Transportes do Porto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diagrama geral das linhas do Metro do Porto e da CP Porto.

O Porto e a sua área metropolitana tem uma rede de transportes bastante vasta e moderna. Os vários meios de transporte, e respectivas infrastruturas, estão organizados de forma a reduzidir substancialmente o trânsito automóvel na área metropolitana e príncipalmente na sua zona central, a cidade do Porto, possibilitando uma rápida circulação, quer de quem circula dentro da cidade, quer de quem se desloca desde a periferia. O metro, o comboio e os autocarros são os mais importantes transportes públicos, tendo por este facto criado juntamente a TIP-Transportes Intermodais do Porto, entidade responsável pela gestão do bilhete intermodal da área metropolitana do Porto, o Andante.

Metro do Porto[editar | editar código-fonte]

Aliados uma das estações subterrâneas dos Metro do Porto, no centro da cidade.

O Metro do Porto é um sistema de transportes públicos do Grande Porto, Portugal, que consiste numa rede ferroviária electrificada subterrânea no centro do Porto e à superfície na periferia.

É uma rede recente repartida em 6 linhas de metropolitano (com 8 serviços, incluindo um serviço expresso) espalhadas por sete concelhos da área metropolitana: Porto, Maia, Matosinhos, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia e Gondomar e uma linha de funicular, o Funicular dos Guindais. Possui um total de 80 estações de metropolitano distribuídas por 70 km de linhas comerciais duplicadas, maioritariamente à superfície, com 9,5 km da rede enterrada e por duas estações de funicular nos extremos dos 281 metros de distância entre a zona da Batalha à cota alta e a zona da Ribeira à cota baixa, vencendo um desnível de 61 metros.

PortoMetro.png   Metro do Porto[1]
Nome Compr. Est. Inaug. Veículo
AMetro do Porto linha A.svg Estádio do Dragão ↔ Senhor de Matosinhos 15,6 km 23 2002.12.07 Flexity Outlook (Eurotram)
BMetro do Porto linha B.svg Estádio do Dragão ↔ Póvoa de Varzim 33,6 km 35 2005.03.13 Flexity Swift (Tram-train)
CMetro do Porto linha C.svg Campanhã ↔ ISMAI 19,6 km 24 2005.06.30 Flexity Swift (Tram-train)
DMetro do Porto linha D.svg Hospital São João ↔ Santo Ovídio 09,2 km 16 2005.09.18 Flexity Outlook (Eurotram)
EMetro do Porto linha E.svg Estádio do Dragão ↔ Aeroporto 16,7 km 21 2006.05.27 Flexity Outlook (Eurotram)
FMetro do Porto linha F.svg Fânzeres ↔ Senhora da Hora 17,4 km 24 2011.01.02 Flexity Outlook (Eurotram)
ZLogo funicular 2.png Ribeira ↔ Batalha 00,3 km 02 2004.02.19 Funicular dos Guindais

Comboio[editar | editar código-fonte]

A rede ferroviária de comboio da região metropolitana do Porto é a segunda maior região ferroviária do país a seguir à região de Lisboa. A região do Porto é o cruzamento de todas as ligações ferroviárias entre o Norte e Sul do país e a partida/chegada das ligações entre o litoral norte e o interior norte de Portugal. Possuí ainda uma rede de comboios urbanos bastante vasta, que liga às principais cidades à volta do Porto, como Braga, Guimarães e Aveiro e modernizada recentemente. As suas príncipais estações são a Estação de São Bento, a Estação de Campanhã e a estação satélite de Contumil

Urbanos[editar | editar código-fonte]

Comboios urbanos do Porto (UME 3400) na Estação de São Bento, a principal da sua rede e um dos maiores ex-libris do Porto.

A CP Urbanos do Porto é a unidade de negócios da CP Caminhos-de-Ferro Portugueses, empresa pública portuguesa de caminhos-de-ferro, vocacionada para a prestação do serviço urbano de transporte ferroviário pesado de passageiros na área do Grande Porto e regiões próximas, nomeadamente nas subregiões do Cávado até Braga, do Ave até Guimarães, do Tâmega até Marco de Canaveses e do Baixo Vouga até Aveiro, num círculo de cerca de 60 km à volta da cidade do Porto.

Logo CP 2.svg   CP Urbanos do Porto
Linhas Comprimento
(km)
Estações Inauguração Veículo
Logo Linha Marco.png
Porto-São Bento ↔ Caíde
46,0 22 6 de novembro de 1997 UME CP 3400 (Bombardier)
Logo Linha Guimarães.png
Porto-São Bento ↔ Guimarães
55,7 25 30 de outubro de 1938 UME CP 3400 (Bombardier)
Logo Linha Braga.png
Porto-São Bento ↔ Braga
53,9 28 21 de maio de 1875 UME CP 3400 (Bombardier)
Logo Linha Aveiro.png
Porto-São Bento ↔ Aveiro
- 25 4 de novembro de 1877 UME CP 3400 (Bombardier)

Regionais e Nacionais[editar | editar código-fonte]

As linhas e os serviços que que servem a região são:

  • Linha do Norte: serviços de Alfa Pendular (Braga-Porto-Coimbra-Lisboa-Faro), Inter-cidades, serviços turísticos e serviços de transporte de mercadorias.
  • Linha do Minho: serviços de Alfa Pendular (Braga-Porto....), Inter-cidades, serviços turísticos e serviços de transporte de mercadorias e ligação internacional para Vigo em Espanha.
  • Linha do Douro: serviços regional de passageiros entre o Porto e o Pocinho.
  • Linha de Guimarães: serviços urbanos de passageiros entre o Porto e Guimarães.
  • Linha de Leixões: serviços de transportes de mercadorias entre o Porto de Leixões e as estaçãoes de Ermesinde, "Campanhã e Contumil.

