Orgasmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Orgasmo feminino)
Ir para: navegação, pesquisa

O orgasmo é a conclusão do ciclo de resposta sexual que corresponde ao momento de maior prazer sexual. Pode ser experimentado por ambos os sexos, dura apenas poucos segundos e é sentido durante o ato sexual ou a masturbação. O orgasmo pode ser detectado com a ejaculação na maioria das espécies de mamíferos masculinos. Por outro lado, na espécie humana, o orgasmo masculino, por exemplo, nem sempre está acompanhado de ejaculação, podendo ocorrer o orgasmo sem ejaculação, como podemos observar nos cânones taoistas na China (In Chang, 1979)[1] .

O orgasmo é uma das fases da resposta sexual, como descrita por Masters e Johnson. Caracteriza-se por intenso prazer físico mediado pelo sistema nervoso autônomo[2] , acompanhado por ciclos de rápidas contrações musculares nos músculos pélvicos, que rodeiam os órgãos sexuais e o ânus, sendo frequentemente associados a outras acções involuntárias, como espasmos musculares em outras partes do corpo e uma sensação geral de euforia. Sua ausência é denominada anorgasmia. Além desta definição, temos o orgasmo como um potente estado alterado de consciência e ainda temos o para-orgasmo como sendo "o estado existencial de autorealização e prazer de viver intraduzível em palavras e geralmente vivenciado a partir de curtos momentos, ou momentos de pico".

No sentido estrito, apresenta-se como um pico rápido de excitação seguido ou não de ejaculação e com rápida queda na sensação de prazer.[3] Uma vez que os órgãos sexuais têm a mesma origem embriológica em ambos os sexos, a sensação é equivalente para homens e mulheres, podendo haver um período refratário à estimulação direta após o orgasmo. Nas mulheres, as contrações musculares causam expulsão de líquido através da vagina, caracterizando a ejaculação feminina. É um período de grande relaxamento e queda da pressão arterial, devido à liberação da prolactina.[4] Há também redução temporária das atividades do córtex cerebral.[5] No sentido amplo, o orgasmo, pelo menos na espécie humana, traduz a capacidade de amar, de entrega ao amor e ao prazer, sendo uma atitude de cunho não neurótico que, temporariamente, anula os sintomas básicos da neurose a partir da liberação da energia ou orgônio sexual ou libido (Reich, W. A Função do Orgasmo).

Conseguir orgasmo[editar | editar código-fonte]

Sinnenrausch (ca. 1890), de Franciszek Żmurko

O orgasmo é atingido após a estimulação direta ou indireta do pênis ou do clitóris. Esta estimulação pode ser causada pela atividade sexual, masturbação, sexo oral, sexo não penetrativo, vibrador, ou por eletroestimulação. Qualquer estimulação sexual do pênis ou clitóris pode eventualmente resultar em um orgasmo, mas este também pode ser atingido pela estimulação de outras zonas erógenas, na ausência de estimulação física, pode-se chegar ao orgasmo através de estimulação psicológica (como na polução noturna).

Orgasmos múltiplos[editar | editar código-fonte]

Orgasmos múltiplos ocorrem em alguns casos em que a mulher não tem um período refratário, ou ele é muito curto e experimenta-se um segundo orgasmo logo após o primeiro; algumas mulheres podem até ter uma sequência de orgasmos consecutivos. Para algumas mulheres, o clitóris e os mamilos ficam muito sensíveis após o clímax, ocasionando que estimulações adicionais possam ser dolorosas. Inspirações profundas, respiração rápida e continuação da estimulação podem ajudar a diminuir esta excitação.[6] .[7]

Muitos homens que começaram a se masturbar ou tiveram atividade sexual antes da puberdade relatam terem sido capazes de ter múltiplos orgasmos sem ejacular. Jovens crianças do sexo masculino são capazes de ter múltiplos orgasmos devido à falta de período refratário. Um estudo sugere que o orgasmo antes da puberdade dos homens é similar ao orgasmo feminino, podendo refletir alterações hormonais durante a puberdade com influência sobre as características do orgasmo masculino.[8]

Orgasmo espontâneo[editar | editar código-fonte]

O orgasmo pode ser espontâneo, parecendo que ocorrem sem haver prévia estimulação direta. Os primeiros relatos deste tipo de orgasmo provêm de pessoas que tiveram lesões da medula espinal (SCI). Embora a SCI muitas vezes leve à perda de certas sensações e a alterações da auto-percepção, uma pessoa com esta perturbação pode não estar privada de sexualidade, como estimulações sexuais e desejos eróticos.

