Biblioteca Nacional de Brasília

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Biblioteca Nacional de Brasília (BNB)
Biblioteca Nacional de Brasília - logo.png
Biblioteca Nacional de Brasília
País  Brasil
Tipo Nacional/Pública
Estabelecida 2008
Localização Brasília, DF
Acervo
Tamanho 40 mil
Depósito legal Não
Acesso e uso
Requisitos de acesso Livre acesso
Circulação 180.000/ano
População servida Aberta ao público
Website [2]

A Biblioteca Nacional de Brasília (BNB) ou Biblioteca Nacional de Brasília Leonel de Moura Brizola é uma biblioteca brasileira, situada na cidade de Brasília, no Distrito Federal, próxima a Rodoviária do Plano Piloto e junto ao Eixo Monumental e faz parte do Complexo Cultural da República (ou Conjunto Cultural da República), localizado na Esplanada dos Ministérios.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Nacional de Brasília (BNB) foi concebida no plano original de Brasília, assinado por Lúcio Costa no final dos anos 50 do século passado, quando o urbanista projetou a capital federal com Oscar Niemeyer e outros arquitetos. As primeiras tentativas de sua efetiva criação remontam ao Decreto Nº 927-A, de 27 de abril de 1962[1], assinado pelo Primeiro Ministro Tancredo Neves, junto ao Ministério da Educação e Cultura, que constituía comissão para estudar medidas necessárias à criação, organização e instalação da Biblioteca. O referido decreto afirma, em suas primeiras linhas, a impossibilidade da Capital da República prescindir dos serviços de uma biblioteca de caráter nacional

Em fevereiro de 1988 o Decreto Nº 95.713[2] institui a Comissão do Conjunto Cultural Federal da Capital da República para estudar as medidas necessárias à implementação e funcionamento do Conjunto Cultural que, acredita-se, abrangeria a Biblioteca.

Após longo intervalo, mais de 40 anos após o primeiro decreto, por iniciativa do Governo do Distrito Federal, inicia-se o processo de efetiva construção do Conjunto Cultural e é criada a Comissão Técnica para Elaboração da Estrutura Organizacional da Biblioteca de Brasília. Dos trabalhos dessa Comissão surge uma primeira proposta concreta para a Biblioteca situada no Conjunto Cultural da República, apontando quais seriam os seus princípios, os seus objetivos, as características de seu acervo e, entre outras coisas, a sua missão. O texto dessa primeira proposta aponta fundamentalmente para a vocação de ser uma biblioteca integradora e centro irradiador de concepções e soluções exemplares para toda a nação. Como diz o documento, também deve constituir-se como centro referencial da cultura do país, atender às exigências dos cidadãos contemporâneos, sem deixar de oferecer à comunidade local atividades para o melhor aproveitamento de suas horas de lazer.

O prédio da Biblioteca Nacional de Brasília foi entregue à população no final de 2006, contudo, sem as condições adequadas para o seu funcionamento. O projeto exigiu um processo de planejamento e instalação que culminou com a abertura ao público, em 12 de dezembro de 2008.

No período entre a entrega do prédio da Biblioteca Nacional de Brasília à população (2006) e a sua abertura à frequentação pública (2008), foi criada, por meio do Decreto Nº 27.796[3], de 20 de março de 2007, a Comissão Intergovernamental do Conjunto Cultural da República, que ficou responsável por discutir e apresentar propostas em relação à programação de uso público do Museu Nacional e da Biblioteca Nacional de Brasília.

A implantação da Biblioteca Nacional de Brasília contou com um convênio com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), através do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), em estreita colaboração com o corpo gestor da BNB, apoiada pela Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal (SeCult DF).

Lista de diretores[editar | editar código-fonte]

  • Antonio Lisboa Carvalho Miranda, (2007 a 2011 e de 2015 - 5/2016).[4]
  • Yuri Guimarães Barquette Batista, (4/2012 a 1/2015)[5]
  • Carlos Alberto Ribeiro De Xavier (5/2016 a 12/2018). O Conselho Federal de Biblioteconomia moveu uma Ação Civil Pública, e obteve êxito, contra a nomeação do mesmo com base na Lei federal nº 4.084, de 30 de junho de 1962, que diz que “só pode dirigir uma biblioteca aqueles que tiverem formação em Biblioteconomia”.[6]
  • Marmenha Maria Ribeiro do Rosário, 07/2019[7] a 11 de novembro de 2019.[8]
  • Allan Wanick Motta - nomeação no Diário Oficial do Distrito Federal, nº 227, Página 41, de 29/11/2019. O Conselho Federal de Biblioteconomia cobrou explicação do órgão nomeante visto o que exige à nº 4.084/1962.[9] E em 5 de dezembro de 2019 a nomeação foi anulada pelo governador do Distrito Federal
  • Sharlene Gonçalves de Araújo 5 de dezembro de 2019[10] [11]- 13 de julho de 2020
  • Elisa Raquel Sousa Oliveira 13 de julho de 2020[12]

