Joseph Bruce Ismay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bruce Ismay)
Joseph Bruce Ismay
Nascimento 12 de dezembro de 1862
Crosby, Lancashire, Reino Unido
Morte 15 de outubro de 1937 (74 anos)
Londres, Inglaterra, Reino Unido
Progenitores Mãe: Margaret Bruce
Pai: Thomas Henry Ismay
Cônjuge Julia Schieffelin (1888–1937)
Filho(a)(s) Margaret Bruce Ismay
Henry Bruce Ismay
Thomas Bruce Ismay
Evelyn Constance Ismay
George Bruce Ismay
Ocupação empresário

Joseph Bruce Ismay (Crosby, 12 de dezembro de 1862Londres, 15 de outubro de 1937) foi um empresário britânico, presidente da companhia de navios White Star Line.

Filho de seu fundador Thomas Henry Ismay, Bruce Ismay viajou o mundo quando jovem, antes de começar a trabalhar na companhia de seu pai, a herdando em 1899. Em 1912, seu nome ganhou projeção internacional por ser o funcionário de mais alta patente da White Star a ter sobrevivido ao naufrágio do RMS Titanic, o que lhe rendeu severas críticas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Joseph nasceu em Crosby, no noroeste da Inglaterra, em 1862. Era filho de Thomas Henry Ismay (1837 - 1899) e Margaret Bruce (1837 – 1907), filha de Luke Bruce, dono de vários navios. Thomas Ismay era sócio majoritário na empresa Ismay, Imrie and Company e fundador da White Star Line, que originalmente se chamava Oceanic Steam Navigation Company quando foi comprada por Ismay.[1]

Joseph cursou o ensino básico na Inglaterra, mas passou um ano estudando na França.[2] Foi aprendiz no escritório do pai por quatro anos e depois desse período resolveu viajar o mundo. Esteve em Nova Iorque como representante da White Star, eventualmente chegando ao cargo de agente da companhia. Joseph foi um dos membros do clube de futebol Liverpool Ramblers, em 1882.[3]

Em 4 de dezembro de 1888, Joseph casou-se com Julia Florence Schieffelin (1867 – 1963), filha de George Richard Schieffelin e Julia Matilda Delaplaine, de Nova Iorque, com quem teve cinco filhos.[4]

Em 1891, Joseph retornou com sua família para o Reino Unido, onde ele se tornou sócio na empresa do pai, a Ismay, Imrie and Company. Em 23 de novembro de 1899, Thomas Ismay faleceu[5] e Joseph se torna o chefe dos negócios da família, algo em que era muito bom e a White Star cresceu substancialmente com sua liderança. Além de comandar sua linha de navios, ele também tinha várias outras empresas. Em 1901, ele entrou em contato com os americanos na esperança de criar uma conglomerado internacional de navios.[1]

Trêes anos depois, a White Star foi vendida para a JP Morgan & Co., que formou a International Mercantile Marine Company, que controlava várias empresas subsidiárias do ramo naval. Em fevereiro de 1904, Ismay se tornou o presidente da IMM com o apoio de JP Morgan. A principal concorrente da White Star era a Cunard Line, que acabara de lançar dois navios, o RMS Lusitania e o RMS Mauretania, considerados duas maravilhas modernas na época e que já eram uma resposta da empresa ao SS Kaiser Wilhelm der Grosse e ao SS Deutschland ambos da Norddeutscher Lloyd e da Hamburg America Line, companhias navais alemãs..[6]

Joseph já tinha construído quatro navios que superaram a construção do RMS Oceanic, de 1899: RMS Celtic, RMS Cedric, RMS Baltic e o RMS Adriatic, todos muito luxuosos, mas não tão rápidos. Para superar a concorrente, ele então mandou construir três navios igualmente luxuosos: RMS Olympic, o RMS Titanic e o RMS Britannic. Joseph ​Ismay supervisionou a construção das embarcações e esteve presente na viagem inaugural do RMS Olympic, em junho de 1911.[7]