Também se discute que algumas determinadas drogas antidepressoras podem provocar o orgasmo espontâneo como um efeito colateral.[9]

Orgasmo vaginal[editar | editar código-fonte]

O "teoria dos dois orgasmos" (a crença de que no sexo feminino há um orgasmo vaginal e um orgasmo clitoriano), foi criticada por feministas, como Ellen Ross e Rayna Rapp como uma "clara percepção masculina do corpo feminino".[10] O conceito de orgasmo de natureza vaginal foi postulada pela primeira vez por Sigmund Freud. Em 1905, Freud argumentou que o orgasmo clitoriano era um fenômeno que ocorria em adolescentes, e após atingir a puberdade a resposta adequada das mulheres maduras mudava para o orgasmo vaginal. Embora Freud não tenha fornecido quaisquer provas para esta suposição básica, as consequências dessa teoria foram muito elaboradas, em parte porque muitas mulheres se sentiram inadequadas quando elas não conseguiam atingir orgasmo através da relação vaginal que envolveu pouca ou nenhuma estimulação clitoriana.

Em 1966, Masters e Johnson publicaram um trabalho de investigação sobre as fases de estimulação sexual. Seu trabalho incluiu homens e mulheres, e ao contrário de Alfred Kinsey anteriormente (em 1948 e 1953), havia tentado determinar as fases fisiológicas que ocorriam antes e depois do orgasmo.[11] Masters e Johnson colaboraram com a ideia de que o orgasmo vaginal e clitoriano correspondem ao mesmo processo e argumentaram que a estimulação clitoriana é a principal fonte dos orgasmos.

Anatomicamente o pênis e o clitóris têm prolongamentos internos,[12] dificultando a distinção entre o orgasmo clitoriano e vaginal.

A urologista australiana Helen O'Connell, utilizando técnicas de ressonância magnética, notou que existe uma relação entre o crus clitoris (crura, pernas ou raízes do clitóris) e o tecido eréctil do bulbo clitoriano.[13] Ela afirma que esta relação de interligação é a explicação fisiológica para o Ponto G e a experiência do orgasmo vaginal, tendo em vista que há a estimulação das partes internas do clitóris durante a penetração da vagina.[14]

Orgasmo anal[editar | editar código-fonte]

O orgasmo anal é um orgasmo originário da estimulação anal, como a de um dedo inserido, o pênis ou um brinquedo erótico. É ocasionado pela estimulação direta das terminações que inervam o esfíncter, em especial o nervo pudendo, entre outros quatro nervos da região pélvica envolvidos no orgasmo, tanto masculino como feminino.

Orgasmo mamário[editar | editar código-fonte]

Um orgasmo mamário é um orgasmo a partir da estimulação das mamas.[15] Nem todas as mulheres são sensíveis à estimulação dos seios, no entanto, algumas mulheres afirmam que a estimulação da área da mama durante o ato sexual e as preliminares, ou apenas o simples fato de terem seus seios acariciados, pode levar ao orgasmo. De acordo com um estudo que questionou 213 mulheres, 29% delas tiveram a experiência de terem um orgasmo de mama uma vez ou mais vezes[16] , enquanto outro estudo afirmou que apenas 1% de todas as mulheres teve a experiência de terem um orgasmo mamário[17] .

Crê-se que um orgasmo ocorra, em parte, por causa do hormônio oxitocina, que é produzida no organismo durante a excitação e estimulação da mama.[18]

Orgasmo seco[editar | editar código-fonte]

É possível atingir o orgasmo sem a ejaculação (orgasmo seco) ou ejacular sem atingir orgasmo. Alguns homens têm relatado ter múltiplos orgasmos consecutivos, particularmente sem ejaculação. Os homens que experimentam orgasmos secos muitas vezes podem ter múltiplos orgasmos, com a necessidade de um período de repouso, o período refratário, reduzido.[19] Alguns homens são capazes de se masturbar por horas, e, em um momento, atingir orgasmo várias vezes.[19]

O orgasmo seco também pode acontecer em pessoas que se submeteram a cirurgias oncológicas, principalmente no cólon ou reto, no qual foi aplicado sessões de radioterapia e quimioterapia, lesando órgãos que contribuem para a produção do sêmen.