Moderna Biblioteca Nacional[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Nacional de Brasília desempenha e enfatiza as funções de acesso e atendimento ao público usuário, atendendo à comunidade local por meio de ações que se vinculam ao Sistema de Bibliotecas Públicas do Distrito Federal; atua fundamentalmente como biblioteca pública integradora e centro referencial de cultura, informação e convivência, irradiando concepções e soluções exemplares para toda a nação, inserindo-se, assim, na moderna perspectiva de Biblioteca Nacional[13]

Dessa forma, além de manter a herança cultural da nação, com uma Coleção dirigida a pesquisadores e estudiosos, a biblioteca está voltada para o atendimento a todos os cidadãos.

Acervo[editar | editar código-fonte]

Até o término do ano de 2012, seu acervo era composto e desenvolvido exclusivamente a partir de doações, com destaque para as obras dos acervos particulares do poeta, ensaísta e tradutor Aricy Curvello e da poetisa Marly de Oliveira. Em janeiro de 2013, foi autorizado a liberação de R$ 413 mil para a compra de livros para a BNB, com base em estudos e levantamentos feitos por seus servidores. Obras que compõem a Coleção Popular Geral (COPOG) estão disponíveis para empréstimos. São cerca de 25 mil exemplares que contemplam várias áreas do conhecimento. O catálogo da biblioteca está disponível para consulta on-line[14] A BNB também disponibiliza uma Biblioteca Digital[15], que busca conteúdo em universidades, instituições de tecnologia e repositórios de pesquisa.

Denominação[editar | editar código-fonte]

Pela lei do Nº 3.699, de 10 de novembro de 2005, sancionada pelo então governador Joaquim Roriz concedeu-se a denominação personativa de Biblioteca Nacional Leonel Brizola.

Referências

  1. «Decreto do Conselho de Ministros nº 927-A, de 27 de Abril de 1962». 27 de Abril de 1962. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  2. «Institui a Comissão do conjunto cultural federal da Capital da República, e dá outras providências.». 10 de fevereiro de 1988. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  3. «Cria Comissão Intergovernamental do Conjunto Cultural da República» (PDF). 20 de março de 2007. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  4. Revista Correio Filatélico. edição número 236, ano XXXVIII, abril/junho de 2015. ISSN 0101-3114. página 33.
  5. Biblioteca Nacional de Brasília tem novo diretor. bnb.df.gov.br. Acesso em 25 de janeiro de 2016.
  6. Ação judicial movida pelo CFB contra a nomeação de um Economista para a direção da Biblioteca Nacional de Brasilia tem decisão favorável. CFB. Acesso em 26 de dezembro de 2019
  7. DECRETO DE 08 DE JULHO DE 2019
  8. A ABDF lamenta a exoneração da Marmenha Maria Ribeiro do Rosário, da Diretoria da Biblioteca Nacional de Brasília. abdf.org.br. Acesso em 26 de dezembro de 2019
  9. [http://crb1.org.br/no-df-universitario-e-nomeado-diretor-da-biblioteca-nacional/ No DF, universitário é nomeado diretor da Biblioteca Nacional. Conselho de Biblioteconomia afirma que apenas profissionais formados podem ocupar a função e cobra exoneração. Secretaria fala em “equívoco”]. CRB1. Acesso em 26 de dezembro de 2019
  10. Diário Oficial do Distrito Federal. Ano XLVIII, edição extra nº 85, Brasília - DF, quinta-feira, 5 de dezembro de 2019 (DECRETO DE 5 DE DEZEMBRO DE 2019, Página 1)
  11. Biblioteca faz campanha nas redes sociais para estimular o hábito da leitura. Agência Brasília. Consulta em 10 de abril de 2020
  12. . «Diretora da Biblioteca Nacional é exonerada; nova responsável é nomeada». www.correiobraziliense.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2020 
  13. CAMPELLO, Bernadete (2006). Introdução ao controle bibliográfico 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos 
  14. «Consulta on-line». Consultado em 15 de setembro de 2014 
  15. «Biblioteca Digital». Consultado em 15 de junho de 2014 
  16. [1]. Diário Oficial do Distrito Federal

BIBLIOTECA Nacional de Brasília: pesquisa e inovação. Aurora Cuevas Cerveró, Elmira Simeão (org.). Thesaurus: Brasília, 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.