570254237 (broch.)
  • MAGALHÃES, Juliana Neuenschwander. "História Semântica do Conceito de Soberania: o paradoxo da soberania popular". Tese de Doutorado apresentada à Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, 2000 424 p.
  • ROCHA, Leonel Severo; SCHWARTZ, Germano; CLAM, Jean. Introdução à teoria do sistema autopoiético do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.
  • ROCHA, Leonel, Michael King e Germano Schwartz. A verdade sobre a Autopoiesis no Direito. Porto Alegre: Livraira do Advogado, 2009.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. O direito na teoria dos sistemas de Niklas Luhmann. São Paulo: Max Limonad, 2006, 268p ISBN 8575490222.
  • TONET, Fernando. RECONFIGURAÇÕES DO CONSTITUCIONALISMO: evolução e modelos constitucionais sistêmicos na pós-modernidade. Editora Lumen Juris.Rio de Janeiro - 2013.
  • TRINDADE, André. Os direitos fundamentais em uma perspectiva autopoiética.Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • TRINDADE, André. Para entender Luhmann e o Direito como sistema autopoiético. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.
  • BERGHAUS, Margot: Luhmann leicht gemacht: Eine Einführung in die Systemtheorie. Stuttgart 2004.
  • VIANA, Ulisses Schwarz: A Repercussão Geral sob a ótica da teoria dos sistemas de Niklas Luhmann. São Paulo: Saraiva, 2011 (2a. Ed.).
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.