Niklas Luhmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Niklas Luhmann (Luneburgo, 8 de dezembro de 1927Oerlinghausen, 6 de novembro de 1998) foi um sociólogo alemão. É tido como um dos mais importantes representantes da sociologia alemã atual.

Adepto de uma teoria particularmente própria do pensamento sistémico, Luhmann teorizou a sociedade como um sistema autopoiético.

Ao aplicar o conceito dos sistemas autopoiéticos ao direito, Luhmann consegue reduzir a complexidade social. De tal modo, os estudos de Luhmann apregoam que o direito, em seu viés autopoiético, se (re)cria com base nos seus próprios elementos. Sua autorreferência permite que o direito mude a sociedade e se altere ao mesmo tempo movendo-se com base em seu código binário (direito/não-direito). Tal característica permite a construção de um sistema jurídico dinâmico mais adequado à hipercomplexidade da sociedade atual.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luhmann nasceu no distrito de Lüneburg, na Alemanha. Estudou direito na Universidade de Freiburg entre 1946 e 1949, quando obteve seu doutorado e começou sua carreira na administração pública. Durante um descanso em 1961, foi para Harvard para estudar a sociologia de Talcott Parsons, o teórico mais famoso do mundo à época. Nos últimos anos, Luhmann abandonou o sistema teórico de Parsons, desenvolvendo um rival aproximado próprio. Ao deixar o serviço público em 1962, estudou na renomada Hochschule für Verwaltungswissenschaften (Universidade para Ciências Administrativas) em Speyer, na Renânia-Palatinado, até 1965, quando lhe foi oferecido um posto no departamento de pesquisa social da Universidade de Münster, liderado por Helmut Schelsky. Entre 1965 e 1966 ele estudou um semestre de sociologia em Münster. Dois livros anteriores foram retroativamente aceitos como tese de Pós-Doutorado e a ele foi conferido o título de Professor. Em 1968/1969, ele ocupou o posto de palestrante na cadeira originalmente de Theodor Adorno na Universidade de Frankfurt, sendo indicado como professor de sociologia na recém-fundada Universidade de Bielefeld, até a aposentadoria, em 1993. Continuou seu trabalho até finalmente completar sua grande obra, Die Gesellschaft der Gesellschaft ("A Sociedade da Sociedade"), publicado em 1997.

Teoria[editar | editar código-fonte]

O elemento central da teoria de Luhmann é a comunicação. Sistemas sociais são sistemas de comunicação e a sociedade é o sistema social mais abrangente. Um sistema é definido pela fronteira entre ele mesmo e o ambiente, separando-o de um exterior infinitamente complexo. O interior do sistema é uma zona de redução de complexidade: a comunicação no interior do sistema opera selecionando apenas uma quantidade limitada de informação disponível no exterior. O critério pelo qual a informação é selecionada e processada é o sentido (em alemão Sinn).

Conceitos Fundamentais[editar | editar código-fonte]

Partindo da proposta de Claudio Baraldi e Elena Esposito, sugere-se, a seqüência abaixo como percurso para melhor compreensão da leitura sociológica da sociedade por Niklas Luhmann:

  • comunicação/unidade social, Senso/sentido, semântica social, generalização simbólica
  • paradoxo da diferenciação, assimetria/identidade, re-entry
  • interação, expectativa normativa, expectativa cognitiva, sociedade
  • ciência/observação de segunda ordem,sociedade complexa, seletividade, Teoria da evolução/construtivismo
  • sistema/ambiente, estrutura/função, acoplamento estrutural, código binário de referência, autopoiese, autorreferência
  • mudança/aprendizagem/consenso
  • O Direito da Sociedade.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

O termo comunicação na teoría do sistema vai muito além do idioma e da escrita.

Meios de Difusão (por exemplo livros, televisão, rádio, web) se desenvolveram e evoluiram com base no idioma falado. Eles aumentam a probabilidade da comunicação em seu todo (podendo ocasionalmente aumentar a probabilidade de desentendimento em certos casos). Eles fazem com que a presenca física do "interlocutor", no momento em que a comunicação se inicia, seja dispensável. (ver Berghaus 2004)

A expressão probabilidade da comunicação provém de sua teoría que "a comunicação é improvável". (ver Luhmann 1997)

Trabalhos principais[editar | editar código-fonte]

