Estádio Evandro Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde março de 2014)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Baenão
Estádio Evandro Almeida
Nomes
Nome Estádio Evandro Almeida
Antigos nomes Campo de Esportes do Clube do Remo
Estádio da Tv. Antônio Baena
Características
Local Travessa Antônio Baena, 444, Belém, Pará Pará
Gramado Grama natural (105 x 68 m)
Capacidade 17.250 espectadores
Construção
Data 1917
Inauguração
Data 15 de agosto de 1917
Partida inaugural Reserva Naval x Seleção da Liga Paraense de Foot-Ball
Recordes
Público recorde 33.487 pessoas
Data recorde 7 de setembro de 1976 (Brasileirão de 1976)
Partida com mais público Remo 5 x 2 Paysandu
Outras informações
Proprietário Remo
Administrador Remo
Mandante Remo

O estádio Evandro Almeida é um estádio de futebol brasileiro, de propriedade do Clube do Remo. Popularmente conhecido por Baenão, devido a sua localização na Travessa Antônio Baena em Belém do Pará.

História[editar | editar código-fonte]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de agosto de 1917, data que marcou o aniversário de seis anos de reorganização, o Clube do Remo inaugurou o seu campo de futebol. Segundo a notícia do jornal A Folha do Norte, edição de 13 de agosto de 1917, o campo azulino media 110 m de comprimento por 70 m de largura. O estádio comportava 2 500 pessoas distribuídas por uma arquibancada, dividida em suas linhas de extensão por um pavilhão superior que se destinava às famílias dos sócios e a parte inferior aos sócios[1].

Após uma vasta programação que foi iniciada com uma salva de 21 tiros pela manhã, foi disputada a partida inaugural da praça esportiva entre os times da Reserva Naval e da seleção da Liga Paraense de Foot-Ball. Os jornais não divulgaram o placar da partida, informando apenas as escalações e o árbitro, Hugo Leão. As equipes eram assim formadas[2]:

  • Reserva Naval
Francelísio, Armindo e Lulu; Bordalo, Tobias e Onias; Ludgards, Cícero, Chermont, Mini Sodré e Dudu Silva.
  • Seleção da Liga Paraense de Foot-Ball
João Moraes (Paysandu), Neves (União Esportiva) e Mamede (Brasil Sport); Clodoaldo (União Esportiva), Flávio (Brasil Sport) e Joaquim (Paysandu); Enéas (Nacional), Astrogildo (Paysandu), Aranha (Brasil Sport), João (Brasil Sport) e Arthur Moraes (Paysandu).

Primeiro jogo do Clube do Remo[editar | editar código-fonte]

Pará Campeonato Paraense de 1917

2 de setembro de 1917 Remo 3 – 1 Panther Campo de esportes do Clube do Remo, Belém Pará

Dudu Gol marcado
Chermont Gol marcado
Djalma Gol marcado
[3] Rocha Gol marcado Público: 4 000 (estimado)

Remo: Francelísio; Armindo e Lulu; Infante, Bordalo e Carlito; Lugards, Djalma, Chermont, Cícero e Formiguinha.
Panther: Santos; Wandick e Crispim; Kepler, Onias e Carolino; Enéas, Pau, Elderico, Babá e Rocha.

Primeira reforma[editar | editar código-fonte]

Em 1935 o Remo reestruturou o seu estádio com arquibancadas maiores. Para comemorar a reinauguração do estádio, o Remo convidou o Paysandu para um jogo amistoso no dia 26 de maio de 1935, vencendo pelo placar de 5 a 4.

Inauguração dos refletores[editar | editar código-fonte]

No dia em que completava seus 29 anos de reorganização, o Remo inaugurou os refletores de seu campo de futebol. Assim foi saudado pelo jornal Folha do Norte:

"A bela praça de esportes à luz de refletores apresenta aspecto deslumbrante, tal é a superioridade de distribuição de feixes luminosos que se cortam no eixo do campo a 15 metros de altura. O campo está dotado de 32 refletores A. L. 51, com quinze polegadas de diâmetro distribuídos por grupos de 4 em 8 torres de 17 metros de altura, cada uma, sendo 4 de cada lado.