Orgasmo simultâneo[editar | editar código-fonte]

O orgasmo simultâneo (também designado por orgasmo mútuo) é um clímax alcançado pelos parceiros sexuais, ao mesmo tempo, durante o ato sexual.

Orgasmo Feminino[editar | editar código-fonte]

O orgasmo feminino refere-se ao prazer sexual intenso alcançado pelas mulheres através da relação sexual, masturbação ou outros meios de forma única ou múltipla. É sentido por intensas contrações rítmicas, principalmente na região vaginal, durando cerca de 0,8 s cada, totalizando de 3 a 12 contrações; com a sensação de prazer aumentando em intensidade a cada momento, até que se atinja o clímax, seguido do relaxamento.[20] Cada mulher sente o orgasmo de forma distinta: algumas só conseguem através de estimulação clitoriana, penetração, preliminares longas/curtas e outras nunca conseguiram atingir o pico de prazer máximo na hora do sexo.[21] Estima-se que 70% das mulheres nunca chegaram a sentir um orgasmo com seus parceiros.[22]

A ocorrência do prazer do orgasmo é proporcionada por uma descarga química de neurotransmissores tais como as catecolaminas (noradrenalina e adrenalina), a indoleamina e a serotonina. A dopamina e a serotonina estimulam a produção de endorfinas que estimulam o prazer.[23] [24]

Pode ser sentido no clítoris, na entrada da uretra, no colo do útero, no ânus ou em todos ou alguns destes pontos ao mesmo tempo. Algumas mulheres podem fingir o orgasmo para agradarem seus parceiros.[25]

Função biológica[editar | editar código-fonte]

A função biológica do orgasmo da mulher, diferente do que ocorre nos homens, não é consensual entre os cientistas. Foram propostas diversas teorias para tentar explicá-lo.[26]

Desmond Morris em seu livro O macaco nu acredita que o fato dos humanos andarem em posição ereta tenha ocasionado problemas, pois o local em que o esperma entra nas mulheres, o óstio do colo do útero, fica localizado numa posição superior. Desta forma, o evento do orgasmo provocaria relaxamento na mulher e esta por sua vez tenderia a ficar deitada, o que facilitaria a fertilização. Todavia, muitas fêmeas de animais de quatro patas também tem orgasmo.[26]

Outra hipótese seria a fragilidade do ser humano ao nascer. Assim, o orgasmo seria para os humanos uma recompensa para aumentar a proximidade do casal para cuidar do recém-nascido. Mas o orgasmo também pode ser problemático e em alguns casos afastar casais que procurariam outros parceiros para satisfazer suas necessidades de prazer.[26]

Cyril A. Fox e sua equipe, em 1970, estudaram a pressão intravaginal e intrauterina quando as mulheres faziam sexo. Descobriu que uma diferença de pressão levaria esperma para dentro do canal cervical, o que ocorria durante orgasmos. Isto, aumentaria as chances de fecundação do óvulo. Esta hipótese chama-se hipótese da sucção.[26]

Alguns cientistas ainda constatam que o orgasmo feminino não teria qualquer função biológica, sendo comparável ao mamilo dos homens (vestígio evolutivo das mamas femininas), onde seria apenas um vestígio evolutivo do orgasmo masculino.[26]

Ainda, existem aqueles que acreditam que seria possível, de forma consciente ou não, a mulher fazer a seleção de genes melhores através do orgasmo, uma vez que Baker e Bellis desvendaram que 1 minuto antes do homem ejacular e 45 minutos depois, na ocorrência de orgasmo feminino, aumenta a retenção de esperma. Caso as mulheres escondam o orgasmo, reduziriam a possibilidade de engravidar, pela demora na ejaculação masculina. Orgasmos fingidos podem fazer o homem ejacular mais rápido e acabar o ato sexual, reduzindo também a possibilidade de gravidez. Orgasmos múltiplos facilitariam a possibilidade de gerar um bebê.[26]

Fases do ciclo sexual feminino[editar | editar código-fonte]

Segundo os estudos de Masters e Johnson (coordenado pelo casal William Masters e Virginia E. Johnson) o orgasmo feminino foi dividido na década de 1960, em fases: desejo, excitação, orgasmo, orgasmos múltiplos.[27]

O Desejo[editar | editar código-fonte]

O desejo sexual é o que faz as mulheres buscarem o sexo, através da estimulação dos instintos, e assim sua vontade aumenta. O tato e o olfato são os principais motivadores para o aumento do desejo nas mulheres.[27]

Excitação[editar | editar código-fonte]

Com a excitação, o corpo responde aos estímulos iniciados com o desejo sexual. A vagina produz um muco que facilita a lubrificação. O volume de sangue na região vaginal aumenta e existe miotonia, ou seja, ocorrem a contração involuntária de fibras musculares, o aumento de tamanho dos seios e a ereção e hipersensibilidade dos mamilos. Além disso, a excitação provoca hiperemia da face e aumento de frequência cardíaca e respiratória. O ânus, o reto, a bexiga e a uretra podem ter pequenas contrações.[27] O clítoris aumenta de tamanho.

