Memorial JK

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Memorial JK
Tipo Presidencial, Cívico, histórico, memorial e mobiliário.
Inauguração 1981
Geografia
Coordenadas 15° 47' 3.69" S 47° 54' 47.09" O
Cidade Plano Piloto, Brasília
País Brasil
JK em fotografia da família presidencial na revista O Cruzeiro, edição de 4 de fevereiro de 1956.

O Memorial JK é um museu brasileiro localizado na Zona Cívico-Administrativa Eixo Monumental[1], em Brasília, capital do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Campanha de doações[editar | editar código-fonte]

A construção do Memorial surge a partir de uma campanha para arrecadar dinheiro para sua construção, segundo a revista Manchete, em 1979, uma diretoria que tinha Sarah Kubitschek como presidente e Adolpho Bloch vice-presidente, por meio da campanha "Você constrói o Memorial JK", pede contribuições em dinheiro para serem depositadas numa relação de mais de 20 instituições bancárias em nome do Memorial JK para erguer o monumento em Brasília[2].

Projeto[editar | editar código-fonte]

Imagem panorâmica da instituição.

Foi projetado por Oscar Niemeyer, inaugurado em 12 de setembro de 1981 e é dedicado ao ex-presidente brasileiro Juscelino Kubitschek fundador da cidade de Brasília.

A obra foi objeto de duras críticas de setores conservadores, que viam no monumento referência a um dos símbolos do comunismo, ideologia do arquiteto: foice e martelo.[3][4]

Acervos e estrutura[editar | editar código-fonte]

No local, encontram-se o corpo de JK, diversos pertences, como sua biblioteca pessoal, e fotos tanto dele como de sua esposa Sarah. Apresenta obras projetadas por Athos Bulcão em sua área externa, um vitral desenhado pela artista Marianne Peretti sobre a câmara mortuária e uma escultura de 4,5 metros de autoria de Honório Peçanha.

No andar superior há o Auditório Márcia Kubitcheck, filha de Juscelino. A sala é utilizada para apresentações de música, teatro, palestras e corais. Ela é composta por um piano de calda e uma cabine de som e imagem. Imagens do ex-presidente são projetadas num painel ao fundo da sala. Além disso, 310 poltronas espalhadas pelo espaço formam a letra K, inicial do sobrenome Kubitscheck.[5]

Lei brasileira dos acervos presidenciais[editar | editar código-fonte]

No ordenamento jurídico brasileiro a lei federal Nº.8.394, de 30 de dezembro de 1991, a Lei Brasileira dos Acervos Presidenciais é a norma legal que dispõe sobre a preservação, organização e proteção dos acervos documentais privados dos presidentes da República[6], assim como a Lei dos Registros Presidenciais do Estados Unidos[7], determina que os acervos dos ex-presidentes são de utilidade nacional e de disponibilização pública, nos termos legais que competem à Comissão Memória dos Presidentes da República[8].

Referências

  1. «Memorial JK». www.memorialjk.com.br. Consultado em 23 de setembro de 2017. 
  2. Revista Manchete. edição número 1445, de 29 de dezembro de 1979, página 177
  3. Voz Pioneira Revista Veja
  4. Brasília Kubitschek de Oliveira, Ronaldo Costa Couto p.368 Google Books
  5. Memorial JK | Conhecendo Museus | TV Brasil | Educação, consultado em 23 de setembro de 2017. 
  6. LEI No 8.394, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a preservação, organização e proteção dos acervos documentais privados dos presidentes da República e dá outras providências. Palácio do Planalto. Acesso em 22 de março de 2017.
  7. Further Implementation of the Presidential Records Act. Federal Register. Acesso em 22 de março de 2017.
  8. Art. 5º. do decreto Nº 4.344, de 26 de agosto de 2002. Palácio do Planalto. Acesso em 22 de março de 2017.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.