Cada refletor abriga uma lâmpada de 1.500 watts. A rede de alimentação dos refletores é aérea e a voltagem fornecida por um transformador de 50 K.V."

O transformador recebia da Pará Elétrica a corrente em alta tensão (2.000 volts), transformando-a para 220 volts, que era a voltagem recebida pela rede. A entrada da alta tensão era guarnecida com pára-raios Pellet e a rede de iluminação comandada por uma chave tripolar Trumbel, com fuzíveis de 250 amperes.

Reformas recentes[editar | editar código-fonte]

As obras mais recentes no estádio datam de 1962 quando o estádio ganhou vestiários com túneis para duas equipes e árbitros, novas arquibancadas, gramado reforçado e novo alambrado mais reforçado. A inauguração do novo Baenão aconteceu diante da equipe do Ceará, 1 a 1 foi o resultado final.

Em 2000, o estádio passou a ter 394 cadeiras vip com 25 tribunas.

O jogo Remo 2 a 2 São Raimundo, válido pelas semifinais do Primeiro Turno do Campeonato Paraense de Futebol de 2010, realizado no dia 7 de março de 2010, marcou a inauguração do placar eletrônico do Baenão, que mede 3 metros de altura por 10 metros de largura.

Atualmente o estádio tem capacidade para 12 260 torcedores.[4]

Amistosos marcantes[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Pará 4 x 9 São Paulo Santos de Pelé.

1965 - Amistoso.
(Pelé marcou 5 gols)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Santos de Pelé
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Brasil 1 x 1 Portugal Benfica de Eusébio.

1968 - Amistoso.
(Elenco base da Seleção Portuguesa, 3ª Colocada na Copa de 1966)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Benfica de Eusébio
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Brasil 2 x 0 Colômbia Millonarios.

1987 - Amistoso.
(Confronto contra o Campeão Colombiando de 1987)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Millonarios
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Brasil 4 x 1 Portugal Boavista F. C.

12 de junho de 1994. Amistoso.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Boavista
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Brasil 0 x 1 Uruguai C. A. Peñarol

16 de junho de 1996 - Copa da Paz (ONU) - Estádio Baenão
"O Jogo Dos Tetras".
(Tetra-Campeão Paraense x Tetra-Campeão Uruguaio)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Peñarol

Seleção Olímpica[editar | editar código-fonte]

O Baenão já recebeu três jogos entre a Seleção Brasileira Olímpica contra o Clube do Remo, com uma vitória para cada lado e um empate.

  • Seleção Olímpica
3 jogos (1V - 1E - 1D)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Clube do Remo

Clube do Remo Pará 0 X 1 Brasil Seleção Brasileira

Amistoso. 09 de agosto de 1972.

Clube do Remo Pará 1 X 0 Brasil Seleção Brasileira

Amistoso. 09 de março de 1973.

Clube do Remo Pará 0 X 0 Brasil Seleção Brasileira

Amistoso. 11 de março de 1973.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Seleção Brasileira

Maiores públicos[editar | editar código-fonte]

  1. Remo 5-2 Paysandu (7 de setembro de 1976, Série A 1976): 33 487.
  2. Remo 2-0 Operário-MS (12 de fevereiro de 1978, Série A 1977): 29 934.
  3. Remo 1-0 Ponte Preta-SP (18 de dezembro de 1977, Série A 1977): 27 846.

De acordo com o livro Leão Azul Centenário, do jornalista Ferreira da Costa, na partida Remo 0 a 0 Paysandu, em 19 de maio de 1974, o Baenão recebeu um público estimado em 35 mil pessoas.

Referências

  1. COSTA, Ferreira da. A Enciclopédia do Futebol Paraense, 2007. Página 127.
  2. «Inauguração do campo do Clube do Remo» 
  3. COSTA. Ferreira da. Parazão Centenário – A História do Campeonato Paraense de Futebol, 2012. Página 25.
  4. Clube do Remo - Estádio Evandro Almeida

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.