RMS Titanic[editar | editar código-fonte]

Ilustração do naufrágio do Titanic

Ismay queria atrair a classe alta e a aristocracia europeia em seus navios luxuosos, com grande capacidade de carga. Porém, em um ato controverso durante a construção dos primeiros navios da linha Olympic, ele autorizou a redução no número de bote salva-vidas de 48 para 16, o mínimo requisitado pela Junta Comercial.[6][8]

Como aconteceu com o RMS Olympic, ele também estava na viagem inaugural do Titanic. Durante a viagem, ele teria conversado com o capitão Edward Smith ou com o engenheiro chefe Joseph Bell, talvez até mesmo com os dois, sobre a possibilidade de se realizar um teste de velocidade que fizesse o navio chegar um dia antes em Nova Iorque.[6][9]

Na noite de 14 de abril de 1912, o Titanic colidiu com um iceberg a 643km ao sul dos Grandes Bancos. Logo ficou bastante claro que o navio afundaria antes que qualquer navio de resgate chegasse e que não havia botes salva-vidas para todos os passageiros à bordo. Enquanto a operação de resgate continuava, Joseph Ismay subiu o bote desmontável C, que foi lançado cerca de 20 minutos antes do navio afundar. Ele depois testemunhou que, nos momentos finais do Titanic, ele virou as costas, incapaz de olhar o fracasso de sua empreitada. O bote C foi resgatado pelo RMS Carpathia quatro horas depois.[6][10]

Depois de ser resgatado pelo Carpathia, Ismay foi elvado até a cabine do médico da embarcação, Frank Mcgee. Do Carpathia, ele enviou um telegrama até o escritório da White Star, em Nova Iorque, avisando sobre o naufrágio do Titanic. Ele permaneceu na cabine do médico até chegar a Nova Iorque, sem comer nada e mantido sedado.[9]

Quando chegou a Nova Iorque, ele foi recebido por Philip Franklin, vice-presidente da White Star. Logo após o naufrágio, Ismay começou a receber convocações para depôr diante de uma comissão do Senado, presidida pelo senador republicano William Alden Smith. Ele também deporia na comissão britânica sobre o naufrágio, presidida por John Bigham, 1.º Visconde Mersey, algumas semanas depois.[9]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Ismay depondo no inquérito do Senado[12]

Após o naufrágio, Ismay foi severamente criticado pelas imprensas britânica e norte-americana, que o chamavam de covarde por ter abandonado o navio com tantas pessoas ainda à bordo, enquanto enalteciam a figura do capitão Edward Smith, que permaneceu no Titanic e morreu no naufrágio.[13] Para alguns, porém, Ismay teria seguido o princípio marítimo de "mulheres e crianças primeiro", ao ter ajudado muitas delas a embarcar nos botes e alguns membros da audiência britânica chegaram a defendê-lo na época dizendo que não havia mais ninguém para embarcar e o bote poderia levar mais uma pessoa.[14]

Ismay estava ao lado do passageiro da primeira classe William Carter e ambos disseram que não havia mais mulheres e crianças ao redor para embarcar naquele bote específico. A credibilidade de Carter, porém, foi contestada por sua esposa, Lucile Carter, que pediria o divórcio em 1914 e testemunhou no inquérito oficial que Carter abandonou a família depois do naufrágio sem condições de se sustentar e que ele era um homem bruto e indigno.[15]

Ismay renunciou ao seu cargo de presidente da International Mercantile Marine e da White Star, sendo sucedido por Harold Sanderson. Durante o inquérito do Senado norte-americano, ele disse que, a partir daquela data, todos os navios da IMM seriam equipados com botes salva-vidas suficientes para todos os passageiros. Com o fim do inquérito, Ismay e os tripulantes sobreviventes do Titanic retornaram à Inglaterra à bordo do RMS Adriatic.[13]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Durante as investigações do naufrágio, alguns passageiros testemunharam que, durante a viagem, ouviram o Sr. Ismay pressionando o capitão Smith para aumentar a velocidade do Titanic para chegar um dia antes em Nova York e gerar propaganda sobre o navio. Porém, pesquisas feitas por historiadores como Paul Louden-Brown indicam que é improvável que ele tenha feito tal pedido e que os registros de Ismay não corroboram tal informação. Além disso, Ismay foi transformado em vilão do naufrágio nos Estados Unidos e hostilizado pela imprensa controlada por William Randolph Hearst, que não gostava de Ismay.[16][17]