  • 1969 Legitimation durch Verfahren (tr.:Legitimação pelo procedimento. Brasília: UnB, 1980)
  • 1972: Rechtssoziologie I (tr.:Sociologia do direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983. 252 p.)
  • 1972: Rechtssoziologie II (tr.:Sociologia do direito II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985. 212p.')
  • 1981: Ausdifferenzierung des Rechts. Beiträge zur Rechtssoziologie und Rechtstheorie (tr.: A diferenciação do direito. Contribuições para a sociologia e a teoria do direito / tr. Italiana: La differenziazione del diritto. Contributi alla sociologia e alla teoria del diritto Raffaele De Giorgi. Bologna: il Mulino, 1990 397p. ISBN 88-15-02100-0)
  • 1982: Liebe als Passion: Zur Codierung von Intimität (tr.:O amor como paixão: para a codificação da intimidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; Lisboa, Portugal: Difel, 1991. 250p. ISBN 972290051X')
  • 1984: Soziale Systeme (tr.:sistemas sociais)
  • 1988: Die Wirtschaft der Gesellschaft (A Economia da Sociedade)
  • 1990: Die Wissenschaft der Gesellschaft (A Ciência da sociedade)
  • 1991: Soziologie des Risikos (Sociologia do risco)
  • 1993: Das Recht der Gesellschaft (O direito da Sociedade)
  • 1995: Social systems (tr.: Sistemas Sociais)
  • 1995: Die Kunst der Gesellschaft (tr.: A Arte da Sociedade)
  • 1997: Die Gesellschaft der Gesellschaft (A sociedade da sociedade)
  • 2000: Die Religion der Gesellschaft(A religião da sociedade)
  • 2002: Das Erziehungssystem der Gesellschaft (O sistema educacional da Sociedade)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Trabalhos sobre Luhmann[editar | editar código-fonte]

  • ALBUQUERQUE, Paulo Antonio de M. Funktionen und Struktur der Rechtsprechung im demokratischen Rechtsstaat in normen-und systemteoretischer Perspective. Berlim: Duncker & Humblot, 2001. ISBN 3-428-09894-3.
  • ALBUQUERQUE, Paulo Antonio de M., GOMES, Rafael Benevides B. Implicações Sistêmicas da Súmula Vinculante. in: NOMOS: Revista do Curso de Mestrado em Direito da UFC, v. 26, JAN-JUN, p. 225-238, 2007. (ISSN: 1807-3840) http://ssrn.com/abstract=1288091
  • AGGIO, Amanda Bastos M., O Olhar Complexo e Sistêmico Aplicado à Comunicação: a Teoria Sistêmica de Niklas Luhmann. Ouro Preto: Intercom 2012 http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2012/resumos/R33-0162-2.pdf
  • ARNAUD, André-Jean; LOPES JR., Dalmir (org.). "Niklas Luhmann: do sistema social à sociologia jurídica". Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004 389 p. ISBN 85-7387-487-2)
  • NEVES, Marcelo. "Entre Têmis e Leviatã: uma relação difícil. O estado democrático de direito a partir e além de Luhmann e Habermas". São Paulo: Martins Fontes, 2006 353 p. ISBN 85-336-2282-1)
  • NEVES, Clarissa Eckert Baeta; SAMIOS, Eva Machado Barbosa. Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: Ed. da universidade/UFRGS: Goethe-Institut/ICBA, 1997 111p ISBN 8570254237 (broch.)
  • MAGALHÃES, Juliana Neuenschwander. "História Semântica do Conceito de Soberania: o paradoxo da soberania popular". Tese de Doutorado apresentada à Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, 2000 424 p.
  • ROCHA, Leonel Severo; SCHWARTZ, Germano; CLAM, Jean. Introdução à teoria do sistema autopoiético do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.
  • ROCHA, Leonel, Michael King e Germano Schwartz. A verdade sobre a Autopoiesis no Direito. Porto Alegre: Livraira do Advogado, 2009.
  • VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. O direito na teoria dos sistemas de Niklas Luhmann. São Paulo: Max Limonad, 2006, 268p ISBN 8575490222.
  • TONET, Fernando. RECONFIGURAÇÕES DO CONSTITUCIONALISMO: evolução e modelos constitucionais sistêmicos na pós-modernidade. Editora Lumen Juris.Rio de Janeiro - 2013.
  • TRINDADE, André. Os direitos fundamentais em uma perspectiva autopoiética.Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • TRINDADE, André. Para entender Luhmann e o Direito como sistema autopoiético. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.
  • BERGHAUS, Margot: Luhmann leicht gemacht: Eine Einführung in die Systemtheorie. Stuttgart 2004.
  • VIANA, Ulisses Schwarz: A Repercussão Geral sob a ótica da teoria dos sistemas de Niklas Luhmann. São Paulo: Saraiva, 2011 (2a. Ed.).
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.