Orgasmo[editar | editar código-fonte]

É o momento máximo de prazer, onde toda tensão proveniente da estimulação anterior é atingida. Além de contrações rítmicas involuntárias da plataforma orgástica, o clítoris pode retrair-se, além de mudanças na coloração do genital[28] e descontrole muscular corporal. Num momento seguinte a mulher pode ser estimulada e alcançar outros orgasmos, diferente do homem que precisa esperar alguns minutos.[27] Em média um orgasmo feminino dura de 90 a 104 s.[29] Nesta fase, algumas mulheres podem expelir um líquido, e este evento chama-se ejaculação feminina.[30] Algumas mulheres quando sentem o orgasmo podem soltar gritos e gemidos altos ou baixos bem como ficarem caladas e após ele tendem a experimentar um sentimento de calmaria e relaxamento.

Duração[editar | editar código-fonte]

O orgasmo feminino, segundo pesquisa, dura em média 23 segundos; o orgasmo masculino em média 6 segundos [31] [32] . Segundo estudos científicos, a mulher dispõe exclusivamente de uma capacidade de sentir orgasmos múltiplos ou ininterruptos; ao contrário, nos homens há o chamado período refratário, fenômeno este não identificado nas mulheres; o período é associado a uma necessidade de relaxamento para reiniciar novamente a atividade sexual. Na juventude este lapso de tempo pode ser de segundos, em homens mais velhos, de horas a dias [33] . O momento refratário nos homens que é diferente nas mulheres, é compensado pelo esforço físico, pelo simples facto de o homem conseguir resistir muito mais a esforços físicos com relação a mulher. Após o acto sexual e a obtenção do orgasmo, de certeza que ambos ficam cansados e o homem recupera-se com maior facilidade a este cansaço e enquanto espera-se este momento de recuperação física o homem aproveita o seu relaxamento para poder alcançar novamente o orgasmo.

Clítoris e o orgasmo através da masturbação[editar | editar código-fonte]

Close de um clítoris humano.

O clítoris é um órgão do aparelho sexual feminino que possui muitas terminações nervosas e elevada sensibilidade. É dividido em haste, base e coroa. A literatura registra aproximadamente 8 mil fibras nervosas na região.[34] A grande maioria das mulheres alcança o orgasmo com o a estimulação do clítoris, seja pelo sexo oral, masturbação ou com a utilização de dedos ou vibradores.[35] Estruturalmente, o clítoris é diferente em cada mulher, podendo ser mais ou menos visível e proeminente. Com a excitação ele aumenta seu volume e fica mais sensível.

Disfunções relacionadas ao orgasmo feminino[editar | editar código-fonte]

Anorgasmia[editar | editar código-fonte]

A anorgasmia é uma disfunção do orgasmo feminino caracterizada pela falta total do prazer proporcionado pelo orgasmo, popularmente conhecido como "gozo".[36] Neste casos, pode ocorrer a excitação com todas suas características, mas a mulher não atinge o clímax.[36] Este quadro atinge 30% das brasileiras.[36] É classificada em primária (quando a mulher nunca conseguiu chegar a um orgasmo) e secundária (quando esta passa a não ter mais orgasmos durante os seu atos sexuais).[36]

Vaginismo[editar | editar código-fonte]

É a contração involuntária dos músculos vaginais provocando dificuldades na penetração.[37] É associada a transtornos psicológicos sofridos pelas mulheres em algum momento de suas vidas.[38]

Síndrome de excitação sexual persistente[editar | editar código-fonte]

Nesta síndrome o problema é a falta de controle sobre a excitação e os orgasmos. A mulher passa a ficar excitada mesmo sem estimulação sexual. Alguns casos relatados atingem a marca de 200 orgasmos diários[39] e podem chegar até 800.[23]

Tabus e vida moderna[editar | editar código-fonte]

A dificuldade de atingir o orgasmo é um fato determinado pela história de repressão feminina. A maioria das sociedades configura o sexo como sendo algo pecaminoso, incluindo aí a masturbação, que na opinião de muitos especialistas faz com que a mulher desconheça seu corpo. Porém, não é comprovado.

