Piye

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Piye, Pié ou Piankh foi um rei da XXV dinastia egípcia, de origem cuchita.

Era filho de Kashta, rei que tinha iniciado a conquista núbia do Antigo Egipto. Tornou-se rei da Núbia em 747 a.C., tendo se dedicado à conquista do Egipto nos anos seguintes. Apresentando-se como campeão do deus Amon, consegue ganhar o apoio do clero deste deus em Tebas. A sua irmã, Amenirdis foi nomeada Divina Adorada de Amon.

O rei Tefnacte da XXIV dinastia, que controlava a região ocidental do Delta do Nilo, avançava para o sul do Egipto com a conquista de Mênfis. Tefnacte tinha formado uma aliança militar com vários reis locais, entre os quais o rei Namart de Hermópolis, que cercaria a cidade de Heracleópolis, controlada por um aliado de Piye, Peftuaubast.

Piye decidiu intervir nestas questão, deslocando-se ao Egipto por volta de 734 a.C.. Depois de participar no festival Opet dedicado a Amon, decidiu cercar a cidade de Hermópolis com o objectivo de derrotar o rei Namart, no qual se revelou sucedido. Heracleópolis foi libertada do cerco e Mênfis foi conquistada por Piye. Os vários reis locais acabariam por se render, incluindo Osorkon de Tânis e Tefnacte (embora este último depois de alguma resistência).

Regressou a Napata, a partir de onde governou o Egipto. Os seus feitos militares foram gravados numa estela em granito, a chamada "Estela da Vitória", achada no Templo de Amon em Napata, que se encontra actualmente no Museu Egípcio do Cairo. Foi sepultado numa pequena pirâmide em El-Kurru, necrópole onde seriam sepultados vários monarcas da XXV dinastia. Foi sucedido pelo seu irmão Chabaka, de acordo com o costume da realeza núbia em atribuir a sucessão ao irmão do rei. Dois dos seus filhos, Chabataka e Taharka seriam também reis do Egipto.

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
G39 N5
 
<
Q3 S34 M17 M17
>
Transliteração Pˁnḫy
Transliteração (ASCII) p.ankhy
Transcrição Piankh
Tradução Piankh ou Piye
Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5 Y5 L1
>
Transliteração Mn-ḫpr-Rˁ
Transliteração (ASCII) mn-xpr-ra
Transcrição Menkheper-rá
Tradução "A manifestação de é eterna"

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GRIMAL, Nicholas - History of Ancient Egypt. Blackwell Publishing, 1994. ISBN 0631193960.
  • MYSLIWIEC, Karol - The Twilight of Ancient Egypt. Cornell University Press, 2000. ISBN 0801486300
Precedido por
Kashta
Faraó
XXV dinastia
Sucedido por
Shabaka
Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.