EF-491

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ferrovia do Trigo (RFFSA)
Info/Ferrovia
Viaduto Mula Preta, em Dois Lajeados
Informações principais
EF EF-491[1]
Sigla ou acrônimo Ferrovia do Trigo
Área de operação Rio Grande do Sul
Tempo de operação 1978–Presente
Operadora Rumo Logística
Interconexão Ferroviária Tronco Principal Sul
Ferrovia Marcelino Ramos-Santa Maria
Extensão 152 km (94,4 mi)
Especificações da ferrovia
Bitola bitola métrica
1 000 mm (3,28 ft)

A EF-491 é uma ferrovia de ligação, conhecida como Ferrovia do Trigo, nome adquirido nos tempos de sua construção na década de 1970. Está localizada no estado do Rio Grande do Sul, Brasil.[2]

A ferrovia interliga o Tronco Principal Sul (EF-116) em Roca Sales com a Ferrovia Marcelino Ramos-Santa Maria em Passo Fundo. O trecho inicial passa pelo Vale do Rio Taquari, passando pelos municípios de Roca Sales e Muçum. A partir de Muçum inicia a subida em direção a Guaporé, pelas encostas ao longo do Rio Guaporé, passando por Vespasiano Corrêa e Dois Lajeados. Este trecho é repleto de túneis e viadutos, sendo o maior deles o Viaduto do Exército (também conhecido como Viaduto 13). De Guaporé a Passo Fundo, o relevo é mais suave, passando ao longo da linha divisória de águas das bacias do Rio Guaporé e do Rio Carreiro e pelo Planalto rio-grandense, nos municípios de Serafina Corrêa, Casca, Santo Antônio do Palma, Gentil, Marau e Mato Castelhano.

Lista de pátios da EF-491, trecho Roca Sales-Passo Fundo [3]:

Pátio Código/Prefixo Km
Roca Sales NRO 0,000
Muçum NMU 14,436
Dois Lajeados NDL 41,603
Guaporé NGP 60,677
Serafina Corrêa NSF 79,398
Casca NKC 98,292
Major Marques NMM 123,292
Eng. Enzo Pinto NEZ 142,194
Passo Fundo NPF 156,414

Esta ferrovia está atualmente sob concessão da Rumo Logística, como parte da Malha Sul.

História[editar | editar código-fonte]

A Ferrovia do Trigo foi inaugurada em 7 de dezembro de 1978 pelo presidente Ernesto Geisel, e tinha uma linha regular de trem de passageiros entre Passo Fundo e Porto Alegre. A viagem era uma atração turística, pois o trem furava montanhas e saltava vales e canhadas da estrada de ferro, que possui 26 pontes e viadutos e 34 túneis. Desses, 21 estão entre Guaporé e Muçum – sendo que, neste trecho, está o Número 13, também conhecido como Viaduto do Exército. Com 509 metros de comprimento e 143 metros de altura, sendo o maior viaduto ferroviário da América Latina, e um dos mais altos do mundo.

Inicialmente sua construção foi orientada pelo Departamento Nacional de Estradas de Ferro (DNEF) e pela Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS). A partir de 1971, após período de obras paralisadas, o comando das obras passou para o Exército Brasileiro, através do 1º Batalhão Ferroviário de Lages, em parceria com o Ministério dos Transportes, através da Rede Ferroviária Federal (RFFSA), juntamente com empreiteiras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://vfco.brazilia.jor.br/Legislacao-Ferrovias/1973-ferrovias-incluidas.shtml
  2. SECCHI, Cristiane. 2008. Univates. «Ferrovia do Trigo: Uma história sobre trilhos.» (PDF) 
  3. ANTT. Declaração de Rede 2015. América Latina Logística Malha Sul.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.