Autocarros[editar | editar código-fonte]

Autocarro da STCP na Avenida dos Aliados, no Porto.

STCP[editar | editar código-fonte]

A rede de transportes rodovíarios na área metropolitana do Porto, é operada pela STCP, operador público e por diversos operadores privados. A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. ou STCP é a empresa que gere a rede de autocarros no concelho do Porto e também várias linhas em concelhos da Área Metropolitana do Porto. Para além dos autocarros, há ainda três linhas de carros eléctricos que estão sob a responsabilidade desta empresa. O serviço, com 83 linhas (incluindo eléctricos), é assegurado por um parque moderno de autocarros (perto de 600, com uma média de idade de seis anos e meio). Algumas linhas estão concessionadas a empresas privadas. A STCP explora uma das maiores frotas de autocarros a gás da Europa, com um total de 255 veículos, o que representa cerca de 50% da sua frota.

Operadores Privados[editar | editar código-fonte]

  • Transportes Resende - operada principalmente dentro do concelho de Matosinhos
  • ETG - operada principalmente dentro do concelho de Gondomar e deixou de operar as 5 linhas pelos STCP a 1 de Julho de 2012
  • Espírito Santo-Autocarros de Gaia - operada principalmente dentro do concelho de Vila Nova de Gaia
  • Maia Transportes - operada principalmente dentro do concelho de Maia
  • Valpi - operada em vários concelhos da Área Metropolitana do Porto e opera ainda 2 linhas da STCP.
  • JOALTODouro - operada principalmente nos concelhos de Baião , Marco e Amarante.

Eléctricos[editar | editar código-fonte]

A rede de eléctricos da cidade do Porto, existente desde 1895, é explorada pela STCP, contando, em 2011, com três carreiras regulares de serviço turístico.

Actualidade Em 2010 os carros eléctricos transportaram 390 mil pessoas, 32 mil por mês, mais de mil por dia, a imensa maioria constituída por turistas[2] .

Expansões futuras

Linha 1 - futuramente a linha poderá estender-se até ao Castelo do Queijo ou até Matosinhos, embora recentes remodelações na marginal tenham dado prioridade exclusiva ao tráfego rodoviário. Também está em estudo a ligação entre o Infante e a Estação de São Bento pela Rua de Mouzinho da Silveira.

Teleférico de Gaia[editar | editar código-fonte]

O Teleférico de Gaia é um meio de transporte por cabo situado em Vila Nova de Gaia, Portugal, destinado a fins turísticos, inaugurado em 1 de Abril de 2011. Liga a Avenida Ramos Pinto, no Cais de Gaia, ao Jardim do Morro, na Avenida da República, junto à Estação Jardim do Morro do Metro do Porto, e é operado pela empresa Telef - Transportes por Cabo e Concessões, S.A.. É como um complemento, na margem sul do Douro, ao Funicular dos Guindais situados na margem norte do Douro. A obra do consórcio Etermar e Telef arrancou em março de 2009; foi orçada inicialmente em cerca de 10 milhões de euros[3] , mas os custos finais foram superiores[4] . Após vários prazos anunciados e estendidos[5] [3] , só em janeiro de 2011 as 12 cabines do teleférico começaram a circular para testes[6] [7] . No Jardim do Morro estão a ser construídas duas infraestruturas de apoio ao teleférico: um parque de estacionamento com capacidade para 150 viaturas e um restaurante panorâmico.

Auto-estradas[editar | editar código-fonte]

Troço da VCI, junto ao Hospital da Prelada e dos radares da prelada.

No que diz respeito ao tranporte privado, a cidade está ligada ao resto do país por várias auto-estradas que têm um percurso radial. As mais importantes são:

Nome Itinerário
 A 1  Lisboa-Leiria-Coimbra-Albergaria-a-Velha-Porto
 A 3  Porto-Braga
 A 4  Matosinhos-Porto-Maia-Valongo-Amarante
 A 28  Porto-Matosinhos-Maia-Vila do Conde-Viana do Castelo
 A 29  Gaia-Espinho-Albergaria-a-Velha
 A 32  Gaia-Oliveira de Azeméis
 A 41 (CREP)  Matosinhos-Maia-Alfena-Paredes-Gondomar-Santa Maria da Feira
 A 42  Alfena-Paços de Ferreira-Paredes-Lousada-Felgueiras
 VCI  Porto-Ponte da Arrábida-Gaia-Ponte do Freixo-Porto

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Francisco Sá Carneiro

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro (código IATA: OPO; código ICAO: LPPR) localiza-se no Grande Porto, na zona de confluência entre os concelhos da Maia, Matosinhos e Vila do Conde em Portugal, com entrada no subúrbio portuense de Pedras Rubras na Maia. É na actualidade o aeroporto português com maior área de influência (catchment area).[8]

Foi inaugurado em 1945 com a designação de Aeroporto de Pedras Rubras. Até então a cidade do Porto era servida em termos de transportes aéreos pelo aeródromo de Espinho, construído em 1935 pela Aeronáutica Militar.

O aeroporto foi inaugurado a 3 de Dezembro de 1945 com um voo proveniente de Lisboa de um aparelho da Companhia de Transportes Aéreos.O primeiro voo internacional teve lugar em 1956 e quatro anos mais tarde foi dado início ao serviço de voos regulares com destino a Londres.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências