Teatro Nacional Cláudio Santoro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Teatro Nacional Cláudio Santoro
Teatro Nacional
Estilo dominante Arquitetura modernista brasileira
Arquiteto Oscar Niemeyer
Engenheiro Joaquim Cardozo
Início da construção 30 de julho de 1960
Geografia
País  Brasil
Cidade Distrito Federal (Brasil) Brasília

O Teatro Nacional Cláudio Santoro é um teatro brasileiro de Brasília, capital do Brasil. Foi concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com projeto estrutural do engenheiro Joaquim Cardozo.[1][2][3][4]

A construção teve início no dia 30 de julho de 1960, e a estrutura ficou pronta em 30 de janeiro de 1961, mas por cinco anos a obra ficou parada. A Sala Martins Pena ficou pronta em 1966 e, após dez anos de atividade, foi fechada para reforma e finalização do teatro que ocorreu em 21 de abril de 1981.

Localiza-se na Via N2, Setor Cultural Norte, Asa Norte. Possui estrutura com forma de pirâmide irregular. No seu interior, destacam-se as salas Martins Pena, Villa-Lobos e Alberto Nepomuceno, onde de realizam, ao longo de todo o ano, numerosos atos e representações culturais.

O Teatro encontra-se em reforma há mais de quatro anos e permanece fechado ao público.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Sala Capacidade
Alberto Nepomuceno 60 Pessoas
Martins Pena 407 Pessoas
Villa-Lobos 1.407 Pessoas

Reforma, fechamento ao público e outros problemas[editar | editar código-fonte]

Desde janeiro de 2014, o Teatro Nacional iniciou uma longa reforma, ainda não concluída por limitações orçamentárias e por inexistência de priorização governamental quanto ao assunto[5][6].

Além disso, em razão da baixa movimentação de pessoas nas imediações externas do Teatro e da ausência de segurança e de fiscalização, a parte externa passou a constituir um ponto frequente para uso de drogas.

Guilherme Reis, o atual Secretário de Cultura do Distrito Federal, afirmou em matéria jornalística que "não há previsão de reabertura do espaço"[7].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Teatro Nacional Cláudio Santoro». Governo do Distrito Federal. Consultado em 16 de janeiro de 2019 
  2. Maria do Carmo Pontes Lyra, Maria Valéria Baltar de Abreu Vasconcelos (2008). «Cardozo: bibliografia de Joaquim Cardozo - Vida e Obra». Editora Universitária UFPE. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  3. «Niemeyer e Joaquim Cardozo: uma parceria mágica entre arquiteto e engenheiro». EBC. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  4. «Brasília 50 anos» (PDF). VEJA. Consultado em 19 de janeiro de 2014 
  5. «Movimentos culturais de Brasília defendem reforma do Teatro Nacional». Agência Brasil. Consultado em 9 de maio de 2016 
  6. «Fechado para reforma, Teatro Nacional de Brasília está há um ano sem obras». Correio Braziliense. Consultado em 9 de maio de 2016 
  7. «Abandonado, Teatro Nacional de Brasília vira espaço de consumo de drogas - Notícias - R7 Distrito Federal». noticias.r7.com. Consultado em 9 de maio de 2016 
Ícone de esboço Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.