Fora isto, temos as variações hormonais, menopausa, a tensão pré-menstrual, stress da vida moderna, fobias tornam dificultoso a execução do ato sexual seguido de orgasmo. Até mesmo o estresse e preocupação demasiada em como determinar e proporcionar a ocorrência de orgasmo feminino pode ser um fator que dificulta que este aconteça e diversos sexólogos, terapeutas e autores recomendam lembrar que orgasmo não se planeja, acontece e que é mais valioso cuidar do prazer do momento que se preocupar em atingir ou não o orgasmo.

Função evolutiva dos orgasmos[editar | editar código-fonte]

Em 1967, Desmond Morris sugeriu, em seu primeiro livro de ciência popular O Macaco Nu (The Naked Ape) que o orgasmo feminino evoluiu para encorajar a fêmea a manter uma intimidade física com seu parceiro e ajudar a reforçar a ligação do casal. Morris sugeriu que a relativa dificuldade em se alcançar o orgasmo feminino, em comparação com o orgasmo no sexo masculino, poderia ter uma função favorável por direcionar a fêmea a selecionar companheiro que tenham qualidades como paciência, atenção, imaginação, inteligência, em oposição às qualidades tais como tamanho e agressão, que tem relação com a selecção de companheiros em outros primatas. Essas qualidades vantajosas foram-se tornando acentuadas dentro da espécie humana.

Morris também propôs que o orgasmo poderia facilitar a concepção, uma vez que esgotaria a mulher e assim ela se manteria com o corpo na horizontal, impedindo assim que o esperma escorresse para fora do trato genital. Esta possibilidade, algumas vezes chamado de "Hipótese Poleax" ou "Hipótese do nocaute", atualmente é considerada altamente duvidosa.

Outras teorias são baseadas na ideia de que o orgasmo feminino poderia aumentar a fertilidade. Por exemplo, a redução de 30% no tamanho da vagina durante o orgasmo poderia ajudar aumentando a pressão sobre o pênis (semelhante ao efeito da contração do músculo pubococcígeo), o que promoveria o aumento da estimulação sobre o macho. Os biólogos também sugeriram que o orgasmo feminino pode ter um ação de "sucção", semelhante ao movimento peristáltico, favorecendo a retenção dos espermatozóides e aumentando as chances da concepção.[40] Também o fato de que a mulher tende a atingir orgasmo com maior facilidade quando estão ovulando sugere que ele está vinculado ao aumento da fertilidade.[41]

Outros biólogos supõem que o orgasmo seria apenas para motivar o sexo, o que aumentaria a taxa de reprodução.

Visto que o orgasmo de um macho tipicamente tende a chegar mais depressa do que o das fêmeas, isso poderia, potencialmente, encorajar a fêmea a ter vontade de se envolver em atividades sexuais com mais frequência, aumentando assim a probabilidade de concepção.

Dia do Orgasmo[editar | editar código-fonte]

O Dia Mundial do Orgasmo foi informalmente criado na Inglaterra no dia 31/07 por redes de sex shops. Estas realizaram pesquisas que revelaram que 80% das mulheres inglesas não atingem o clímax em suas relações. Em termos de insatisfação sexual, os brasileiros não ficam longe. Um estudo conduzido pelo Projeto de Sexualidade da USP (ProSex) detectou que 50% das brasileiras têm problemas relacionados à falta de orgasmo. Cerca de 12 milhões de homens sofreriam de alguma disfunção sexual[42] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete orgasmo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