Todos os filmes e séries subsequentes acabaram por colocar Ismay no papel do vilão. Do filme nazista Titanic,d e 1943 até o ganhador do Oscar de 1997, Titanic, de James Cameron e a minissérie de 2012, todos o colocam como um aristocrata racista e preconceituoso que teria condenado alguns tripulantes não ingleses à morte nos níveis inferiores do navio. Paul Louden-Brown tentou desafiar essa concepção de Ismay ao auxiliar Cameron no filme de 1997, mas o diretor disse que era algo que o público esperava ver.[16]

O inquérito britânico sobre o naufrágio do Titanic, presidido por Lorde Bigham, em 1912, declarou que Ismay deve ter ajudado vários passageiros antes de sentar no bote salva-vidas.[16]

Pós Titanic[editar | editar código-fonte]

Ismay foi considerado inocente pela autoridade naval britânica, mas o desastre arruinou sua vida. Após o naufrágio ele ficou cada vez mais retraído e inseguro, jogando-o em um estado de depressão profunda da qual ele nunca se recuperou.[6] Ismay manteve-se discreto após o naufrágio. Ele passava parte do ano em uma confortável residência de campo em Connemara, na Irlanda. Segundo Paul Louden-Brown Ismay continuou ativo nos negócios navais e continuou trabalhando na seguradora fundada por seu pai, a Liverpool & London Steamship Protection & Indemnity Association Limited.[16][18]

Seu interesse pelos negócios marítimos continuou após o naufrágio. Ele abriu uma escola de cadetes navais, chamda Mersey, para treinar oficiais da Marinha Mercante, doando £11.000 para um fundo voltado a marinheiros mortos ou desaparecidos e em 1919 ele doou £25.000 para um fundo que reocnhecia atuação dos oficiais da Marinha Mercante durante a Primeira Guerra Mundial.[19]

Depois do naufrágio, sua esposa, Florence, fez de tudo para o assunto nunca mais fosse discutido em família. Sua neta, a historiadora e escritora Pauline Matarasso, disse que seu avô parecia um cadáver perto do fim da vida.[11]

Ismay se tornou um homem solitário, passando os verões em sua casa em Connemara, pescando. Em Londres, ele ia sozinho a concertos no St George's Hall ou ia ao cinema, às vezes passeando por horas, sozinho, pelas ruas da cidade. Segundo amigos da família, a sombra do Titanic atormentava cada pensamento de Ismay, que repassava o naufrágio, pensando em como ele poderia ter sido evitado. No Natal de 1936, menos de um ano antes de sua morte, um de seus netos soube que ele esteve envolvido em negócios marítimos e perguntou se ele, alguma vez, esteve em um naufrágio. Ele teria respondido que uma vez ele esteve à bordo de um navio que era inafundável.[11][20]

Morte[editar | editar código-fonte]

Túmulo da família Ismay, no Cemitério Putney Vale, Londres (2014)

A saúde de Ismay declinou muito nos anos 1930 devido à diabetes, que piorou muito em 1936, quando a doença levou à amputação de sua perna direita abaixo do joelho. Confinado à uma cadeira de rodas, ele tinha dificuldades de locomoção. Na manhã de 14 de outubro de 1937, Ismay caiu da cama em sua casa em Londres, após sofrer um AVC que o deixou inconciente, cedo e mudo.[21]

Ismay morreu três dias depois, em 17 de outubro de 1937, aos 74 anos.[21] O funeral foi na Catedral de St Paul's, em Knightsbridge, em 21 de outubro e ele foi sepultado no Cemitério Putney Vale, em Londres.[22]

