Éder Aleixo de Assis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Éder Aleixo
Informações pessoais
Nome completo Éder Aleixo de Assis
Data de nasc. 25 de maio de 1957 (58 anos)
Local de nasc. Vespasiano, MG,  Brasil
Altura 1,76 m
Canhoto
Apelido A bomba de Vespasiano, Canhão
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Meio-campista
Lateral-esquerdo
Atacante
Clubes de juventude
Minas Gerais América Mineiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1973–1976
1977–1979
1980–1985
1985
1986
1987
1987
1988
1988
1988
1988–1989
1989
1989–1990
1991
1991-1992
1993
1994-1995
1995
1996
1996
1997
Minas Gerais América Mineiro
Rio Grande do Sul Grêmio
Minas Gerais Atlético Mineiro
São Paulo Inter de Limeira
São Paulo Palmeiras
São Paulo Santos
Pernambuco Sport Recife
Rio de Janeiro Botafogo
Paraná Atlético Paranaense
Paraguai Cerro Porteño
Turquia Malatyaspor
Turquia Fenerbahçe
Minas Gerais Atlético Mineiro
Paraná Atlético Paranaense
São Paulo União São João
Minas Gerais Cruzeiro
Minas Gerais Atlético Mineiro
Brasil União São João
Bahia Conquista
Distrito Federal (Brasil) Gama
Minas Gerais Montes Claros
26 (6)
47 (14)
79 (27)

8 (1)


6 (1)



1 (0)
19 (2)
9 (3)


21 (2)
10 (0)


2 (0)
Seleção nacional
1979–1986 Brasil Brasil 51 (8)

Éder Aleixo de Assis (Vespasiano, 25 de maio de 1957), conhecido apenas por Éder ou ainda Éder Aleixo, é um ex-futebolista brasileiro, com destacadas passagens pelo Atlético Mineiro nos anos 80.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Revelado pelo América Mineiro, iniciou sua carreira em 1973 nas categorias de base do Coelho, como ponta-esquerda.

Após se transferir para o Grêmio em 1977, onde conquistou duas edições do Campeonato Gaúcho (1977 e 1979), foi comprado por um dos rivais do América, o Atlético Mineiro, em 1979.

Lá permaneceu a maior parte de sua carreira, e lhe rendeu convocações para a Seleção Brasileira durante muitos anos. Foram 4 passagens pelo Atlético, sendo que a mais conhecida durou entre 1979 e 1985, conquistando 5 campeonatos mineiros (1980, 1981, 1982, 1983 e 1985) e o Torneio de Paris de Futebol em 1982. Éder ainda receberia a Bola de Prata do Campeonato Brasileiro em 1983.

Voltaria ao Atlético em 1989, após uma frustada passagem pelo futebol turco, onde jogou por Malatyaspor e Fenerbahçe. Conquistaria apenas o Troféu Ramón de Carranza de 1990.

Antes, havia passado por Inter de Limeira, Palmeiras, Santos, Sport Recife, Botafogo, Atlético Paranaense e Cerro Porteño, também sem destaque.

Na reta final de sua carreira, Éder passaria novamente pelo Atlético Paranaense, em 1991, e pelo União São João, onde jogaria até 1992. Teve ainda uma curta e surpreendente passagem pelo Cruzeiro, em 1993, onde conquistaria sua única Copa do Brasil. Defenderia o Atlético pela última vez entre 1994 e 1995, ano em que voltaria a vestir a camisa do União São João, atuando pelo clube paulista até 1996.

Jogaria ainda por alguns meses no Conquista e no Gama, antes de permanecer o restante do ano parado. No "mata-mata" do Campeonato Mineiro de 1997, o "Bomba" (apelido que ganhou em função de seus chutes fortes com o pé esquerdo) foi contratado pelo Montes Claros, aos 39 anos de idade, mas sua experiência não foi suficiente para que o clube do norte mineiro superasse o Cruzeiro, que venceu as 2 partidas. Éder encerrou a carreira pouco depois. Hoje em dia, é empresário e comentarista esportivo na TV Globo em Minas, e também dono de várias escolinhas de futebol. Chegou a trabalhar como diretor de futebol do Atlético até 2004.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Jogou 52 partidas (5 não oficiais) pela Seleção Brasileira entre 1979 e 1986. Atuou na Copa de 1982. Seu apelido era O Canhão, uma vez que era considerado como um jogador com um chute muito potente.[nota 1] [nota 2]

Sua presença na Copa de 1986 era quase certa, uma vez que o técnico Evaristo de Macedo bancou Éder no elenco titular. A última partida do meio-campista foi contra o Peru, em abril. O "Bomba" deu um soco no rosto do lateral peruano Castro e foi expulso pelo árbitro Arnaldo Cezar Coelho. Foi a pá-de-cal para a carreira internacional de Éder, que não foi convocado para a Copa.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Gremio
Atlético Mineiro
Cruzeiro
Seleção Brasileira

Recordes[editar | editar código-fonte]

  • Participou da goleada histórica do Atlético em cima da Seleção da Colômbia por 6 a 1, no Mineirão, dando um verdadeiro show com suas bombas, sendo um dos heróis do massacre. Essa apresentação foi só uma das que deixaram Telê Santana convicto de que Éder deveria figurar entre os craques da Seleção Brasileira de 1982 na Copa do Mundo.
  • Fez parte do "Galo Hexa", maior seqüência já alcançada em Minas Gerais na Era Profissional.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Marcou um belo gol contra a União Soviética nessa Copa. Depois que seu companheiro de time, Falcão, deixou a bola passar entre suas pernas, Éder ajeitou com seu pé esquerdo antes de estourar a bola na rede com o mesmo pé a uma distância de 25 metros. Dasayev, goleiro soviético - considerado o melhor goleiro do mundo na época - sequer se moveu.
  2. Também foi acusado por alguns de ganhar dinheiro para correr em direção a uma determinada placa de propaganda quando comemorasse seus gols, o que o teria levado a não passar bolas para companheiros mais bem colocados, na ambição mais de dinheiro que pelos gols.[1]

Referências

  1. Juca Kfouri (17 de abril de 2014). A cueca de Neymar (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 17 de abril de 2014.
  2. Edé Aleixor é a revelação do Campeonato brasileiro - Oficial de 1980. Linha do tempo do Campeonato brasileiro - www. globo. com - 2012
  3. Bola de prata de 1970 á 1983, Éder, fatura sua 1ª e única bola de prata em 1983 Revista Placar 9 março de 1984
  4. Dr. Sócrates é o Melhor e Éder o 3º Jogador Sulamericano do ano, eleito pelo jornal El Mundo - 1983 Fonte: www.rsssf.com

Ligações externas[editar | editar código-fonte]