    Notas e referências

    1. Abril. Equilíbrio. Visitado em 12 de janeiro de 2012.
    2. Kyria. What Every Woman Needs to Know about Sexual Satisfaction (em inglês). Visitado em 12 de janeiro de 2012.
    3. Americana não alcança orgasmo e agride namorado, G1
    4. Exton, MS; et al.. (April 2001). "Coitus-induced orgasm stimulates prolactin secretion in healthy subjects". Psychoneuroendocrinology 26 (3): 287 – 94.
    5. Georgiadis J, Kortekaas R, Kuipers R, Nieuwenburg A, Pruim J, Reinders A, Holstege G. (2006). "Regional cerebral blood flow changes associated with clitorally induced orgasm in healthy women". Eur J Neurosci 24 (11): 3305-16. PMID 17156391.
    6. Dodson, Betty. Sex for One. [S.l.: s.n.], 1999-10-01. ISBN 3-442-16253-X.
    7. Material do portal www.publisaude.com.br
    8. Byerly, Paul & Lori. How to make sex better for him (em english). Visitado em 2006-11-2. "Boys who discover masturbation before puberty can't ejaculate, but they can have orgasms. They can also have multiple orgasms like women can, but then lose this ability when puberty adds ejaculation to their orgasms."
    9. The core of female orgasm Sex Terms.
    10. Ellen Ross, Rayna Rapp Sex and Society: A Research Note from Social History and Anthropology Comparative Studies in Society and History, Vol. 23, No. 1 (Jan., 1981), pp. 51-72
    11. Título não preenchido, favor adicionar.
    12. O'Connell HE, Sanjeevan KV, Hutson JM. Anatomy of the Clitoris J Urol. 2005 Oct;174 (4 Pt 1):1189-95; Time for rethink on the clitoris at BBC News site.
    13. O'Connell, Helen, Anatomy of the Clitoris, J Urol. 2005 Oct;174(4 Pt 1):1189-95, PMID 16145367
    14. Mascall, Sharon, “Time for Rethink on the Clitoris”, BBC News. 2006 June |url=http://news.bbc.co.uk/1/hi/health/5013866.stm
    15. MSN Lifestyle - "Touch Her Here".
    16. Men's Health - Treat her to a "Nipple Orgasm".
    17. Sexuality Education - The Female Orgasm.
    18. The Journal of Sexual Medicine.
    19. a b Janssen, D.F.. Growing Up Sexually -- The Sexual Curriculum. [S.l.: s.n.], October 2002.
    20. O Globo. Guia sobre o orgasmo feminino para mulheres modernas. Visitado em 26/07/2009.
    21. Sana, Cristiane Cador. In: Ibrasa. Alma de Mulher. [S.l.: s.n.]. Visitado em 25 de julho de 2009.
    22. MIOTO, Ricardo (6 de agosto de 2010). Mais de 70% das mulheres nunca atingiram o orgasmo com seus parceiros Folha. Visitado em 01/03/2012.
    23. a b Margolis, Jonathan. In: Ediouro. A História Íntima do Orgasmo. Rio de Janeiro: [s.n.].
    24. DiarioWeb (2006). 'Drogas' do amor. Visitado em 28/07/2009.
    25. Cama na Rede. http://camanarede.terra.com.br/orgasmo/orgasmo_14.htm. Visitado em 19/01/2010.
    26. a b c d e f Os segredos evolutivos do orgasmo feminino
    27. a b c d ABC da Saúde. Resposta Sexual Feminina. Visitado em 26/07/2009.
    28. Spitz, Christian. In: Summus. Adolescentes perguntam. [S.l.: s.n.].
    29. Lins, Regina Navarro; Braga, Flávio. In: Ediouro. O Livro de Ouro do Sexo. Rio de Janeiro: [s.n.].
    30. Walfrido, Valéria. In: Ediouro. Toque sedutor. Rio de Janeiro: [s.n.].
    31. http://nova.abril.com.br/blog/sexpert/eles-tambem-fingem-orgasmo/
    32. Guardian
    33. Abc da Saúde
    34. MORRIS, Desmond. A mulher nua: um estudo do corpo feminino. São Paulo: Globo, 2005. pag. 196
    35. Banco de Saúde. Orgasmo. Visitado em 01/08/2009.
    36. a b c d ABC da Saúde. Disfunções do orgasmo feminino. Visitado em 19/01/2010.
    37. Correio Braziliense. Para especialistas, não chegar ao orgasmo tem causas mais psicológicas do que físicas. Visitado em 19/01/2010.
    38. Expresso. Sexo: Quando elas não conseguem. Visitado em 19/01/2010.
    39. Pravda. Britânica de 24 anos atinge 200 orgasmos por dia. Visitado em 19/01/2010.
    40. The Orgasm Wars Yahoo! Health (1996-01-01). Visitado em 2006-05-28.
    41. Adam, David. "Female orgasm all in the genes", The Guardian, 2005-06-08. Página visitada em 2006-05-28.
    42. Science Blogs. No dia do Orgasmo, cientistas descobrem água em Marte. Visitado em 12 de janeiro de 2012.