Sua família herdou uma fortuna considerável de £693.305 (£41.520.000 em 2019). Após sua morte, sua esposa Florence renunciou à sua cidadania britânica para recuperar sua cidadania norte-americana, em 14 de novembro de 1949. Julia Florence Ismay faleceu em 31 de dezembro de 1963, aos 96 anos, em Kensington.[23]

Representações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Histoire de la White Star Line». Le Site du Titanic. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  2. Wilson, Frances (2011). Bloomsbury Publishing, ed. How to Survive the Titanic or the Sinking of J. Bruce Ismay. [S.l.: s.n.] pp. 72–73. ISBN 978-1-4088-2111-4 
  3. «An Introduction». liverpoolramblersafc.com. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  4. «Married in early December». The New York Times. Encyclopedia Titanica. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  5. «Thomas Henry Ismay dead». The New York Times. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  6. a b c d e Fabio Previdelli (ed.). «Ameaças e depressão: a vida infernal de Bruce Ismay, o dono do Titanic, após o naufrágio». Aventuras na História. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  7. Chirnside, Mark (2004). The Olympic-Class Ships. Stroud, Inglaterra: Tempus Publishing. ISBN 978-0-7524-2868-0 
  8. «Les canots de sauvetage». Le Site du Titanic. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  9. a b c Piouffre, Gérard (2009). Le Titanic ne répond plus. [S.l.]: Larousse. ISBN 978-2-263-02799-4 
  10. «Composition du Radeau Pliable C». Le Site du Titanic. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  11. a b c d Wilson, Frances (2012). How to Survive the Titanic or the Sinking of J. Bruce Ismay. [S.l.: s.n.] ISBN 9781408828151 
  12. «Ismay's Lifeboat Orders, Made No Distinction Between Men and Women, Says, Behr (and) In the Boat With Ismay, W.E. Carter Says They Got in When No Women Were There». The New York Times. 20 de abril de 1912. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  13. a b Lord, Walter (1986). The Night Lives On. Nova York: William Morrow and Company. pp. 211–12. ISBN 978-0-688-04939-3 
  14. «Titanic: A investigação sobre o naugrágio foi suficiente?». Canal História. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  15. Linda Stewart, ed. (5 de abril de 2011). «Did Joseph Bruce Ismay dress as a woman to flee Titanic?». Belfast Telegraph. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  16. a b c d Rosie Waites, ed. (5 de abril de 2012). «Five Titanic myths spread by films». BBC News. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  17. a b Paul Louden-Brown (ed.). «Ismay and the Titanic». Titanic Historical Society. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  18. «Biografia revela vida conturbada do dono do Titanic após acidente». G1. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  19. «Titanic 15 April 1912». Titanic Town. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  20. Wilson, Andrew (2012). Shadow of the Titanic: the extraordinary stories of those who survived. [S.l.]: Atria Books. ISBN 978-1451671568 
  21. a b «J. Bruce Ismay, 74, Titanic Survivor. Ex-Head of White Star Line Who Retired After Sea Tragedy Dies in London». The New York Times. 19 de outubro de 1937. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  22. Kerrigan, Michael (1998). Who Lies Where – A guide to famous graves. Londres: Fourth Estate Limited. p. 285. ISBN 978-1-85702-258-2 
  23. «Julia Florence Ismay». Find a Grave. Consultado em 1 de outubro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gardiner, Robin (2002). History of the White Star Line. [S.l.]: Ian Allan Publishing. ISBN 978-0-7110-2809-8 
  • Oldham, Wilton J. (1961). «The Ismay Line: The White Star Line, and the Ismay family story». Liverpool. The Journal of Commerce 
  • Wilson, Frances (2012). How to Survive the Titanic, or the Sinking of J. Bruce Ismay. [S.l.]: Harper Perennial. ISBN 978-0062094551 
  • Biografia How To Survive the Titanic: The Sinking of J.Bruce Ismay, escrita por Frances Wilson.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]